Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

Volta às aulas da Uespi 2022.1: calouros e veteranos recebem as boas vindas da comunidade acadêmica

Por Anny Santos, Giovana Lopes e Vitor Gaspar

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) retornou suas aulas nesta segunda-feira (03).O período corresponde ao semestre 2022.1. Cerca de 9.440 alunos estão matriculados, sendo 1612 calouros na graduação. O novo período seguirá até 11 de fevereiro de 2023. 

Professor Paulo Henrique, Pró-Reitor de Ensino e Graduação.

O professor Paulo Henrique, Pró-Reitor de Ensino e Graduação (PREG), dá boas-vindas para os calouros e veteranos que chegam neste período e destaca recomendações.

“Primeiro quero começar desejando boas vindas a professores, técnicos e estudantes. A Universidade sempre vive um momento de festa no inicio de cada período letivo com expectativas de que a gente possa da continuidade a missão de está sempre formando profissionais de qualidade aptos a enfrentar o mercado de trabalho. Para o retorno as recomendações é a anexação do cartão de vacina atualizado no sistema Aluno Online, o uso de máscara para pessoas com alguma comorbidade ou sensibilidade a virose, e naquilo que puder deixar janelas ou porta aberta para que haja uma circulação de ar dentro da sala.

Ele acrescenta que a Universidade está atuante para proporcionar um ensino de excelência e de oportunidades para todos. “Agora a universidade irá iniciar dois projetos muito importante, O reitoria itinerante, em que os membros da administração superior irão visitar todos os campis ouvindo demandas, realizando palestras no sentindo de aproximar cada vez mais a acadêmica da administração, outro projeto é o Conecta ENADE que vai da todo suporte para os estudantes que estão saindo, para manter os indicadores de qualidade dos nossos cursos sempre em alta como sempre foram”.

Conheça nossos calouros

São mais de 1.000 calouros no nossa universidade, com eles novos sonhos e histórias. Ana Clara Abreu, caloura do curso de História, campus Poeta Torquato Neto, veio do município de Buriti, no Maranhão, acompanhada por sua mãe, Selene Abreu. Para ela, o curso é a primeira experiência com a Educação Superior, sendo a primeira de sua família a ser aprovada em uma universidade pública. “Espero somar cada vez mais, não me desenvolvendo apenas enquanto profissional, mas contribuindo para a sociedade. O que acontece aqui hoje, nesse primeiro dia de aula, tem um significado muito grande para mim. Espero poder somar na educação do nosso estado e país”.

Para Selene Abreu, mãe de Ana Abreu, é uma experiência gratificante poder acompanhar sua filha logo no primeiro dia de aula. Além disso, Selene sente-se bem ao perceber que Ana está sendo acolhida por bons professores e novos amigos. Algo importante para alguém que trocou recentemente de rotina ao mudar de cidade e estado.

“Tenho fé que dará tudo certo. Estou feliz por ver minha filha trilhando esse caminho e sendo bem recebida. Saber que ela foi a primeira da família a conseguir alcançar esse sonho é felicidade em dobro. A coordenadora do curso e vários outros professores nos receberam muito bem, tenho certeza que os novos alunos estão em boas mãos”.

Ana Clara e Selene Abreu

Naysa Lima, caloura do curso de Química, campus Poeta Torquato Neto, pontua que essa experiência de voltar a estudar após a pandemia é muito significativa. A aluna, como grande parte da população, possuía incertezas em relação a adaptação de uma nova realidade. Além disso, cursar Química abre, segundo ela, caminhos que almeja trilhar.

“É muito bom poder voltar a ter um convício mais próximo como era antes da pandemia. As minhas expectativas com o curso são as melhores possíveis e fomos muito bem recebidos pelos professores e pela Coordenação. Também nos informaram sobre os programas da instituição, além de se colocarem a nossa disposição”.

Naysa Lima e Colegas do curso, Antônio Brito e Geraldo Neto

Maria Leal, mais nova aluna do curso de Zootecnia, acredita que o curso é um oportunidade de aprender e desenvolver suas habilidades, com retorno social. Para ela, o curso representa uma escolha e mantém boas expectativas com as próximas semanas de aula. “Costumo dizer que o curso me escolheu. acredito que vou descobrir novos caminhos e ter uma perspectiva melhor sobre diversas coisas. Me identifico com a área animal, então essa é uma ótima oportunidade de desenvolver isso”.

Maria Leal

Professores e coordenações desenvolvem ações de boas vindas

Durante o primeiro dia de aula do semestre 2022.1 Coordenadores, Professores e Diretores de diferentes cursos, prepararam recepções para os calouros, explicando o funcionamento da Instituição, apresentando as salas e destacando o que eles podem esperar ao longo do período.

No Centro de Ciências Humanas e Letras (CCHL) a direção preparou um evento de recepção para os calouros, com cada coordenação estando responsável por fazer uma organização de uma aula inaugural para cada curso. Para o Prof. Omar Albornoz, Diretor do Centro, e Professor de Letras/Espanhol, os calouros sempre entram com um grande ânimo por estarem entrando na Universidade pela primeira vez, destacando o acolhimento organizado para eles.

“O que nós fizemos ajudam a manter esse espírito e esse desejo de estudar, se integrar e estar presente da Universidade. Esse encontro também não foi feito somente para os calouros, como também para as turmas de outros blocos, porque o que procura precisamente é fazer uma integração entre todos os alunos de todos os cursos do CCHL, pois penso que é importante manter essa unidade”.

Prof. Omar Albornoz

A coordenadora do curso de Licenciatura Plena em Letras/Espanhol, Laura Torres destaca que os calouros podem esperar uma grande recepção e destaca o valor de todo o corpo docente que compõe o curso. “O nosso aluno já vai entrar muito no curso, pois a nossa instituição é formada de professores muito capacitados e que amam o Espanhol. Eu sempre utilizo uma frase dentro da coordenação que o curso é feito colaborativamente entre os professores e alunos”.

Prof. Laura Torres

Segundo Márlia Riedel, Coordenadora do Curso de Licenciatura Plena em Letras/ Inglês o sentimento é de felicidade, pois o curso está sendo reaberto para a entrada de novos alunos, demostrando um sinal de renovação.” O meu sentimento é de esperança, os calouros podem esperar compromisso em primeiro lugar, por parte dos professores para formar excelentes profissionais para entregarmos para a sociedade piauiense”.

Prof. Márlia Riedel

No Auditório do Núcleo de Ensino À Distância (NEAD), as coordenações dos cursos de Zootecnia e de Ciências Agronômicas, com o apoio da Pró-Reitoria de Ensino e Graduação (PREG) e da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), realizaram uma palestra para a inauguração dos cursos, recepcionando os calouros e apresentando a eles todas as faces e interfaces que vão marcar o percorrer de suas trajetórias na Universidade Estadual do Piauí.

A Coordenadora de Zootecnia, Dinnara Silva, destaca que há um grupo muito bom de ingressantes agora, e que já existem ações programadas ao longo do semestre para que os alunos possam participar e se envolver, no sentido de que eles possam se identificar com a profissão de fato. “Hoje eles estão sendo recepcionados com o apoio da PREG e da PREX e foi muito bom apresentar a nossa UESPI para esses alunos que estão entrando agora e com essas ações a gente reduza o quadro de evasão, que acabou se intensificando durante o período pandêmico.

Prof. Dinnara Silva durante palestra

Representando o Curso de Licenciatura Plena Matemática, o Coordenador Alessandro Wilk destaca que o curso é um dos mais oferecem profissionais para o mercado de trabalho do Estado. “O nosso curso de Matemática aqui na Universidade Estadual do Piauí está entre os melhores segundo a avaliação do INEP. A expectativa para receber esses calouros é a melhor possível”, encerra.

Prof. Alessandro Wilk

 

ProfHistória: inscrições abertas para realização do Exame Nacional

Por Anny Santos

O Mestrado Profissional em Ensino de História em Rede Nacional (ProfHistória) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) torna pública a realização do Exame Nacional de Acesso para 2023. As inscrições devem ser realizadas até o dia 06 de outubro.

Ao todo 18 vagas estão sendo ofertadas para o programa em Parnaíba. O ProfHistória tem como objetivo proporcionar formação continuada stricto sensu aos docentes de História atuantes na Educação Básica, garantindo qualificação certificada para o exercício da profissão e contribuindo para a melhoria da qualidade do ensino no país.

Para o Prof. Dr. Danilo Bezerra, Coordenador Acadêmico do ProfHistória em nossa instituição, a nota 5 alcançada recentemente, por meio da aprovação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), revela um ótimo desempenho de docentes e discentes cujas pesquisas, no ensino de História, têm ganhado volume e qualidade nos últimos anos.

“Convidamos a todos os professores e professoras do ensino básico a se inscrevem no processo seletivo da turma 2023 do ProfHistória da UESPI/Parnaíba. O mestrado é para aqueles e aquelas que desejam dar continuidade à sua formação, que tem inquietações em suas salas de aula e que desejam investigá-las em uma pesquisa acadêmica que parte dos problemas práticos do cotidiano escolar”.

O programa, em Parnaíba, recebeu sua primeira turma em 2020 e atualmente conta com 39 discentes que atuam na educação básica de cidades da planície litorânea do Piauí, do Ceará e do Maranhão. Além disso, tem se revelado um ativo substantivo para a pesquisa no Brasil.

O ProfHistória, que conduz ao título de Mestre em Ensino de História, é um curso presencial, com oferta simultânea nacional, coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Das inscrições

Para realizar sua inscrição, o candidato deverá, no período indicado no calendário, adotar os seguintes procedimentos:

Acessar o endereço eletrônico www.profhistoria.uerj.br;

Tomar ciência das normas do Edital;

Preencher, de acordo com as instruções específicas, o Requerimento de Inscrição;

Informar se atua na Rede Pública da Educação Básica

Optar por uma das IAs (conforme Anexo 2 ou 3 disponível no Edital)

Imprimir o recibo do requerimento de inscrição;

Imprimir o boleto bancário para pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 130,00 (cento e trinta reais);

Efetuar o pagamento da taxa de inscrição no período estabelecido no calendário (Anexo 1).

Confira o Edital do ProfH 2023

Ouvidoria da UESPI participa de treinamento sobre o sistema Fala.Br

Por Anny Santos

A Ouvidoria da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), representada pelo Ouvidor da nossa instituição, o professor Dr. José Luiz Silva Sá, esteve presente na última quinta-feira (22) no treinamento da CGE/OGE sobre o novo Sistema de gerenciamento das demandas da ouvidoria, o Fala.br, que substituirá os atuais sistemas e-ouv e e-sic.

Juntamente com os demais ouvidores setoriais do Estado, o treinamento abrangeu o registro e tratamento de demandas no novo sistema, questões envolvendo sigilo de informações, transparência passiva e ativa, e outros destaques da Lei de Acesso à Informação.

De acordo com o professor Dr. José Luiz Silva Sá, houve orientação quanto ao registro e tratamento de manifestações mais específicas e que demandam mais atenção, como as denúncias, por exemplo. Além disso, sobre a importância que as novas ferramentas do Sistema fala.br terão na melhoria do serviço.

“Um dos principais pontos em destaque foram os prazos de resposta, da importância que o órgão responsável tem em cumprir os prazos de Lei. Ficou bem claro que a Corregedoria e Ouvidoria Geral do Estado estão atentas aos prazos, buscando melhorar o serviço para o cidadão”, pontua o Ouvidor.

Enquanto o fala.br não for devidamente implantado, as manifestações acontecerão sem nenhuma modificação. Basta acessar o site da UESPI na página da Ouvidoria estão todas as instruções. Quando o novo sistema for implantado, acontecerá uma fase de transição, sem prejuízo algum ao usuário.

“Para mim, os principais enfoques do treinamento foram a importância de propiciar rápido e seguro acesso à informação, de forma transparente. Nós da ouvidoria da UESPI planejamos intervenções educativas quanto ao direito que a comunidade tem de acesso aos serviços de ouvidoria, de como realizar uma manifestação e acompanhar a mesma. Já estamos trabalhando em parceria com a ASCOM e DTIC para aprimorar o portal de Acesso à Informação do site da UESPI, proporcionando a transparência ativa necessária em qualquer instituição”, finaliza.

Ouvidoria da UESPI

A sede da ouvidoria da UESPI fica localizada no Centro de Ciências da Natureza (CCN), campus Poeta Torquato Neto, em Teresina. O procedimento pode ser realizado pelo e-mail ouvidoria@uespi.br.

Confira como foi a palestra “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio” que aconteceu nesta terça-feira (27)

Na manhã desta terça-feira (28) foi realizada na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através da Pró-Reitoria de Administração e Recursos Humanos (PRAD), da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX) e do Serviço de Psicologia, a palestra “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio”, ministrada por Késia Mesquita, especialista em Prevenção e Posvenção do Suicídio.

A iniciativa faz parte do programa de qualificação e formação continuada promovido pela PRAD e que tem entrega de certificados pela PREX. A palestrante foi a segunda convidada para participar. A abertura do evento aconteceu às 10h, no Auditório do Núcleo de Educação a Distância (NEAD).

O objetivo da palestra foi levar aos servidores da UESPI, e para as direções de centro e campi, uma formação continuada por meio de temas relevantes, em especial os cuidados para com a saúde mental, proporcionando o bom desenvolvimento das atividades de cada colaborador e setor. Estiveram presentes o Vice-reitor, Pró-reitores, professores, técnicos e demais colaboradores.

O Vice-reitor, professor Dr. Jesus Abreu, pontua a nossa instituição como possuidora de uma equipe que se compõe como uma família. “Nossa cultura é familiar, então é importante promover essa reflexão e estarmos atentos a todos os sinais, além de relembrar a importância e o valor da vida. O Setembro Amarelo é importante para lembrarmos de tudo isso e promovermos atenção àqueles que estão em situação vulnerável. A campanha nos promove uma avaliação profunda sobre nós mesmos e nossa sociedade”.

A palestra ministrada por Késia Mesquita aborda assunto importantes como a rede de serviços oferecidos, além de mobilizar e sensibilizar a população, pois, segundo ela, a informação pode ser o diferencial entre a vida e a morte. O autocuidado dos profissionais e atenção à saúde mental foi o foco principal da ação.

Para a Pró-Reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), professora Dr. Ivoneide Pereira de Alencar, é importante ressaltar que falar sobre a valorização da vida se faz fundamental no meio acadêmico, pois diálogos como esse promovem reflexões sobre o nosso maior bem, a vida.

“Nós, da administração, entendemos a necessidade de se falar sobre essa temática. O Serviço de Psicologia da UESPI nos ajudou na formação continuada com essa ação tão importante. Que nós possamos fazer com que outras pessoas também reflitam sobre essa temática e que saibamos auxiliar familiares, amigos e conhecidos. Quero agradecer a presença de todos que se fizeram presente nessa manhã. Esse momento é extremamente importante, então agradeço a disposição de todos”, finaliza.

Késia Mesquita alerta para que todos estejam atentos aos sinais, contidos ou extremos, das doenças e transtornos ocasionados pela falta de cuidados com a saúde mental. Além de reiterar a importância de procurar especialistas que, de fato, podem ajudar. Buscar ajuda é fundamental.

Serviço de Psicologia da UESPI

O Serviço, situado no Campus Poeta Torquato Neto (Teresina), é gratuito e disponibiliza um atendimento especializado para acolher estudantes, servidores, técnicos e docentes da universidade.
O aconselhamento psicológico on-line é um atendimento terapêutico de caráter emergencial feito através do WhatsApp para discentes da instituição, que tem como foco a solução de problemas imediatos gerados por dilemas e outras situações e problemas imediatos, bem como encaminhamentos necessários de acordo com a demanda e suporte inicial em situações de conflito.
O objetivo é promover reflexões sobre as alternativas disponíveis, facilitando o processo de escolha quanto às dúvidas que o angustiam, ao mesmo tempo em que promove a sua autonomia, autocontrole e segurança emocional. O serviço oferece um espaço de escuta e acolhimento dessas demandas, contribuindo, de forma significativa, para a saúde mental e qualidade de vida no contexto acadêmico.
Link do Formulário

UESPI promove palestra “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio”

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio e valorização à vida. Com o intuito de conscientizar as pessoas em relação aos cuidados com a saúde mental, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através da Pro-Reitoria de Administração e Recursos Humanos (PRAD), da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX) e do Serviço de Psicologia, promove palestra em apoio a iniciativa.

No dia 27 de setembro, terça-feira, ocorre a palestra “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio” ministrada por Késia Mesquita, formada em Letras, especialista em Prevenção e Posvenção do Suicídio, escritora, palestrante e idealizadora da ONG Centro Débora Mesquita.

A palestrante será a segunda convidada para participar do programa de qualificação e formação continuada promovido pela PRAD e que tem a entrega de certificados pela PREX. O bate papo está marcado para às 10h, no Auditório do Núcleo de Educação a Distância (NEAD). Segundo a professora Rosineide Candeia de Araújo,  Pró-reitora Adjunta de Administração, ações como essa se fazem socialmente necessárias e também são importantes para o desenvolvimento das habilidades dos colaboradores no tocante à formação continuada.

“Acreditamos que, como sociedade, uma ação como esta se faz necessário para incentivar e promover o diálogo entre todos nós e, assim, buscar auxiliar na prevenção desta questão do suicídio, além de outros desafios que  vêm assolando a saúde emocional de pessoas de todas as idades, classe sociais e crenças. E como seres humanos, não estamos imunes aos sofrimentos psíquicos e de angústias. Daí a importância de divulgar a valorização da vida, acolhendo e falando sobre o suicídio”, destaca.

A primeira palestra ministrada ocorreu em agosto, com o tema “Conversa sobre Inteligência Emocional e Trabalho”, integrando os servidores com assuntos que sejam do interesse do trabalho e desenvolvendo as habilidades que eles necessitam.

Confira as próximas publicações da EdUESPI

Por Anny Santos

A Editora da Universidade Estadual do Piauí (EdUESPI) lança mais duas novas obras, advindas de professores do curso de Jornalismo da nossa UESPI, em seu catálogo. A obra “Trilhas e impactos da comunicação popular, comunitária e alternativa no Brasil” é fruto de pesquisas científicas do Núcleo de Estudos de Comunicação Comunitária, grupo nacional. Já “Luar do São João” é um livro-reportagem que conta a história de uma quadrilha muito importante para a valorização cultural do Piauí.

Valorização cultural do Piauí

A obra “Luar do São João” é um livro-reportagem que conta a história da quadrilha, com o mesmo nome que leva o título, que completou 10 anos de existência. Ele foi escrito a partir dos relatos dos próprios quadrilheiros, que marcaram o grupo de alguma forma. Escrito pela professora de Jornalismo, Sammara Jericó, juntamente com as alunas Letícia Dutra e Mirelly Moura, os momentos únicos vividos pelo grupo desde o início, ainda incerto, até o momento em que ganharam maior projeção com a vitória no Festival de quadrilhas juninas Globo Nordeste ganham vida.

Para a aluna Letícia Dutra, sua motivação parte de uma vontade pessoal de fazer mais parte da vida acadêmica através das oportunidades que a UESPI oferece e da inspiração que a professora Sammara Jericó refletiu através da disciplina Técnica de Entrevista, Reportagem e Pesquisa em Comunicação. Além de contribuir para dar destaque a uma forma de expressão tão regional que é a quadrilha junina.

“Acredito que o principal benefício para ambas as comunidades, acadêmica e externa, seria conhecer a história daqueles que prezam pela nossa cultura, que mesmo diante de tantas transformações ainda resiste. É uma forma de dar visibilidade para eles e trazer a história desse grupo para outros nichos. Além disso, o livro também é um registro de uma parte considerável da história da Luar que se entrelaça com tantas vidas que foram transformadas de alguma forma pela arte. Pesquisadores que se interessam pelo tema também podem utilizar o livro como fonte”.

Segundo ela, escrever o livro-reportagem foi muito importante para sua formação e ter um incentivo a mais por parte da Editora da UESPI na divulgação deste livro é fundamental. “Só tenho a agradecer a instituição que ajuda a cultivar e concretizar sonhos de professores, estudantes, pesquisadores e técnicos. Queria agradecer também a minha dupla Mirelly Sousa com quem compartilhei essa experiência incrível e aos integrantes da Luar por compartilhar suas histórias conosco. Sinto que a cada nova entrevista e contato direto com os quadrilheiros eu me sentia mais próxima da essência do jornalismo, por isso que ele tem um papel muito importante na minha formação. A execução desse livro nos ajudou muito a entender o cuidado da relação com a fonte, do relato da mesma”.

Já Mirelly Sousa destaca que o Piauí é um dos estados do Nordeste que não possui uma representatividade cultural marcante em comparação com os demais. Ao longo dos anos, a Luar do São João vem trabalhando para colocar o Estado no meio das grandes quadrilhas. Escrever sobre ele valoriza uma cultura rica e única.

“Escrever um livro reportagem não é fácil, requer tempo, organização e dedicação. A realização deste livro se deu em decorrência de um excelente trabalho em equipe e através do apoio coletivo conseguimos concluir sem muitos empecilhos. Fico muito feliz em fazer parte desse lindo projeto. Acredito que ao realizar as entrevistas e escrever as histórias, pude explorar a minha escrita e vivenciar experiências importantes para a minha formação”.

Confira o livro. 

Comunicação popular e comunitária no Brasil 

O livro “Trilhas e impactos da comunicação popular, comunitária e alternativa no Brasil”, organizado por Orlando Berti, professor do curso de Jornalismo, Cicilia M. Krohling Peruzzo e Rodrigo Gabrioti, é fruto de dois anos de pesquisas do Núcleo de Estudos de Comunicação Comunitária e Local, um grupo nacional de pesquisadores que trabalham questões comunicacionais, comunitárias, populares e alternativas. São 26 textos de pessoas, de dentro e fora do pais, que totalizam um grande compêndio de quase 600 páginas. O seu lançamento online acontece em novembro. 

Segundo Orlando Berti, os textos fazem parte de uma releitura dos trabalhos de pós-doutorado dos professores e pesquisadores, onde vivenciam questões da Teoria da Comunicação Comunitária. “Encontramos também no livro, que é organizado e capitaneado pela professora Cicilia Peruzzo, líder do grupo, questões de atualidades, questões sociais e questões da contemporaneidade. A obra foi lançada na Intercom e terá uma versão e-book pela EdUESPI, a partir de novembro, sendo lançado no Congresso do Pensacom Brasil”.

O livro, em sua versão impressa, pode ser adquirido por meio do e-mail berti@uespi.br. 

Confira mais sobre a EdUESPI

EdUESPI: saiba mais sobre nossa Editora

Por Anny Santos

Você conhece a nossa editora online? A Editora da Universidade Estadual do Piauí (EdUESPI) possui funções e atribuições de natureza técnica, consultiva e deliberativa, além de ter competência sobre os projetos de publicação que integram a política editorial da Universidade, atendendo às necessidades editoriais de impressões e eletrônicos.

De acordo com o professor Marcelo Neto, Diretor da EdUESPI, o número atualizado de publicações chega a 112, entre 2020 e setembro de 2022. Foram 69 e-books (dentre esses 15 são e-books e impressos) e 43 Anais de eventos. Esse ano já se soma 22 e-books publicados (onde 4 são e-books e impressos).

“A Editora da UESPI é um sonho de muito tempo da comunidade acadêmica da nossa instituição, que foi materializado no ano de 2019, quando foi oficialmente criada na legislação. Durante esse mesmo ano tivemos o desafio de regular a instituição, no que se refere a sua estrutura física e o seu funcionamento administrativo. Nesse mesmo período já passávamos a publicar trabalhos de pesquisadores e professores da nossa instituição”.

O Diretor reitera que o intuito sempre foi trabalhar com o livro em formato digital, mesmo trabalhando com o formato impresso também. Segundo ele, o e-book possui a possibilidade de acesso e distribuição dessas obras de uma forma mais simples, ágil e socialmente e ambientalmente mais comprometida. A Editora possui o aspecto de distribuição de pesquisas de forma rápida e eficaz.

A Editora publica trabalhos de professores, pesquisadores, técnicos, estudantes e da comunidade em geral. Há um compromisso de acolher todos esses trabalhos, a partir da análise do seu mérito técnico científico. O interessado pode encaminhar um pedido via protocolo de análise da obra, encaminhando um formulário de solicitação através do e-mail editora@uespi.br, com o livro, preferencialmente, diagramado.

“Depois de acolhida a obra será analisada por um especialista da área do conhecimento do livro apresentado, com um parecer positivo o livro é encaminhado ao Conselho Editorial que é composto por 13 professores, tanto da UESPI como de outras instituições, que farão a devida avaliação. A obra, sendo aprovada, será encaminhada para diagramação final e, por fim, publicada no site da Editora”, finaliza o Diretor.

Confira o site da EdUESPI

Medicina UESPI: alunos são premiados no IV Congresso Brasileiro Médico Acadêmico

Por Anny Santos

No último Domingo (18), alunos do curso de Medicina da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) participaram do IV Congresso Brasileiro Médico Acadêmico. O evento, que teve início na quinta-feira (15), premiou alunos da nossa instituição em diversas categorias por trabalhos de pesquisas apresentados e bem avaliados. Na mesma ocasião, foram realizados o XII Congresso Nordestino Médico Acadêmico (COMANE) e o XXVIII Congresso Médico Acadêmico do Piauí (COMAPI).

Foram apresentados em torno de 150 trabalhos acadêmicos no evento com premiação de certificados e troféus. O IV Congresso Brasileiro Médico acadêmico é um evento destinado a acadêmicos e profissionais da área da saúde com intuito de explanar temas de relevância com enriquecimento cultural e científico que também permite compartilhar experiências e conhecimentos.

Dentre os premiados, o trabalho “Ação Protetora Gástrica do Óleo Essencial das Folhas de Croton Heliotropiilolius Kunth”, orientado pela professora Dra. Rosemarie Brandim Marques, que desenvolve pesquisas com plantas medicinais no Núcleo de Pesquisas em Biotecnologia e Biodiversidade da UESPI, conquistou o 1° Lugar na categoria Apresentação Oral Livre.

De acordo com a pesquisadora e professora, os trabalhos apresentados no COMAPI são produtos de PIBIC e PIBITI, com bolsas CNPq e desenvolvidos por alunos do curso de Medicina. A equipe do trabalho é composta pelos alunos Angélica Lima soares, Esdras Morais, Heloisa Cronemberger, Luanna Carvalho, Luiz Fernando Reis, Nailton Passos e o professor colaborador Dr. Antônio Luiz Martins Maia Filho.

Luanna Carvalho, uma das alunas pesquisadoras, destaca que a importância maior da pesquisa, em termos acadêmicos, não se trata somente de currículo ou de benefícios na graduação, mas sobre o papel desse trabalho na sociedade, que busca validar e introduzir os primeiros passos em busca da medicina natural/alternativa.

“A minha experiência foi excelente. De início, fiquei um pouco receosa nas pesquisas com testes em animais, por ser algo muito delicado e estranho de primeira impressão, mas logo me acostumei e fiquei muito feliz em fazer parte. Só tenho a agradecer o aprendizado e o conhecimento que ganhei sobre a iniciação cientifica e algumas coisas técnicas que me ajudarão na graduação e sobre dedicação e comprometimento, que pude observar tanto na professora Rosemarie quanto nos meus colegas que também participavam. A premiação foi uma grande surpresa e me deu grande emoção. Claro, que o prêmio é de toda a equipe, mas ter apresentado um trabalho relevante a ponto de ser premiado, foi motivo de muita satisfação e gratidão para mim”, ressalta a aluna.

Mais premiações de Uespianos

Outro trabalho premiado foi o “Análise epidemiológica das internações por transtornos mentais e comportamentais no Estado do Piauí entre os anos de 2012 e 2021”, orientado pelo professor Dr. Felippe Fenelon, conquistando o 2° lugar na categoria E-pôsteres.

De acordo com o orientador trata-se de uma análise epidemiológica das internações por transtornos mentais e comportamentais no Piauí de 2012 a 2021. Na análise, foi verificado as variáveis sexo, idade, raça/cor, número de internações e de óbitos e tipo de transtorno. O aluno orientando, João Victor Coimbra, afirma que foi possível verificar que as internações e óbitos nessa época envolvem principalmente homens pardos entre 30 e 39 anos, geralmente por esquizofrenia e transtornos delirantes.

“Para a comunidade acadêmica esse trabalho é importante, pois teve um achado peculiar: enquanto no resto do Brasil houve uma tendência na redução das internações psiquiátricas no período de 2010 a 2020, no Piauí, principalmente de 2015 a 2019, por motivos que precisamos de mais estudos para esclarecer, houve um aumento nas internações. Ao realizar o trabalho, o primeiro que fiz neste modelo, eu não estava esperando uma premiação. Fiquei muito feliz quando soube que fiquei em 2° lugar, afinal não só há centenas de trabalhos concorrendo pela premiação, mas todos no meio sabem como é muito difícil conseguir ser premiado em congressos, seu trabalho e sua apresentação precisam ser extremamente consistentes e bem feitos. Esse trabalho também é importante pois servirá de alicerce para outros artigos que necessitem dos dados que coletamos. Para a comunidade externa, esse trabalho é essencial pois traz atenção a um tema muito negligenciado, as doenças psiquiátricas, que, em pleno 2022, ainda possuem um enorme estigma atrelado a elas”, pontua o aluno.

Ocupando o 2° lugar na categoria Relato de caso, o trabalho “Sarcoma Fibroximóide de Baixo Grau Primário de Parede Torácica: relato de um caso raro com diagnóstico desafiador”, orientado pelo Dr. Eduardo Sá, a pesquisa surgiu a partir de uma feliz surpresa durante a condução da coleta de dados do Trabalho de Conclusão de curso (TCC) do aluno Rafael Everton Assunção, um projeto sobre câncer de mama; encontramos dentre os prontuários analisados este caso raro de sarcoma fibromixóide de baixo grau.

De acordo com o aluno este tumor também pode ser chamado de “tumor de Evans”, uma vez que foi descrito pela primeira vez por Evans, em 1987, apesar da nomenclatura oficial, atualmente, ser a referida no caso. Esta situação é bem interessante tanto pela raridade como curiosidade. A localização dele na parede torácica é bastante rara, o que já o torna também uma possibilidade pouco pensada nestes casos. Além disso, a análise anatomopatológica destes tumores é, muitas vezes, pouco específica, dificultando o diagnóstico.

Contudo, o trabalho mostra que é importante realizar o diagnóstico correto nestes casos, uma vez que estes tumores são agressivos e poucos responsivos a estratégias de quimioterapia e radioterapia adjuvantes disponíveis atualmente, sendo preciso um seguimento de longo prazo e atento nestes casos.

“Todos os envolvidos no trabalho se sentem bastante honrados com a premiação, uma vez que o COMAPI é reconhecidamente um evento muito importante para a comunidade médica e acadêmica piauiense. Esperamos que o trabalho, de alguma forma, desperte a atenção para esta neoplasia que, além de rara, é pouco conhecida e suspeitada”, finaliza.

Na categorial Tema Oral Livre o trabalho intitulado “Coinfecção Bacteriana e Fúngica em Pacientes com Covid-19 na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público de Teresina- Piauí em 2021” ocupa o 3° lugar. Orientado pela professora Liline Maria Soares Martins, a pesquisa analisou 300 pacientes internados na UTI do Hospital Getúlio Vargas (HGV), com o intuito de entender o que agravava o caso dos indivíduo com Covid-19.

A aluna e pesquisadora, Joana Clara Macedo, pontua a importância do trabalho realizado durante a pesquisa e os dados obtidos através dela. “Minha grande motivação para essa pesquisa foi estudar mais sobre a COVID-19 que foi e ainda é uma doença que afetou populações do mundo inteiro e causou tantas mortes. Pesquisar esses pacientes foi uma forma de entender mais o que acontecia quando a doença se agravava e o porquê havia tantos óbitos”.

Jornalismo UESPI: aluna conquista 1° lugar no Prêmio Sebrae de Jornalismo

Por Anny Santos

Aluna do curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) conquista 1° e 3° lugar no Prêmio Sebrae de Jornalismo. O prêmio é uma iniciativa do Sebrae para valorizar os profissionais de imprensa que contribuem para fortalecer o empreendedorismo brasileiro com seu trabalho.

Vitoria Pilar, aluna do 7° bloco de Jornalismo do campus Poeta Torquato Neto, se destaca ao conquistar 1° e 3° lugar no Prêmio Sebrae de Jornalismo, que tinha como tema dessa edição “Pequenos Empreendedores que Inovam”, pessoas que estão no mercado, sendo microempreendedores, e inovando em alguma parte de suas produções. A premiação contou com as categorias de Texto, Áudio, Vídeo e Foto.

Para a vencedora do prêmio, é muito importante ter o seu trabalho reconhecido e essa é uma das principais funções desse concurso. Segundo ela, pensar em novas e boas histórias e poder contá-las foi fundamental, fazer algo em que se acredita e fazer com que as pessoas tenham um novo olhar sobre o Piauí é um papel ímpar que Vitória atribui ao jornalismo.

“Quando eu vi que o SEBRAE estava dando um prêmio e abriu o concurso, então, logo me prontifiquei para poder participar, porque uma premiação desse cunho é muito importante para termos um reconhecimento do nosso trabalho. Todas as instituições que fazem algum tipo de concurso para reportagens, elas possuem o objetivo de estar pautando a imprensa, mas, ao mesmo tempo, reconhecer os profissionais de comunicação. Então, assim que que eu vi o prêmio também vi uma oportunidade de reconhecimento do meu trabalho e incentivar essas pautas mais inovadoras”.

A reportagem que conquistou o 1° lugar foi feita exclusivamente para o concurso. Ela narra a história pessoal da família de Vitoria Pilar, considerada uma das famílias fundadoras da Feira do Livro do Piauí, que começou a ser trilhada em meados década de 90 quando ela ainda era realizada na Praça do Liceu e os livros eram vendidos no chão. A reportagem conta a história e a reinvenção desses empreendedores com a pandemia, onde tiveram que transformar um mercado de papel em um mercado digital, modificando seus serviços.

 “Atribuo muito dessa conquista aos meus colegas de trabalho. O site que estou hoje, O Estado do Piauí, é um site muito novo, ele tem menos de um ano e é um projeto em que a gente acredita num jornalismo que é possível, um jornalismo que conta histórias, um jornalismo progressista que pode se reinventar para além do Hard News. Além disso, foi na UESPI que eu fiz os meus primeiros contatos de mercado, foi o lugar em que eu aprendi o que é um texto e que é um texto jornalístico. A universidade me deu professores que são meus amigos e amigos que são como irmãos, então a UESPI tem esse papel como ser humano”.

Vitoria Pilar enxerga o prêmio como um impulso para jovens jornalistas que querem fazer uma boa pauta e conseguir reconhecimento por meio de seus trabalhos. “Pesa muito a experiência e ser novo no mercado. Ser jovem e ter conquistado esse prêmio em meio a tantos repórteres tão experientes e muito bons é também uma forma de mostrar que o novo jornalismo e o jovem jornalista têm espaço nesse mercado”.

Em 3° lugar ficou a reportagem feita em 2021, no aniversário do Piauí. Trata-se de uma reportagem sobre pessoas que, dentro dos seus pequenos negócios, tinham o Piauí como inspiração. É uma história sobre pessoas que vendem copos, blusas e outros objetos customizados, o negócio delas é o Piauí. O texto feito em homenagem ao aniversário do Estado.

Profbio e Profhistória são avaliados com nota 5 pela CAPES

Por Anny Santos

O Mestrado Profissional em Ensino de Biologia (Profbio) e o Mestrado Profissional em Ensino de História (Profhistória), da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), foram aprovados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), obtendo nota 5 atribuída a programas de mestrado.

A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROP), é responsável por tratar dos cursos de pós-graduação da UESPI, como os de especialização e mestrado. Além disso, também cuida dos assuntos referentes à pesquisa na instituição, coordenando grupos e projetos, e gerenciando editais como o do PIBIC.

Segundo o Coordenador da PROP, Prof. Dr. Rauirys Alencar, além do PPGL houve esse avanço na melhora da avaliação dos programas de mestrado profissional em Biologia e em História (ambos obtendo nota 5). “Destaco que é um avanço para a Pós-graduação da UESPI, bem como para a pesquisa, inovação e transferência de tecnologia, uma vez que esses programas têm dentro de seus objetivos o desenvolvimento de produtos. É o reconhecimento da qualidade do empenho e dedicação de todos que fazem esses programas de mestrado”.

De acordo com a professora Franciele Martins, Coordenadora do Profbio UESPI, essa foi a primeira avaliação quadrienal e logo de início conseguimos atingir o conceito máximo atribuído pela CAPES para os cursos de Pós-graduação que oferecem Mestrado e isso mostra que o curso avança no caminho certo.

É importante ressaltar que o resultado só foi possível graças ao envolvimento de todos que fazem parte da rede: coordenadores, secretários, mestres, mestrandos e docentes do PROFBIO e o empenho contínuo no desenvolvimento da qualificação profissional, produção intelectual e consequente revitalização do ensino de Biologia na escola pública”, finaliza.

Já para o Coordenador do Profhistória, o professor Danilo Bezerra, o fato denota a envergadura do núcleo bem como uma demanda reprimida, ao observar a relação candidato/vaga, das maiores do Brasil, do exame de seleção, de docentes que não tinham possibilidade de se deslocar até as capitais para dar continuidade em sua formação.

“Nós recebemos com grande contentamento a notícia de que nosso programa atingiu a nota 5. Essa nota revela um ótimo desempenho de docentes e discentes cujas pesquisas, no Ensino de História, têm ganhado volume e qualidade nos últimos anos. O programa tem se revelado um ativo substantivo para a pesquisa no Brasil. Professores e professoras que atuam na rede básica de ensino, e que desejam ampliar seus horizontes de conhecimento; fortalecer sua formação crítica; atualizar suas práticas de ensino em sala de aula; têm encontrado no PROFHISTÓRIA um caminho frutífero”.

O Mestrado Profissional em Matemática também desempenha um importante papel em nossa instituição. De acordo com o Coordenador do Profmat, o professor Arnaldo Silva, a UESPI oferta nove (9) cursos de mestrado, estando o Profmat compondo esse quadro desde 2016, fortalecendo a formação de mestres em nossa universidade. Segundo ele, o curso já titulou 41 alunos que atualmente atuam na Educação Básica, em Institutos Federais ou estão como doutores e doutorandos.

“A contribuição que a UESPI traz com o curso é fundamental para melhorar a qualidade educacional do nosso Estado. E esse é o principal objetivo do curso, qualificar o docente da Educação Básica, em especial da Rede Pública, para que ele possa retribuir para a sociedade esse conhecimento adquirindo, fortalecendo o ensino no Piauí”, destaca.

Sobre os programas

Profbio: O Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional é um curso de pós-graduação stricto sensu que tem como objetivo a qualificação profissional de professores das redes públicas de ensino em efetivo exercício da docência de Biologia.

Profhistória: O Mestrado Profissional em Ensino de História em Rede Nacional é um programa de pós-graduação stricto sensu reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e tem como objetivo proporcionar formação continuada aos docentes de História da Educação Básica, com o objetivo de dar qualificação certificada para o exercício da profissão.

Profmat: O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é um programa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que oferece bolsas de estudo para mestrado a professores de matemática das redes públicas.

UESPI recebe visita do mais novo ocupante da cadeira de N° 22 na Academia Piauiense de Letras Jurídicas

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) recebeu na manhã desta terça-feira (13), através do reitor da instituição, Prof. Dr. Evandro Alberto, a ilustre visita do professor do curso de Direito, campus Clóvis Moura em Teresina, Dr. João Luiz Rocha do Nascimento, recém-eleito para ocupar a cadeira N° 22 na Academia Piauiense de Letras Jurídicas.

Na oportunidade, foi entregue o convite oficial para a cerimônia de posse que acontece no próximo dia 16 de setembro. O Dr. João Luiz Rocha do Nascimento foi eleito para ocupar a Cadeira nº 22, que tem como Patrono Evandro Cavalcanti Lins e Silva. Autor de diversas obras, o professor presenteou o Reitor com uma cópia de sua mais recente produção, resultante de sua tese de doutorado.

A obra denominada “As Dimensões Paradigmáticas da Fundamentação das Decisões Judiciais: filosofia, história, direito e de como a (in) compreensível resistência ao dever de fundamentar é uma questão de paradigma” pressupõe a adoção de um processo com procedimento em contraditório, caracterizado por um conjunto de atos preparatórios visando à prática de um procedimento final, a sentença, como resultado de um discurso público, de uma prática intersubjetiva e compartilhada, no que reflete a superação do paradigma da subjetividade pelo paradigma de intersubjetividade, na perspectiva filosófica.

Em relação a perspectiva histórica e jurídica, reflete a passagem de uma concepção de legitimidade da decisão judicial baseada exclusivamente no argumento de autoridade, ou como ato de vontade, para uma necessidade por força da responsabilidade política que assume, por parte do juiz , de prestação de contas e indica o movimento de deslocamento de um modo de conceber o fenômeno jurídico com um viés mais privatista para uma concepção pública, constitucionalizada e democrática do direito, consagrador de sua autonomia e de seu triunfo sobre os agentes externos que pretendem corrigi-lo.

Segundo o professor, ofertar o livro que é resultado da tese de doutorado é uma forma de reconhecer e agradecer pelo apoio recebido, por meio da UESPI, durante o Programa de Pós-graduação em Direito da UNISINOS Rio Grande do Sul. “Em relação ao convite da posse, o objetivo é dedicar ao espírito da Instituição na pessoa do reitor. A partir do dia dezesseis de setembro ocuparei com muita honra a cadeira de N° 22, o que de fato é um peso muito grande, uma responsabilidade que recaí sobre meus ombros, mas que irei me esforçar para honrar e dignificar a ocupação dessa cadeira”.

Biblioteconomia oferece curso voltado para escrita acadêmica

Por Anny Santos

O curso de Bacharelado em Biblioteconomia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através da Coordenação, tendo como corpo organizador a Profa. Débora Teixeira, o Prof. Marcus Martins e discentes, oferta o curso Eu Quero Escrever: métodos, ética e técnica da escrita acadêmica.

O projeto é de autoria da Profa. Débora Teixeira, juntamente com a Coordenação do curso, tendo como propósito dirimir as principais dificuldades apontadas por discentes e docentes do curso de Biblioteconomia da UESPI, quanto os desafios da escrita acadêmico-científica, refletida principalmente na produção de resumos, Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e artigo científico.

A organização se propõe a oferecê-lo como ação extensionista, tratando a temática no formato de Seminário, distribuídos em seis módulos que se completam e convergem para o mesmo fim; sendo eles Métodos e técnicas do trabalho acadêmico, Levantamento bibliográfico em fontes de informações, Padrões éticos na pesquisa e escrita acadêmico-científica, O texto acadêmico: escrita e reescrita, Apresentação oral de trabalhos acadêmicos e Meios e modos da publicação científica.

De acordo com a Profa. Débora Teixeira, acredita-se que este não é um problema que esteja sendo vivenciado apenas no curso de Biblioteconomia. “É importante oportunizar que outros discentes da UESPI, assim como a comunidade externa que aspiram uma escrita científica em consonância com os padrões cultos da língua portuguesa e aplicação coerente de métodos e técnicas de pesquisa, possam também participar”.

Vagas e Inscrições

O curso disponibilizará 60 vagas, sendo 40 delas para o Curso de Biblioteconomia e as demais à comunidade. As inscrições ocorrerão nos dias 13 e 14 de setembro, via formulário e as aulas iniciarão no dia 19 deste mês, às 18h, todas no formato remoto.

Da UESPI para o mundo: conheça o egresso Felipe Carvalho Rocha

Por Anny Santos

Com a série “Da UESPI para o mundo” você conhece a trajetória de egressos da Universidade Estadual do Piauí que impactam positivamente a sociedade e seguem sendo destaques, em âmbito nacional e internacional, em suas respectivas áreas de atuação.

O egresso Felipe Carvalho Rocha, que ingressou no curso de Bacharelado em Direito, campus Prof. Barros Araújo em Picos, no ano de 2015 e graduou-se em 2019, mesmo ano em que iniciou o exercício profissional de Advogado, é proprietário do escritório Felipe Rocha Advocacia e Assessoria Jurídica, atuando ainda como Procurador Jurídico da Prefeitura Municipal de Vila Nova do Piauí, Assessor Jurídico da Prefeitura Municipal de Padre Marcos-PI e da Câmara Municipal de Vila Nova do Piauí-PI.

Felipe Rocha é Pós-graduado em Direito Penal e Direito Processual Penal pela Uninovafapi e em Direito Constitucional e Administrativo pela ESA/PI. Além disso, possui experiência na área do Direito, em especial na Advocacia Pública, Eleitoral e Penal. No período universitário, foi Presidente do Centro Acadêmico de Direito da UESPI de Picos, estagiário da Defensoria Pública do Estado do Piauí, participando dos projetos, pesquisas e eventos de interesse da Instituição e da sociedade.

Ascom: O curso de Direito é um dos mais disputados em diferentes universidades pelo país. Como foi receber a notícia da aprovação? Você sempre almejou sua atual área de atuação?

Sou de família simples do município de Vila Nova do Piauí, interior do semiárido piauiense, da roça, e desde criança ouvia meu avô Navez (in memorian), que sempre foi minha referência e exemplo de vida, em que ele expressava que, caso tivesse tido a oportunidade de estudar, teria feito o curso de Direito e se tornado um “homem de Lei” (nas suas palavras). Então aquelas palavras sempre foram importantes para mim, de modo que, quando estava cursando o ensino médio e iniciando a preparação para o ingresso no ensino superior, não tive dúvidas sobre o que eu almejava, que era exatamente o curso Direito, e mais ainda, que fosse no campus de Picos, próximo da minha cidade e minha família. E com a graça de Deus pude realizar esse sonho e viver um dos momentos mais felizes e inesquecíveis de minha vida.

Ascom: Que papel você atribui a UESPI na realização dessa conquista?

Antes mesmo de ingressar na UESPI eu tinha uma admiração pela instituição, pois em meio a um Estado de tamanhas dificuldades, no Nordeste brasileiro tão carente, a UESPI sempre foi um destaque formando grandes profissionais e sendo um patrimônio e orgulho do nosso Piauí. Diante disso, no período que estive na UESPI pude aumentar ainda mais essa admiração, soltavam aos olhos a dedicação dos discentes, a qualidade do corpo docente, e uma gestão que servia de modelo para qualquer universidade, sob a direção do então Diretor e atualmente Reitor, Evandro Alberto, o qual presto as minhas homenagens pelo trabalho e amor que tem por nossa UESPI. Portanto, esse contexto da UESPI nos inspirava a evoluir cada vez mais e honra com o que ela representa para todos nós.

Ascom: Como os professores puderam contribuir em sua formação e nas suas escolhas profissionais?

Na nossa trajetória tivemos a dificuldade da falta de professores efetivos suficientes, o qual é possível ver uma melhora significativa atualmente, diante da luta do Professor Evandro. Devido a isso, tivemos uma rotatividade significativa de professores, mas todos que por lá passaram fizeram seu trabalho e deixaram suas contribuições, muitos deles são valorosos amigos e colegas de profissão atualmente.

Ascom: De quais formas você percebe a educação como mister para transformação de realidades?

A educação é o único caminho para construir um futuro melhor para nosso Estado e nossa sociedade. É o fator transformador de uma realidade e deve ser buscada constantemente como o princípio fundamental de todos os projetos.

Ascom: Como você acredita que os egressos, em especial do curso de Direito, podem promover mudanças e transformações sociais em nossa sociedade?

Sem dúvida nenhuma. Na verdade, estão fazendo essa diferença em todos os ambientes profissionais, pois é possível encontrar os irmãos uespianos se destacando e sendo profissionais de excelência.

Ascom: Do que você mais sente falta na UESPI?

A UESPI faz muita falta, principalmente das amizades construídas que carrego por toda minha vida, de uma convivência de 5 anos que passa a fazer parte e ter lugar especial em nossa história. Um ciclo em que passamos mais tempo na universidade do que em casa e com a família. Momentos inesquecíveis que sentimos falta, mas que guardamos como ótimas recordações.

Ascom: Qual momento da sua graduação te trouxe a certeza de que estava trilhando o caminho correto?

Em todos os momentos eu me sentia realizado no curso de Direito, sentimento este que se tornou ainda mais forte quando iniciaram os estágios, em que a gente pôde perceber que o nosso estudo e trabalho fazia diferença na vida das pessoas, através da defesa e promoção dos seus direitos.

Ascom: Como foi a construção da sua carreira após a graduação?

O início é muito difícil, em especial diante da pandemia da covid-19 que fechou os ambientes de trabalho, além de um mercado bem competitivo, potencializado ainda pela ausência de experiência suficiente na prática forense, que é obtida com o trabalho contínuo. Contudo, com entusiasmo, dedicação, desejo de se sobressair sobre os desafios e o amor pela profissão faz com que trilhemos o caminho no sentido do sucesso profissional que vai sendo construído de forma contínua e ininterrupta, dia após dia.

Ascom: Que mensagem você gostaria de transmitir aos estudantes que estão ingressando ou pretendem ingressar no Ensino Superior através da UESPI?

Desejo muito sucesso aos amigos que estão ingressando em nossa UESPI e que deem continuidade ao legado desta renomada instituição que representa um dos maiores patrimônios do nosso Estado, um marco da nossa educação, que é reconhecida nacionalmente por suas conquistas, que cresce e se renova a cada dia. Que tenham a consciência da responsabilidade de darem continuidade nas lutas por melhorias da nossa UESPI e de sua importância no desenvolvimento do nosso Piauí.

Ascom: Para finalizar, como a UESPI contribuiu para que você se tornasse o profissional que é hoje?

A UESPI foi meu alicerce profissional, lançando as bases daquilo que carrego como missão de vida, de profissão, de sacerdócio, que permitiu trilhar a carreira profissional em que estou hoje. Além disso, a UESPI me permitiu um grande crescimento humano, a partir das lutas e movimentos pelas causas estudantis e sociais. Portanto, as palavras de ordem são: muito obrigado UESPI.

PROFMAT UESPI 2023: aberto período de inscrições para realização do exame

Por Anny Santos

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) divulga a realização do Exame Nacional de Acesso para ingresso no Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) em 2023.

O PROFMAT é um programa de pós-graduação stricto sensu em Matemática, reconhecido e avaliado pela CAPES, credenciado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), validado pelo Ministério da Educação e conduzindo ao título de Mestre.

São ofertadas 15 vagas para o programa na UESPI. As inscrições acontecem até o dia 03 de outubro, através do site do PROFMAT, com prova sendo realizada no dia 22 de outubro. Poderão se inscrever no Exame professores em exercício na docência de Matemática em Educação Básica das redes públicas ou privadas.

O mestrado tem como objetivo proporcionar formação matemática aprofundada e relevante ao exercício da docência na Educação Básica, visando dar a qualificação certificada para o exercício da profissão de professor de Matemática. É um curso semipresencial realizado por Instituições de Ensino Superior associadas em uma Rede Nacional, no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB).

O Coordenador do PROFMAT da UESPI, Arnaldo Brito, reafirma a importância do programa de mestrado que acontece em rede, atuando por todo o país. De acordo com ele, a UESPI participa da iniciativa desde o ano de 2016, contando com alunos muito bem avaliados.

“O PROFMAT tem como objetivo qualificar o docente de matemática da Educação Básica, principalmente da rede pública de ensino. Esse mestrado é ofertado somente em três instituições no Piauí, sendo a UESPI uma delas, o que ressalta sua importância”, afirma o Coordenador.

As instituições de Ensino Superior que integram a Rede Nacional do PROFMAT são denominadas Instituições a Associadas. Sendo uma dessas instituições, a UESPI assegura a gratuidade do programa e atua conforme descrito no regimento e suas normas. As informações prestadas na inscrição são de inteira responsabilidade do candidato, dispondo o Programa do direito de cancelar a inscrição ou desclassifica-lo.

Cronograma

Inscrições: até o dia 03 de outubro

Realização do Exame: 22 de outubro

Disponibilização das notas individuais: até o dia 03 de novembro

Solicitação de revisão das notas individuais: até o dia 10 de novembro

Confira o Edital-do-Exame-Nacional-de-Acesso-ao-PROFMAT-2023

Setembro Amarelo: Uespi promove ações em apoio a campanha

Por Anny Santos

O Setembro Amarelo é uma campanha de valorização a vida, em prevenção ao suicídio, que objetiva conscientizar as pessoas em relação aos cuidados com a saúde mental. Pensando nisso, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), da Pro-Reitoria de Administração e Recursos Humanos (PRAD) e do Serviço de Psicologia da instituição, promove ações e palestras em apoio a iniciativa.

O serviço de Psicologia da UESPI, conduzido pelas psicólogas da nossa UESPI, Juma Frota, Mariane Siqueira e Sara Noara, situa-se no Campus Poeta Torquato Neto, em Teresina, é gratuito e disponibiliza um atendimento especializado para acolher estudantes, servidores, técnicos e docentes da universidade.

Para a Psicóloga Mariane Siqueira, a campanha do Setembro Amarelo é importante para difundir ainda mais a ideia dos cuidados relacionados a saúde mental, não somente no mês de setembro, mas ao longo de todo o ano, atuando para desmistificar os tabus referentes a saúde mental. Além disso, a campanha possibilita reduzir os preconceitos e sensibilizar a população sobre temáticas importantes.

“Uma campanha nessa proporção mobiliza muitas entidades, que por sua vez, que mobilizam muitas pessoas e promovem uma maior visibilidade para os cuidados que devemos adotar em nossa sociedade. É necessário que a população entenda que devemos cuidar da nossa saúde mental também e não apenas da física. A iniciativa torna visível os dispositivos disponíveis que servem para ajudar essas pessoas, os meios por onde podem recorrer e buscar ajuda”, destaca Mariane Siqueira.

Ações para a campanha

No dia 27 de setembro ocorre a palestra “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio”, ministrada por Késia Mesquita, escritora, palestrante, idealizadora da ONG Centro Deborah Mesquita, no auditório do NEAD, de forma presencial, as 10 horas. Além disso, no dia 28 de setembro acontece uma ação de sensibilização com a distribuição de informativos sobre os dispositivos em saúde mental disponíveis para se buscar ajuda, para a comunidade acadêmica e para a comunidade externa.

Atendimentos

O Serviço de Psicologia da UESPI atua em três modalidades, sendo o aconselhamento individual, agendado através do WhatsApp, o atendimento presencial, no campus de Teresina, e os grupos terapêuticos.

Número para agendamentos: (86) 9 9498-5419

Instagram: uespiservicopsicologia

Especialização em Estomaterapia da UESPI realiza consultas gratuitas com pacientes que sofrem de Incontinência Urinária

Por Anny santos

A Coordenação da Especialização em Estomaterapia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), juntamente com o curso de Bacharelado em Enfermagem, está realizando uma capacitação de enfermeiros para atendimentos referentes a incontinência urinária, além de receber e tratar gratuitamente pacientes, previamente agendados, que possuam sintomas da doença, na Faculdade de Ciências Médicas (FACIME/UESPI).

De acordo com a professora Coordenadora da Especialização em Estomaterapia, Sandra Marina, a Estomaterapia é uma área de especialidade específica da enfermagem que trabalha e estuda sobre feridas, incontinências e estomias. Nesse momento, a Especialização encontra-se no módulo de Incontinência e o intuito é que os alunos e profissionais envolvidos possam contribuir para benefício da população, além de desenvolver as habilidades aprendidas.

Enfermeira e monitora da Pós-Graduação em Fisioterapia da UESPI, Edimária Carvalho, enfermeira e Doutoranda Elaine Carininy e Coordenadora da Especialização em Estomaterapia, Sandra Marina.

Enfermeira e monitora da Pós-Graduação em Fisioterapia da UESPI, Edimária Carvalho, enfermeira e Doutoranda Elaine Carininy e Coordenadora da Especialização em Estomaterapia, Sandra Marina.

“Convidamos profissionais renomadas, entre elas a enfermeira e professora Gisela Assis, do Instituto Fluir, que trabalha na prevenção e tratamento das Disfunções Pélvicas, para capacitação dos nossos profissionais, tanto do interior quanto da capital. Qual de fato é o grande problema atual, em relação a incontinência urinária? A desinformação e a falta de diálogo sobre a temática. Perder xixi não é normal e, de maneira geral, mulheres acham que sim”.

Segundo a professora, a musculatura que sustenta a bexiga é a mesma que sustenta o útero e essa musculatura fica frouxa conforme o passar dos anos, mas isso não significa que apenas mulheres mais velhas vivenciem o problema, a doença atinge diferentes faixas etárias. Além disso, ela destaca a diferença entre Incontinência urinária de esforço, caracterizada pela perda involuntária de urina durante esforço, prática de exercício, ao tossir ou espirrar e a Incontinência urinária de urgência, que é a perda de urina precedida de urgência miccional.

O intuito é manter o acompanhamento dessas mulheres que estão sendo atendidas entre hoje e amanhã, dia 02 de setembro. Já estamos montando um ambulatório de Incontinência no Hospital Getúlio Vargas, ambulatório azul, já contamos com uma sala de estomaterapia. O atendimento dessas pessoas e a capacitação dos profissionais reitera o papel da universidade na tríade ensino, pesquisa e extensão”, finaliza Sandra Marina.

Maria Telma Lima, de 66 anos, é uma das inúmeras mulheres atendidas na ação. Para ela, que convive com o problema há cerca de 5 anos, atendimentos de qualidade e gratuitos fazem toda a diferença na melhoria da qualidade de vida. “Eu estava me arrumando hoje pela manhã e vi na TV uma entrevista da doutora sobre incontinência urinária. Tenho esse problema, mas nunca consegui tratamento. Além do constrangimento de passar por isso em situações públicas, é difícil encontrar tratamentos que não recorram a cirurgia, isso torna tudo mais complicado. Apesar de me cuidar ainda preciso de tratamento, logo que vi a matéria corri para ser atendida. Essa ação faz toda a diferença”.

Coordenadora da Especialização em Estomaterapia, Sandra Marina, paciente Maria Telma Lima,e enfermeira e monitora da Pós-Graduação em Fisioterapia da UESPI, Edimária Carvalho.

Coordenadora da Especialização em Estomaterapia, Sandra Marina, paciente Maria Telma Lima e enfermeira e monitora da Pós-Graduação em Fisioterapia da UESPI, Edimária Carvalho.

Para Gisela Assis, fundadora do Instituto Fluir e parceira na ação e capacitação, é importante mostrar para a população que não é normal perder urina e que existem medidas fáceis para resolver e capacitar enfermeiros para fazer o melhor, através da primeira linha de tratamento que são as modificações comportamentais e o treinamento da musculatura.

Gisela Assis, fundadora do Instituto Fluir e parceira na ação e capacitação.

Gisela Assis, fundadora do Instituto Fluir e parceira na ação e capacitação.

“O sistema de saúde hoje, no Brasil, não utiliza a primeira linha de tratamento. Então, a recomendação no mundo, por todas as diretrizes, é que a pessoa que perde urina treine o assoalho pélvico, com exercício simples, além de mudar hábitos prejudiciais adquiridos ao longo da vida. A primeira linha de tratamento resolve quase que 80% dos casos e no Brasil não existe esse tratamento. Se a pessoa sofre com incontinência urinária e procura o serviço de saúde ela é encaminhada para uma cirurgia que não tem necessidade”.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipec (Inteligência e Pesquisa e Consultoria), sob encomenda da Bigfral, empresa especializada em produtos para incontinência urinária, com cerca de 2.000 pessoas aponta que 30% da população brasileira sofre com incontinência urinária. As mulheres são a maioria, somando 68%.

A enfermeira e monitora da Pós-Graduação em Fisioterapia da UESPI, Edimária Carvalho, ressalta a importância da ação realizada. “A pós-graduação está trazendo essas possibilidades de darmos tratamento a essas pessoas, pacientes que perdem xixi e possuem disfunção do assoalho péssimo, não somente na incontinência urinaria, mas também nessa parte de tensão, tensão muscular, dor na relação sexual e pacientes que possuem histórico de incontinência, que podemos oferecer o tratamento adequado”.

Como agendar a consulta?

As consultas estão sendo realizadas na Faculdade de Ciências Médicas (FACIME/UESPI) localizada na R. Olavo Bilac, 2335 – Centro (Sul), Teresina – PI, 64001-280.

É necessário que os interessados procurem a disponibilidade de vagas de forma online, através do WhatsApp: (86) 9 8876-1655

UESPI participa de workshop direcionado a inovação e fomento ao empreendedorismo

Por Anny Santos

Nesta segunda-feira (29) os professores Tales Antão, Diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), e Maurício Rocha, Diretor do Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC), representando a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), participaram do segundo workshop realizado pelo Sebrae, onde foram apresentados e validados os segmentos prioritários para Teresina, conforme metodologia ELI.

O Sebrae Piauí em parceria com a Fundação CERTI está realizando no Piauí o projeto Desenvolvimento dos Ecossistemas de Inovação através do mapeamento dos Ecossistemas Locais de Inovação (ELI). A UESPI, junto com outras IES, participa como um ator importante, contribuindo com informações das ações de inovação e fomento ao empreendedorismo que são realizadas na universidade.

De acordo com O Diretor do Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC/UESPI), Maurício Rocha, as instituições de ensino superior são importantes atores nesse ecossistema, pois muitos produtos inovadores nascem dentro da academia, através de projetos de pesquisa.

“Participamos de uma oficina onde foram mapeadas as atividades empresariais e também as áreas de conhecimento mais impactadas pela inovação. Além disso, foi possível interagir com outros atores, instituições, e conhecer o que eles estão fazendo na área de empreendedorismo e de inovação. Com isso, podemos levar essas ações para dentro da UESPI, capacitando docentes e discentes da nossa instituição. Essa troca de experiência foi muito importante”.

O ecossistema local de inovação é caracterizado pelo conjunto de relações complexas que se formam entre as instituições que podem contribuir para o desenvolvimento tecnológico e a inovação. Entre os setores que se destacaram em Teresina, estão atividades de atenção à saúde humana; fabricação de produtos alimentícios; confecção de artigos do vestuário e acessórios; e atividades de serviços de tecnologia da informação.

Desta forma é possível traçar estratégias e ações que possam fortalecer este ecossistema em cada segmento. No final do projeto será apresentado e consolidado um relatório deste mapeamento, onde será possível ampliar e promover as ações de desenvolvimento local a partir da ótica da inovação.

Grupo Matizes promove Cirandas que propõem debates referentes a diversidade

Por Anny Santos

A 16ª SEMANA DO ORGULHO DE SER, idealizada e desenvolvida pelo Grupo Matizes, grupo apoiado pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI) já iniciou suas atividades.

O encontro, que acontece entre 29 agosto e 06 de setembro, conta com o evento Cirandas do Matizes na UFPI: Por um Brasil de Cores, promovido pelo Núcleo de Pesquisas e Estudos Educação, Gênero e Cidadania (NEPEGECI) e coordenado pela Profa. Dra. Shara Jane Holanda Costa Adad (DEFE/CCE/UFPI).

As ações têm como objetivo problematizar, afetiva e criticamente, as questões das diversidades nos processos de re-eXistências e criação de um Brasil de cores desde as interseccionalidades de diferentes marcadores e redes de apoio a expressões artísticas e afetivas a favor da vida de todos. Serão cirandas presenciais na UFPI e on-line, conforme programação.

Segundo a Coordenadora do evento, Profa. Dra. Shara Jane, o evento está com inscrições abertas e gratuitas com direito à certificado de participação. “Esse é um convite afetuoso a comunidade uespiana. O evento Cirandas do Matizes da UFPI tem a proposição de problematizar as questões das diversidades nos processos de resistências e criação de um Brasil de cores. A atividade envolve orientadas/os e professoras/es vinculadas ao NEPEGECI que desenvolvem suas pesquisas sobre diversidades, diferenças e inclusão na educação”.

Para Weslley da Silva Rodrigues, participante do evento, destaca que as Cirandas se mostram relevantes em suas potenciais contribuições a uma compreensão mais abrangente das práticas sociais docentes em ambiente escolar, principalmente nas escolas públicas municipais e estaduais do Piauí. “Conforme preconizado na programação com a ampliação das discussões a respeito das diversidades, juventudes LGBTQIA+, corpos políticos, além do combate à discriminação, violência e preconceitos”.

A 16° Semana do Orgulho de Ser visa à desconstrução do preconceito e o enfrentamento da discriminação contra grupos excluídos se revestem de uma importância ímpar. O evento será uma ferramenta importante na luta por mais direitos e contra as opressões de que são vítimas LGBT, mulheres, negros e outros segmentos socialmente inferiorizados.

Realize sua inscrição

Confira a Programação:

 

UESPI divulga programação da 16° Semana do Orgulho de Ser

Por Anny Santos

Em apoio a 16° Semana do Orgulho de Ser, com temática “Vote por um Brasil de cores e a gente faz um País melhor” idealizada e desenvolvida pelo Grupo Matizes, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) divulga as ações que acontecem entre os dias 29 de agosto e 06 de setembro, de forma presencial, em diversos espaços de Teresina, Floriano, Amarante e Altos.

Segundo a Vice-Coordenadora do Grupo Matizes, Marinalva Santana, a programação abriga um cardápio variado de atividades gratuitas. “Nossa expectativa é a melhor possível, pois após 2 anos sem realizar a Semana do Orgulho de Ser, em 2022 construímos uma programação variada, bem robusta. Além de Teresina, ocorrerão atividades em Floriano, Amarante e Altos”, pontua.

A Semana do Orgulho de Ser é realizada pelo Grupo Matizes desde 2005 com o objetivo de levar o debate sobre direitos humanos e diversidades para um público variado formado por estudantes, professores, servidores públicos, militantes do movimento social e, especialmente, LGBT (Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais). Cada um dos participantes possui liberdade de montar sua programação de acordo com afinidade dos temas e disponibilidade de horários.

O movimento visa à desconstrução do preconceito e o enfrentamento da discriminação contra grupos excluídos se revestem de uma importância ímpar. O evento será uma ferramenta importante na luta por mais direitos e contra as opressões de que são vítimas LGBT, mulheres, negros e outros segmentos socialmente inferiorizados.

Em sua programação, a Semana conta com oficinas, palestras, mostras de filmes, shows, lançamento de livros, eventos esportivos etc. Todas essas ações têm como foco a promoção de direitos de grupos discriminados, especialmente a população LGBT.

As ações serão realizadas em diversos locais, dentre eles universidades, escolas, teatros, quadras esportivas, órgãos públicos, praças e parques. Esse formato descentralizado facilita a participação das pessoas, pois a Semana do Orgulho de Ser objetiva ir aonde elas estão.

PROGRAMACAO MATIZES 2022

Pedagogia Piripiri: curso realiza Projeto de Extensão sobre Ludopedagogia na Escola

Por Anny Santos

Através da Pró-Reitoria de Extensão Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), o curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Prof. Antônio Geovanne Alves de Sousa em Piripiri, realiza o Projeto de Extensão “Ludopedagogia na Escola: (re) criando tempos e espaços de encantamento no processo ensino e aprendizagem”.

A atividade tem o intuito de promover oficinas de confecção de recursos pedagógicos lúdicos para a Educação Infantil.

A iniciativa parte da necessidade de ampliar as discussões a ludicidade no espaço escolar enquanto recurso pedagógico, buscando compreender como os professores podem adotar suas práticas pedagógicas mediadas pela Ludopedagogia. Em andamento desde o segundo semestre de 2021, o curso é destinado à acadêmicos do curso de Pedagogia e professores da Educação Básica.

Sob Coordenação das professoras Zilda Tizziana Santos Araújo e Francisca Maria da Cunha de Sousa, o projeto amplia a compreensão sobre a potencialidade do lúdico no processo de ensino e aprendizagem e, com isso, contribui para a ressignificação da ação docente na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, bem como enriquece o processo de formação inicial de estudantes do Curso de Pedagogia.

Segundo a Profa. Francisca Cunha, além de promover oficinas de confecção de recursos pedagógicos lúdicos para a Educação Infantil, o projeto visa dialogar sobre os aspectos teóricos e metodológicos da Ludopedagogia a partir dos estudos de Piaget, Vygotsky, Wallon, Huizinga, Winnicott e Kishimoto e refletir sobre a intencionalidade pedagógica do brincar estruturado.

“Essa ação extensionista do Curso de Pedagogia da UESPI de Piripiri se constitui de extrema relevância, pois possibilita a promoção de oficinas para confecção de recursos pedagógicos lúdicos para a Educação Infantil, contribuindo com a promoção de uma educação de qualidade e com uso de atividades lúdicas que os alunos amam. O curso por acontecer no formato virtual conta com a participação de cursistas de várias cidades do Estado do Piauí, além contar com a participação dos professores da Educação Básica de Piripiri e dos alunos do curso de Pedagogia”, destaca a professora e Coordenadora.

Com encontros semanais a programação contempla temáticas relacionadas o lúdico, inventivo e criativo, além de conhecer o suporte teórico do tema e como isso pode ser aplicado em sala, através de Rodas de Conversa e oficinas temáticas síncronas realizadas no Google Meet (ambiente virtual utilizado para reuniões e conferências para até 100 pessoas).

Totalizando VIII Módulos, a atual turma encontra-se no penúltimo (Módulo VII) com oficina de Jogos sensoriais, motores e simbólicos: estratégias para a estimulação na Educação Infantil.

FAQ UESPI: dúvidas frequentes da comunidade acadêmica

Cronograma para matrículas curriculares para alunos da graduação presencial no período 2022.1.

Matrícula Curricular para alunos calouros pertencentes ao SiSU 2022.1: 01 de agosto a 05 de agosto

Matrícula Curricular dos alunos veteranos sem pendência para o semestre 2022.1: 24 de agosto a 02 setembro

Matrícula Curricular dos alunos veteranos com pendência para o semestre 2022.1: 19 de setembro a 29 de setembro

Como pedir dispensa de disciplina?

O prazo para solicitação de dispensa de disciplina é divulgado no calendário acadêmico letivo. Durante o período, o interessado deve solicitar através do protocolo acadêmico online. 

Após acessar o sistema do protocolo online, o aluno deve preencher o “Formulário do aluno” com seus dados, marcar a opção “Aproveitamento de disciplina cursada”, informar o nome da disciplina que deseja dispensar no campo “observações”. Após isso, enviar para protocoloacademico@preg.uespi.br, com o histórico da disciplina cursada como comprovante.

Como solicitar o histórico acadêmico e declaração?

O histórico acadêmico e a declaração podem ser acessado diretamente no sistema aluno online, na aba documentos, ou solicitar junto ao Divisão de Controle Acadêmico e Diplomação-DCAD pelo email: dcad@preg.uespi.br com o assunto “Declaração de vínculo acadêmico” informando no e-mail nome completo, matrícula, curso e campus.

Como cancelar a matrícula?

Na página do protocolo acadêmico baixe o “Formulário do Aluno”, imprima o documento; preencha; digitalize e envie para o e-mail: protocoloacademico@preg.uespi.br com uma cópia do RG anexado.

Como trancar o curso?

No calendário acadêmico da UESPI é aberto um período para realizar a solicitação através do protocolo online, com envio da solicitação para protocoloacademico@preg.uespi.br. Os alunos devem observar o prazo para realizar o procedimento.

Só podem trancar o curso os alunos a partir do 3°período. O trancamento da matrícula no período só pode ser concedido mediante solicitação do aluno por dois períodos consecutivos ou três intercalados.

No período de solicitação os interessados devem seguir o seguinte passo a passo:

Acessar o site da UESPI;

Na sessão “Serviços”, disponível na home do site, acessar a opção “Protocolo”;

Na página do protocolo acessar o link “Formulário do Aluno”;

O aluno deve:

Imprimir o documento;
Preencher;
Digitalizar;
Enviar para o e-mail: protocoloacademico@preg.uespi.br
Também é necessário enviar para o e-mail descrito acima o histórico acadêmico, disponível no sistema aluno online.

Qual a diferença entre Auxílio e Bolsa?

Os auxílios possuem a característica de viabilizar o acesso e a permanência, dentro do ambiente acadêmico, dos alunos em vulnerabilidade social. As bolsas possuem um importante papel, o de contribuir para a formação profissional dos discentes contemplados.

Enade 2022: alunos concluintes realizam a prova nessa edição

Por Anny Santos

Atenção, alunos! A edição do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de 2022 é um componente curricular obrigatório para os discentes ingressantes e concluintes (com 80% da carga horária cumprida) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) das áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e áreas afins.

Quem está habilitado a realização da avaliação?

Alunos dos bacharelados nas áreas de Jornalismo, Administração, Ciências Contábeis, Direito, Turismo e Psicologia (cursos presenciais e EAD) estão aptos para realizar a prova. Os alunos aptos a fazer a prova do Enade, notificados pelas coordenações de cada curso (o coordenador do curso é responsável pela inscrição dos discentes), são os concluintes inscritos com previsão de término do curso até o período de julho de 2023. Os ingressantes devem ser apenas inscritos, mas não realizarão a prova.

Quando ocorre a prova?

A avaliação ocorre no dia 27 de novembro. Os alunos deverão estar nos locais de aplicação às 12h, pois o fechamento dos portões acontece às 13h (ninguém entrará após o fechamento dos portões) e o início da aplicação do exame às 13h30. O local da prova deve ser conferido através do site do Enade.

Ainda posso participar?

Até o dia 31 de agosto ocorre a retificação de enquadramento de curso ou de inscrição. Se o nome do aluno ingressante ou concluinte não consta na lista divulgada pela coordenação do curso, ainda poderá ser incluindo. Até o momento, 623 alunos ingressantes e 1.371 concluintes estão inscritos no Enade 2022.

Qual a importância de fazer a prova do Enade?

O Enade tem por objetivo avaliar os cursos e a IES a partir do desempenho dos estudantes e de suas percepções sobre o processo formativo da graduação. Os resultados dos estudantes servirão para a produção de informações subsidiárias às ações de indução da qualidade da educação superior, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Os resultados também serão utilizados para fins de cálculo dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior, aferindo o desempenho dos Estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas Diretrizes Curriculares Nacionais ou no Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do respectivo curso de graduação.

Confira o Edital:

ENADE – EDITAL Nº 51, DE 24 DE JUNHO DE 2022

Zootecnia UESPI: alunos promovem manhã de práticas zootécnicas

Por Anny Santos

Na última quarta-feira (10) alunos do 5° e 6° bloco do curso de Bacharelado em Zootecnia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Poeta Torquato Neto, sob supervisão da Profa. Débora Carvalho, promoveram uma manhã de práticas zootécnicas direcionadas a Análise Morfométrica de aves.

Alunos de Zooetecnia do 5° e do 6° bloco

Segundo a Profa. Débora Carvalho, as ações fazem parte das disciplinas Ezoogónosia, Melhoramento Animal e Nutrição de Monogástrico. De acordo com ela, as práticas desenvolvidas são importantes para determinação e  diferenciação entre raças, conhecimento que o aluno precisará para atuar na área de avicultura caipira.

Professora Iniciando a demonstração da avalição de aves

O conhecimento da avaliação do exterior das aves traz uma experiência a mais para os alunos em formação, vale ressaltar que essa prática ainda é pouco aplicada no ensino, o que revela a importância dessa ação na formação dos alunados. Uma vez detentores desses conhecimentos, os alunos podem aplicar as técnicas ensinadas. Ter profissionais no mercado com esses conhecimentos práticos irá somar as ações voltadas ao fortalecimento da agricultura familiar, na qual se preconiza, na área de avicultura, trabalhar com raças adaptadas as nossas condições de clima e solo”, afirma a professora.

Análise Morfométrica de aves

Italo Silva, aluno do 6° período, afirma que por meio de descritores fenotípicos, como contribuição para o início do processo de valorização e reconhecimento deste recurso genético, a Ezoognósia é de suma importância para reconhecer a raça e seus padrões, utilizando então da mensuração de 32 características morfológicas, sendo 21 quantitativas e 11 qualitativas. No qual, nas características qualitativas, a técnica empregada foi a obtenção dos dados por observação visual das galinhas.

“A prática agrega bastante conhecimento aos alunos sobre a importância e o potencial produtivo das raças nativas, em especial, as galinhas caipiras Canela-Preta, que é encontrada no estado do Piauí e, predominantemente, no bioma Caatinga. São aves que tem um papel fundamental por serem caracterizadas, principalmente, por serem detentoras de alta variabilidade genética e possuir grande rusticidade”, ressalta Italo.

Análise Morfométrica de aves

A aluna do 5° período, Gabriela Lima, destaca a importância de realizar práticas ligadas a Ezoognósia em aves, além de conhecer também sobre a raça Canela-Preta. “A professora Débora é especialista na área de galinha caipira, então trouxe muitas informações sobre melhoramento genético e nutrição de aves”.

Na oportunidade, estiveram presentes também alunos do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) para aprender sobre as técnicas de mensurações das aves.

Alunos de Zooetecnia do 5° e do 6° bloco e alunos do IFMA

Especialização em Estomaterapia da UESPI promove “Roda de Conversa: Incontinência Urinária”

Por Anny Santos

Nesta terça-feira (09), a Coordenação da Especialização em Estomaterapia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS), realizou a “Roda de Conversa: Incontinência Urinária” na Unidade Básica de Saúde (UBS) localizada na Vila Bandeirantes, em Teresina.

De acordo com a Coordenadora da Especialização em Estomaterapia e professora da UESPI, Sandra Marina, 30 pessoas estiveram presentes no encontro. Com contribuição da palestrante Doutoranda Elaine Carininy, egressa da UESPI e Coordenadora DO Laboratório de Incontinência (LABINC) do IFPI, a ação tinha por objetivo promover visibilidade ao tema, compartilhando experiências e cuidados para mulheres de diferentes idades.

“A importância da ação é a mulher saber que perder xixi nunca é normal. A maioria que perde fica envergonhada, com baixa autoestima e isso também atrapalha a atividade sexual. A gente não pode achar que é normal, pois não é. É importante conscientizar as mulheres sobre esse tema e tornar o diálogo sobre ele mais frequente. Estamos dispostos a contribuir com o tratamento da incontinência urinária, já agendamos algumas mulheres para darmos continuidade”, pontua a Coordenadora.

A enfermeira da UBS, Tamires Lima, destaca que a ideia da ação surgiu após algumas consultas para realização do exame citopatologico, que foi percebido a queixa recorrente da incontinência urinaria em mulheres de todas as faixas etárias. “O relato da maioria era que muitas vezes deixavam de fazer atividades comuns do seu dia a dia, por conta da perda involuntária de urina, além do uso do absorvente por todo o período que estavam fora de casa. Com isto, juntamente com a estudante que estava me acompanhando, resolvemos levar esta roda de conversa para a UBS”.

Edimária Carvalho, aluna do 10° período do curso de Enfermagem da UESPI foi monitora da disciplina de Estomaterapia, área da enfermagem com que mais se identifica, e destaca que a ação também possibilita dar seguimento no tratamento das pacientes que participaram.

“Agora estou no estágio na atenção básica e lá percebi a importância do conhecimento sobre feridas, estomias e incontinência. Durante o estágio, o que mais chamou a atenção foi a queixa de muitas pacientes sobre a perda de urina, seja ao fazer esforço ou de forma espontânea. Tivemos a ideia de realizar uma roda de conversa e convidamos duas enfermeiras especialista na área para falar mais sobre o assunto e deixar claro que perder xixi não é normal”, finaliza a aluna.

NUFPERPI promove Curso de Redes Ópticas Passivas com inscrições de 10 a 12 de agosto

Por Anny Santos

O Núcleo de Formação e Pesquisa em Energias Renováveis e Telecomunicações do Piauí (NUFPERPI) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em parceria com o Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica, a SUPARC e a PPP Piauí Conectado, abre inscrições para o Curso de Redes Ópticas Passivas, de forma online e presencial de acordo com cada módulo. As inscrições ocorrem de 10 a 12 de agosto, através do formulário online.

Segundo o Prof. Juan de Aguiar, Coordenador do NUFPERPI, o curso objetiva capacitar graduandos e profissionais para conhecer conceitos, saber analisar e planejar aplicações das fibras ópticas nas redes de trabalho baseado nas tecnologias PON, GPON e FTTx, além e determinar possíveis pontos de falha e conhecer aspectos de medição e monitoramento de rede.

“Esse curso faz parte do Programa de Formação em Tecnologias e Sistemas de Telecomunicações e é fundamental à todos os profissionais da área de telecomunicações, principalmente os que trabalham na parte de infraestrutura. Dentro das instituições públicas, aqui no Piauí, é o primeiro curso que está sendo realizado abordando essa expertise com o diferencial de termos aulas práticas também no Núcleo dentro da própria UESPI. Há uma demanda de mercado premente, principalmente na área de infraestrutura, sendo indispensável para quem quer trabalhar com a parte aplicada de telecomunicações por meio de fibra óptica”.

O curso possui 5 módulos, totalizando uma carga horária de 60h. As vagas são limitadas e alguns pré-requisitos precisam ser atendidos. No ato da inscrição o candidato deve anexar, pelo menos, um dos documentos mencionados:

Diploma de Graduação em Engenharia Elétrica ou Comprovante de Matrícula Atualizado de Graduação em Engenharia Elétrica;

Diploma de Bacharel em Engenharia Civil ou Comprovante de Matrícula Atualizado de Graduação em Engenharia Civil;

Diploma de Bacharel em Engenharia Mecânica ou Comprovante de Matrícula Atualizado de Graduação em Engenharia Mecânica;

Diploma de Bacharel em Ciências da Computação ou Comprovante de Matrícula Atualizado de Graduação em Ciências da Computação;

Diploma de Tecnólogo de Redes;

Diploma de Técnico Eletrotécnica;

Diploma de Técnico Eletrônica;

Diploma de Técnico em Telecomunicações;

Certificado do Curso de Princípios de Comunicação.

Conheça o site do curso de Engenharia Elétrica da UESPI.

Administração Superior se reúne com ATI, Piauí Conectado e DTIC para melhorias na qualidade da internet

Por Anny Santos

Na última sexta-feira (05) a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através do reitor Prof. Dr. Evandro Alberto, recebeu o Gerente de Governo Digital da Agência de Tecnologia da Informação do Estado do Piauí (ATI), o Diretor Presidente da Piauí Conectado, Emerson Silva, e o Diretor do Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC), Maurício Rocha, com o intuito de promover avanços e melhorias na conectividade da instituição.

De acordo com o Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, o objetivo é elevar a qualidade da Internet em todas as unidades da instituição, garantindo internet de qualidade para toda a comunidade acadêmica. “Estamos reunidos com o mesmo propósito, o de seguir firmes nessa transformação e na modernização da nossa universidade e a internet é uma ferramenta que se faz necessária nesse processo”.

Segundo o Diretor do Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC), Maurício Rocha, os campus de Teresina já possuem um link do Piauí Conectado de 1GB. “Utilizamos a métrica de verificação, que é feita tendo por base a quantidade de alunos, para solicitar o aumento dos links no interior e avaliamos que os campi de Picos e Floriano, assim como Parnaíba e Teresina, terão 1GB. O campus de Piripiri e Corrente receberão o aumento e passarão a ter 500MB. Todos os outros foram ampliados para 300MB”.

Visita Técnica do Piauí Conectado

Maurício Rocha afirma que a visita dos técnicos do Piauí Conectado, que ocorreu na manhã desta segunda-feira (08), para realizarem um estudo de conectividade no campus Torquato Neto em Teresina, viabiliza e agiliza a melhoria na prestação do serviço de internet no interior e na capital.

“É importante avaliar esses pontos de acesso externos. O próximo passo é instalar equipamentos indoor, roteadores, para que professores e alunos consigam o acesso em áreas internas. Essa melhoria na conectividade trará grande impacto na questão acadêmica e até mesmo administrativa. Tudo isso vai melhorar a prestação desse desse serviço”, finaliza do Diretor do DTIC.

O estudo realizado na visita avalia o alcance, verificar a possibilidade de deslocamento das torres, se for necessário, para centros onde possuem maior concentração de alunos e viabiliza a melhoria no sinal.

Itamar Júnior, Analista de Relacionamento Institucional, José Hilton, Analista de suporte, Jean Cruz, Projetista de TI, Maurício Rocha, Diretor do DTIC e José Filho.

Itamar Júnior, Analista de Relacionamento Institucional, José Hilton, Analista de suporte, Jean Cruz, Projetista de TI, Maurício Rocha, Diretor do DTIC e José Filho Coordenador de Infraestrutura do DTIC.