UESPI

Brasao_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Governo-do-Piauí-2023_300X129

Curso de identificação e tratamento avançado de disfunções pélvicas na infância

Por Clara Monte 

Inicia nesta quinta-feira(25) até o sábado(26), o curso de identificação e tratamento avançado de disfunções pélvicas na infância, no Auditório da Sede do Coren-PI, das 8h às 16h. A iniciativa tem como parceiros: as Ligas acadêmicas de Estomaterapia da UESPI e UFPI, Conselho Regional de Enfermagem do Piauí – Coren/PI,  e a SOBEST – Associação Brasileira de Estomaterapia.

O curso, ministrado pelas idealizadoras do projeto, Enf. Marta Lira e Enf. Drielle Arruda, foram convidadas pela Professora  da UESPI, Sandra Marina, para formalizar parceria com a Universidade Estadual do Piauí, com o objetivo de capacitar enfermeiros para identificar, gerenciar e tratar as disfunções urinárias e intestinais em crianças e adolescentes.

“Sabemos que muitas crianças ainda têm a real necessidade de serem acompanhadas quanto às suas necessidades fisiológicas. Por conta disso, muitos pais não deixam seus filhos passarem noites nas casas de amigos, gerando desconforto com a situação. Pensando nisso, convidei as especialistas para orientar nossos estudantes a identificar e tratar disfunções urinárias e intestinais. Nosso objetivo é sempre qualificar nosso alunato, para, como consequência, formarmos bons profissionais para a melhoria da vida dos pacientes”.

A Enf. Drielle Arruda destaca que, nesta quinta-feira, serão conduzidas aulas de capacitação em parceria com o COREN-PI focadas nos enfermeiros da atenção primária. O intuito é estimular os profissionais sobre questões que impactam profundamente a vida social de crianças e adolescentes.

“Já na sexta-feira, iniciamos atendimentos à comunidade, buscando avaliar e tratar essas disfunções, proporcionando uma experiência prática enriquecedora aos alunos do curso de estomaterapia da UESPI. Encerrando com chave de ouro, no sábado, as alunas participarão de uma atividade voltada ao planejamento da assistência e ao empreendedorismo na enfermagem. Juntos, estamos transformando vidas e construindo um futuro melhor para a sociedade e para a enfermagem”, finaliza a idealizadora.

 

UESPI fortalece parceria com a Polícia Militar para a promoção da saúde e bem-estar das forças de segurança

Por Vitor Gaspar

Em reunião na Vice-Reitoria da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), representantes da Polícia Militar do Estado do Piauí discutiram parcerias voltadas para a promoção da saúde e qualidade de vida das forças de segurança do Estado. O encontro contou com a participação da coordenação do Centro de Assistência Integral à Saúde (CAIS), que recentemente assumiu o papel de centro de referência para todas as forças de segurança estaduais.

Representando a Universidade, o Vice-Reitor, Prof. Dr. Jesus Abreu, recebeu a presença da Tenente Coronel Aparecida, da Cabo Monielem, e do professor Vinícius Oliveira, supervisor da Residência Multiprofissional da UESPI. Todos estiveram envolvidos na consolidação de parcerias entre a instituição e a Polícia Militar, que visa fortalecer a assistência integral à saúde dos policiais, proporcionando suporte psicológico e físico, além de atuar preventivamente na promoção da saúde.

O Dr. Jesus destacou a importância da atuação de todos os envolvidos na saúde preventiva proporcionando suporte tanto psicológico quanto físico aos membros da PM. “Acreditamos que essa iniciativa será bem-sucedida, contribuindo significativamente para o bem-estar dos integrantes da Polícia Militar. A reunião foi extremamente produtiva e todos estamos muito satisfeitos com os resultados alcançados”.

O professor Vinícius Oliveira explicou que UESPI vai contribuir trazendo profissionais, residências multiprofissionais, residências médicas e alunos da graduação para complementar as equipes do CAIS. Segundo ele, essa colaboração é crucial para enfrentar desafios relacionados ao estresse associado às atividades de segurança, uma questão amplamente reconhecida pela sociedade.

“A intenção é aproveitar a expertise e conhecimento dos nossos professores da graduação e da pós-graduação para contribuir efetivamente, visando melhorar indicadores e atuar em uma área tão sensível”.

Representando a UESPI, Prof. Vinicius (a esquerda) e o Dr. Jesus (a direita)

O desafio diário enfrentado pelas forças de segurança implica não apenas a defesa da sociedade, mas também a exposição a situações extremas que podem impactar significativamente a saúde física e mental desses profissionais. Para falar sobre isso, a psicóloga do CAIS, Cabo Monielem destaca que a equipe da UESPI vai somar na ajuda ao fortalecimento da qualidade de vida das forças de segurança. “Estamos confiantes de que essa parceria será fundamental para o aprimoramento dos serviços oferecidos pelo CAIS e para o bem-estar geral de nossa equipe”.

Parcerias sendo traçadas durante o encontro

Foi definido durante o encontro que a importância desses cuidados vai além da esfera individual, estendendo-se ao âmbito coletivo da sociedade. Profissionais de segurança física e mentalmente saudáveis estão mais aptos a desempenhar suas funções de maneira eficaz, assegurando a proteção da comunidade de forma mais equilibrada e resiliente.

A Tenente Coronel Aparecida, chefe do CAIS afirmou que a reunião foi de extrema importância, dado que a UESPI é uma parceira fundamental da Polícia Militar. De acordo com ela, essa colaboração abre novos caminhos e traz mais profissionais qualificados na área de saúde para auxiliar nos esforços de assistência ao policial.

“Com esse propósito, celebramos essa parceria com a UESPI, onde profissionais capacitados são formados. Estamos entusiasmados com os horizontes que essa parceria pode abrir e com os benefícios que vai trazer ao nosso compromisso com a saúde e bem-estar dos nossos policiais”.

Forças de segurança da PM-PI

Inscrições abertas para o Mestrado Profissional em Saúde da Família

Por Clara Monte

A Coordenação Acadêmica Nacional anuncia a abertura oficial das inscrições para a Seleção Nacional de Acesso ao Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE/MPSF), promovido em parceria com a Universidade Estadual do Piauí (UESPI). O período de inscrições estende-se até o dia 19 de fevereiro de 2024, e a UESPI disponibiliza 8 vagas para este programa em Rede Nacional.

Os interessados devem acessar o sistema por meio do site da NUCEPE, realizar o cadastro e anexar todos os documentos exigidos no edital, apresentando-os em formato PDF. A documentação comprobatória dos itens pontuados no Roteiro para a Análise de Currículo deve ser enviada conforme a ordem indicada no edital.

De acordo com o Coordenador Institucional do Programa na UESPI, Professor Vinícios Alexandre da Silva Oliveira, o curso é gratuito, oferecido na modalidade híbrida e possui uma duração mínima de 18 meses e máxima de 24 meses. A carga horária total é de 975 horas, abrangendo 9 encontros síncronos (presenciais) e atividades desenvolvidas à distância no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Ele ressalta a importância do programa, destacando que, um QR code foi implementado para facilitar o acesso ao site de inscrições.

“Esse programa tem uma importância altíssima na capacitação dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente. Fazer estratégias de saúde da família não é fácil e envolve conhecimentos específicos, os quais este mestrado tem o poder de ensinar aos profissionais para que se qualifiquem nessa perspectiva. A UESPI assume a responsabilidade de contribuir para este projeto, compartilhando conhecimento, ações e estratégias de trabalho em nosso estado.”

Confira todas as informações no Edital do PROFSAÚDE

UESPI Picos: Inscrições abertas para novos participantes na Liga Acadêmica de Saúde da Mulher

Por Vitor Gaspar

No campus de Picos, a Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASM) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), está com inscrições abertas até o dia 15 de dezembro para novos participantes. São ofertadas 05 vagas para a comunidade interna da UESPI e 02 vagas para a comunidade externa.

Para concorrer às vagas os candidatos devem preencher o FORMULÁRIO ONLINE com o nome completo; e-mail; telefone; instituição de ensino superior; histórico acadêmico; carta de intenção para a sua entrada na Liga e comprovante de pagamento da inscrição. Podem se inscrever estudantes dos cursos de Enfermagem, Medicina, Fisioterapia, Nutrição e Psicologia, a partir do quinto período, com taxa de inscrição no valor de R$5,00. As vagas serão preenchidas após duas etapas de processo seletivo: a análise de currículo e prova escrita.

De acordo com a Presidente da Liga, Vitória Batista, o cronograma para 2024 está recheado de atividades com aulas abertas, projetos extra muro, sessões fechadas e um grande projeto para comemorar o dia internacional da mulher. A aluna de Enfermagem destaca que (os) novas(os) participantes podem esperar uma Liga Acadêmica bem organizada, com as atividades atividades devidamente planejadas.

“O ano de 2023 foi o nosso primeiro semestre como liga e serviu de experiência para nos planejarmos da melhor maneira para o próximo ano. A LASM é um sonho realizado que só é possível com a participação e inscrição de todos. Dessa forma eu convido a todos os discentes de enfermagem, fisioterapia, psicologia, nutrição e medicina, a partir do quinto período, a se inscrever e fazer parte da nossa equipe”, conta a estudante do 7º bloco.

O resultado da análise curricular será divulgado pela LASM, através do email: ligadesaudedamulher.uespi@gmail.com, no dia 20 de dezembro. Logo em seguida, os candidatos aprovados para a segunda etapa irão receber um e-mail com o link para a prova oral, via Google Meet.

A classificação final será a média ponderada das notas obtidas nas etapas do processo seletivo e o resultado será divulgado pela LASM no Instagram (@lasm.uespi) no dia 05 de janeiro de 2024.

Confira o Edital completo:

EDITAL LASM- 2024.1

CRONOGRAMA DO PROCESSO SELETIVO:

– DIVULGAÇÃO DO EDITAL: 04/12

– PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 05/12 a 15/12

– ANÁLISE CURRICULAR: 16/12 a 19/12

– RESULTADO: 20/12

– PROVA: 04/01

– RESULTADO FINAL: 05/01

 

Inscrições abertas para minicurso sobre a história da saúde da população negra

Por Vitor Gaspar

A Liga Acadêmica de Saúde da População Negra (LASPN) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) está promovendo um minicurso online sobre a História da Saúde da População Negra. O evento acontece neste sábado (25), às 15h, e as INSCRIÇÕES estão abertas para interessados de todas as áreas.

Com o propósito de fomentar discussões acerca da saúde da população negra e destacar a influência da cultura negra na sociedade, o minicurso oferece uma Certificação de 05 horas para os participantes.

A iniciativa conta com a participação da Professora Doutora em História Social, Iraneide Soares e Yasmin Assis, estudante do curso de Psicologia da UESPI e Presidenta da Liga, que destaca a importância do evento como um ponto de partida essencial para os estudos sobre a saúde da população negra. Ela enfatiza que o minicurso não se destina apenas a profissionais da saúde, mas também abrange diversas outras áreas, especialmente a História.

“É fundamental compreender a história da saúde da população negra, pois só a partir do conhecimento do passado podemos discutir a saúde no presente. Vamos discutir a ideia de saúde para os povos não brancos, a luta do movimento negro unificado pelas políticas de saúde para a população negra, as especificidades da saúde dessa população, entre outras temáticas”.

Liga Acadêmica de Saúde da População Negra

No Centro de Ciências da Saúde (CCS), a Liga acadêmica surgiu com o propósito de ser um ponto de intercâmbio de conhecimento interdisciplinar sobre a saúde da comunidade negra. Além de funcionar como um ambiente para impulsionar o ensino, a pesquisa e a extensão, a LASPN serve como um espaço de apoio para seus membros, predominantemente compostos por estudantes afrodescendentes.

A Liga também realiza iniciativas como apresentações em escolas e outras instituições de ensino superior, diálogos com a comunidade, interações com mulheres ativistas, estudantes e mesas redondas sobre a saúde da comunidade negra. Isso inclui a produção de material informativo, treinamentos para os membros sobre os principais temas relacionados à proposta da liga, e desempenha um papel político ao participar de protestos e eventos dedicados à promoção da saúde da comunidade negra

Inscrições abertas para o I Seminário de Saúde Mental do Centro de Ciências da Saúde

Por Clara Monte

Acontece entre os dias 10 a 14/07, o I Seminário de Saúde Mental do Centro de Ciências da Saúde (CCS)/UESPI – “Do estresse à boa Saúde Mental na Universidade”. O evento ocorre de forma presencial, no horário das 14h às 18h, no Auditório da FACIME.

A iniciativa partiu da professora do curso de Psicologia, Francine Paes Landim Paes Landim de Oliveira Leal, juntamente com as Coordenadoras do curso de Educação Física, Patrícia Uchôa Leitão Rebouças, Coordenadora do curso de Psicologia, Rafaella Coelho Sá e  Diretora do Departamento De Programas e Projetos De Extensão – DPPE, Aline Martins Diolindo Meneses.

O objetivo do Seminário é proporcionar aos estudantes do Curso de Psicologia e aos demais dos cursos da UESPI, a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos sobre a importância dos cuidados com a saúde mental, além de criar um espaço para a diálogo e disseminação de conhecimentos científicos relacionados a essa temática.

A oportunidade irá contar com uma série de palestras de professores da instituição, que irão abordar assuntos como: procrastinação, o papel da família no processo de construção da saúde mental, ansiedade, internet e saúde mental, pandemia e transtornos mentais, LGBTQIAPN+ e bem está mental.

A idealizadora do projeto, Francine Paes Landim Paes Landim de Oliveira Leal, explica a necessidade desse tipo de evento ao destacar que ao entrar e permanecer na universidade, suscita uma grande mudança na vida dos alunos, geralmente, acompanhada de sentimentos de euforia e ansiedade.

“Esses sentimentos são provocados pelos desafios impostos durante todo o período acadêmico. Todas essas exigências podem acarretar dificuldades que afetarão de forma significativa a qualidade de vida dos estudantes e de toda a comunidade educativa, sendo a prevenção do adoecimento uma das principais frentes de cuidado. Contudo, se faz necessária, a criação de estratégias que buscam promover o bem-estar de todos os envolvidos. Esse seminário se mostra bastante útil para todos nós”.

A oportunidade tem certificação de 30h para os inscritos, mediante a frequência de 75% no evento.

Acesse : Link de inscrição

Confira as palestras de cada dia:

           

Lançamento do projeto Startup Lab da UESPI apresenta inovações na área da saúde

Por Kívia Braga Vitor Gaspar

Na manhã desta terça-feira (25), o auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS-FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) foi palco do lançamento do Startup Lab, que tem como objetivo acelerar a saúde digital e melhorar a qualidade dos serviços de saúde oferecidos à população.

O evento contou com a presença de docentes e coordenadores da Uespi, que destacaram a importância do desenvolvimento deste projeto na Universidade, alem de também reunir toda a comunidade acadêmica dos cursos do Centro.

Segundo o Reitor da UESPI, Prof. Dr Evandro Alberto, esse programa vai trazer uma grande contribuição para os piauienses. O professor afirma que todos estão juntos nesse grande projeto de transformação. “Acredite na inovação, acredite nos trabalhos que estão sendo demandados no nosso Estado do Piauí, porque vamos viver um agora um período de desenvolvimento, que une a tecnologia e a transformação”.

O Reitor da UESPI discursando para os presentes

O programa de aceleração empreendedora da UESPI é um projeto multidisciplinar que conta com a participação de diversos profissionais da área da saúde, tecnologia e empreendedorismo. A expectativa é que a iniciativa possa contribuir para o desenvolvimento econômico e social do estado do Piauí e do país como um todo.

Durante o lançamento foi apresentado o trabalho desenvolvido pela equipe responsável pelo programa, que participou do programa de aceleração empreendedora do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos. A equipe também apresentou as etapas e os desafios que serão enfrentados durante o processo de aceleração da saúde digital.

O Vice Reitor, Prof. Dr. Jesus Abreu, destacou que através das startups é possível alcançar soluções inovadoras e com a agilidade necessária. Segundo ele, essas empresas possibilitam a superação dos obstáculos que a burocracia e os entraves atrapalham.

“É interessante a gente comentar que grandes empresas do mundo começaram a partir de startups com estrutura mínima, como a Apple, Amazon, a Microsoft e o próprio Google. Então, acreditamos que a startup é um caminho viável e pode ser uma grande solução”, afirma.

Figura reconhecida no cenário da saúde digital no Brasil, Rafael Figueroa, esteve presente no evento com a palestra sobre “Revolução em P&D e Machine Learning na Saúde”. Ele é formado em Engenharia Elétrica e tem vasta experiência em desenvolvimento de negócios, marketing e vendas em empresas de tecnologia, incluindo a IBM, Oracle e HP e, atualmente, é CEO do Portal Telemedicina, uma empresa brasileira que utiliza a tecnologia para fornecer soluções em diagnóstico médico a distância e telemedicina. Sua participação no evento trouxe a expertise e visão sobre como a tecnologia pode ser aplicada na saúde para melhorar a qualidade dos serviços prestados à população, especialmente, através do uso de P&D e Machine Learning.

O PROJETO

O Startup Lab começou a ser desenvolvido, em 2021, quando a UESPI apresentou uma proposta para participar do Programa de Aceleração Empreendedora do MIT. Após ser selecionada, a Universidade iniciou o processo de aceleração,  em 2022, com atividades remotas e presenciais, em Boston.

O programa é dividido em três etapas, sendo a primeira delas o diagnóstico, onde todas as partes interessadas no projeto foram ouvidas. Foram realizadas pesquisas com mais de 200 pesquisadores para entender as intenções empreendedoras e os projetos focados nas necessidades do setor.

Após a análise dos dados foram definidos desafios e linhas de atuação para o projeto, que foram apresentados em um encontro presencial no MIT, onde estavam as maiores autoridades mundiais em empreendedorismo. A partir daí, foi desenvolvido um projeto de inovação e um projeto de extensão chamado Startup Lab, que é um coletivo de ações com a participação de pesquisadores e alunos de diversas áreas.

Segundo a Profa. Vanessa Alencar o evento marcou o início de uma nova etapa no desenvolvimento da saúde digital no estado do Piauí. A partir de agora, a equipe trabalhará em conjunto com pesquisadores, alunos e empreendedores para desenvolver soluções inovadoras que possam contribuir para a melhoria dos serviços de saúde oferecidos à população.

“O Startup Lab é a primeira batalha do projeto e envolve trabalhar com batalhas de curto, médio e longo prazo. O próximo passo é um processo de formação com a disciplina do Centro de Empreendedorismo do MIT, que abrange os 24 passos para uma startup de sucesso. O projeto também prevê a participação da comunidade em ações multidisciplinares”.

Professora Vanessa Alencar (de macacão) explicando os principais pontos do projeto

Evento estimula mais inovação e tecnologia dentro da nossa UESPI

O diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica – NIT UESPI, prof. Tales Antão, também esteve presente no lançamento do projeto. O professor ressalta que a participação do NIT-UESPI no evento proporciona, de forma expressiva, a inclusão da tecnologia dentro da nossa UESPI.

“As ações geradas por esse projeto só contribuem para a valorização de ideias inovadoras e de como podemos executá-las”, diz o diretor do NIT UESPI.

Ainda de acordo com o diretor do NIT-UESPI, o Startup Lab é fruto de um projeto de extensão que desenvolve ações em conjunto com outras instituições de ensino.

“Para a UESPI, o lançamento do projeto Startup Lab é a semente de todos os projetos de inovação que serão desenvolvidos a partir de agora, a partir de ações que possam fortalecer uma parceria com o mercado e com o setor produtivo no estado do Piauí, especialmente, em Teresina”, pontua Tales Antão.

A iniciativa do projeto partiu de um grupo de professores da UESPI que desenvolvem projetos de pesquisa e desenvolvimento voltados para incentivar soluções inovadoras voltadas para a área da saúde.

O Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação – PROP, prof. Dr. Rauirys de Alencar, aponta que essa parceria representa o fortalecimento da relação entre Universidade, Empresa e Estado e deve estimular projetos inovadores e novas técnicas para a melhoria da saúde no estado.

“ O projeto busca trazer informações e preparar nosso corpo docente e discente em relação ao mundo das startups, já que, em alguns momentos, temos uma ideia interessante, mas não sabemos explorá-las, então, o Startup Lab vem para oferecer esse suporte em conjunto também com a PROP, para que possamos casar essas ideias com a tecnologia e colocar isso à disposição da iniciativa privada e das empresas”, finaliza o Pró-reitor da PROP.

Da esquerda para a direita: O Pró-Reitor Rauyres Alencar, a professora Vanessa Alencar e o Diretor do NIT, Tales Antão

 

Residência multiprofissional em saúde da família e comunidade realiza proposta sobre bruxismo do sono nesta terça (18)

A residência multiprofissional em saúde da família e comunidade realizou, com seu projeto saúde do trabalhador,  uma atividade prática  relacionada ao bruxismo do sono, nessa terça-feira (18), no Palácio Pirajá.
A proposta tem como principal objetivo explicar o que é o bruxismo do sono, sintomas, causas e como obter o tratamento correto para esse problema.

A proposta buscou mostrar como evitar o bruxismo com cuidados diários.

A proposta contou com a participação de residentes e discentes do último ano do curso de fisioterapia, além da tutora da residência multiprofissional de saúde da família e comunidade, Professora Andrea Lima.

A residente e fisioterapeuta, Marina Daniele, destacou como funciona o programa de residência. “Nosso trabalho aqui na Uespi é um trabalho de saúde do trabalhador. Nós somos residentes e a residência tem parceria aqui também. A gente faz visitas a cada 15 dias e a sempre preparamos uma ação voltada para o auto cuidado daquele trabalhador”, disse.

Hoje, a equipe da Professora Andrea destacou as principais causas do bruxismo do sono, como estresse e ansiedade, hábitos ruins de sono, consumo excessivo de café, entre outros causadores e quais consequências para a pessoa, como desgaste dentário e dores faciais.

A professora e tutora, Andrea Lima,  falou sobre a prática alternativa complementar chamada eutonia, que é uma forma de aliviar as tensões do dia e ainda pode ajudar na qualidade do sono. “A eutonia é uma normalização do tonos e  visa a diminuição das tensões corporais a partir de uma percussão óssea, feita com movimentos repetitivos e rítmico no osso. Hoje, nós fizemos nos membros superiores e nos braços e também mostramos como fazer na clavícula, testa e cabeça. Esses movimentos irão deixa a pessoa mais relaxada e isso contribui para uma boa noite de sono”, disse a professora.

Residentes realizam prática alternativa em Servidores da UESPI

O professor Pedro Pio, da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, citou a importância da proposta e elogiou a prática dos residentes da UESPI. “Eu acho extremamente válido essa atividade que as meninas aqui da residência multiprofissional. Os esclarecimentos sobre o bruxismo e algumas técnicas de relaxamento que elas aplicaram na gente, isso é fundamental para termos um dia de trabalho mais produtivo, mais relaxado e isso é muito positivo. Programas como esse  são de fato importantíssimos para o bem estar físico, emocional da comunidade acadêmica”

O programa de residência conta com vários profissionais em diversas áreas da saúde, que vão desde nutricionistas, fisioterapeutas, dentistas até psicólogos, todas voltadas para a saúde do trabalhador.

 

Projeto de Extensão da Uespi visa conscientização sobre saúde ocular nas escolas

Por Clara Monte

Comunidade acadêmica de enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, desenvolvem o Projeto de Extensão: Pequenas Visões.

A ideia surgiu em 2005 pela enfermeira e professora Dra. Rayla Maria Pontes Guimarães Costa. A primeira edição do projeto foi executada no município de Luís Correia e, nesse ano, a docente decidiu aplicar novamente a ação com os seus alunos de Parnaíba, dessa vez, com novos alinhamentos e alteração do título.

A idealizadora do Pequenas Visões, Rayla Maria Pontes Guimarães Costa, fala que o interesse em realizar um projeto neste âmbito foi concebido após a percepção da existência de um déficit na promoção da saúde ocular pela falta de informações sobre cuidados básicos com os olhos, falta de recursos para tratamento e ausência de medidas preventivas em crianças e adolescentes em idade escolar.

A ação terá como alvo crianças e adolescentes com idade entre 6 a 12 anos, devido ao período critico de plasticidade neural do sistema visual, permitindo total correção da maioria dos problemas visuais.

“Esse Projeto de Extensão tem caráter transformador e de relevância social, pois visa a ampliação de oportunidades de acesso à saúde ocular. Com isso, almeja-se a construção de novas políticas públicas em saúde ocular por meio da extensão universitária, trabalhando a compreensão do significado de enxergar e a concepção da saúde ocular como direito do cidadão. Vale destacar que não prioriza-se uma parte
do corpo – os olhos, já que o ser humano é uma totalidade, incluindo um corpo, emoções e valores, mas conceber a saúde ocular como parte dessa totalidade com ações para promover e prevenir os problemas visuais que mais afetam as crianças”.

A professora explica que, inicialmente, será realizado a capacitação dos alunos do curso de enfermagem por ela e pelo médico oftalmologista, Francisco de Assis Costa Araújo. Posteriormente, serão agendadas reuniões nas escolas contempladas com o projeto de extensão. As reuniões serão com os diretores e professores escolares para apresentação dos objetivos e operacionalização da proposta.

O projeto conta com uma equipe multiprofissional, entre discentes voluntários externos, professores mestres, um médico parceiro da ação, a coordenação do Programa Saúde na Escola e a discente bolsista Rita Bessa, do curso de enfermagem da UESPI.

A aluna, Rita Bessa, comenta que sua participação é uma ótima experiência para ela, pois trás mais responsabilidade, liderança e abre caminho para trabalhar em mais uma área da saúde. “Com certeza, o resultado desse projeto será satisfatório e irá somar no meu crescimento profissional. Ainda estamos no planejamento dele, mas vamos, presencialmente, nas escolas, primeiro para falar com os responsáveis e depois para aplicar a escala Snellen nas crianças. Essa escala é que vai auxiliar na identificação dos problemas visões”.

A discente ainda finaliza explicando que como se trata do público infantil vai ser feito uma adaptação do tema e a conscientização vai acontecer através de atividades e brincadeiras educativas abordando a saúde ocular.

Caso ocorra a identificação de problema, os responsáveis serão direcionados a um serviço oftalmológico do município.

Confira a equipe:

Projeto de Extensão idealizado por professora da UESPI é contemplado em Edital do Ministério da Saúde

Por Anny Santos

O projeto “Informação Para a Ação: Comunicação em Saúde Como Estratégia De Enfrentamento aos Agravos de Notificação Compulsória no Município de Parnaíba-PI” foi é contemplado em Edital do Ministério da Saúde. Ele é coordenado pela professora Dra. Thatiana Maranhão do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) do campus de Parnaíba e conta com a colaboração da enfermeira Karliane Araújo da Vigilância Epidemiológica também do município.

Sendo conduzido por alunos do 5ª e 7ª blocos do curso de enfermagem em Parnaíba, o financiamento do Ministério da Saúde concederá bolsas a três alunos extensionistas. Os demais participarão do projeto como voluntários. No total, foram contempladas 20 propostas de projetos de extensão de todo o Brasil, sendo este o único contemplado do Estado do Piauí. O financiamento se dá na forma de bolsas com duração de 10 meses.

A ação objetiva auxiliar na democratização da informação, permitindo que os profissionais de saúde e a comunidade de Parnaíba tenham acesso ao conhecimento atualizado sobre as doenças e agravos de notificação compulsória.  Portanto, será instrumento para auxiliar o planejamento e estabelecer prioridades de intervenção em saúde, além de permitir que seja avaliando o comportamento e o perfil das notificações no município.

Além disso, o projeto ainda tem o desafio de servir como fonte de informação segura para os profissionais da saúde, ao mesmo tempo em que almeja capacitá-los para a análise e interpretação de dados de doenças/agravos de importância epidemiológica para o município, tornando-os capazes de transformar dados brutos em informações científicas que possuam conteúdo acessível para a população, com linguagem simples e inclusiva.

De acordo com a Professora Dra. Thatiana Maranhão, a notificação compulsória é a comunicação obrigatória às autoridades competentes das ocorrências ou suspeitas de agravo, doenças ou evento de saúde pública que contribuem para a avaliação da realidade epidemiológica de uma área geográfica. Em 2022, o Ministério da Saúde determinou 48 agravos que compõem a lista nacional de doenças de notificação compulsória.

“Diante disso, as recomendações de órgãos nacionais e internacionais acerca destes agravos são inúmeras e atualizadas constantemente, fazendo com que a sociedade esteja exposta a diversas informações técnicas que muitas vezes são oriundas de fontes ilegítimas, sem qualquer respaldo em evidências científicas. Para sanar estas dificuldades, o Ministério da Saúde recomenda a criação de salas de situação de saúde que, em Parnaíba, encontra-se atualmente desativada. Assim, tendo em vista que o município se encontra na lista estadual de cidades que devem ter atenção prioritária para doenças como Tuberculose, Hanseníase, HIV/AIDS e dengue, o projeto almeja, entre outras ações, ser apoio para a reativação desta sala e para a produção de informação relevante que seja capaz de subsidiar a tomada de decisões e a condução de políticas e ações de saúde no âmbito local”.

Para a professora uma vez que o projeto será desenvolvido em duas etapas, os principais beneficiados serão os profissionais que trabalham na Vigilância epidemiológica e os usuários atendidos pelas 44 Unidades Básicas de Saúde do município. Além disso, o auxílio concedido pelo Ministério da Saúde na forma de bolsas ajuda não apenas o desenvolvimento da pesquisa e extensão e a formação de pesquisadores, mas também a permanência estudantil na universidade.

Na primeira etapa haverá a elaboração de Boletins Epidemiológicos e determinação de metas para a produção e publicação desses materiais da forma que a equipe julgar oportuna. Além disso, serão ministrados cursos de atualização sobre softwares de análise de dados temporais e espaciais, entre outras atividades.

A Segunda Etapa consiste na divulgação do conhecimento produzido para a população atendida pelas 44 UBS’s do município. Para isso serão publicados os diversos materiais elaborados boletins, cartilhas, panfletos, tabelas, gráficos, mapas, relatórios estratégicos, entre outros no perfil do programa no Instagram, bem como serão fabricados fluxogramas da rede assistencial de atendimento às doenças de notificação compulsória utilizando linguagem acessível para que a população saiba quais decisões devem ser tomadas diante do enfrentamento de determinados agravos.

“Já os benefícios para a comunidade externa vão desde a criação das condições necessárias para o treinamento dos servidores da Vigilância Epidemiológica na análise de dados que traduzem a situação de saúde do município, como também a construção de materiais como boletins epidemiológicos, panfletos, cartilhas, entre outros que visem a orientação da população sobre principais doenças de notificação compulsória. Assim, a partir dos diagnósticos situacionais feitos, o principal benefício deste projeto será a identificação de prioridades em saúde e o auxílio a elaboração de políticas municipais de combate aos agravos de notificação compulsória”, finaliza a professora Dra. Thatiana Maranhão.

UESPI36ANOS: NUTI e UNATI ofertam saúde e ensino na terceira idade

Por Anny Santos

Em homenagem aos 36 anos da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), comemorado no dia 28 de julho, a Assessoria de Comunicação organizou uma série de reportagens especiais para celebrar a data, contando a história da universidade e dos personagens que a compõe. Para iniciar, iremos conhecer um pouco mais sobre a Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI) e o Núcleo de Atividade Física da Terceira Idade (NUTI).

Coordenadores, professores e alunos da UNATI e do NUTI.

Coordenadores, professores e alunos da UNATI e do NUTI.

O NUTI e a UNATI são programas de extensão do curso de Educação Física da UESPI, fundados em 2003 e 2007, respectivamente, pelas professoras Solange Maria Ribeiro Nunes Lages e Aurinice Sampaio Irene Monte que se fizeram atuantes desde a criação dos mesmos até o ano de 2019.

Buscando proporcionar uma melhor qualidade de vida, atendendo pessoas a partir de 55 anos de idade, por meio da participação em atividades físicas, acadêmicas, culturais e de lazer, sob a Coordenação dos professores do curso de Educação Física, Ivaldo Coelho Carmo e Moises Mendes da Silva, os projetos visam garantir o envelhecimento ativo e saudável.

De acordo com o professor Moises Mendes, em virtude da aposentadoria das criadoras dos projetos, ele e o professor Ivaldo Coelho receberam o convite das mesmas para estarem a frente do NUTI e da UNATI. “Aceitamos prontamente assumir a responsabilidade de dar prosseguimento ao trabalho criado por elas. Em termos de abrir as portas da universidade para trazer o idoso para dentro dos muros da instituição, oferecendo atividade física orientada e educação continuada paro o idoso, nós somos o único, em termos de estrutura, dentro de Teresina”.

Coordenadores e professores da UNATI e do NUTI, Moises Mendes da Silva e Ivaldo Coelho Carmo.

Coordenadores e professores da UNATI e do NUTI, Moises Mendes da Silva e Ivaldo Coelho Carmo.

Segundo o professor, em média, 400 idosos são atendidos por meio dos Projetos Integrados, também conhecidos como projeto “Guarda-Chuva”, aqueles que se articulam em outros (sub) projetos, sendo o caso do Canto Coral, NUTI e UNATI, propiciando o feito de ser o maior projeto extensionista da UESPI. “Os projetos trabalham com aulas de diversos conteúdos. No caso da UNATI, temos aulas de Ioga, Ginástica Corretiva, Ritmos e Danças da Cultura Popular, Teatro, Psicologia e várias outras, todas no período da manhã. Nossos professores são voluntários e a cada semestre ofertamos novas disciplinas”.

Já para o professor Ivaldo Coelho, é importante destacar que o NUTI disponibiliza as aulas no período da manhã, antes das aulas da UNATI, e no período da tarde, sendo voltadas somente para o campo da Educação Física com atividades, dinâmicas e muita interação entre os profissionais voluntários e os alunos. “Se o aluno quiser participar de um único projeto não há problemas, mas o que costumamos presenciar são alunos que participam de todos. Na UNATI exigimos apenas que o aluno possua uma boa leitura e escrita, já no NUTI é indispensável a apresentação de um exame cardiológico e um bom condicionamento físico para as práticas físicas em aula”.

Uma formação em qualidade de vida

Francisca Piauilino, de 77 anos de idade, entrou na UNATI em 2015 e mesmo formada na 8° turma continua frequentando as aulas nos últimos 7 anos. Para ela, é muito importante sair de casa e encontrar pessoas da mesma faixa etária. “O que falta, às vezes, é essa conversa com pessoas da mesma idade, com a mesma vivência, ideias e assuntos. Relembrar o que passou, o que éramos e o que somos agora é muito bom. O idoso hoje participa de tudo, frequenta todo e qualquer ambiente, se diverte, viaja, conversa, namora, então é muito saudável essa convivência que temos na UNATI”.

Francisca Piauí Lima, aluna dos projetos.

Francisca Piauilino, aluna dos projetos.

A aluna relata ainda a importância do apoio que recebe dos familiares para continuar nas práticas que lhe proporcionam uma melhor qualidade de vida, por meio da participação em atividades físicas, acadêmicas e de lazer. “É satisfatório fazer um curso desse nível para idosos e, principalmente, receber apoio dos nossos familiares. Mudamos hábitos ruins e aprendemos coisas novas, sem exageros, nos atentando para a particularidade de cada idade e das nossas limitações fisiológicas. Temos mais conhecimento sobre alimentação, exercícios físicos e saúde, de maneira geral”.

Dona Francisca afirma que a UNATI é uma família, ela acredita que as relações que manteve e ainda mantém com colegas e professores ao longo dos anos que participa, foram de fundamental importância para um envelhecimento feliz e saudável, consequência que ela atribui as inúmeras atividades que participa em grupos com pessoas da mesma idade.

“No dia anterior a aula durmo pensando em quais atividades iremos fazer e quais assuntos vou tratar com minhas colegas, tudo isso me faz acordar até mais cedo do que o de costume. Sempre que me perguntam em que curso vou me formar, repondo que em qualidade de vida. A essência do curso é você se conhecer, conhecer seus limites, ter qualidade de vida, fazer amigos e cuidar da saúde e essa é a verdadeira formação. E podem dizer que sou velha, mas sou uma velha saudável e que sempre se renova”, finaliza a aluna.

A educação na terceira idade

Joemerson Oliveira, formado em Educação Física e em Artes Marciais chinesas, recebeu o convite para ministrar a disciplina de Hatha e Yoga no segundo trimestre de 2022. Para ele, é importante que os alunos aprendem técnicas respiratórias e de concentração, pois além de beneficiar a saúde, as práticas auxiliam no convívio social e melhoram a qualidade de vida na terceira idade.

Professor Joemerson Oliveira em sala de aula com alunos.

Professor Joemerson Oliveira em sala de aula com alunos.

“Quando recebi o convite fiquei muito feliz. Contribuir para uma melhora na qualidade de vida dessas jovens, logo após um período pandêmico que acarretou serias consequências, se faz fundamental. Nesse período de incertezas algumas pessoas deixaram de fazer atividade físicas, o que também pode agravar o quadro de saúde dos mesmos. Os alunos do NUTI e da UNATI podem exercitar bons hábitos e aprender como envelhecer de forma saudável”, pontua o professor.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Nascida no Dia Internacional da Mulher, como gosta de declarar, Ducileide de Jesus Santos, aos 67 anos de idade, exibe sua felicidade ao participar de programas que visam o cuidado e a atenção que sua faixa etária merece. Segundo ela, os projetos possibilitam que os alunos aprendam a cuidar da saúde enquanto se divertem, formam laços e descobrem novas possibilidades de ver e viver a vida.

Ducileide de Jesus Santos, aluna dos projetos.

Ducileide de Jesus Santos, aluna dos projetos.

“Aprendemos a passar o que vivemos e absorvemos coisas novas com nossos colegas e professores. É muito bom estar integrada à um local que me ajuda e que me proporciona criar novos laços, aqui tudo é motivo de festa e comemoração. Tenho três filhos e todos apoiam e comemoram quando digo que aprendi algo novo”, finaliza a aluna que faz parte dos projetos desde 2011.

UNATI e NUTI como extensão da família

Maria de Fátima Pereira Barbosa, de 69 anos de idade, veterana do NUTI e da UNATI desde a criação dos projetos (em 2003 e 2007) e aluna assídua, revela que teve conhecimento sobre o primeiro através de uma reportagem. Reconhecendo que possuía alguns problemas de flexibilidade que lhe causavam incômodos frequentes resolveu se aventurar e participar. Sua experiência foi tão marcante e os resultados tão aparentes que logo após a criação do segundo projeto também realizou sua matrícula.

“Logo de imediato minha melhora foi perceptível, através do NUTI, pois é um projeto que trabalha com o corpo e a mente. Vir aqui e participar de tudo melhora a autoestima, a gente fica com os movimentos mais ágeis e passamos a ter qualidade de vida. Já a UNATI é como um sonho realizado, o de fazer uma universidade. Me sinto sempre como aluna da UESPI e eu sou. Os conhecimentos que adquiri aqui são essenciais para o estilo de vida que levo hoje, todas as aulas são importantes, desde a de dança até as palestras que os médicos parceiros realizam. As amizades que fiz nos projetos são uma extensão da minha família. Desejo felicitações a UESPI por mais um aniversário. Que esta instituição de ensino continue dando esperança e alegria a todos que a procuram”, finaliza.

Maria de Fátima Pereira Barbosa, aluna da primeira turma do NUTI e da UNATI.

Maria de Fátima Pereira Barbosa, aluna da primeira turma do NUTI e da UNATI.

A UESPI possui a missão de promover à articulação do tripé da universidade, o Ensino, a Pesquisa e a Extensão, de forma a contribuir para o desenvolvimento da nossa sociedade e melhorar a qualidade de vida das pessoas que a compõem. Adquirir novos conhecimentos, em especial na terceira idade, permite uma troca benéfica entre os alunos, além da manutenção de uma vida ativa, dinâmica e saudável.

Confira alguns momentos especiais do NUTI e da UNATI:

Residentes da RIMTIA/UESPI participam de evento no Hospital da Polícia Militar

Por Vitor Manoel

Alunas da Residência Multiprofissional em Terapia Intensiva do Adulto da Universidade Estadual do Piauí (RIMTIA/UESPI) participaram, nesta terça (19), de um evento no Hospital da Polícia Militar  (HPM) em conjunto com Comissão de Humanização Hospitalar sobre o “Abril Verde”, referente à prevenção de doenças ocupacionais e acidentes de trabalho.

Residentes participam de evento de conscientização

As residentes da UESPI que participaram foram a fisioterapeuta Sarah da Silva, a enfermeira Vitoria Alencar e a psicóloga Sabrina Paulo. A parceria da UESPI com o HPM foca no ciclo de gestão, diferente de outros programas existentes no Brasil nos quais acontecem de forma assistencial.

O objetivo do evento foi de refletir sobre a prevenção à saúde do trabalhador da saúde em conexão com o “Abril Verde”, para isso atividades diferenciadas foram disponibilizadas, as palestras foram substituídas por estações voltadas ao autocuidado para esse profissional trabalhando de forma mais especifica nas áreas da Fisioterapia, Enfermagem e Psicologia.

Ações como utilização dos equipamentos de proteção individual (UPIs), manter uma alimentação saudável, manter a higiene do sono, dentre outros foram ressaltados. A Fisioterapeuta Sarah da Silva, residente da RIMTIA/UESPI, comenta que o trabalhador da saúde sofre com estresse, por ser uma profissão muito complexa. Ela comenta como a orientação sobre a higiene do sono, um dos temas tratados, é muito importante para esses trabalhadores.

“Estamos instruindo esses profissionais a adotarem hábitos no seu dia-a-dia para que possam melhorar a qualidade do sono e mostrar para essas pessoas como esse sono ruim pode trazer malefícios no dia a dia. As vezes, esse trabalhador não tem o conhecimento sobre isso, então, nós vamos tentar trazer esses fatores para fazer os esclarecimentos necessários”, comenta.

A Major Aparecida, Coordenadora do Centro de Pesquisa e Extensão e do Núcleo de Educação permanente em saúde do HPM, comenta que essa é uma prática no qual o hospital realiza e que já fazia parte do calendário do hospital, mas nesse ano foi inovada devido a parceria com a UESPI através da Residência Multiprofissional.

“Nós temos as estações que remetem a questão da multiprofissionalidade atuando e ajudando a prevenir a saúde dessas pessoa, especialmente do trabalhador, dos acompanhantes, dos acadêmicos e outros grupos que estão aqui, ou seja, esse é um programa que abraça a todos, levando em consideração que o cuidado com a saúde é muito importante”, comenta a Major.

O momento foi de troca de experiências e saberes

A coordenadora do serviço em Psicologia, Keila Costa, explica que a Comissão de Humanização Hospitalar instituída no hospital vem trazendo essa preocupação para além do paciente levando uma atenção maior para os trabalhadores de saúde, para isso foram abordados nesse encontro pautas nesse sentido. Desse modo, foram distribuídas cartilhas com orientações denominada de Checklist do Autocuidado.

O encontro aconteceu na praça de eventos do hospital e contou com a presença de coordenadores, diretores, além das residentes e de estagiários de outras instituições de ensino.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisadores desenvolvem trabalho que ajuda identificar anomalias sanguíneas através de cálculos matemáticos

Por Liane Cardoso

O professor Pitágoras Pinheiro, docente do curso de matemática da Universidade Estadual do Piauí, juntamente com dois alunos do curso de Ciências da computação estão desenvolvendo uma pesquisa com o objetivo de transformar imagens de ressonância Magnética em domínios matemáticos tridimensionais. Assim, é possível estudar e simular fenômenos sanguíneos, a partir do ponto de vista matemático, médico e computacional, sem a necessidade de processos invasivos nos pacientes.

O orientador da pesquisa utiliza um exemplo prático para explicar como funciona o trabalho. “Imagine que uma artéria está gerando ateroma, um entupimento por placas de gordura. E suponhamos que seja necessário (do ponto de vista médico) uma interferência, seja cirúrgica ou farmacológica. Quando nós trazemos uma imagem de ressonância para um ambiente matemático/computacional, podemos simular alguma interferência e daí buscar a melhor forma de tratar alguma anormalidade vascular. Então, quando falamos em processos não invasivos, estamos buscando possibilidades “pelo lado de fora” do paciente”, explicou o docente.

Vinicius Marques é aluno do 8º período do curso de Ciências da Computação e também participa dessa iniciativa. O discente detalha que a partir de imagens médicas obtidas por meio de softwares de código aberto, eles constroem malhas matemáticas que permitem visualizar a simulação de fluidos.

Imagem da ressonância

Imagem da ressonância

Malha (que representa a aorta) feita a partir de uma imagem médica

“Com isso também conseguimos simular diversas situações presentes no meio médico, além de possibilitar diversos cálculos para prever, por meio da malha gerada, alguns tipos de problemas de saúde”, relatou o estudante.

Marcos Vinicius de Oliveira, discente pesquisador, destaca que esse trabalho possibilita a obtenção de informações sobre o fluxo sanguíneo, como por exemplo pressão e velocidade. “Utilizando algumas ferramentas podemos criar modelos 3d de partes do sistema vascular e com esses modelos podemos simular situações parecidas com o fluxo de sangue real”, complementou.

Ilustração referente a parte superior da artéria

Ilustração referente a parte superior da artéria carótida (vasos sanquíneos que transportam sangue e oxigênio para o cérebro)

Os estudos do grupo sobre a temática iniciaram ainda no ano passado de forma independente. Em maio desse ano, os alunos tiveram seus trabalhos contemplados no edital 002/2021 da FAPEPI (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí). Além disso, outros dois voluntários externos auxiliam nas pesquisas.

#ContaPraGente: alunos falam sobre saúde bucal e reforçam o hábito da higiene

Por Liane Cardoso

Nesta quarta-feira (14) aconteceu mais uma Live do #ContaPraGente no canal do Youtube da Nossa UESPI. Os três convidados eram alunos do curso de Odontologia no campus de Parnaíba. Eles falaram sobre o impacto que a alimentação tem na saúde bucal e reforçaram a importância da higiene adequada.

No início da Live, cada participante apresentou brevemente seu trabalho e comentou sobre o resultado de sua pesquisa. Em seguida, foram discutidas algumas temáticas como: as principais causas de problemas relacionados a saúde bucal, alimentos que prejudicam os dentes e impactos da pandemia no consultório odontológico.

Durante a transmissão, os discentes destacaram alguns alimentos maléficos (se consumidos em excesso), tais como sucos industrializados, iorgutes, achocolatados, dentre outros. Contudo, Andressa Santos aproveitou para ressaltar que as pessoas não precisam excluir esses produtos da alimentação. “Vocês podem consumir esses alimentos, mas com cautela. E caso queira exagerar um pouco, não esqueça da escovação, pois ela tem uma grande influência na saúde bucal”, informou a discente do 10º período.

Os estudantes compartilharam seus conhecimentos e alertaram sobre saúde bucal

No final da transmissão, os alunos contaram como foi a experiência de executar uma pesquisa através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Os acadêmicos relataram ainda que desde o início da graduação são estimulados pelos professores para o desenvolvimento de pesquisas.

Assista a Live completa no canal do Youtube UESPI Oficial.

Pesquisa: Produtos industrializados e suplementos são constatados como maléfico aos dentes

Por Liane Cardoso

Alimentos com alto teor de açúcar e baixo valor de pH, se consumidos com frequência e sem uma higiene bucal adequada, podem afetar a saúde dos dentes. Por isso, dois estudantes do curso de Odontologia da Universidade Estadual do Piauí, campus Alexandre Alves Oliveira, realizaram pesquisas com sucos de uva industrializados e suplementos Whey Protein, e constataram que o consumo excessivo desses produtos podem causar erosão e cárie dentária.

Ana Beatriz Aragão Nunes e Wanderson Carvalho de Almeida são alunos pesquisadores que desenvolveram seus trabalhos através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica (PIBIC). Os discentes realizaram produções distintas, contudo, foram orientados pela mesma docente, Professora Maria Ângela Arêa Leão.

Procedimentos

Ambos realizaram seus trabalhos no Laboratório de Pesquisa da Clínica Escola de Odontologia da UESPI (CEO-UESPI), no campus de Parnaíba. O estudo foi realizado através da análise das propriedades físico-químicas, por meio de equipamentos como o pHmetro e Refratômetro, conforme a metodologia preconizada pelo Instituto Adolfo Lutz 1985.

Aparelho pHmetro utilizado na pesquisa

A professora orientadora esclarece que a análise de sólidos solúveis e pH de líquidos é realizada para avaliação da possível relação da ingestão desses alimentos com cárie e erosão dentária. “Reiteramos que, por mais que as bebidas analisadas tenham relevante teor de açúcar e, algumas delas, considerável acidez, lembramos que a cárie é multifatorial e a higiene oral bem conduzida é fator decisivo para que tal manifestação não ocorra”, enfatizou a docente.

Whey Protein e sua relação com a Erosão e cárie dentária

Ana Beatriz, acadêmica do 6º período de Odontologia, analisou características de pH e açúcares de cinco marcas de suplemento Whey Protein. Ela constatou que todos estão acima do teor de açúcar necessário para que haja formação do biofilme cariogênico (5%), demonstrando assim, maior potencial para gerar lesões de carie dentaria.

Segundo a análise da aluna quanto aos valores de pH, constatou-se que todos ficaram acima do valor de 5,5, que é considerado o valor crítico para a dissolução do esmalte do dente. “Esse fato, associado a presença de açúcares, pode contribuir para a erosão dentária e o desenvolvimento de lesões de cárie, caso tais alimentos forem consumidos com frequência e sem adequada higiene oral”, explicou a discente sobre o estudo.

Sucos de uva industrializados e sua relação com Erosão e Cárie dentária

Wanderson Carvalho cursa o 8º período de Odontologia e analisou em sua pesquisa 05 marcas de Sucos de Uva Industrializados. “Os resultados obtidos após a coleta de dados e a análise estatística, comprovam que os sucos avaliados possuem quantidades elevadas de açúcares e baixos valores de pH, podendo assim ocasionar problemas que interferem na saúde dos dentes – erosão e cárie”, contou o aluno.

O Refratômetro foi também um dos equipamentos usados nas pesquisas

Ele destaca que é fundamental que o profissional dentista oriente seus pacientes quanto ao consumo destes alimentos. “Os resultados da pesquisa nos dá, enquanto acadêmicos e futuros profissionais de saúde, informações importantes para que possamos atuar de maneira preventiva nos cuidados de higiene bucal, diminuindo, assim, a incidência dessas condições patológicas”, concluiu o aluno sobre o assunto.

Os dois trabalhos apresentados nesta matéria fazem parte do PIBIC. O primeiro está na fase de escrita do relatório final e o segundo já está sendo encaminhado como artigo científico para periódicos indexados.

Projeto de psicologia promove encontros virtuais para tratar sobre saúde mental com estudantes da UESPI

Por Liane Cardoso

Pensando na saúde mental dos estudantes da Universidade Estadual do Piauí, o curso de Psicologia da UESPI lançou o Projeto Girassol: Acolhendo em Rede. A ação é destinada aos alunos de todos os campi da instituição e acontecerá entre os meses de julho e agosto.

A atividade é desenvolvida pelo grupo de estagiários de Psicologia comunitária e supervisionada pela professora Camila Siqueira Cronemberger Freitas, docente do curso de Psicologia. O objetivo da equipe é promover ações coletivas voltadas para a saúde mental dos estudantes universitários em tempos de pandemia, via modalidade online.

Inscreva-se e participe do projeto

“Nós entendemos que nesse período de Pandemia muitas coisas mudaram, então esse grupo de saúde mental visa discutir essas questões. Realizaremos rodas de conversa, debates e orientações aos participantes. Temas relacionados a ansiedade, procrastinação e outros apresentados pelos estudantes também serão abordados nos encontros”, informou a psicóloga Camila Siqueira, orientadora do grupo.

De acordo com Trix Gomes, discente do 8º período do curso e integrante da proposta, é urgente a necessidade de atividades e projetos que busquem fortalecer a saúde mental dos estudantes. “Queremos construir um espaço seguro de acolhimento e expressão de sentimentos para esses alunos, no qual possamos discutir em conjunto as principais queixas trazidas pelo coletivo e propor com isso intervenções psicoeducativas para melhor lidar com essas questões”, destacou Trix.

As inscrições estão abertas e disponíveis através de uma página no Google formulários.

Os interessados podem escolher entre 04 opções de horários para participar dos encontros: Terça-feira, às 19h; Quinta-feira, às 19h; Sábado, às 10h; Sábado; às 14h. Os encontros serão na plataforma Google Meet e o link será disponibilizado com antecedência via email.