Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

UESPI36ANOS: NUTI e UNATI ofertam saúde e ensino na terceira idade

Por Anny Santos

Em homenagem aos 36 anos da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), comemorado no dia 28 de julho, a Assessoria de Comunicação organizou uma série de reportagens especiais para celebrar a data, contando a história da universidade e dos personagens que a compõe. Para iniciar, iremos conhecer um pouco mais sobre a Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI) e o Núcleo de Atividade Física da Terceira Idade (NUTI).

Coordenadores, professores e alunos da UNATI e do NUTI.

Coordenadores, professores e alunos da UNATI e do NUTI.

O NUTI e a UNATI são programas de extensão do curso de Educação Física da UESPI, fundados em 2003 e 2007, respectivamente, pelas professoras Solange Maria Ribeiro Nunes Lages e Aurinice Sampaio Irene Monte que se fizeram atuantes desde a criação dos mesmos até o ano de 2019.

Buscando proporcionar uma melhor qualidade de vida, atendendo pessoas a partir de 55 anos de idade, por meio da participação em atividades físicas, acadêmicas, culturais e de lazer, sob a Coordenação dos professores do curso de Educação Física, Ivaldo Coelho Carmo e Moises Mendes da Silva, os projetos visam garantir o envelhecimento ativo e saudável.

De acordo com o professor Moises Mendes, em virtude da aposentadoria das criadoras dos projetos, ele e o professor Ivaldo Coelho receberam o convite das mesmas para estarem a frente do NUTI e da UNATI. “Aceitamos prontamente assumir a responsabilidade de dar prosseguimento ao trabalho criado por elas. Em termos de abrir as portas da universidade para trazer o idoso para dentro dos muros da instituição, oferecendo atividade física orientada e educação continuada paro o idoso, nós somos o único, em termos de estrutura, dentro de Teresina”.

Coordenadores e professores da UNATI e do NUTI, Moises Mendes da Silva e Ivaldo Coelho Carmo.

Coordenadores e professores da UNATI e do NUTI, Moises Mendes da Silva e Ivaldo Coelho Carmo.

Segundo o professor, em média, 400 idosos são atendidos por meio dos Projetos Integrados, também conhecidos como projeto “Guarda-Chuva”, aqueles que se articulam em outros (sub) projetos, sendo o caso do Canto Coral, NUTI e UNATI, propiciando o feito de ser o maior projeto extensionista da UESPI. “Os projetos trabalham com aulas de diversos conteúdos. No caso da UNATI, temos aulas de Ioga, Ginástica Corretiva, Ritmos e Danças da Cultura Popular, Teatro, Psicologia e várias outras, todas no período da manhã. Nossos professores são voluntários e a cada semestre ofertamos novas disciplinas”.

Já para o professor Ivaldo Coelho, é importante destacar que o NUTI disponibiliza as aulas no período da manhã, antes das aulas da UNATI, e no período da tarde, sendo voltadas somente para o campo da Educação Física com atividades, dinâmicas e muita interação entre os profissionais voluntários e os alunos. “Se o aluno quiser participar de um único projeto não há problemas, mas o que costumamos presenciar são alunos que participam de todos. Na UNATI exigimos apenas que o aluno possua uma boa leitura e escrita, já no NUTI é indispensável a apresentação de um exame cardiológico e um bom condicionamento físico para as práticas físicas em aula”.

Uma formação em qualidade de vida

Francisca Piauilino, de 77 anos de idade, entrou na UNATI em 2015 e mesmo formada na 8° turma continua frequentando as aulas nos últimos 7 anos. Para ela, é muito importante sair de casa e encontrar pessoas da mesma faixa etária. “O que falta, às vezes, é essa conversa com pessoas da mesma idade, com a mesma vivência, ideias e assuntos. Relembrar o que passou, o que éramos e o que somos agora é muito bom. O idoso hoje participa de tudo, frequenta todo e qualquer ambiente, se diverte, viaja, conversa, namora, então é muito saudável essa convivência que temos na UNATI”.

Francisca Piauí Lima, aluna dos projetos.

Francisca Piauilino, aluna dos projetos.

A aluna relata ainda a importância do apoio que recebe dos familiares para continuar nas práticas que lhe proporcionam uma melhor qualidade de vida, por meio da participação em atividades físicas, acadêmicas e de lazer. “É satisfatório fazer um curso desse nível para idosos e, principalmente, receber apoio dos nossos familiares. Mudamos hábitos ruins e aprendemos coisas novas, sem exageros, nos atentando para a particularidade de cada idade e das nossas limitações fisiológicas. Temos mais conhecimento sobre alimentação, exercícios físicos e saúde, de maneira geral”.

Dona Francisca afirma que a UNATI é uma família, ela acredita que as relações que manteve e ainda mantém com colegas e professores ao longo dos anos que participa, foram de fundamental importância para um envelhecimento feliz e saudável, consequência que ela atribui as inúmeras atividades que participa em grupos com pessoas da mesma idade.

“No dia anterior a aula durmo pensando em quais atividades iremos fazer e quais assuntos vou tratar com minhas colegas, tudo isso me faz acordar até mais cedo do que o de costume. Sempre que me perguntam em que curso vou me formar, repondo que em qualidade de vida. A essência do curso é você se conhecer, conhecer seus limites, ter qualidade de vida, fazer amigos e cuidar da saúde e essa é a verdadeira formação. E podem dizer que sou velha, mas sou uma velha saudável e que sempre se renova”, finaliza a aluna.

A educação na terceira idade

Joemerson Oliveira, formado em Educação Física e em Artes Marciais chinesas, recebeu o convite para ministrar a disciplina de Hatha e Yoga no segundo trimestre de 2022. Para ele, é importante que os alunos aprendem técnicas respiratórias e de concentração, pois além de beneficiar a saúde, as práticas auxiliam no convívio social e melhoram a qualidade de vida na terceira idade.

Professor Joemerson Oliveira em sala de aula com alunos.

Professor Joemerson Oliveira em sala de aula com alunos.

“Quando recebi o convite fiquei muito feliz. Contribuir para uma melhora na qualidade de vida dessas jovens, logo após um período pandêmico que acarretou serias consequências, se faz fundamental. Nesse período de incertezas algumas pessoas deixaram de fazer atividade físicas, o que também pode agravar o quadro de saúde dos mesmos. Os alunos do NUTI e da UNATI podem exercitar bons hábitos e aprender como envelhecer de forma saudável”, pontua o professor.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Professor Joemerson Oliveira e alunos, durante aula prática.

Nascida no Dia Internacional da Mulher, como gosta de declarar, Ducileide de Jesus Santos, aos 67 anos de idade, exibe sua felicidade ao participar de programas que visam o cuidado e a atenção que sua faixa etária merece. Segundo ela, os projetos possibilitam que os alunos aprendam a cuidar da saúde enquanto se divertem, formam laços e descobrem novas possibilidades de ver e viver a vida.

Ducileide de Jesus Santos, aluna dos projetos.

Ducileide de Jesus Santos, aluna dos projetos.

“Aprendemos a passar o que vivemos e absorvemos coisas novas com nossos colegas e professores. É muito bom estar integrada à um local que me ajuda e que me proporciona criar novos laços, aqui tudo é motivo de festa e comemoração. Tenho três filhos e todos apoiam e comemoram quando digo que aprendi algo novo”, finaliza a aluna que faz parte dos projetos desde 2011.

UNATI e NUTI como extensão da família

Maria de Fátima Pereira Barbosa, de 69 anos de idade, veterana do NUTI e da UNATI desde a criação dos projetos (em 2003 e 2007) e aluna assídua, revela que teve conhecimento sobre o primeiro através de uma reportagem. Reconhecendo que possuía alguns problemas de flexibilidade que lhe causavam incômodos frequentes resolveu se aventurar e participar. Sua experiência foi tão marcante e os resultados tão aparentes que logo após a criação do segundo projeto também realizou sua matrícula.

“Logo de imediato minha melhora foi perceptível, através do NUTI, pois é um projeto que trabalha com o corpo e a mente. Vir aqui e participar de tudo melhora a autoestima, a gente fica com os movimentos mais ágeis e passamos a ter qualidade de vida. Já a UNATI é como um sonho realizado, o de fazer uma universidade. Me sinto sempre como aluna da UESPI e eu sou. Os conhecimentos que adquiri aqui são essenciais para o estilo de vida que levo hoje, todas as aulas são importantes, desde a de dança até as palestras que os médicos parceiros realizam. As amizades que fiz nos projetos são uma extensão da minha família. Desejo felicitações a UESPI por mais um aniversário. Que esta instituição de ensino continue dando esperança e alegria a todos que a procuram”, finaliza.

Maria de Fátima Pereira Barbosa, aluna da primeira turma do NUTI e da UNATI.

Maria de Fátima Pereira Barbosa, aluna da primeira turma do NUTI e da UNATI.

A UESPI possui a missão de promover à articulação do tripé da universidade, o Ensino, a Pesquisa e a Extensão, de forma a contribuir para o desenvolvimento da nossa sociedade e melhorar a qualidade de vida das pessoas que a compõem. Adquirir novos conhecimentos, em especial na terceira idade, permite uma troca benéfica entre os alunos, além da manutenção de uma vida ativa, dinâmica e saudável.

Confira alguns momentos especiais do NUTI e da UNATI:

UNATI encerra período com atividade ao ar livre

por Maria Visgueira

Alegria, euforia e satisfação foram os sentimentos presentes na confraternização da turma da Universidade Aberta à Terceira Idade-UNATI, na atividade que marcou o encerramento do semestre, na última quinta-feira (21) no Parque da Cidadania.

Encerramento do semestre da Unati

O evento contou com a presença de todos os alunos e professores que fazem parte da UNATI. O Coordenador, Prof. Ivaldo Coelho, ressaltou que esse momento é sempre marcado por alegria e confraternização. “A coordenação programou essa finalização de semestre fora dos muros da universidade com o intuito de proporcionar a atividade ao ar livre e com a comunidade local/ É sempre uma boa troca de boas energias”.

A programação foi iniciada com atividades de alongamento com o Professor Joermerson Oliveira. Depois teve um aulão com o Professor Gil Farias, que colocou todos para dançarem ao som da música do filme “Embalos de Sábado a Noite”. Ao final, um piquenique para marcar o acontecimento.

Atividade prática no Parque da Cidadania

O docente Gerardo Campelo estava apresentando as atrações e ele destaca sua experiência dando aulas para o público da terceira idade. Para ele é prazeroso compartilhar seu conhecimento com os alunos. “É fabuloso da aula para a terceira idade, é uma troca de experiências bacana entre a docência e a experiência deles de vida. O evento é muito gratificante, ainda mais com a participação deles. Essa comunhão entre Universidade, extensão, professor e terceira idade é perfeita, porque torna a vida deles mais saudáveis e a nossa mais feliz”, finaliza.

Execícios de alongamento e muita dança na Unati

Luzia mendes da Silva, aluna do programa desde 2016, já era saudade das aulas e atividades da Unati.  “Quando eu entrei na Universidade estava passando por um período difícil de depressão e a Unati me proporcionou uma significativa melhora, pois me divirto com as aulas, com as amigas que fiz, então, é um lugar que eu me sinto bem, me sinto aconchegada” afirma.

Rosa Cardoso é aluna novata da Unati e para ela a experiência do primeiro semestre foi uma das melhores possíveis. “Estou amando fazer parte dessa família, que é a Unati. Todo dia quando chego em casa, logo após a aula, compartilho com a minha família sobre o que aprendi na universidade. Sentirei saudade das aulas nessas férias, mas sei que será por pouco tempo”.

Todos já falavam na saudade dos encontros

Ginástica Postural para os alunos da UNATI

Por Maria Visgueira

 A Atividade busca promover o fortalecimento da musculatura, assim como contribuir para uma consciência corporal, proporcionando aos alunos melhor compreensão dos segmentos corporais para as atividades diárias. Portanto, é fundamental a presença da disciplina “Ginástica Postural” na grade curricular da Universidade Aberta a Terceira Idade-UNATI, da Universidade Estadual do Piauí- UESPI.

Aula para a Unati/Nuti da UESPI

Êneas de Freitas, professor e especialista em Educação Física, está lecionando as aulas, nas quintas-feiras. As aulas pretendem conscientizar os alunos e alunas a respeito da postura.  “A proposta é fazer um trabalho de conscientização à  respeito de determinados movimentos, para que eles façam de forma correta e eficiente. Os exercícios são pensados para que também possam fortalecer alguns músculos de forma que ajude a realizar movimentos da vida diária”.

Ginástica postural difere do pilates. O professor Êneas de Freitas trabalha com os alunos dando ênfase nas atividades diárias. “O pilates aplica-se de uma forma generalizada, com um todo, não é um foco as atividades diárias. A nossa atividade é trabalhar a ginástica no dia-a-dia dos idosos, como pegar um neto, varrer a casa, subir uma escada as atividades são desenvolvidas para isso”, explica o educador.

Alunas aproveitam a aula para as atividades diárias em casa

Para as alunas Maria da Inatividade Pereira e Maria das Dores Gomes, as duas relatam que estão gostando da disciplina pelo fato do estímulo a musculatura. “Estávamos com os músculos atrofiados e agora com o trabalho que o professor está desenvolvendo começamos a ter mobilidade e estamos melhorando”,  afirma a aluna Maria Inatividade Pereira. A aluna Maria das Dores entrou para a UNATI esse ano de 2022 e está aproveitando as aulas para melhorar de um problema de equilíbrio. “Tomei conhecimento do programa este ano e estou aproveitando para melhorar um problema de equilíbrio que eu tenho. Os exercícios eles trazem para os alunos bem-estar e gradualmente vai melhorando”, finaliza Maria das Dores Gomes.

Discente de mestrado desenvolve pesquisa com alunos da UNATI

Por Mateus Rufino

Conceição Magalhães é graduada em letras português pela Universidade Federal do Piauí, e atualmente, está desenvolvendo uma pesquisa de mestrado na área de linguística com os alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI), na Universidade Estadual do Piauí.
O objetivo geral é investigar as práticas sociais de leitura e escrita de idosos, evidenciadas em suas narrativas autobiográficas.

Conceição Magalhães, mestranda em linguística

O projeto tem como título “Práticas sociais e letramento: leitura e escrita em narrativas autobiográficas de idosos” e será realizado em duas etapas. A primeira será feita um roteiro semiestruturado, junto com a assinatura do termo de consentimento e entrevistas com os idosos, a fim de que saibam como e de que forma funcionará a pesquisa.
Por conseguinte, a segunda e última etapa ocorrerá a produção de um caderno com as narrativas sobre leitura e escrita de cada um. A pesquisa ocorrerá em dias e horários das aulas da UNATI conforme orientação da coordenação. A discente fará o estudo com uma amostragem de 10 idosos, aplicando um questionário sobre a história de vida deles.

Banner do projeto

Dulcileide Santos, aluna que participará do projeto, se mostra interessada e relata o quão enriquecedor será a pesquisa para si mesma. “Eu sei ler e escrever, fiz até o quinto ano do ensino fundamental, e esse estudo é importante para trazer de volta esse conhecimento que há muito tempo foi adquirido” conta ela.
Começou Magalhães diz que os idosos estão muito empenhados. “Eles têm interesse em participar, se mostram muito entusiasmados e se dispõem de participar de tudo que o projeto proporcionar. Estou esperando bons resultados”, finaliza ela.

Música, saúde e bem-estar para a Terceira Idade

Por Maria de Fátima Visgueira

A música é uma forma de expressão inerente ao ser humano, suscetível de partilha de emoções ou afetos. A interação e convivência com a música promove, fortalece as relações humanas aumentando a empatia e o prazer nesse relacionamento. Sendo assim, é imprescindível a presença da disciplina “Música, Saúde e Bem-Estar” na Matriz Curricular do programa da Universidade Aberta da Terceira Idade — UNATI, da Universidade Estadual do Piauí — UESPI.

Aula de Música, saúde e bem estar da Unati

A disciplina é ministrada pelo Prof. Ms. Gerardo Campelo Lima Filho, nas quintas-feiras. As aulas acontecem no laboratório de artes da UESPI, Campus Torquato Neto, com cerca de 50 alunos matriculados e tem como objetivos: discutir a influência da música na melhoria da qualidade de vida e bem-estar do idoso e vivenciar os diversos gêneros musicais brasileiros a partir do estudo básico do canto, ritmo e harmonia.

Para o educador ministrar aulas para o público da terceira idade, requer do professor, experiência, maturidade profissional e principalmente conhecimento fisio-morfológico e psicológico dessa etapa de vida. “O segredo para que ocorra um bom aprendizado por parte do público alvo é a metodologia e esta deve adotar um caráter lúdico, onde os conteúdos ministrados devem apresentar uma abordagem recreativa composta de jogos, brincadeiras e atividades rítmicas e expressivas”, ressalta o professor.

De acordo com o professor, percebe-se um crescente interesse dos discentes pelos conteúdos da disciplina e um aumento significativo tanto na presença como na participação em sala de aula. “É um trabalho muito importante para mim. Estamos aqui na Unati compartilhando experiências, muitas vivências e todos aprendemos juntos”, finalizou o professor Geraldo Campelo.

Professor da UNATI fala sobre benefícios da prática de pilates na terceira idade

Por Mateus Rufino

Com o avanço da idade, dores na coluna, perda de equilíbrio e o enrijecimento das articulações são alguns dos problemas enfrentados pelos idosos. Objetivando proporcionar bem-estar e saúde, a Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI), realizou, na manhã desta terça- feira(10), a primeira aula de pilates ministrada pelo professor de educação física, Mateus Ibiapina.

alunos praticando o alongamento das articulações)

Alunos praticando o alongamento das articulações

O docente explica que a disciplina é importante para a reabilitação dos idosos. “O pilates para a terceira idade é desenvolvido para a reabilitação e é desencadeado em diversas modalidades e estruturas. Então, progressivamente, os idosos tendem a procurar mais essas aulas”, destacou.

As aulas de pilates conta com diversos exercícios que consequentemente ajudam a evitar o sedentarismo.
“Não existe exercício específico no pilates. Ele trabalha muito com valências, que quer dizer flexibilidade, mobilidade, força e resistência, que são as principais habilidades que os idosos necessitam no dia-a-dia”, conta Ibiapina.

Quando perguntado sobre os principais cuidados com alunos idosos no pilates, o educador físico relatou principalmente as patologias. Segundo ele, muitos alunos são diabéticos, hipertensos, apresentam quadros de bursite, hérnias de disco e outros problemas ortopédicos, no que dificulta a execução de alguns exercícios. “Tenho sempre o cuidado de analisar e observar a escala de percepção do esforço para não ultrapassar a limitação de cada um e não causar desconforto para eles”, finalizou ele.

Prática da flexibilidade e do equilíbrio

As aulas acontecem às terças-feira pela manhã, de 8 às 9:10, na Universidade Estadual do Piauí e conta com cerca de 40 alunos acima de 60 anos.

NUTI na prevenção de doenças crônicas e degenerativas

Por Maria Visgueira 

Os estagiários do curso de medicina estão preparando, semanalmente, vídeos educacionais para os alunos do Núcleo de atividade física para a terceira idade (NUTI) em prol de auxiliar no  envelhecimento saudável.

O objetivo é trazer temas relevantes para a terceira idade, levando em consideração as campanhas de cada mês. Os vídeos informativos servem como auxílio para identificar as  comorbidades trabalhadas no mês .  “Queremos auxiliar no envelhecimento saudável, tirando dúvidas , educando , trazendo informações de qualidades”, afirmou a estudante de medicina, Natália Rebecca explica:

Os estagiários de medicina, que compõem o NUTI são: Rafael Magalhães, Joana Macedo e Natália Rebeca. Neste mês, as doenças abordadas são Osteoartrite, Doença de Parkinson e Hipertensão e outras doenças crônicas comum em alguns idosos.

Uma vez ao mês é feito um encontro on-line com todos os idosos para ser discutido melhor os assuntos e, segundo a estudante do curso de medicina, esse método que está fazendo diferença. A turma se apresenta bastante animada em conhecer mais sobre o assunto. Confira:

Sobre as Doenças 

As Comorbidades  apresentadas são queixas que os alunos do NUTI manifestam , principalmente a Osteoartrite e a Hipertensão que eles tem mais convívio .

A doença de Parkinson é  a segunda doença degenerativa mais comum , ela é frequente em pessoas a partir de 60 anos de idade.

Hipertensão aumento da pressão nas artérias que com o tempo e  hábitos alimentares , podem levar a pessoa a ter hipertensão, além de outros hábitos que influenciam na causa da doença, como o uso do tabagismo.

Já a osteoartrite é uma doença crônica  , que se caracteriza pelo desgaste da cartilagem articular e por alterações ósseas, Tem como possíveis causas obesidade, esforços físicos repetitivos e esportes como futebol.

UNATI: Alunas de Psicologia trabalham qualidade de vida, social e emocional com os idosos

Por Maria Visgueira

Estudantes do curso de Bacharel e Licenciatura em Psicologia, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), ministram aulas para os alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI),visando a melhora da qualidade de vida, social e emocional das idosas e idosos.

As alunas Maria do Carmo e Maria Alice Reis, estagiárias do curso de Psicologia no programa, já desempenharam trabalho de extensão na Unati. Conhecedoras da realidade do programa, propuseram a ação de abordar habilidade socioemocionais em uma disciplina. O trabalho tem a coordenação do professor e supervisor de estágio Diego Costa.

Alunos na aula de habilidade socioemocionais

Alunos na aula de habilidade socioemocionais

 

As aulas remotas acontecem desde novembro de 2021, pela plataforma do Google Meet. Com os estudantes, são desenvolvidos exemplos práticos baseados no contexto e vivência deles.

A disciplina visa trabalhar com a qualidade de vida, social e emocional. A aluna Maria Alice Reis afirma: “queremos proporcionar o melhoramento na qualidade de vida deles, tanto no contexto pandêmico como também na vida deles como um todo. Buscamos desenvolver as habilidades sociais e socioemocionais, bem como os domínios da inteligência emocional, procuramos exemplificar e treinar essas competências no cotidiano deles”.

Cada aula é tratado dois temas que estão sempre conectados. A estudante de psicologia Maria do Carmo relata a medida que o conteúdo é apresentado, é dado exemplos práticos do dia-a-dia. “Fazemos isso para que seja de fácil compreensão para eles. Instigamos a eles a darem um exemplo também, assim eles vão participando”, explica.

As aulas promovem benefícios na convivência dos estudantes com seus famíliares, que se mostram bastante satisfeitos e participativos durante as atividades. Eles expressam suas dúvidas e esclarecimentos sobre o tema trabalhado na aula. A aluna da UNATI, Eliete Quirino, manifesta total satisfação com a atividade .” A disciplina é muito importante para nós. Ensina a melhorar a comunicação com as pessoas, a ter mais respeito pela dor do outro e praticar sempre a empatia”, finaliza Eliete Quirino.

Parceria entre UNATI E UATI promove oficina de arte chinesa

A Universidade Aberta à Terceira Idade de Salvador (UATI) convidou alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) para uma oficina de arte chinesa. As aulas irão ocorrer todas as quartas-feiras, das 8h às 9h da manhã, através da plataforma Zoom.

A oficina, ministrada pela professora Alaíde Livramento, traz aos alunos aulas de Qi Gong, uma técnica chinesa que ensina a desenvolver e a usar a energia presente no ser humano. A técnica tem como objetivo prevenir e curar doenças, fortalecer a saúde, aumentar a imunidade, aliviar o estresse e eliminar a tensão/fadiga de todo o corpo.

Segundo Alaíde Livramento realizar essa oficina é uma forma de repassar os conhecimentos adquiridos na Uati, para manter as pessoas saudáveis nesse momento de isolamento, em que todos precisam manter o equilíbrio e uma boa saúde.

“Fazer o Qi Gong  não  só aumenta os seus anos de vida como também lhe proporciona uma vida de qualidade. O Qi Gong harmoniza a respiração, aumenta a sua reserva energética, retarda o processo de envelhecimento, alerta o seu metabolismo e equilibra a energia interna, com o objetivo de alcançar as saúdes física, mental e espiritual”, explica a professora Alaíde.

UNATI e UATI seguem com parceria benéfica para alunos da terceira idade

Colaboração: Ana Luiza Oliveira / Orientação: Profa. Sammara Jericó

 

A Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) segue em parceria com a UATI da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). A parceria teve início no ano passado, com o desenvolvimento de atividades em conjunto, como lives e desafios para serem executado pelos alunos.

Segundo o Coordenador da UNATI, professor Me. Moisés Mendes, a parceria continua com eventos para os alunos das duas instituições. “A gente vem realizando várias gincanas com desafios desde o ano de 2020 e a parceria continua com eventos onde sempre convidamos o pessoal da UATI e eles sempre nos convidam. Inclusive o professor Jorge da UATI convidou nossas alunas a participarem da disciplina dele e a cada semana é gerado um e-book”, acrescentou.

O coordenador da UATI, professor Antônio Jorge, relata que a parceria é uma concretização de encontros que já estavam ocorrendo antes. “Nas reuniões e fóruns já existia o contato entre coordenadores de todo o país. Vimos a importância da união e hoje trabalhamos para dar uma melhor qualidade de vida para a pessoa idosa. O ponto positivo da pandemia é poder fazer esse trabalho virtual encurtando espaços de distância”, finalizou.

Unati celebrou o II Arraiá Virtual

Colaboração: César Rocha   / Orientação: Profª. Sammara Jericó

Na noite de quarta-feira (30), a Universidade Ativa à Terceira Idade (Unati) realizou seu II Arraiá Virtual entre alunos e colaboradores, por meio de uma videoconferência na plataforma Zoom.

O encontro teve a participação do Reitor da Uespi, Prof. Evandro Alberto, da Pró-reitora da PREX, Eliene Pierot.

 

Dentre os convidados, estava o cantor Vagner Ribeiro, da banda Valor de PI, que durante o evento alegrou os alunos e convidados com músicas tradicionais de festa junina. Além disso, o cantor interagiu com os presentes no arraiá virtual por meio de brincadeiras e desafios de adivinhação, cuja temática estava voltada à festividade.

“Fiquei muito feliz em participar do arraiá, porque o público é muito especial com relação à cultura. Ele traz experiências de memória, cultura e sabedoria popular que me encanta muito enquanto pesquisador de cultura e música. E fazer parte daquele arraiá tão saudoso me encantou demais”, disse o cantor. 

O evento permitiu celebrar e reviver memórias juninas dos alunos. Alguns se dispuseram a decorar suas casas com enfeites juninos, como bandeirolas, chapéus de palha e panos quadriculados. Os alunos, em suas casas e na sala virtual, apresentaram as comidas típicas que prepararam.

Segundo a aluna da Unati,  Lindalva Maria, o arraiá relembrou suas vivências e alegrou sua noite. “A festa foi maravilhosa, dancei bastante. A melhor parte foi o momento das adivinhações, rir bastante. Foi uma noite de diversão”, afirma a aluna.

E como toda festa junina, foi realizada uma quadrilha improvisada, popularmente conhecida como baião, onde cada aluno no conforto e segurança de suas casas dançavam ao som das músicas, seja sozinhos ou com familiares. O importante era ninguém ficar parado.

Para o coordenador da Unati, Moisés Mendes, o arraiá superou todas as expectativas e promoveu a interação de todos os participantes do evento. “Foi simplesmente um sucesso. O Unati possui excelentes parceiros que proporcionam atividades desse porte. E só temos que agradecer a todos os alunos que participaram”, finaliza o coordenador.