UESPI

Brasao_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Governo-do-Piauí-2023_300X129

Conheça os passos para o acesso ao serviço de psicologia

Por Giovana Andrade

Você já conhece o programa “ Saúde Mental do Trabalhador” ?
Esse projeto é uma parceria entre o curso de Psicologia da Uespi com a Pró-reitoria de Administração (PRAD), que visa promover cuidados à saúde mental dos servidores da UESPI através de palestras, debates e também acolhimento.

A novidade é que agora eles possuem uma aba em nosso site para divulgar o passo a passo para ser acolhido pelo serviço de psicologia da UESPI juntamente com o link do formulário para atendimento.

PASSOS PARA SER ACOLHIDO PELO SERVIÇO DE PSICOLOGIA UESPI

Passo 1: Servidores acessam o site da UESPI, pagina adequada para o Atendimento psicológico on-line

Passo 2: Ao acessar a página, um questionário é disponibilizado para que ele responda.
O usuário só passará para o agendamento se responder o questionário.

Passo 3: Um aviso de que o serviço não atende as urgências psicológicas/psiquiátricas com contatos de urgência é disponibilizado

Passo 4: Os questionários respondidos serão encaminhados aos e-mails vinculados e, logo a seguir, aparecerá o telefone para agendamento.
• O agendamento será feito a partir do telefone +55 86 9421-5670.
• Agendamento apenas por mensagem de WhatsApp.
• Possíveis horários de Agendamento: segunda a sexta-feira de 8 as 11 horas e de 15 as 18 horas.

Link do questionário (para ser respondido pelos servidores)
Formulário para atendimento!

“Não é não!”: Serviço de Psicologia da UESPI promove ação para combate ao assédio durante o carnaval

Por Vitor Gaspar

O Serviço de Psicologia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), está com INSCRIÇÕES ABERTAS para uma roda de conversa virtual sobre o combate ao assédio durante o carnaval. O encontro acontece nesta terça-feira (06/02), a partir das 11h00, via Google Meet. O evento é uma ação em conjunto com o Núcleo de Enfrentamento a Violência contra a Mulher, projeto criado em 2023 com o objetivo de desenvolver palestras, rodas de conversas, além de campanhas informativas e preventivas destinada a comunidade feminina da universidade.

Durante o encontro, as palestrantes planejam abordar a contextualização geral do tema, explorando a razão pela qual os assédios ocorrem com tanta frequência durante o carnaval e em outros contextos, além de ampliar a discussão para incluir aspectos socioculturais mais abrangentes.

De acordo com Vitória Rosa, psicóloga do Núcleo de Enfretamento a Violência Contra a Mulher, serão discutidas medidas de autocuidado que as mulheres, ou qualquer pessoa, podem adotar para autoproteção, visando a minimização dos riscos e a promoção da segurança pessoal. Além disso, segundo a profissional, será explicado o funcionamento da rede de apoio, incluindo informações sobre como realizar denúncias, a quem recorrer e quais instituições da rede podem oferecer serviços em casos de assédio.

“Convido a todos para participar desse evento porque é um tema muito necessário e nós precisamos cada vez mais discutir, debater e também ampliar a divulgação de informações a esse respeito. É a partir dessas ações, que podemos conseguir construir uma cultura de paz, de proteção, de liberdade para que as pessoas possam curtir o carnaval ou qualquer outro evento, de forma segura e livre”, explica Vitória Rosa.

 

Mariana e Vitória durante o lançamento oficial do Núcleo em novembro de 2023

Origem da campanha “Não é não!”

Criada em janeiro de 2017 pelo grupo de amigas Bárbara Menchaise, Aisha Jacob, Julia Parucker, Luiza Borges Campos e Nandi Barbosa, o movimento teve início após mais um abuso sofrido por uma delas em um samba antes do carnaval. Naquele ano foram mobilizadas 40 mulheres que se uniram na arrecadação de R$ 2784 reais em apenas 48 horas, que foram usados para a confecção de quatro mil tatuagens com a frase “Não é não!”, distribuídas gratuitamente pelas ruas da cidade, somente às mulheres. Em seu segundo ano o movimento não ficou restrito apenas ao Rio de Janeiro e chegou a mais quatro estados, sendo eles: Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Bahia.

Daniela Freitas é atual embaixadora do movimento “Não é não!”.

UESPI e Tribunal de Justiça: Projeto visa promoção e atenção à saúde mental no âmbito laboral

Por Anny Santos

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e o  Tribunal de Justiça do Estado do Piauí (TJ-PI), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (FAPEPI), são parceiros na implantação de um programa com ações permanentes de educação, promoção da saúde, prevenção de agravos, atenção à saúde mental e monitoramento, no âmbito laboral do TJ-PI.

O lançamento do programa “Se cuida” irá acontecer na próxima segunda-feira, dia 18, na sede do Tribunal de Justiça com representantes da Uespi e daquela Casa.

A plataforma de saúde “Se Cuida” visa contemplar a disponibilização de estratégias dinâmicas de promoção e prevenção de problemas psicossociais, além do desenvolvimento de uma ferramenta de monitoramento das variações de humor e avaliação da saúde mental.

De acordo com o Coordenador do projeto, professor Vinicius Oliveira, do curso de Medicina da UESPI, que também coordena o grupo de pesquisa Meio Ambiente, Saúde e Sociedade (MASS), que idealizou a plataforma “Se cuida”, as ações são desenvolvidas por professores e alunos que fazem parte do MASS e por voluntários que se disponibilizaram. “Hoje, temos um grupo de 30 alunos para além dos 7 bolsistas e professores atuantes, sendo que os integrantes fazem parte do curso de medicina, enfermagem, fisioterapia e psicologia”.

A criação de uma plataforma que possa monitorar o estado psicoemocional de magistrados e servidores do Poder Judiciário pode possibilitar promoção à saúde e prevenção de doenças em tempo hábil. A ideia é trabalhar as pessoas antes que estas desenvolvam doenças ou agravos em função de stress no trabalho, como também por conta da falta de conscientização e atenção à saúde psicológica.

Ainda segundo o Coordenador o início das atividades está programado para janeiro de 2024, inicialmente, no TJ-PI, às terças e quintas-feiras. Sendo atividades que reúnem cuidados com o corpo e a mente de todos os trabalhadores que irão participar dos momentos. “Além das atividades físicas, educativas e de sensibilização, utilizaremos uma plataforma de IA que nos auxiliará nesse processo, viabilizando um desempenho seguro e baseado em ciência”.

As ações promovidas pelos membros, juntamente com a implementação da plataforma, pode viabilizar um impacto significativo nos índices de satisfação dos magistrados e servidores do TJ-PI, pois o projeto viabiliza, entre outros, a utilização otimizada de ferramentas de acompanhamento da saúde mental, a realização de intervenções práticas e dinâmicas no processo de cuidado e, ainda, contribui para o combate aos estigmas sociais associados aos transtornos psicoemocionais e para a valorização da vida.

Victor Prudêncio Ibiapina de Morais, aluno do 6° período de medicina e um dos bolsistas do projeto, destaca que além dos benefícios que o projeto trará aos trabalhadores,  ele irá proporcionar uma formação de senso crítico e de organização, juntamente com o trabalho em equipe, para os discentes envolvidos. “É um trabalho que, de certa forma, é muito complexo, mas que vai nos dar a possibilidade de saber trabalhar com as mais diversas pessoas”.

Acompanhe o Instagram: @plataformasecuida

Curso de Psicologia promove ” Painel: Justiça Restaurativa na Educação”

Por Giovana Andrade

O curso de Psicologia da Universidade Estadual do Piauí juntamente com a equipe do Comitê Gestor da Justiça Restaurativa do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí organizam “Painel: Justiça Restaurativa na Educação“, no dia 20 deste mês, às 18h no auditório do CCS da UESPI.

O curso de Psicologia tem em seu programa de curso estágios básicos e um deles, ofertado a partir do 6º bloco, é o Estágio Básico em Psicologia Jurídica. O campo de psicologia jurídica é bem amplo e abarca desde prestar assessorias/assistências às instituições jurídicas até atuações e estudos na interseção entre os aspectos jurídicos e psicossociais.

A Profª Liliane Leite Moreira explica que durante o estágio, que envolveu 11 alunos do 7º bloco de Psicologia da UESPI, surgiu a ideia de se fazer um evento para concretizar a iniciativa de caráter nacional do Conselho Nacional de Justiça  (CNJ)  que, no Piauí, se dá por meio de parceria entre a CGJ, o COJUR e a SEDUC e, Ensino Superior, no caso a UESPI.

“O evento Justiça Restaurativa na Educação é uma campanha nacional promovida pelo Conselho Nacional de Justiça para todos os Tribunais do país, que teve lançamento pela Ministra do CNJ, Rosa Weber, no início do ano de 2023. O Painel Justiça Restaurativa na Educação inicia as ações do Núcleo de Justiça Restaurativa-NUJUR/TJPI na Semana Internacional da Justiça Restaurativa no Brasil”.

O evento, no formato de painel está direcionado para docentes e discentes da UESPI, mais especificamente dos cursos de Direito, Psicologia e Pedagogia. Os temas envolvem a Justiça Restaurativa e serão apresentados pelas Juizas Dra. Maria Luiza de Moura Mello e Freitas e Dra. Lisabeth Maria Marchetti – representante do comitê gestor de Justiça Restaurativa.

 Justiça Restaurativa

A Educação é um dos alicerces da Justiça Restaurativa por compreender que o ser está em constante mudança. A Educação é uma ferramenta de base para alcançar o reequilíbrio, a harmonia e a solução dos conflitos internos consigo e com o outro em relação contínua. A Justiça Restaurativa acolhe todas as histórias vividas pelas pessoas, por entender que a pessoa humana possui múltiplas faces nas situações em convivência consigo, com o outro e com o meio que está inserido, o que traz várias dimensões de conflitos a serem vistas, ouvidas e cuidadas.

O ponto forte da Justiça Restaurativa é o próprio ser humano, quando em convivência comunitária, pois é aqui o lugar que as histórias humanas são geradas e colocadas em evidência. A Justiça Restaurativa se desenvolve no círculo de conversas, no coletivo, com apoio de entidades sociais e da comunidade de pessoas diretamente relacionada ao conflito dando oportunidade de todos envolvidos no conflito dizerem o que é justo para a melhor solução do problema e assim todos estarem de acordo, todos a contento.

A Justiça Restaurativa trabalha com o Princípio da Voluntariedade, ou seja, a pessoa que vai dizer se quer participar, dando assim destaque à vontade de cada pessoa envolvida e todos os facilitadores são capacitados pela equipe do Comitê Gestor.

Curso de Psicologia: encontro discute habilidades para promoção da qualidade de vida

Por João Fernandes

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) por meio do Núcleo de Estudos em Análise do Comportamento e Cultura – NEACC e do Curso de Psicologia, realizou uma atividade com foco na construção de habilidades profissionais para a promoção da qualidade de vida em diversos contextos.

O encontro aconteceu nesta segunda-feira (25), no auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS), e aproximou discentes, docentes e profissionais da área da psicologia para  promover uma atividade de formação de habilidades e competências para atuarem na promoção de qualidade de vida.

O encontro foi dividido em duas temáticas, sendo a primeira,  “Família e Escola: identificação e intervenção precoce enquanto estratégias de prevenção e promoção de qualidade de vida em crianças e adolescentes”, em seguida, os convidados debateram a temática relacionada à “valorização à vida e sociedade: o papel das agências”

A iniciativa corresponde a uma atividade do NEACC e foi idealizada pelos professores do Curso de Psicologia, Nadja Pinheiro, Ana Lúcia e Dyego Costa. Os docentes optaram por ampliar os conhecimentos relacionados à valorização da vida  focando na valorização e empoderamento de grupos mais vulneráveis, como mulheres e crianças. 

Segundo a professora Nadja Pinheiro, uma das organizadoras da ação, eventos como estes são muito importante, pois, proporciona uma ampliação do aprendizado, sendo uma atividade de ensino mas também de informação.

“As discussões sobre valorização da vida é o ano todo. Estas discussões são reforçadas nesse mês, mas é importante lembrarmos que são ações permanentes. Tentamos desmistificar o amarelo apoiando que saúde mental deve ser trabalhada o ano inteiro. Vamos trabalhar competências profissionais que possam ser aplicadas para a promoção de qualidade de vida, prevenção e intervenção em situações de vulnerabilidade”, acrescenta a professora.

Veja quem são os convidados

 

Setembro Amarelo: docentes do curso de psicologia destacam a importância da prevenção ao suicídio e do cuidado com a saúde mental

Por João Fernandes

No dia 10 de setembro, o mundo se une em uma campanha de conscientização que visa sensibilizar e informar sobre a prevenção ao suicídio e a promoção da saúde mental. Este dia é oficialmente reconhecido como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) não fica de fora dessa iniciativa reforçando a importância da divulgação de cuidados com a saúde mental  

Para discutir esse assunto tão relevante, a Ascom entrevistou duas professoras do curso de psicologia da UESPI, que compartilharam suas perspectivas sobre a importância da prevenção ao suicídio e do cuidado com a saúde mental.

Setembro Amarelo: por que é importante falarmos sobre prevenção ao suicídio?

A professora. Dr. Nadja Carolina de Sousa, é doutora em Educação Especial e especialista em saúde pública, ela reforça a ideia de que a prevenção ao suicídio não deve ser limitada a um único dia, mas sim ser um compromisso constante com nossa saúde. 

“A importância do Setembro Amarelo se dá por conta do mês ser um lembrete sobre a atenção que devemos dar a nossa saúde mental, que precisa ser trabalhada o ano inteiro, em todas as condições. Logo, essas ações não podem ficar esquecidas, que elas precisam ser contínuas ao longo do ano. Para isso, é fundamental estarmos atentos aos sinais para alertar as pessoas que estejam precisando de apoio”, destaca a professora.

A professora também destaca a importância de debatermos este tema na Universidade, tendo em vista a necessidade de estarmos atentos a quaisquer sinais de risco em todas as esferas. Ela comenta que os cuidados com a saúde mental tem que passar por uma estratégia de comunicação, estratégia de pertencimento,  que possa nos orientar para a compreensão da saúde como um todo. 

“No ambiente acadêmico e profissional, as melhores estratégias que a gente pode lançar, é trabalhar a perspectiva da comunicação não violenta, do autocuidado de modo a nunca permitir situações nas quais nos sintamos desconfortáveis, invadir o nosso espaço, o nosso limite, estar sempre atento para a perspectiva profissional das relações e sempre pontuar quando isso estiver infringindo os nossos limites emocionais”, pontua a professora.

A docente reforça a ideia de que precisamos difundir os cuidados com a saúde mental para além do período da Campanha Setembro Amarelo. Para ela, saúde mental é sinônimo de qualidade de vida.

“Em nossas rotinas cada vez mais agitadas é importante termos sempre  um horário para desenvolver uma atividade física que nos dê prazer ou que nos relaxe, nem que seja ficar parado. Sempre escutar os nossos sinais, procurar auxílio físico e psicológico quando necessário, manter uma rotina de exames, de auto cuidados, e uma rotina de alimentação minimamente possível”, pontua a profissional.

Cuidados que precisamos ter com nossa saúde mental

Para entender melhor como promover o bem-estar emocional e prevenir o suicídio, entrevistamos a Professora Patrícia Moreira, docente do curso de Psicologia da UESPI. 

Para a Professora os cuidados com a saúde mental passam pela  importância de favorecer o bem-estar no dia a dia. Isso envolve cuidar do ambiente em que vivemos. Ela explica que para cada indivíduo, o que proporciona bem-estar pode variar. Alguns encontram conforto na natureza, outros em práticas de atividades no dia a dia.

“Cuidar da nossa saúde mental envolve diferentes estratégias desde estar sempre praticando atividade física orientada por um profissional, ou  seja também uma caminhada, danças das diversas formas, trabalhos também ligados aos controle da respiração, se envolver em trabalhos ligados à redução de estresse, tais como, yoga, meditação, mindfulness, que é uma prática de se mantendo aqui e agora”, destaca a profissional.

A docente nos diz que essa jornada envolve uma combinação de fatores, desde a personalização das estratégias de bem-estar até a criação de ambientes que nos façam sentir bem. 

“Para quem enfrenta ansiedade ou estresse no ambiente acadêmico e profissional é de suma importância gerenciar o tempo, evitar acumular trabalho, trabalhar em equipe, intercalar tarefas estressantes com momentos de relaxamento e cuidar das relações interpessoais. Com atenção e compreensão, podemos construir uma sociedade mais saudável emocionalmente e apoiar aqueles que precisam de ajuda”, finaliza a professora.

 

Grupo psicoeducativo organiza palestra sobre “Relacionamentos Afetivos”

Por Giovana Andrade

O grupo psicoeducativo do Serviço de Psicologia do Departamento de Assuntos Estudantis e Comunitários (DAEC-PREX) organiza palestra sobre “Relacionamentos Afetivos”. O objetivo é desenvolver um momento aberto para dialogar sobre as estratégias para manter relações saudáveis e leves.

A ação acontece amanhã (12), às 11h, pela a plataforma do google meet. Pode participar da ação toda a comunidade acadêmica da UESPI( discentes de todos os Campi, regime presencial e EAD, professores e funcionários)  e a inscrição é através do WhatsApp (86) 99498-5419.

João Nunes, estagiário do Serviço de Psicologia, destaca que a ideia do tema surgiu a partir da observação da importância dessas questões e das demandas que chegam ao setor. Ele explica que conflitos em relacionamentos afetivos e familiares são comuns e é essencial discutir e intervir nessas temáticas para promover mudanças positivas.

“Primeiramente, é importante reconhecer que a comunidade acadêmica desempenha diversos papéis em suas vidas. No dia a dia, eles são estudantes, filhos, namorados, amigos, entre outros. Por isso, abordamos questões que vão além do contexto universitário, pois tudo isso influencia na saúde mental das pessoas, tanto para adoecer, quanto para prevenir e melhorar a qualidade de vida emocional delas. Por isso, ao trabalharmos a psicoeducação em diferentes áreas da vida dessas pessoas, caminhamos em direção ao equilíbrio e ao bem-estar delas”.

Ele ainda enfatiza que quando é reservado espaço para que as pessoas possam conversar sobre esses assuntos, os resultados são positivos. “As pessoas se sentem valorizadas e vistas em relação às suas vivências. É um reconhecimento de que suas experiências são importantes e dignas de atenção”.

Inscrições abertas para o I Seminário de Saúde Mental do Centro de Ciências da Saúde

Por Clara Monte

Acontece entre os dias 10 a 14/07, o I Seminário de Saúde Mental do Centro de Ciências da Saúde (CCS)/UESPI – “Do estresse à boa Saúde Mental na Universidade”. O evento ocorre de forma presencial, no horário das 14h às 18h, no Auditório da FACIME.

A iniciativa partiu da professora do curso de Psicologia, Francine Paes Landim Paes Landim de Oliveira Leal, juntamente com as Coordenadoras do curso de Educação Física, Patrícia Uchôa Leitão Rebouças, Coordenadora do curso de Psicologia, Rafaella Coelho Sá e  Diretora do Departamento De Programas e Projetos De Extensão – DPPE, Aline Martins Diolindo Meneses.

O objetivo do Seminário é proporcionar aos estudantes do Curso de Psicologia e aos demais dos cursos da UESPI, a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos sobre a importância dos cuidados com a saúde mental, além de criar um espaço para a diálogo e disseminação de conhecimentos científicos relacionados a essa temática.

A oportunidade irá contar com uma série de palestras de professores da instituição, que irão abordar assuntos como: procrastinação, o papel da família no processo de construção da saúde mental, ansiedade, internet e saúde mental, pandemia e transtornos mentais, LGBTQIAPN+ e bem está mental.

A idealizadora do projeto, Francine Paes Landim Paes Landim de Oliveira Leal, explica a necessidade desse tipo de evento ao destacar que ao entrar e permanecer na universidade, suscita uma grande mudança na vida dos alunos, geralmente, acompanhada de sentimentos de euforia e ansiedade.

“Esses sentimentos são provocados pelos desafios impostos durante todo o período acadêmico. Todas essas exigências podem acarretar dificuldades que afetarão de forma significativa a qualidade de vida dos estudantes e de toda a comunidade educativa, sendo a prevenção do adoecimento uma das principais frentes de cuidado. Contudo, se faz necessária, a criação de estratégias que buscam promover o bem-estar de todos os envolvidos. Esse seminário se mostra bastante útil para todos nós”.

A oportunidade tem certificação de 30h para os inscritos, mediante a frequência de 75% no evento.

Acesse : Link de inscrição

Confira as palestras de cada dia:

           

Ciclo de palestras: parentalidades reais, coragem para se olhar além

Por Clara Monte 

A Diretoria do Núcleo Descentraliza Psi, juntamente com o atual Centro Acadêmico de Psicologia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), promovem o “Ciclo de palestras: parentalidades reais, coragem para se olhar além“. O evento acontece dia 26 desse mês, das 16:30h às 19:20h, presencialmente no Auditório CCS – UESPI.

O projeto é sobre parentalidade, família, maternidade, cuidado e a coragem para olhar além. A oportunidade contará com duas palestras, a primeira com a temática: “parentalidade, família e cuidado: coragem para olhar além, com a psicóloga Isabela Brito Lima; e a segunda com a temática “Saúde mental materna importa”, com a psicóloga Raissa O’hara.

A Diretora do Núcleo Descentraliza PSI e aluna de psicologia da instituição, Luiza Leão, explica que o ciclo de palestras foi pensado para dá visibilidade as temáticas, possibilitar ao público o compartilhamento das suas vivências de trabalho e estudo, além de conhecer mais sobre a literatura atual sobre os temas e sobre os movimentos que defendem essas causas.

“Nosso principal intuito é trazer essa temática tão significativa e necessária, porém, um tema que, muitas vezes, não temos oportunidade de ver e refletir durante a graduação. Com essa oportunidade de conhecimento torna-se de extrema relevância para nós estudantes e futuros profissionais da área da saúde”.

O evento é aberto para toda a comunidade acadêmica da UESPI e conta com certificação de 10h. Não é necessário a inscrição com antecedência.

Serviço de psicologia da Uespi promove mesa redonda voltada para a saúde mental da mulher

Por Luana Silva

Nesta quinta-feira (16), o serviço de psicologia professora Thais Virginia Sucupira, da UESPI(DAEC-PREX), irá promover uma mesa redonda com a temática “Como anda a saúde mental da mulher?”.
O evento será de forma on-line, na plataforma
Google Meet, às 11h. Para participar deve ser realizado o cadastro através do formulário no seguinte link: https://forms.gle/1trPxeqnwboxKdUq7


A palestra terá uma abertura, onde terá a apresentação do serviço ofertado pela Universidade Estadual do Piauí, das profissionais que irão conduzir a roda de conversa, as convidadas e os objetivos do evento. Serão destacados pontos importantes para a vivência das mulheres em diferentes contextos de suas vidas. Além disso, será desenvolvido dinâmicas durante o diálogo para melhor contextualizar a temática e gerar mais participação.
O objetivo geral é dialogar sobre a saúde mental da mulher, que busca refletir sobre a naturalização de violências e como combatê-las, também como trazer a discussão acerca de temas específicos, como: discutir violências normalizadas que as mulheres estão subordinadas; refletir sobre o emocional da mulher no contexto universitário e proporcionar espaço de esperança sobre o cuidado em coletividade.
Em alusão ao mês da mulher,  a psicóloga e organizadora da palestra, Juma Frota, esclarece que o intuito da temática é abordar questões que são pertinentes para as e a importância para as mulheres. “Buscamos realizar em formato de mesa redonda para facilitar a discussão do tema, o intuito é de facilitar a troca com os participantes do grupo sobre essa temática, que é bastante delicada, mas de forma sútil, responsável e crítica. A violência contra a mulher é algo que, infelizmente, tem aumentado nos últimos anos. O tema é algo que deve ser trabalhado de forma continuada, a informação e conhecimento a título de prevenção é uma das soluções. Sabemos que as políticas de proteção são bem escassas e as que temos são pouco divulgadas, então é de suma importância falar sobre”, explicou a psicóloga.

Serviço de Psicologia da PREX oferece Grupo Terapêutico para a comunidade acadêmica

Por Luana Silva

O Grupo Terapêutico foi idealizado pelo Serviço de Psicologia do Departamento de Assuntos Estudantis e Comunitários (DAEC-PREX) no início do ano de 2022 e tem com finalidade proporcionar psicoeducação, qualidade de vida e saúde mental no interior do ambiente universitário. O primeiro encontro do Grupo Terapêutico foi realizado em 01 de junho de 2022, momento em que a equipe foi qualificada com mais profissionais da área da psicologia.

De acordo com a psicóloga Mariane Siqueira, o grupo terapêutico foi criado a partir da constatação do maior número de  incidências nos atendimentos individuais e também para que fosse possível aumentar o número de pessoas atendidas com o serviço. “Essa proposta surgiu porque, durante os nossos atendimentos individuais, percebemos que havia uma grande incidência de certas demandas. Então, uma das demandas mais levantadas era com relação ao manejo da ansiedade, por isso, resolvemos enfatizar o nosso primeiro grupo sobre as técnicas, as estratégias, as formas que podemos lidar com a ansiedade”, explicou a psicóloga.

O serviço é disponibilizado para alunos e funcionários da instituição, a inscrição deve ser realizada por meio do whatsapp: (86)99498-5419, e funciona em duas modalidades: a presencial e virtual, ambas são quinzenais, as quartas-feiras. O atendimento presencial ocorre às 11h00, no anfiteatro do CCN, o online ocorre entre 10h00 às 10h30 com duração de uma hora pelo google meet. Atualmente, apenas a modalidade virtual está em funcionamento devido ao período de férias.

“Desde o ano passado, estamos trabalhando com a temática da ansiedade, dando enfoque nas estratégias que podem ser utilizadas para lidar com a mesma, para desmistificar também muitos tabus que envolvem a ansiedade e mostrar para a população acadêmica que nós entendemos, nós somos sensíveis sim a essa temática dentro do contexto acadêmico. E o grupo também funciona como uma ferramenta onde as pessoas possam fazer essa troca. É um momento de troca, não é só um profissional ali falando sobre o assunto, mas são pessoas reais que vivenciam e que podem dar a sua contribuição”, reforçou Mariane Siqueira.

 

Laboratório de Neurociência da Uespi contribui em live sobre rastreameto ocular em neurociência cognitiva

Por Clara Monte 

Nesta segunda-feira (23), o curso de psicologia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), abrirá uma Live sobre contribuições do rastreamento ocular em neurociência cognitiva, linguagem e aprendizado.

Organizador do encontro, o professor e psicólogo Eleonardo Rodrigues, explica que os focos da Live serão voltados na cognição pra progressão de pensamento, memória, atenção, percepção, a tomada de decisão e raciocínio, que são chamados os processos psicológicos básicos do cérebro. A proposta é que os alunos entendam como estudar esses processos dentro da perspectiva da neurociência, associando com a psicologia.

“A Live faz parte do grupo de estudo que temos de neurociência no laboratório de neurociência cognitiva da UESPI, que apesar de não ter um lugar fixo, faz parcerias com outras instituições, e pertence ao CCS. Esse laboratório foi criado justamente pra desenvolver grupo de estudo que possa capacitar os alunos do curso a compreender melhor e aprofundar os estudos em psicologia e neurociência. Desenvolvi pesquisas associadas ao comportamento cerebral que refere-se a associação dos estudos da cognição. Essas pesquisas propõem estudar a neurobiologia da mente especificamente pra gente entender as suas contribuições para a psicologia.”

Dra. Elis Texeira, cientista e professora do departamento de letras vernáculas da UFCE, coordenadora do laboratório de ciências cognitivas e psicolinguística, e doutora em linguística pela UFCE é a palestrante oficial do encontro e afirma que durante a transmissão vai explicar o que é rastreamento ocular, quais suas técnicas, e qual sua metodologia.

“Essa área tem uma relação com a neurociência cognitiva porque é uma metodologia que a gente chama de online, pois ela regista os movimento oculares dos participantes enquanto eles estão realizando uma atividade cognitiva, ou seja, quando o cerébro é capaz de perceber, raciocinar e armazenar as informações captadas pelos sentidos”.

A palestrante ressalta que durante sua aula de rastreamento ocular, irá falar sobre suas contribuições em pesquisas sobre corpos de leitura, além de estudos relacionados ao autismo e condição de sinestesia.

A Live será transmitida as 19:30 no instagram da @labonc_uespi

 

Campus de Picos: Projeto de Extensão conscientiza comunidade sobre o Janeiro Branco

Por Vitor Gaspar

Em alusão a Campanha Nacional de conscientização a saúde mental intitulada de “Janeiro Branco”, estudantes do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Prof. Barros Araújo em Picos, desenvolvem um projeto de extensão direcionado à comunidade interna e externa da instituição.

Equipe reunida no campus durante a ação

O projeto está sendo executado pelos estudantes do 2º e do 7º bloco do curso, teve início na última sexta-feira (13) e se estende até o dia 03 de fevereiro com atividades sendo realizadas no campus e no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Na UESPI, foi realizado o dia “D da Campanha Janeiro Branco” (13/01/2023), através de dinâmicas, rodas de conversa, apresentação de cartazes sobre a importância do cuidado com a saúde mental e entrega de panfletos sobre autocuidado.

Momento em que os visitantes tiveram a oportunidade de conversar com os estudantes

Para Rayla Sousa, aluna do 7º período, a temática é bastante relevante. Ela destaca outras campanha que os discentes já realizaram atividades, como o Outubro Rosa e Novembro Azul. “Mostramos o tema a nossa coordenadora e construímos o Projeto de Extensão. O projeto dialogou muito com a nossa disciplina de Saúde Mental e Psiquiatria e aqui estamos ouvindo os alunos, as queixas e estamos conseguindo indicar para eles o serviço de apoio psicológico da própria universidade. Os alunos podem buscar e se cadastrar para conseguir esse acompanhamento até mesmo indicando o serviço para a própria cidade”, finaliza.

Cartazes de divulgação do evento

As atividades foram realizadas em um local central do Campus, dando acesso aos discentes e todos os profissionais: docentes, técnicos administrativos e servidores no turno manhã e tarde. No CAPS, as ações serão realizadas durante 3 semanas e voltadas para um público-alvo com maior vulnerabilidade mental.

Segundo Gabriela Ferreira, estudante do 2º bloco, essa experiência foi muito importante visando sua formação acadêmica Para ela esse projeto ajuda os discentes a adquirir experiência.
“Dentro da Universidade, percebemos a importância de um evento como esse, que trata sobre saúde mental, por conta de percebemos que existem pessoas que sofrem com transtornos, mas que, as vezes, não se importam ou acabam deixando de lado. Aqui nós fazemos esse trabalho de mostrar o que é ansiedade, depressão e da importância desse tratamento”, encerra.

Cartolina com explicação de questões voltadas a temática apresentada

Além das ações do dia D, o Projeto  também será ira construir um material didático e organizar uma oficina cultural com os pacientes desse setor. A disseminação dos resultados está sendo realizada por meio de trabalhos que contemplem as interfaces discutidas no Janeiro Branco.

Projeto de Extensão JANEIRO BRANCO: CONSCIENTIZAÇÃO E CUIDADO COM A SAÚDE MENTAL

Coordenadoras: Professoras Dra. Gerdane Celene Nunes Carvalho e Me. Maria da Conceição Portela Leal

Organizadoras e Colaboradoras: Professoras Me. Roseane Luz Moura, Dra. Mariluska Macedo Lobo de Deus Oliveira, Dra. Laise Maria Formiga Moura Barroso e Dra. Juliana Barbosa Dias Maia.

Janeiro Branco: UESPI oferece serviço dedicado aos cuidados com a saúde mental

Por João Fernandes

O mês de janeiro foi escolhido pelos profissionais da Área da Psicologia como período para sensibilizar sobre os cuidados com a saúde mental. Com isto, a campanha Janeiro Branco surgiu no Brasil, em 2014, e seu lema é “o mundo pede saúde mental”. O objetivo da campanha é chamar atenção dos indivíduos, das instituições, da sociedade e das autoridades para as necessidades relacionadas à saúde mental.

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) mantém um trabalho constante de manutenção e expansão de dispositivos que auxiliam a comunidade acadêmica a lidar com questões relacionadas a essa temática. O Serviço de Psicologia da UESPI é  conduzido pelas psicólogas Mariane Siqueira, Juma Alves e Sara Noara com atendimentos disponibilizados para acolher estudantes, servidores, técnicos e docentes da Universidade.

Para Mariane Siqueira, especialista – psicóloga, a Campanha Janeiro Branco é importante já que acontece no primeiro mês do ano, época em que as pessoas estão mais reflexivas acerca de suas vidas, de suas relações, dos sentidos que possuem, sobre os acontecimentos que viveram e novos projetos para o ano que se inicia. “A campanha busca atuar como um chamado para os cuidados para além de sua saúde física. Além disso, a campanha possibilita reduzir preconceitos e sensibilizar a população sobre temáticas importantes”, destaca.

Apesar de ser uma data importante para a conscientização geral da população em prol da saúde mental, a especialista lembra que a sociedade não deve lembrar dos cuidados somente no Janeiro Branco ou Setembro Amarelo. ” As datas nos ajudam a conscientizar a população sobre o tema, porem, é de suma importância que as pessoas, as instituições e profissionais da área estejam cada vez mais dispostos a estarem atentos aos cuidados necessários”, acrescenta a psicóloga.

De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde, publicados em 2019, quase um bilhão de pessoas, incluindo 14% dos adolescentes do mundo vivem com algum transtorno mental, situação agravada pela pandemia de Covid-19. O estudo ainda faz varias recomendações de ações para estimular a mudança de atitudes em relação à saúde mental, com foco em “aprofundar o valor e o compromisso que damos à saúde mental”.

Com foco na Campanha Janeiro Branco, o serviço de psicologia da Universidade oferece apoio emocional e orientações para que os indivíduos possam ter uma visualização real das situações que irão vivenciar no novo ano, ajudando-os no enfrentamento de crises, contribuindo para o bem estar emocional e a promoção da saúde mental da equipe acadêmica.

“O serviço de psicologia é aberto à nossa comunidade, com atendimentos e  promoção de projetos e ações voltados para a conscientização da saúde mental, como por exemplo Janeiro Branco e Setembro Amarelo. As ações envolvem palestras e intervenções para chamarmos atenção sobre a importância desse tema”, finaliza.

Atendimentos

O Serviço de Psicologia situa-se no Campus Poeta Torquato, em Teresina, atuando em três modalidades, começando por atendimentos presenciais, aconselhamento individual, agendado através do WhatsApp e com grupos terapêuticos. Os agendamentos para atendimentos on-line e presencial, seguem a ordem de uma lista de espera.  Número para agendamentos: (86) 99498-5419

Os atendimentos são realizados de segunda a sexta de 07:30 a 13:30. Nas salas de Psicologia da UESPI (Palácio Pirajá)

Conheça mais sobre o Núcleo de Apoio Psicopedagógico (NAPP)

Por Clara Monte

O Núcleo de Apoio Psicopedagógico da UESPI (NAPP) é um projeto permanente que surgiu da necessidade de assistência psicopedagógica aos discentes, nele é desenvolvido acolhimento e acompanhamento dos anseios estudantis, tendo em vista seu processo acadêmico.

O núcleo possui um coordenador que é um/a professor/a psicólogo/a vinculado/a ao curso de psicologia do CCS/UESPI de Teresina, indicado pela Coordenação do Curso, endossado pela Direção do CCS e designado por portaria pela reitoria da UESPI. Os professores do curso de psicologia podem realizar atendimento. Neste caso, esses professores apresentam semestralmente seu interesse e disponibilidade, conforme suas necessidades relativas aos encargos, que podem variar semestralmente.

Os atendimentos são agendados presencialmente na Coordenação do NAPP ou através do e-mail napp@ccs.uespi.pi,  e podem ocorrer em duas modalidades: presencial, na Coordenação do NAPP, ou virtual, pelo Google Meet.

João Damasceno Neto, coordenador do núcleo, informa para quem é direcionado os atendimentos e explica a importância desse projeto na adaptação e desafios encontrados nos cursos de saúde da UESPI.

“Os atendimentos são reservados a alunos do CCS de Teresina, ou seja, estudantes dos cursos de educação física, enfermagem, fisioterapia, medicina e psicologia. Esse apoio, é significante pois inclui aprimoramento nos estudos; viabilizar a integração de calouros no meio universitário; auxiliar o nivelamentos de estudantes; proporcionar metodologia de estudo mais apropriadas ao perfil do estudante e às características da matéria; orientações para o adequado uso do tempo, técnicas psicológicas e didáticas para enfrentar seminários”.

 

 

 

 

 

Conecta ENADE: programa realiza aula especial para alunos de Psicologia

Por Vitor Gaspar

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), por meio da equipe de Língua Portuguesa do Programa Conecta ENADE, realiza o encontro “Estratégias de Leitura e Escrita para a Prova do Enade/Psicologia” nessa quinta-feira (27/10) a partir de 18h30.

A aula acontece de forma on-line, via Google Meet sendo uma ação que já faz parte da organização do Conecta ENADE, Projeto de autoria da Reitoria Instituição para preparar os alunos dos cursos da UESPI que farão o exame em novembro. A Comissão do Curso de Psicologia se organizou para personalizar todo o acompanhamento aos alunos, composta pelos professores: Rafaella Sá, Dyego Costa, Aline Meneses e Profa Nadja Pinheiro.

De acordo com uma das integrantes da comissão, a Profa. Nadja Pinheiro comenta que o grupo conseguiu patrocínio de empresas privadas para a confecção de camisas personalizadas para os alunos e que foram distribuídas essa semana, para os professores da Comissão da Psicologia que também acompanharão os alunos no dia das provas. Além disso, a docente complementa que existe um processo de negociação entre a UESPI em busca de um auxílio para água e ítens básicos para os alunos no dia das provas.

“A Comissão Psicologia UESPI já discutiu com os alunos de Psicologia as questões gerais e discursivas, introduzimos as objetivas e agora é o momento da Aula da Professora Dra. Shirley Matos com as dicas para o bom português porque o ENADE tem muitas questões discursivas que exigem articulação de idéias. Portanto para os nossos alunos o acompanhamento tem sido de revisões discursivas, suporte em formato de rede de apoio porque eles já estudam muito, o horário do curso é de 8h as 20h. Os encontros de preparação para o ENADE tem sido online as 18h30 em um dia de janela de aula justamente para que eles possam participar sem sobrecarrega maior”, finaliza.

Convidada a participar da palestra ministrando o tema a ser discutido, a Prof. Dra. Shirley Matos adianta um pouco do trabalho que está sendo feito em conjunto com a equipe. “Especificamente, a equipe de Língua Portuguesa, em que me incluo, fica responsável por esclarecer os alunos sobre as características das questões da prova do Enade e trabalha estratégias de leitura e escrita, a fim de os estudantes adquirirem a melhor condição para responder”, encerra.

SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA CONECTA ENADE

 

Curso de Psicologia da UESPI está entre os melhores do país!

Por Vitor Gaspar

O curso de Psicologia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), está entre os 15 melhores do Brasil, de acordo com o Conceito Preliminar de Curso (CPC) do Ministério da Educação (MEC).

O conceito preliminar de curso (CPC) é calculado no ano seguinte ao da realização do Enade, em cada área, e considera, além do desempenho dos estudantes, o corpo docente, a infraestrutura e os recursos didático-pedagógicos, entre outros itens, sendo um indicador prévio da situação dos cursos de graduação e uma referência de qualidade.

Dessa forma, o curso de Psicologia da UESPI apareceu no ranking justamente por atingir a nota 5 na última prova do ENADE. E para falar sobre isso, a coordenadora do curso, Rafaella Côelho Sá, aproveita para destacar a participação do corpo docente e discente na construção desse importante resultado. “Temos um corpo discente politizado, esforçado e que desde o primeiro bloco já é convidado a entender que o fazer da Psicologia é um misto continuo de teoria, dedicação, responsabilidade, prática, humildade e mais estudo sempre”, comenta.

Lista dos 15 melhores cursos de Psicologia segundo o MEC / Divulgação: estrategiasvestibulares – Instagram

No ENADE, a Comissão própria do Curso conta com equipe de 4 professores: Rafaella Coelho Sá, Dyego de Carvalho Costa, Nadja Pinheiro e Aline Sousa, trabalhando no suporte de rede de apoio a alunos, conseguindo até mesmo patrocínio de empresas particulares para confecção de camisas de identificação que estão sendo distribuídas para os alunos, do primeiro e dos últimos períodos, como também para os professores da Comissão que voluntariamente acompanharão os alunos nos locais de prova.

Segundo a Profa. Nadja Pinheiro, chefe da Comissão do Enade de Psicologia o curso é diferenciado pois, segundo ela, o trabalho enquanto corpo docente e discente acontece antes mesmo do ingresso do aluno. Ela ressalva ainda que o currículo é pensado considerando a responsabilidade Social em ser um curso que atualmente é considerado de Humanas, mas com histórico e representatividade na saúde e educação.

“Nossos alunos vivenciam a Psicologia em um contexto teórico sólido, com material orientador pautado em teóricos e pesquisadores pesquisadores, atualizado em acordo com a literatura da área. O respaldo teórico é vivenciado nas nossas atividades práticas desde o ingresso desse aluno. As referências éticas atendem os dispositivos legais que regem a profissão e também os dispositivos legais dos espaços nos quais estamos inseridos e públicos com os quais trabalhamos”, finaliza a professora.

Teresa Carvalho, estudante do 8º Bloco comenta o curso é bem amplo em relação a teoria, a grade curricular é organizada indo de conteúdos mais básicos primeiro para chegar aos complexos, nos quais os professores, que segundo a discente são extremamente qualificados se preocupam em dividir suas experiências profissionais e levar os estudantes para a prática, também sendo muito incentivados a participar ativamente das aulas, realizando pesquisas e projetos de extensão para complementar conteúdos que o ensino regular não permite e levando experiência à comunidade com responsabilidade social.

“Aprendemos sobre diversas áreas de atuação e abordagens psicológicas e como elas chegam a um objetivo em comum que é a prevenção de agravos em saúde mental, promoção e tratamento dessa saúde individual e coletiva. Acredito que é esse conjunto que fez e faz essa qualidade acontecer, sobretudo a luta diária e os afetos das pessoas envolvidas no curso, discentes, docentes e demais servidores”, encerra a discente.

Bacharelado em Psicologia

O Psicólogo atua em instituições educacionais, hospitais, clínicas e serviços de especialidades em saúde e consultórios privados; podendo ainda atuar em unidades básicas de saúde, centros de atenção psicossocial, centros de treinamento esportivo; prestar consultorias no desenvolvimento organizacional, desenvolvimento e capacitação de equipes de trabalho, atuar em empresas de seleção, acompanhamento e desenvolvimento de pessoas; em planejamento e execução de políticas públicas de cidadania, direitos humanos e prevenção à violência; nas avaliações psicológicas no sistema judiciário; na atenção psicológica a detentos e a familiares.

Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade da UESPI promove campanha em alusão ao Setembro Amarelo

Por Vitor Gaspar

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), realizou durante o mês de setembro ações em comunidades em bairros da cidade de Teresina-PI em alusão a campanha do Setembro Amarelo, campanha de prevenção ao suicídio.

Idosos segurando faixa do Setembro Amarelo

A equipe desenvolveu várias ações em comunidades, por meio de rodas de conversa, vivências, discussões e reflexões acerca da temática. Os locais onde foram realizadas as ações foram no Centro Social Padre Pedro Arrupe, com a participação dos idosos, no Centro Social Cristo Rei, com pessoas da comunidade, além de atividades nos espaços comunitários das unidades básicas de saúde dos bairros Cristo Rei e Monte Castelo, onde as ações contemplaram os usuários das respectivas UBS.

A Preceptora Camila Siqueira destaca que em todos os anos a equipe desenvolve ações em comunidades, pois a Residência está vinculada a algumas Unidades Básicas de Saúde (UBS), na cidade de Teresina. Em cada UBS são desenvolvidas atividades relacionadas as temáticas desenvolvidas ao longo do ano. Ela destaca a recepção positiva das pessoas que estavam nos locais acompanhando o trabalho.

Ações sendo desenvolvidas em uma comunidade

“As pessoas nos recebem muito bem, se engajam nessas atividades e os resultados são muito positivos porque percebemos que esse acesso a informação ajuda a prevenir questões relacionadas ao suicídio. Essas pessoas podem ser consideradas como multiplicadoras, pois elas acabam levando essas informações para dentro de casa e para a vizinhança, além de realizar algumas orientações sobre que tipo de rede procurar, já que apresentamos tudo isso a elas durante as nossas rodas de conversa”.

Para o psicólogo residente Felipe Braga, as ações foram realizadas seja especificamente na categoria de psicologia, seja de forma multiprofissional. “Graças a Deus tudo correu muito bem, tivemos boa recepção por onde passamos! Cada um dos momentos criados foi importante para levar às pessoas a importância do autocuidado, dos fatores de proteção para uma boa saúde mental e também para divulgar a Rede de Atenção Psicossocial de nossa cidade e nosso estado”.

Os encontros contam com entrega de presentes para os participantes

Segundo Rose Batista, Preceptora do Programa, as pessoas são conhecedoras do trabalho e isso garante uma boa receptividade e participação nas ações desenvolvidas. Segundo ela, no Programa, a categoria de Psicologia se organiza realizando atividades em grupos, atendimento psicológico na modalidade de plantão psicológico. “Temos também visitas domiciliares, educação em saúde e saúde mental, psicoeducação e atualmente com atuação em estágio na Gerência de Saúde Mental do Estado e projeto também versando sobre saúde mental numa escola do território a ser executado em breve com alunos do 7° ano do Ensino Fundamental Maior”, finaliza a professora.

Serviço de Psicologia disponibiliza vagas para Grupo Terapêutico com foco em manejo da ansiedade

Por Anny Santos

Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), através do Serviço de Psicologia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), disponibiliza vagas para o novo projeto de atendimento à comunidade acadêmica, o Grupo Terapêutico com foco em manejo da ansiedade.

Conduzido pelas psicólogas da nossa UESPI, Juma Frota, Mariane Siqueira e Sara Noara, o grupo propõe promover apoio emocional e social aos integrantes, desenvolvendo ferramentas e habilidades de manejo da ansiedade, interação social e estratégias de resolução de conflitos.

Para a Psicóloga Mariane Siqueira a ansiedade tem se tornado algo recorrentemente falado, pois inúmeras pessoas sofrem com os efeitos dela. De acordo com a profissional, é importante trazer, nesse momento, um serviço onde possa ser trabalhada as questões relacionadas a temática e, consequentemente, os meios para o enfretamento.

“Esse espaço é um local de acolhimento, reflexão e troca de informações. Falar de saúde mental em todos os lugares é importante, principalmente dentro do ambiente acadêmico. Orientar a população para que ela tenha um olhar mais sensível para a própria saúde mental e para a do outro é fundamental”, destaca.

Grupos de apoio possuem um importante papel, pois ao oferecerem apoio emocional e orientações, possibilitam que os indivíduos visualizem a percepção real sobre a situação que vivenciam, ajudando-os no enfrentamento de crises. Além disso, através do grupo, potencializa-se as interações, o compartilhamento de experiências e a melhoria na adaptação ao modo de vida.

Aberto para discentes e funcionários, os encontros serão realizados às quartas-feiras, no horário de 10h30, no Anfiteatro do Centro de Ciências da Natureza (CCN). As inscrições devem ser feitas através do número de WhatsApp (86) 9 9498-5419.

Cursos de Psicologia e Jornalismo da UESPI criam Liga Acadêmica de Psicologia e Cinema (LAPCine)

Por Anny Santos

Os cursos de Psicologia e Jornalismo da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) criaram a Liga Acadêmica de Psicologia e Cinema (LAPCine), sob orientação da Profa. Ma. Valéria Sena, do curso de Psicologia e da Profa. Ma. Sammara Jericó, do curso de Jornalismo. É a primeira da instituição a unir os respectivos cursos.

A LAPCine, voltada para estudos interdisciplinares entre Psicologia e Cinema, surgiu na disciplina de Psicologia Social I, ministrada pela Profa. Ma. Valéria Sena, a partir de discussões em sala de aula sobre a relação do conteúdo da disciplina com filmes e documentários. Com havia muita participação, a turma teve a ideia de ampliar as discussões dos filmes levando os debates para a comunidade acadêmica.

Isabela Mello, aluna do 4° bloco do curso de Psicologia e Coordenadora Discente da liga, ressalta que a LAPCine abrirá espaço para a produção acadêmica e poderá levar inúmeras pessoas a pensarem na sétima arte como objeto e/ou ferramenta de estudo. “Sempre que estudávamos diferentes abordagens ou áreas da psicologia a gente se percebia encontrando referencias em filmes, documentários, séries e surgiam debates interessantes. As diversas formas como as emoções são representadas na tela, como cada indivíduo interpreta o que é passado, como a sociedade compreende certo fenômeno e como isso impacta os sujeitos são exemplos de como o cinema pode trazer a compreensão da Psicologia como ciência da subjetividade e motivar o estudo e análise de processos do comportamento de indivíduos e grupos humanos em diferentes situações”.

Segundo a Profa. Ma. Valéria Sena, o projeto da LAPCine tem a proposta de, posteriormente, ampliar as apresentações e discussões dos filmes ou documentários para as comunidades vulneráveis com o objetivo de possibilitar consciência crítica e análise das problemáticas sociais. “Estamos lançando o edital disponibilizando 20 vagas para alunos que irão participar como ligantes na organização, discussões teóricas e produções científicas. No entanto, os eventos, apresentações e discussões dos filmes e/ou documentários serão abertos ao público acadêmico”, destaca.

A ideia é trazer também a contribuição do Jornalismo nas discussões. A liga possibilita que os discentes desenvolvam diálogos entre Psicologia e Cinema, especialmente na contextualização de obras cinematográficas, tendo por base teorias e métodos de investigação psicológica.

Para a Profa. Ma. Sammara Jericó, a LAPCine irá fomentar os estudos dos ligantes com atividades que possibilitam, além de transformação social, a prática e aprimoramento de conteúdos que são ensinados em sala de aula, ampliando o senso critico e desenvolvimento cientifico. “Dentre os inúmeros benefícios, os alunos de Jornalismo podem promover debates de temáticas sociais através de produções audiovisuais, desempenhando um importante papel em comunidades locais – o de viabilizar o acesso a cultura e conhecimento. A liga possibilita essa interdisciplinaridade que irá trazer grandes contribuições acadêmicas para nossos alunos”, finaliza.

https://linktr.ee/lapcine

Confira o Instagram da LAPCine

UNATI: Alunas de Psicologia trabalham qualidade de vida, social e emocional com os idosos

Por Maria Visgueira

Estudantes do curso de Bacharel e Licenciatura em Psicologia, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), ministram aulas para os alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI),visando a melhora da qualidade de vida, social e emocional das idosas e idosos.

As alunas Maria do Carmo e Maria Alice Reis, estagiárias do curso de Psicologia no programa, já desempenharam trabalho de extensão na Unati. Conhecedoras da realidade do programa, propuseram a ação de abordar habilidade socioemocionais em uma disciplina. O trabalho tem a coordenação do professor e supervisor de estágio Diego Costa.

Alunos na aula de habilidade socioemocionais

Alunos na aula de habilidade socioemocionais

 

As aulas remotas acontecem desde novembro de 2021, pela plataforma do Google Meet. Com os estudantes, são desenvolvidos exemplos práticos baseados no contexto e vivência deles.

A disciplina visa trabalhar com a qualidade de vida, social e emocional. A aluna Maria Alice Reis afirma: “queremos proporcionar o melhoramento na qualidade de vida deles, tanto no contexto pandêmico como também na vida deles como um todo. Buscamos desenvolver as habilidades sociais e socioemocionais, bem como os domínios da inteligência emocional, procuramos exemplificar e treinar essas competências no cotidiano deles”.

Cada aula é tratado dois temas que estão sempre conectados. A estudante de psicologia Maria do Carmo relata a medida que o conteúdo é apresentado, é dado exemplos práticos do dia-a-dia. “Fazemos isso para que seja de fácil compreensão para eles. Instigamos a eles a darem um exemplo também, assim eles vão participando”, explica.

As aulas promovem benefícios na convivência dos estudantes com seus famíliares, que se mostram bastante satisfeitos e participativos durante as atividades. Eles expressam suas dúvidas e esclarecimentos sobre o tema trabalhado na aula. A aluna da UNATI, Eliete Quirino, manifesta total satisfação com a atividade .” A disciplina é muito importante para nós. Ensina a melhorar a comunicação com as pessoas, a ter mais respeito pela dor do outro e praticar sempre a empatia”, finaliza Eliete Quirino.

Projeto de psicologia promove encontros virtuais para tratar sobre saúde mental com estudantes da UESPI

Por Liane Cardoso

Pensando na saúde mental dos estudantes da Universidade Estadual do Piauí, o curso de Psicologia da UESPI lançou o Projeto Girassol: Acolhendo em Rede. A ação é destinada aos alunos de todos os campi da instituição e acontecerá entre os meses de julho e agosto.

A atividade é desenvolvida pelo grupo de estagiários de Psicologia comunitária e supervisionada pela professora Camila Siqueira Cronemberger Freitas, docente do curso de Psicologia. O objetivo da equipe é promover ações coletivas voltadas para a saúde mental dos estudantes universitários em tempos de pandemia, via modalidade online.

Inscreva-se e participe do projeto

“Nós entendemos que nesse período de Pandemia muitas coisas mudaram, então esse grupo de saúde mental visa discutir essas questões. Realizaremos rodas de conversa, debates e orientações aos participantes. Temas relacionados a ansiedade, procrastinação e outros apresentados pelos estudantes também serão abordados nos encontros”, informou a psicóloga Camila Siqueira, orientadora do grupo.

De acordo com Trix Gomes, discente do 8º período do curso e integrante da proposta, é urgente a necessidade de atividades e projetos que busquem fortalecer a saúde mental dos estudantes. “Queremos construir um espaço seguro de acolhimento e expressão de sentimentos para esses alunos, no qual possamos discutir em conjunto as principais queixas trazidas pelo coletivo e propor com isso intervenções psicoeducativas para melhor lidar com essas questões”, destacou Trix.

As inscrições estão abertas e disponíveis através de uma página no Google formulários.

Os interessados podem escolher entre 04 opções de horários para participar dos encontros: Terça-feira, às 19h; Quinta-feira, às 19h; Sábado, às 10h; Sábado; às 14h. Os encontros serão na plataforma Google Meet e o link será disponibilizado com antecedência via email.