UESPI

Brasao_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Governo-do-Piauí-2023_300X129

Liga Acadêmica de Saúde da Mulher da UESPI – Picos realizará oficina sobre pré-natal com transmissão ao vivo

Por Roger Cunha 

No próximo dia 18 de julho, a Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASM) da UESPI de Picos realizará sua primeira oficina dedicada ao pré-natal. Sob o tema “Interpretação e Condutas dos Exames Laboratoriais no Pré-Natal na AB“, o evento contará com a participação da renomada palestrante Amanda Gomes.

Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASM) da UESPI – Picos

A oficina, marcada para iniciar às 19 horas, será transmitida ao vivo pelo YouTube, garantindo acesso amplo e gratuito a todos os interessados. Além da oportunidade de aprofundar conhecimentos sobre interpretação de exames laboratoriais essenciais durante a gestação, os participantes receberão certificados de 5 horas, validando a participação no evento.

A iniciativa da LASM visa não apenas educar e capacitar estudantes e profissionais da área de saúde, mas também promover a disseminação de informações fundamentais para a promoção da saúde materna na região. Vitória Batista, presidente da LASM, explica que o objetivo principal é celebrar o primeiro ano de existência da liga e aumentar o debate sobre o tema, facilitado pela enfermeira Amanda Gomes. “Com esse formato, pretendemos aumentar o debate sobre o tema, através da facilitação do tema pela enfermeira Amanda e pela resolução de questões ao final,” afirmou Vitória.

Oficina: Interpretação e condutas dos exames laboratoriais no pré-natal na AB.

Sobre a escolha da temática, Vitória destacou que a escolha do tema “Interpretação e Condutas dos Exames Laboratoriais no Pré-Natal na AB” foi baseada nas sugestões e pedidos feitos tanto pela diretoria da LASM quanto pelos membros da liga. Este foi o tema mais solicitado por eles, indicando um grande interesse e necessidade de abordar esse assunto específico.

Em relação aos benefícios esperados, a presidente da LASM ressaltou a capacitação profissional e a troca de experiências como pontos-chave. “A comunidade irá contar com profissionais e futuros profissionais bem qualificados,” enfatizou. Vitória também comentou sobre a importância de debater esse tema dentro da universidade e revelou planos futuros: “Existem muitas atividades planejadas para o próximo semestre, projetos de extensão, aulas abertas e eventos.”

As inscrições para a oficina podem ser feitas através do link: I Oficina da LASM e mais informações podem ser obtidas através do Instagram: @lasm.uespi

Conheça a história da Luar do São João em livro lançando pela editora da UESPI

Por Roger Cunha 

O 46º Encontro Nacional de Folguedos, realizado na arena do Teresina Shopping, de 1º a 7 de julho, destacou e premiou as melhores quadrilhas juninas do Estado. O evento reuniu participantes de diversas regiões do Nordeste, proporcionando animação com a emocionante Final da Série Diamante do XIV Festival Estadual de Quadrilhas Juninas da FEQUAJUPI.

Quadrilha Luar do São João.

As quadrilhas participantes incluíram representantes de vários estados nordestinos:

  • Piauí 1: Luar do São João
  • Piauí 2: Lua de Prata
  • Maranhão: Matutos do Rei
  • Ceará: Paixão Nordestina
  • Rio Grande do Norte: Coração Nordestino
  • Paraíba: Fogueirinha
  • Pernambuco: Dona Matuta
  • Alagoas: Amanhecer do Sertão
  • Bahia: Imperatriz do Forró
  • Sergipe: Rala Rala

Os grandes vencedores do festival foram:

1º Lugar: Luar do São João de Teresina-PI 2º Lugar: Lua de Prata de Demerval Lobão 3º Lugar: Explosão Estrelar de Teresina-PI

Além de conquistar o primeiro lugar no festival, a quadrilha Luar do São João celebrou também o tricampeonato no Nordestão de Quadrilhas Juninas da UNEJ, conquistado em 6 de julho. Joel Rodrigues, aluno de Jornalismo da UESPI, junto com Pollyana Stella, receberam o prêmio de melhor casal de noivos do Nordeste no festival. A Luar do São João também ficou em 3º lugar no Festival de Quadrilhas Juninas da Globo 2024, marcando o terceiro ano consecutivo no pódio das melhores quadrilhas do Brasil.

Joel Rodrigues e Pollyana Stella, receberam o prêmio de melhor casal de noivos do Nordeste no festival. Foto-Fonte: Instagram da quadrilha.

A Luar do São João se destacou pela sua organização, distribuição de trabalho e uma abordagem afetiva que valoriza cada membro do grupo. Além das apresentações em quadrilhas, os dançarinos participam ativamente nos bastidores, contribuindo para a confecção de figurinos e adereços. 

Glauber Alves um dos representantes da quadrilha ressaltou que  a apresentação foi intensa e dedicada, com oito meses de ensaios, resultando em diversas premiações. Eles ganharam o primeiro lugar no Folguedos e ficaram em terceiro no Regional da Globo, o que os deixou felizes por estarem no pódio por três anos consecutivos. “Desde outubro que a gente vem ensaiando, então soma aí aproximadamente 8 meses de trabalho de uma dedicação assim 100% e o resultado foi as nossas premiações. Como melhor do estado, ganhamos agora o primeiro lugar, melhor do estado, no Folguedos e no Regional da Globo ficamos em terceiro, ficamos no pódio, estamos muito felizes de permanecer no pódio é uma alegria assim incrível, indescritível, porque somos bicampeões do Regional da Globo e no terceiro ano a gente permanecer no pódio, significa dizer que a gente tá ali, ainda assim trilhante”.

Apresentação da quadrilha no festival.

O processo criativo da quadrilha, conforme destacado por Glauber Rocha, inicia-se na diretoria, onde Ramon Patrese, diretor geral, colabora com Anderson Gomes, diretor de projetos, e o diretor artístico e coreográfico. Juntos, escolhem um tema, desenvolvem-no em conjunto e, em seguida, iniciam a parte prática, que inclui coreografia, figurinos, cenários, música e seleção do elenco de dançarinos. Essa colaboração resulta nas apresentações realizadas durante os meses de junho e julho.

Capa do Livro “Luar do São João: As cores que surgem que nem magia num São João de Alegria”

A história e a evolução do grupo Luar do São João são detalhadas no livro “Luar do São João: As cores que surgem que nem magia num São João de Alegria”, publicado pela Editora da Universidade Estadual do Piauí (EdUESPI). Escrito por Letícia Dutra Araújo, Mirelly de Sousa Moura e Sammara Jericó Alves Feitosa, a obra celebra os dez anos de atuação do grupo, que foi fundado em 2012 na zona norte de Teresina.

Antes da fundação da Luar do São João, o movimento junino em Teresina era relativamente tímido em comparação com outras capitais do Nordeste e cidades interioranas do Piauí. Com a criação da Luar do São João, esse cenário começou a mudar. O grupo trouxe uma proposta inovadora e, em pouco tempo, tornou-se uma referência no meio junino, ganhando destaque não só no Piauí, mas também em outras regiões do Brasil.

Membros da quadrilha Luar do São João

Ao saber que outra pessoa estava interessada em escrever um livro sobre a história da Luar do São João foi de grande satisfação e alegria. Para eles, é uma conquista significativa saber que há interesse em destacar e documentar o trabalho, a história e os desafios enfrentados ao longo do tempo. Participar das festas de São João e manter uma quadrilha é um esforço árduo e trabalhoso, especialmente lidando com pessoas e cultura. Portanto, a ideia de ser tema de um livro que pode alcançar pessoas ao redor do mundo é vista como algo fantástico e incrível. Eles se sentem vitoriosos, reconhecendo que seu trabalho está rendendo frutos positivos, e estão motivados a continuar no caminho do sucesso. A gratidão pela oportunidade também é expressa, destacando o quanto estão honrados e felizes com essa possibilidade.”É uma sensação de vitória saber que existem pessoas que querem ressaltar, que querem colocar em páginas, que querem mostrar para o mundo o nosso trabalho, a nossa história, a nossa luta…”

Glauber Alves expressou que é extremamente significativo para eles terem a história da Luar do São João documentada em um livro. Para a equipe da Luar, isso representa o ápice de seu trabalho e realizações. Eles não veem a Luar apenas como um grupo local, mas como uma entidade que alcançou reconhecimento nacional e até internacional. Receber feedback positivo de diversas partes do Brasil reforça a importância e o impacto de seu trabalho cultural. Ter sua história registrada em um livro significa validar e preservar seu legado cultural para as futuras gerações, permitindo que sua contribuição seja conhecida e apreciada por um público mais amplo ao redor do mundo. “É o ápice para nós. A Luar do São João não é apenas um grupo junino comum; alcançou uma dimensão que vai além de Teresina, além do Piauí, tornando-se parte do Brasil e do mundo. Saber que tudo isso será registrado em um livro para que possa ser compartilhado globalmente é um testemunho de que nosso esforço deu frutos, de que estamos no caminho certo”.

Integrantes da Luar do São João

Um dos trechos das músicas autorais da Luar do São João encapsula a essência do grupo: “A alegria do São João chegou! Eu quero mesmo é aproveitar! Eu vou dançar nessa quadrilha que é uma grande família, não tenho o que duvidar!”. Este verso reflete o espírito comunitário e a alegria contagiante que a quadrilha traz às festividades juninas, reunindo pessoas de diferentes camadas sociais e bairros de Teresina e cidades adjacentes.

Quadrilha representou o Piauí e garantiu o 3° lugar no Festival de Quadrilhas Juninas da Globo 2024

A Luar do São João, assim como outras quadrilhas no estado, desempenha um papel que mantém viva a tradição das festas juninas no Piauí. Com suas apresentações vibrantes e meticulosamente preparadas, o grupo não apenas celebra a cultura local, mas também preserva e enriquece as raízes culturais da região. A cada ano, suas danças, figurinos elaborados e a atmosfera festiva relembram a história e os valores que permeiam as festividades juninas, envolvendo a comunidade e transmitindo esse legado para as gerações futuras. Essas quadrilhas são guardiãs de uma tradição que une pessoas de diferentes origens em torno de uma celebração que é ao mesmo tempo festiva e profundamente enraizada na identidade cultural nordestina.

Para mais detalhes e para conhecer sobre a trajetória da Luar do São João, acesse o livro na íntegra aqui.

OCLIPI de Língua Portuguesa: projeto será apresentado em evento na UFPA

Por Roger Cunha

Com a chegada da 76ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), de 07 a 13 de julho, no Campus Guamá da UFPA, a SBPC promete ser um marco não apenas em ciência, mas também em tecnologia, inovação, arte, cultura e diversidade. Durante seis dias, os participantes terão acesso a uma vasta programação que inclui conferências, mesas-redondas, cursos e palestras. Destaque também para as atividades nas tendas da SBPC Jovem, SBPC Mairi e SBPC Afro e Indígena, que oferecem desde introdução ao universo científico para crianças até debates sobre diversidade étnico-racial e cultural. Na Expotec, instituições de educação, ciência e inovação estarão presentes, enquanto no Paneiro – Espaço de Cultura Alimentar, a discussão será sobre sistemas alimentares sustentáveis. Já na SBPC Cultural, o público poderá apreciar uma variada programação artística, incluindo teatro, dança, música e oficinas.

76ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira

Marcado para o dia 12 de julho,  Profa. Dra. Shirlei Marly Alves apresentará o projeto que está transformando o ensino de língua portuguesa no Piauí: a Olimpíada Científica de Língua Portuguesa do Piauí – Dizeres e Saberes do Nosso Povo, conhecida como OCLIPI. Idealizado no âmbito do Programa SEDUC Olímpica da SEDUC-PI, o OCLIPI é um projeto pioneiro tanto no estado quanto no Brasil. O projeto foi selecionado na Chamada CNPq/MCTI nº 03/2023.

“A principal motivação é a importância de se disseminar a educação científica na Educação Básica, mais especificamente, no ensino de Língua Portuguesa, área em que raramente se incentivam os estudantes a fazerem pesquisa científica”, respondeu a Profa. Shirlei Marly Alves, que também é a coordenadora do projeto,  ao ser questionada sobre o que a motivou a propor a criação da OCLIPI. “O projeto foi inspirado na necessidade de integrar escola e comunidade, fortalecendo os laços essenciais para a educação cidadã”, acrescentou.

SBPC Jovem são destinadas a estudantes e professores do ensino básico e a todos os amigos da ciência.

Ascom: Que benefícios específicos estão sendo obtidos no projeto OCLIPI?

“A Olimpíada Científica de Língua Portuguesa do Piauí ‘Saberes e Dizeres do Nosso Povo’ (OCLIPI) propicia aos professores compreenderem a pesquisa científica como um princípio educativo, que favorece aos estudantes a autonomia, o desenvolvimento do raciocínio analítico, a ampliação da visão crítica. Na aprendizagem da língua portuguesa, atinge-se uma visão abalizada dos múltiplos e variados usos linguísticos, para muito além do que se alcança com o ensino tradicional de gramática”.

Ascom: Qual o processo de formação dos professores que participam do projeto? 

“Os professores estão participando de um curso de formação em EAD cujo título é ‘PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA’. Trata-se de um curso de extensão universitária com carga horária de 60 horas, com a mediação de professores de Língua Portuguesa com titulação de mestrado”.

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)

Ascom: Qual a importância da apresentação na SBPC Jovem para o projeto? O que esperar com essa apresentação?

“A OCLIPI está sendo desenvolvida com recursos de fomento provenientes da aprovação na Chamada CNPq/MCTI nº 03/2023 de Olimpíadas Científicas. Sendo a SBPC patrocinada por esse órgão, é importante que se divulguem as ações aprovadas em seus editais. Além disso, pretendemos disseminar a ideia de trabalhar com a pesquisa científica nos domínios do ensino de Língua Portuguesa, e o evento é uma excelente oportunidade para isso”.

Ascom: Quais os planos futuros para a OCLIPI? Há intenção de expandir o projeto para outras regiões ou implementar novas fases?

“Sim, no próximo ano, nossa intenção é fazer parcerias com outras instituições da região Nordeste, de modo a tornar a OCLIPI um evento regional”, respondeu Shirlei Marly Alves sobre os planos futuros para a OCLIPI e a possibilidade de expandir o projeto para outras regiões ou implementar novas fases”.

Curso de Estomaterapia da UESPI alcança reconhecimento e conquistas no 4º Congresso Paulista de Estomaterapia

O 4º Congresso Paulista de Estomaterapia destacou-se este ano pela ênfase na Gestão do cuidado na Estomaterapia, promovendo debates sobre a utilização de recursos tecnológicos em saúde para garantir o bem-estar, segurança e qualidade do cuidado às pessoas com estomias, feridas e incontinências ao longo da vida. Durante o evento, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) foi honrada com dois prêmios significativos: primeiro lugar na categoria incontinência e terceiro lugar na categoria estomia.

Selo de qualidade do curso pela Associação Brasileira de Estomaterapia – Sobest

A Professora Sandra Marina, coordenadora do curso de estomaterapia da UESPI, destaca a reacreditação do curso como um marco crucial. “A reacreditação é o selo de qualidade do curso pela Associação Brasileira de Estomaterapia (Sobest) com a chancela do World Council of Enterostomal Therapists (WCET), sendo a UESPI a única instituição do estado acreditada por Sobest/WCET,” explicou a professora. Ela falou também dos desafios enfrentados durante o processo de reacreditação, que incluíram a necessidade de um projeto alinhado com as recomendações do WCET, a presença de um coordenador estomaterapeuta de curso acreditado e a qualificação dos professores, entre outros critérios rigorosos. “Preparar tudo isso e estar apto é um prazeroso desafio,” enfatizou a professora.

4º Congresso Paulista de Estomaterapia – Representantes da UESPI

Sobre os prêmios recebidos no congresso, a coordenadora expressou sua satisfação e reconhecimento aos egressos. “A premiação demonstra a qualidade do curso e das pesquisas realizadas pelos nossos egressos. Parabenizamos Rosa Irlania pelo primeiro lugar na categoria incontinência e Dinara Raquel pelo terceiro lugar na categoria estomias,” disse orgulhosamente.

Ela também ressaltou a trajetória de sucesso das duas premiadas, que agora estão em novos desafios acadêmicos e profissionais. “Rosa Irlania está ingressando no mestrado na Universidade Federal do Paraná e já está atuando no Hospital Universitário de lá. Dinara Raquel, por sua vez, já é mestre e está no Hospital Universitário do Amapá.” revelou  Sandra Marina.

4º Congresso Paulista de Estomaterapia

Essas conquistas reforçam o compromisso da UESPI com a excelência acadêmica e a gestão do cuidado em estomaterapia. Estamos preparados e entusiasmados para receber a próxima turma de Estomaterapia padrão UESPI, um curso acreditado por Sobest,” concluiu a professora Sandra Marina, destacando o impacto das pesquisas da universidade em congressos nacionais e internacionais.

Biblioteca da UESPI avança com treinamento do SIGAA para Campus Clóvis Moura

Por Roger Cunha

Nos dias 04 e 05 de julho, a Biblioteca Central da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) sediou um treinamento do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) módulo Biblioteca. O evento foi voltado para a capacitação da bibliotecária responsável pela chefia da divisão de bibliotecas do campus Clóvis Moura.

Bibliotecárias: Francisca Carine Farias, Joselea Ferreira e Nayla Carvalho,

O treinamento foi conduzido pelos bibliotecários Francisca Carine Farias, Nayla Kedma de Carvalho Santos, José Edimar Lopes e Ana Angélica Pereira Teixeira, que abordaram aspectos cruciais para a implementação e funcionamento do sistema. Entre os tópicos discutidos estavam a configuração do sistema, gestão de circulação, processamento técnico, elaboração de fichas catalográficas e geração de relatórios. Essa abordagem abrangente permitiu que a bibliotecária explorasse detalhadamente cada uma dessas áreas para garantir um entendimento prático e completo do novo sistema.

Segundo o bibliotecário Edimar Lopes, a motivação para realizar esse treinamento surgiu da necessidade de modernizar os sistemas de gestão bibliográfica da UESPI. “Implantamos o módulo biblioteca do SIGAA em meados de maio e fizemos a migração de  14 mil catalogações, representando quase 40 mil exemplares de registros bibliográficos. Decidimos, então, expandir para outros campi, inicialmente Clóvis Moura e Facime, e desenvolver este treinamento para capacitar os bibliotecários responsáveis”.

Joselea Ferreira, Bibliotecária, Edimar Lopes, Bibliotecário e Diretor substituto da Biblioteca Central

O principal objetivo do treinamento, de acordo com Edimar Lopes, foi capacitar os profissionais bibliotecários da UESPI para que possam gerenciar o sistema junto à comunidade acadêmica. “Focamos em vários quesitos, como processos técnicos, catalogação, circulação, relatórios e configuração geral de sistemas. Com essa capacitação, os profissionais poderão desempenhar suas funções de gestão de forma eficiente, no campus Clóvis Moura”. O bibliotecário também destacou a importância da capacitação no uso do módulo Biblioteca para a eficiência e qualidade dos serviços prestados. “A capacitação permite que os bibliotecários utilizem o sistema de gestão integrado com autonomia, oferecendo serviços de alta qualidade e proximidade com os usuários. O SIGAA integra vários setores da universidade, possibilitando uma gestão mais eficiente e personalizada”.

Edimar Lopes ressaltou ainda a metodologia utilizada durante o treinamento, que envolveu o uso do modo pré-produção do sistema. “O profissional bibliotecário utiliza todas as funcionalidades do sistema em um ambiente de testes, sem impacto direto nos resultados reais. Isso garante que possam realizar experimentos e aprender sem riscos, já que o sistema é reiniciado a cada 24 horas” e ressaltou que como parte dos próximos passos, a UESPI já planeja expandir essa capacitação para outros campi.

“A próxima capacitação será com os profissionais do campus da Facime, dando continuidade ao processo de modernização e aprimoramento dos serviços bibliográficos da universidade”, informou Edimar Lopes.

Docentes da UESPI enriquecem debates sobre literatura comparada em Manaus

Por Roger Cunha

Esta semana, Manaus se torna o centro internacional dos estudos em Literatura Comparada com o XIX Encontro da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC). O evento, conhecido por sua amplitude e relevância acadêmica, reúne especialistas, pesquisadores e estudiosos para discutir temas que vão desde redes literárias até diversidade cultural.

Professoras da UESPI no XIX Encontro da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC)

“A Abralic é fundamental para fomentar os estudos comparatistas no Brasil, promovendo seminários, simpósios e cursos que enriquecem tanto a graduação quanto a pós-graduação em Letras”, destaca a professora Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

A professora Mônica Gentil, coordenadora de um simpósio sobre literatura de expressão portuguesa contemporânea, afirma que o evento proporciona uma plataforma única para a troca de experiências e conhecimentos entre estudiosos de Literatura Comparada. “É uma oportunidade ímpar para ampliar nosso entendimento sobre temas emergentes na área, como redes literárias e diversidade cultural, além de fortalecer conexões com colegas nacionais e internacionais”, ressalta Mônica Gentil.

XIX Encontro da Abralic

A presença das professoras da UESPI no XIX Encontro da Abralic não se limita apenas à apresentação de pesquisas, mas também ao enriquecimento cultural e teórico proporcionado pela interação com estudiosos internacionais. “Estamos imersos na cultura amazônica, aprendendo e compartilhando experiências que enriquecem nosso trabalho acadêmico”, comentou a professora Mônica Gentil 

O tema deste ano é “Redes, Margens e Rios” tem provocado reflexões intensas entre os participantes. “A professora Celestina desenvolveu pesquisas sobre poéticas orais na Amazônia e no Nordeste, especialmente focando na obra de Fontes Ibiapina ‘Zé Rotinho’. É uma oportunidade única de trazer a literatura piauiense para um debate tão amplo.”

Por sua vez, a professora Algemira trouxe uma perspectiva enriquecedora ao discutir sobre redes literárias e diversidade cultural, refletindo o compromisso da UESPI em promover debates profundos e intercâmbios culturais que ampliam o horizonte acadêmico e pessoal dos participantes.

O tema deste ano, “Redes, Margens e Rios”

A interação com pesquisadores internacionais também é destacada como essencial para o avanço das pesquisas. “As trocas culturais e teóricas são essenciais. Estamos imersos na cultura do norte do Brasil, aprendendo sobre a Amazônia, suas tradições e saberes, o que enriquece profundamente nosso trabalho”, explica Mônica Gentil. A participação na Abralic é uma oportunidade de ampliar horizontes acadêmicos e promover o intercâmbio cultural entre diferentes regiões do Brasil e do mundo. 

Edital para capítulos de livro sobre empreendedorismo, inovação e sustentabilidade

Por Roger Cunha 

Núcleo de Estudos e Projetos em Inovação e Sustentabilidade (NEPIS) abre chamada para a elaboração de capítulos de livro sobre Empreendedorismo, Inovação e Sustentabilidade. O objetivo do projeto é explorar essas temáticas de forma isolada e/ou interseccionada, fornecendo uma visão abrangente e multidisciplinar sobre como empreendedores podem inovar de maneira social e sustentável.

 

Chamada para capítulo de livro

A profa. Indira Bezerra, uma das coordenadoras do projeto, destaca que o objetivo principal é “não apenas criar uma obra abrangente que explore diversas perspectivas sobre o tema, mas também gerar um impacto significativo. Além da produção do livro, o projeto envolve o engajamento de estudantes interessados, a realização de discussões transmitidas no YouTube com professores convidados, e debates mais intimistas com o grupo participante. Nosso objetivo é fomentar um diálogo contínuo sobre inovação e sustentabilidade, incentivando ações práticas e concretas.”

A ideia para o livro surgiu a partir de diálogos com os pesquisadores do NEPIS (Núcleo de Estudos e Projetos em Inovação e Sustentabilidade). Durante as reuniões, a equipe percebeu a importância de integrar seus estudos e discussões em uma obra que agregasse valor à comunidade. “Queríamos criar um recurso tangível que refletisse nossas investigações e debates, promovendo uma maior compreensão e engajamento com os temas de inovação e sustentabilidade”, explica a  coordenadora Indira Bezerra.

Chamada para capítulo de livro

Não há restrições quanto ao perfil dos autores que podem contribuir com capítulos para o livro. Isso significa que qualquer pessoa interessada no tema — sejam professores, profissionais de diversas áreas ou estudantes — está convidada a submeter sua proposta. O principal critério de seleção é que a proposta do capítulo esteja alinhada com os temas de “Empreendedorismo, Inovação e Sustentabilidade”. Ela também enfatiza que as contribuições podem abordar esses temas de maneira isolada (focando em um único aspecto) ou interseccionada (explorando a interseção entre dois ou mais desses temas), proporcionando uma visão abrangente e multidisciplinar sobre como os empreendedores podem inovar de maneira social e sustentável.

 

Chamada para capítulo de livro

O edital pode ser acessado nos canais oficiais da UESPI, e os interessados em obter mais informações sobre o processo de submissão podem enviar um e-mail para nepis@ccsa.uespi.br. A expectativa é que o livro tenha um impacto significativo não apenas na comunidade acadêmica, mas também na sociedade em geral. “Esperamos que os debates que serão realizados no canal do YouTube do NEPIS e nos eventos de lançamento inspirem ações concretas em direção a um futuro mais sustentável e inovador. Acreditamos que as ideias e conhecimentos compartilhados no livro possam servir como um catalisador para mudanças positivas e práticas sustentáveis na sociedade”, conclui a coordenadora.

Festival Internacional de Bonecos do Piauí destaca importância cultural com palestras na UESPI

Por Roger Cunha 

Na manhã do dia 02 de julho de 2024, o Auditório do NEAD da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) foi palco de discussões culturais durante o 5° Festival Internacional de Bonecos do Piauí. O evento, que celebra a arte dos bonecos e sua relevância cultural, atraiu um público diversificado de estudantes, professores, artistas e entusiastas da cultura. Com mais de 40 espetáculos programados, o festival também promove a formação através de oficinas gratuitas em escolas e universidades, além de ampliar o debate sobre a salvaguarda dessa arte histórica e identitária com fóruns e palestras nas universidades públicas UFPI e UESPI.

5° Festival Internacional de Bonecos do Piauí
Palestras – UESPI – Auditório do NEAD

A primeira palestra da manhã, intitulada “A Cultura Popular como Traço de Resistência da População Afrodescendente”, destacou a importância das tradições populares na preservação da identidade cultural afrodescendente. Os palestrantes abordaram como essas manifestações culturais atuam como formas de resistência e resiliência, mantendo vivas as histórias e valores de comunidades afrodescendentes em meio a desafios sociais e históricos. A professora doutora Assunção Sousa, uma das palestrantes, ressaltou a relevância do tema e a importância do debate dessas questões na contemporaneidade. “Falar disso, estamos falando de nós mesmos. É muito importante no sentido da valorização, mas não só valorizar, mas no sentido da gente ir compreendendo de que forma a gente pode agir para a modificação das realidades. Também é uma forma de combate ao racismo porque são atitudes de reelaboração das coisas que a gente pensa, da gente pensar história e partir disso, ver qual é o nosso lugar de pessoas negras discutindo, no sentido de valorização, da cultura que a gente promove ou que todos promovem”.

Palestra: A cultura popular como traço de resistência da população Afrodescendente

Em seguida, a palestra “Relatos de Itinerância: Histórias de Artistas pelo Mundo” encantou o público com histórias fascinantes de artistas de bonecos em suas jornadas globais. Os relatos trouxeram à tona as experiências e desafios enfrentados ao levar a arte dos bonecos para diferentes culturas e contextos. Os artistas compartilharam momentos de aprendizado, adaptação e criatividade, ressaltando a universalidade da arte dos bonecos e sua capacidade de conectar pessoas de diversas origens. O professor e bonequeiro Ricardo Moreira destacou a importância de trazer esses eventos e debates para dentro da universidade. “Considero que a arte, ela cumpre um papel importante na construção de um diálogo. Academia, comunidade e no caso comunidade artística a população que participa desse tipo de evento é muito importante porque aí a universidade está cumprindo um papel social de suma importância, que é justamente esse diálogo dos professores como estivemos aqui, essa troca é uma maravilha você ter essa troca do conhecimento, desenvolver sua cognição de uma forma que faz você a se estimular mais a produzir cultura”.

Palestra “Relatos de Itinerância: Histórias de Artistas pelo Mundo”

SARU e SESC Cajuína encerram semestre com evento de incentivo à leitura

Por Roger Cunha

O Clube de Leitura SARU, em parceria com o SESC Cajuína, realizou uma atividade especial de incentivo à leitura como encerramento do semestre de 2023.2.
O evento contou com a presença do Bibliosesc, uma biblioteca móvel coordenada pela bibliotecária Eliane, representante do SESC Cajuína. A principal missão desta iniciativa foi fomentar o hábito da leitura entre os jovens, proporcionando uma aproximação entre os alunos e o universo literário por meio de uma experiência enriquecedora e marcante.

Representantes do SARU e do SESC Cajuína.

A atividade foi realizada na Escola Pública Estadual CETI Padre Joaquim Nonato Gomes, localizada no bairro Bela Vista, onde o projeto foi desenvolvido com o apoio da diretoria e da coordenação pedagógica. As professoras Telma e Francilene também desempenharam um papel fundamental na execução da atividade junto à biblioteca escolar. Elas auxiliaram na organização e condução das atividades, garantindo que os alunos do Ensino Fundamental tivessem uma experiência educativa e divertida. “A parceria com o SESC Cajuína nasceu da necessidade de expandir horizontes e perspectivas do Clube de Leitura por meio do acesso à leitura. E o Bibliosesc é uma excelente iniciativa e oportunidade para isso”, comentou o Coordenador e Professor Aluísio Castelo Branco.

Alunos durante atividade realizada

Durante o evento, os estudantes tiveram a oportunidade de explorar diversos livros e participaram de atividades interativas que incentivam a leitura e a criatividade. A presença do Bibliosesc proporcionou um ambiente dinâmico e convidativo, onde os jovens puderam mergulhar no mundo da literatura e descobrir novos autores e histórias. “As atividades incluíram visitas orientadas ao acervo do Bibliosesc, com grupos de 15 alunos explorando o acervo por 20 a 30 minutos. Após uma apresentação inicial sobre o acervo literário disponível, os jovens escolheram um livro para ler, podendo continuar a leitura na biblioteca da escola se o livro estivesse no acervo escolar. Nos encontros semanais do Clube, discutiremos as preferências de leitura e a disponibilidade no acervo”, explicou Aluísio Castelo Branco. Essa ação conjunta do Clube de Leitura SARU e do SESC Cajuína reforçou a importância da leitura como ferramenta de desenvolvimento pessoal e cultural, deixando um impacto positivo na vida dos alunos.

Bibliosesc

 

Biblioteca Móvel do SESC Cajuína.

Rafael Fonteles visita obras de expansão do Campus da UESPI em Picos-PI

Por Roger Cunha 

O Governador do Estado, Rafael Fonteles, juntamente com o Reitor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Evandro Alberto, e a diretora do campus de Picos, Mariluska Macêdo, visitaram a obra de expansão do campus Prof. Barros Araújo em Picos. A ampliação inclui a construção de 14 novas salas de aula, áreas de convivência e novas instalações com o objetivo de aumentar a oferta de cursos e vagas de ensino superior na região.

Governador no canteiro de obras da UESPI – Picos

Durante a visita, o Governador destacou a importância do projeto para a comunidade local. “Essa região de Picos agrega um povo que gosta de estudar, antenado em tecnologia, então vai ser uma oportunidade muito importante para todos esses jovens. Já estamos com a obra com 43% executada”, afirmou Rafael Fonteles.

Mariluska Macêdo também expressou sua satisfação com o progresso da obra e o apoio recebido. “Temos um Governador que trata a UESPI com carinho, atendendo à necessidade de expansão da macrorregião de Picos precisa”, comentou a diretora do campus.

Rafael Fonteles, juntamente com o Reitor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Evandro Alberto, e a diretora do campus de Picos, Mariluska Macêdo,

A empresa Barese Construções está responsável pelas obra que conta com investimento de R$ 3.598.109,36, previsão para de entrega para agosto de 2024. A obra está na fase de execução do piso em granilite e revestimentos (reboco), restando concretar a laje (superestrutura). A cobertura será feita com trama de madeira e telha termoacústica. Além disso, o projeto inclui 14 salas de aula, copa, bloco de banheiros masculinos e femininos, banheiros acessíveis, almoxarifado, sala de professores e área de vivência.

Obra de ampliação da UESPI-Picos

O governador Rafael Fonteles enfatizou a crescente importância de Picos como um polo educacional. “Picos cada vez mais fortalecendo o ensino superior, aqui nós temos um campus da UFPI, UESPI que está sendo ampliado, várias faculdades particulares, o IFPI. Então, Picos, que é uma sede de toda uma macrorregião, tem aqui três universidades públicas, todas elas em expansão da quantidade de vagas, infraestruturas físicas e também as faculdades particulares transformando e fortalecendo Picos como um polo educacional”.

Rafael Fonteles visita obras de expansão do campus da Uespi na cidade de Picos-PI

O Reitor Evandro Alberto destacou os investimentos realizados na universidade. “A UESPI virou um canteiro de obras, são mais de R$ 66 milhões investidos. Em Picos são R$ 3,6 milhões com áreas de vivências, setor para o curso de agronomia, sala quilombola para atender a comunidade do Paquetá, portanto o Governador tem investido para melhorar a qualidade do ensino ofertado e a UESPI é prioridade”, completou.

Além de Picos, outros campi da UESPI estão em processo de reforma ou expansão, incluindo Bom Jesus, Uruçuí, Torquato Neto, Clóvis Moura, Parnaíba, Campo Maior e Floriano.

PREX: promovendo inclusão e suporte aos estudantes da UESPI

Por Roger Cunha

Raislúcio Leal, aluno do quinto período do curso de Direito da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Prof. Barros Araújo, conquistou o segundo lugar no prêmio Desafio LED – Me dá uma luz aí!” promovido pela Rede Globo de Comunicação e a Mastertech. O reconhecimento veio graças ao inovador “Projeto Aplicativo Voz Ativa”.

Alunos: Raislúcio Leal e Carla Gabriele

A aluna Carla Gabriele Monteiro Rodrigues Santos e Raislúcio Leal fazem parte do Programa Apoio Pedagógico desde julho de 2022. O programa é ofertado pela UESPI através da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX) e oferece acompanhamento pedagógico, social e psicológico a estudantes com deficiência. Os bolsistas recebem o valor de R$ 700,00 mensais para auxiliar colegas com deficiência física, visual e/ou auditiva.

A PREX é a pró-reitoria na UESPI responsável por implementar políticas de extensão universitária que incluem programas de inclusão social e apoio aos estudantes, integrando ensino e pesquisa. Nesse sentido, a Pró-Reitoria  (UESPI) desempenha um papel crucial na implementação da Política de Extensão Universitária, uma política que abrange programas, projetos e serviços que priorizam a inclusão social, integrando e articulando ensino, pesquisa e extensão. A política de Assistência Estudantil e Comunitária é estruturada por diversos programas institucionais, incluindo auxílios financeiros, estágios extracurriculares e apoio psicopedagógico, entre outros.

Programas de Assistência Estudantil

Além do Programa Apoio Pedagógico voltado para estudantes com deficiência física, visual e/ou auditiva. a PREX ainda oferece o Programa Auxílio Alimentação, que garante ao estudante  em situação de vulnerabilidade socioeconômica uma refeição diária gratuita durante o período letivo socioeconômica. O programa dá uma bolsa mensal de R$ 300,00. Atualmente, 2.475 estudantes são beneficiados.

O Programa Auxílio Moradia é destinado a estudantes que residem fora do seio familiar, com uma bolsa de R$ 300,00 mensais para custear despesas de moradia. Hoje, 462 estudantes são atendidos.

O Programa Bolsa Trabalho oferece oportunidades de complementação financeira com bolsa de R$ 900,00 mensais para 284 discentes em situação socioeconômica insuficiente.

PREX no Palácio Pirajá

Segundo o Professor Luciano Figueiredo, um dos coordenadores do projeto ao lado da Professora Amélia Coelho Rodrigues, o projeto do alunos Raislúcio surgiu a partir da participação dele no programa de Apoio Pedagógico da PREX. “O projeto “Voz Ativa” nasceu da experiência de Raislúcio com Carla Gabriele Monteiro Rodrigues Santos, aluna com deficiência visual do quinto bloco de direito, que evidenciou a inacessibilidade a materiais bibliográficos no ensino superior. Diante disso nasce o projeto “Voz Ativa” com o objetivo de promover a inclusão acadêmica de estudantes com deficiência visual através do acesso a materiais bibliográficos em formato de áudio com voz humana”. O Docente ainda enfatizou a educação inclusiva, “embora apoiada por acordos internacionais, como a Declaração Mundial sobre Educação para Todos, ainda está em um processo contínuo de desenvolvimento”, por isso o envolvimento de gestores a sociedade; docentes a discentes.

Sala da Assistência Estudantil

Eulina Coelho, assistente social do Setor de Assistência ao Estudante da PREX, destaca a importância dos auxílios para a permanência e formação acadêmica dos discentes. “Os programas visam garantir aos estudantes em situação de vulnerabilidade permanecerem no ensino superior, colaborando para o êxito acadêmico. A assistência estudantil deve ser entendida como um direito social, que visa suprir as necessidades básicas dos discentes e facilitar seu desenvolvimento acadêmico”.

Para se inscrever nos auxílios, os estudantes devem atender aos critérios de elegibilidade, comprovando renda familiar de até meio salário mínimo per capita ou renda familiar total de até três salários mínimos. As inscrições são analisadas pela equipe de assistentes sociais do Setor de Assistência ao Estudante da UESPI, que consideram aspectos sociais, familiares e as especificidades de cada aluno. “Os critérios de elegibilidade são rigorosos para garantir que os auxílios sejam direcionados a quem realmente precisa. Analisamos a renda familiar, além de outros aspectos sociais e familiares que limitam o direito à permanência no ensino superior e podem resultar na evasão e desistência dos discentes”, explica Eulina Coelho. 

Equipe de assistentes sociais

A equipe de assistentes sociais do Setor de Assistência ao Estudante da UESPI é responsável pelo planejamento, execução e monitoramento de todos os programas. Eles garantem que os auxílios sejam distribuídos conforme as necessidades e regulamentos estabelecidos. “O monitoramento contínuo é essencial para garantir que os recursos estejam sendo usados de forma eficaz e que os estudantes estejam realmente se beneficiando dos programas oferecidos”, ressaltou a assistente social. 

Ryan Alves, estudante de Jornalismo e beneficiário do Auxílio Alimentação, compartilha seu testemunho sobre a importância do auxílio em sua vida acadêmica. “O auxílio-alimentação faz uma diferença enorme na minha vida universitária. Estudar demanda muito tempo e energia e é difícil conciliar os estudos com o trabalho para pagar todas as despesas. O auxílio proporciona uma segurança financeira essencial para eu focar nos estudos sem me preocupar com a próxima refeição.” 

O discente soube do edital pelo site da UESPI e destacou a organização da PREX na divulgação e documentação necessária. Ele passou por um processo de seleção rigoroso, onde a documentação foi cuidadosamente verificada para confirmar a elegibilidade ao auxílio.

Alunos beneficiados pelos os programas de assistência estudantil da UESPI

Os programas não apenas permitem a continuidade dos estudos, mas também incentivam os alunos a sonharem grande e a acreditarem em seu potencial.

O Prof. Luciano Figueiredo finalizou dizendo que a educação inclusiva é um processo contínuo

Capoeira Lua Crescente: Transformando vidas e preservando tradições em São Raimundo Nonato

Por Roger Cunha

No campus Ariston Dias Lima da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em São Raimundo Nonato, um projeto de extensão tem atraído alunos e interessados na prática da capoeira. Intitulado “Capoeira Lua Crescente“, o projeto vai além da atividade física, incorporando elementos históricos, filosóficos e culturais desta arte marcial afro-brasileira.

Projeto Lua Crescente

O Capoeira Lua Crescente nasceu de uma apresentação realizada no campus há pouco mais de um ano. “A ideia surgiu após uma apresentação que fizemos no campus. Alguns alunos se interessaram pela prática da capoeira, e começamos a desenvolver atividades em junho de 2023”, explica o professor Ivo Farias. O nome do projeto foi escolhido em conjunto com as alunas, refletindo o contínuo crescimento do grupo. “O nome Lua Crescente simboliza algo feminino e em crescimento, o que ressoa com a natureza transformadora da capoeira”, destaca.

Professor e Alunos do projeto

Os treinos ocorrem no Campus Ariston Dias Lima da UESPI, às segundas e quartas-feiras, das 14h30 às 16h00. O professor Ivo Farias ministra capoeira Angola, uma vertente que busca preservar a tradição histórica da capoeira. “A capoeira Angola busca estar mais próxima do que foi a capoeira no passado, mantendo elementos tradicionais e evitando a inclusão de práticas de outras atividades”, explica.

Sobre os principais benefícios que os participantes obtêm ao se envolverem no projeto Lua Crescente, o professor Ivo Farias destacou vários aspectos. Ele mencionou que os benefícios vão além da atividade física e da coordenação motora. A prática da capoeira também melhora a saúde física e mental dos praticantes. Além desses benefícios, ele enfatizou que a capoeira ajuda na vida cotidiana. Isso porque os praticantes se tornam mais atentos, espertos e antenados, o que significa estarem mais conscientes e preparados para lidar com diferentes situações. Ele também mencionou a melhoria na autoestima e na comunicação, assim como benefícios psicológicos.

Alunos do projeto

Contudo, a capoeira ainda enfrenta preconceito e desvalorização, apesar de ser mais aceita atualmente. Muitas pessoas ignoram ou menosprezam a capoeira e esse é um dos maiores desafios do projeto. Para superar isso, ele e os integrantes do projeto estão trabalhando pacientemente para mostrar os aspectos positivos da capoeira e educar o público, tentando quebrar esses preconceitos.

Quando questionado sobre os planos futuros para o projeto Lua Crescente, o professor Ivo Farias destacou várias iniciativas e objetivos para a expansão e fortalecimento do grupo. O principal plano é o crescimento do grupo, com a adição de mais integrantes e uma melhor articulação entre os participantes. O objetivo é envolver mais pessoas da cidade e das comunidades vizinhas, ampliando a presença e a influência do projeto na região. O docente também mencionou a importância de estabelecer uma maior articulação que permita ao grupo viajar e participar de eventos fora do campus, o que pode enriquecer a experiência dos praticantes e aumentar a visibilidade do projeto. No entanto, ele reconheceu que há desafios estruturais significativos, especialmente relacionados ao financiamento. A falta de recursos para a compra de instrumentos e a ausência de transporte próprio no campus dificultam a participação em eventos externos e a organização de atividades que tragam convidados para São Raimundo Nonato.

Alunos na prática do projeto

Interessados em se juntar ao Capoeira Lua Crescente podem comparecer aos treinos. Não há muitas exigências quanto ao vestuário inicial; roupas folgadas são recomendadas, e é permitido treinar descalço caso não se tenha tênis. Posteriormente, os interessados podem adquirir o uniforme do grupo, conhecido como Malungos. O professor Ivo Farias finaliza incentivando os interessados a se juntarem ao projeto, destacando os diversos benefícios que a capoeira pode proporcionar: além do desenvolvimento físico, a prática melhora a coordenação motora, fortalece aspectos psicológicos como autoestima e comunicação, e enriquece o entendimento cultural ao proporcionar contato com as tradições ancestrais associadas à capoeira.

Acompanhe o projeto nas redes sociais: https://www.instagram.com/luacrescenteuespi/

 

UESPI lança editais de apoio à realização e participação em eventos extensionistas e científicos

Por Roger Cunha

Na manhã desta quinta-feira (20/06), no auditório Pirajá do campus Torquato Neto, ocorreu o lançamento dos editais de Apoio à Realização de Eventos Extensionistas, Científicos e de Inovação Tecnológica da UESPI, bem como o de Apoio à Participação em Eventos, promovido pelas pró-reitorias de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários, e pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação.

A mesa do evento contou com a presença do reitor da UESPI, do vice-reitor, da pró-reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), e do pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação.

A mesa do evento contou com a presença do reitor da UESPI, professor Doutor Evandro Alberto de Sousa, do Vice-reitor, professor Doutor Jesus Antônio de Carvalho Abreu, da Pró-reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), professora Doutora Ivoneide Pereira de Alencar, e do Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Doutor Rauirys Alencar de Oliveira.

Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Doutor Rauirys Alencar de Oliveira.

O professor Rauirys Alencar destacou a importância dos projetos para a comunidade acadêmica da UESPI e ressaltou o compromisso da gestão em preparar a universidade para protagonizar o desenvolvimento do Estado. Ele enfatizou que a evolução contínua dos projetos acadêmicos é essencial, afirmando que o conhecimento deve crescer e melhorar constantemente para atender não apenas às necessidades da universidade, como também da sociedade.

Pró-reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), professora Doutora Ivoneide Pereira de Alencar

A professora Ivoneide Pereira enfatizou a necessidade de integrar a extensão com o ensino e a pesquisa, fundamentos constitucionais da educação. Ela destacou que a extensão, por muito tempo negligenciada, deve ser trabalhada em conjunto com esses outros pilares para garantir que eventos acadêmicos ocorram de forma integrada e eficaz.

O vice-reitor, professor Doutor Jesus Antônio de Carvalho Abreu, sublinhou a importância dos editais na administração da universidade, salientando que eles promovem transparência e meritocracia na gestão. Ele enfatizou que os recursos são distribuídos de maneira justa e democrática através dos editais, refletindo o compromisso da gestão em apoiar a comunidade acadêmica.

Lançamento dos editais de Apoio à Realização de Eventos Extensionistas

O reitor da UESPI, professor Doutor Evandro Alberto de Sousa, reafirmou o compromisso da gestão em cumprir as promessas estabelecidas na carta proposta que o elegeu, destacando projetos como o UESPI TEC, que recebeu um investimento significativo e ainda anunciou futuras iniciativas para integrar ainda mais a universidade com a comunidade, incluindo um grande evento de pesquisa e extensão em todo o estado do Piauí. O reitor enfatizou que o lançamento do edital que visa proporcionar suporte financeiro tanto para pesquisadores quanto para estudantes participarem de eventos e publicações, garantindo assim o desenvolvimento contínuo da universidade.

O Reitor destacou que a UESPI segue firme na missão de formar grandes profissionais

“O evento é mais um passo significativo para a UESPI, reafirmando seu compromisso com a integração do ensino, pesquisa e extensão, e seu papel vital no desenvolvimento do Piauí”, finalizou o Reitor. 

ARRAIÁ da UNATI: Uma noite de alegria e confraternização na UESPI

Por Roger Cunha

Ontem, dia 18 de junho, a quadra da UESPI, campus Torquato Neto, se transformou em um verdadeiro cenário de festa junina com a realização do ARRAIÁ da UNATI (Universidade Aberta à Terceira Idade). O evento, que reuniu alunos, professores e familiares, ofereceu uma noite repleta de atrações artísticas, quadrilhas e muito forró, proporcionando momentos de alegria e descontração para todos os presentes.

Decoração da quadra para o Arraia da UNATI

Entrevistamos o coordenador da UNATI, o professor Moisés Mendes, que nos deu mais detalhes sobre a importância e a organização do evento. Segundo ele, a UNATI há 16 anos promove duas grandes festas de confraternização: o arraial junino e a festa de final de ano. “Essas festas são momentos de integração entre alunos, professores e familiares, além de ser uma oportunidade de mostrar o trabalho desenvolvido ao longo do período letivo”, explicou.

Durante o período junino, as atividades regulares são suspensas para dar lugar aos ensaios das coreografias. “Não é apenas sobre a dança, mas também sobre o resgate cultural e as experiências vividas pelos participantes”, disse o professor Moisés. As coreografias são elaboradas com a participação ativa dos alunos, que se apresentam para os convidados, criando um ambiente de celebração e valorização das tradições culturais.

Quadrilha da UNATI

A noite começou com a apresentação do Coral UNATI, que encantou a todos com músicas regionais. Em seguida, as alunas do NUT (Núcleo de Atividade Física) mostraram todo o seu talento. O Corpo de Dança da UESPI, ligado ao curso de Educação Física, apresentou duas coreografias regionais, incluindo o popular “Cavalo Piancó”. O evento seguiu com diversas coreografias montadas por todas as turmas da UNATI, cada uma trazendo um pedaço da cultura e da alegria junina.

“O arraial deixou uma sensação de saudade e já nos faz pensar na organização do próximo ano. A partir de agosto, quando iniciarmos o segundo semestre, nosso foco volta para a festa de Natal”, finalizou o professor Moisés.

Casamento matuto

O ARRAIÁ da UNATI não foi apenas uma festa, mas um verdadeiro encontro de gerações e culturas, onde a alegria e a descontração marcaram a noite. A UNATI continua a cumprir seu papel de integrar e valorizar a terceira idade, proporcionando momentos inesquecíveis para todos os envolvidos.

Projeto TECER: aplicativo inovador na prevenção ao tabagismo

Por Roger Cunha

O projeto TECER é uma iniciativa inovadora que se destacou em um edital nacional destinado ao financiamento de projetos de prevenção ao tabagismo. Surgido da ideia de criar um aplicativo baseado em games, o TECER tem como público-alvo os povos indígenas e as comunidades quilombolas. Entre os 16 finalistas de todo o Brasil, o projeto foi um dos quatro selecionados para receber financiamento.

Equipe do projeto TECER

Com a vitória no edital, o TECER foi transformado em um projeto de extensão da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) permitindo a participação ativa de alunos de graduação dos cursos da área da saúde. Esses alunos colaboram na produção e no suporte das atividades do projeto, enriquecendo ainda mais a iniciativa. Inicialmente, o TECER se concentrará em quatro comunidades: Paquetá, Lagoa de São Francisco, Piripiri e Queimada Nova, com a intenção de expandir seu alcance por meio das redes sociais.

Realizado pela UESPI, GEMDAC, INOVA e Faculdade CET, o TECER tem como objetivo estimular práticas de autocuidado em saúde e implementar medidas de controle e prevenção do tabaco em comunidades tradicionais. Esta missão será alcançada através de uma experiência educativa inovadora proporcionada pelo Aplicativo TECER.

Controle e prevenção do tabaco em comunidades tradicionais

O professor e coordenador Vinicius Oliveira explica como nasceu a parceria entre a UESPI e a Faculdade CET. “A ONG que está participando deste edital em conjunto com o nosso grupo de pesquisa é dirigida pela professora Isabel, que leciona epidemiologia na Faculdade CET. Decidimos realizar um trabalho ‘multicentro’, aproveitando a proximidade entre as duas universidades. Estamos desenvolvendo essa perspectiva de colaboração, com a participação dos alunos dos cursos de medicina, fisioterapia e enfermagem de ambas as instituições”.

Interface do aplicativo TECER

O aplicativo foi desenvolvido com a perspectiva de utilizar a gamificação como ferramenta central. Nele, os usuários participarão de quizzes e desafios, acumulando pontos para compor um ranking. Esta abordagem não apenas promove uma cultura saudável de competição entre os jovens, incentivando-os a se engajar ativamente, mas também educa sobre as sérias consequências do tabagismo. Ao aprenderem sobre os danos à saúde causados pelo cigarro, os participantes são incentivados a adotar hábitos mais saudáveis e a contribuir ativamente para a prevenção do tabagismo em suas comunidades. 

A primeira viagem para a aplicação do projeto acontecerá na próxima quarta-feira (19/06) para os municípios de Paquetá e Queimada Nova, no interior do Piauí. O professor e coordenador Vinicius Oliveira destaca que o objetivo da viagem é interagir tanto com as lideranças locais quanto com os jovens das comunidades. “A ideia é que possamos conversar e dialogar com as lideranças locais e com os jovens, que são nosso público-alvo. Vamos realizar rodas de conversa para apresentar o que já está pronto, incluindo nosso aplicativo e toda a dinâmica que será utilizada no projeto. Além disso, queremos incorporar aspectos dos hábitos, das linguagens e das culturas locais, trabalhando com muito respeito e responsabilidade”.

Reunião de planejamento para viagem da equipe para Paquetá e Queimada Nova – PI

Ao unir educação e tecnologia, o projeto TECER não apenas busca transformar hábitos de saúde, mas também inspirar uma nova geração no sentido do bem-estar coletivo. Com o apoio da comunidade local, o TECER está preparado não só para enfrentar desafios relacionados ao tabagismo, mas também para abrir novos caminhos na promoção da saúde.

Formação em Estomaterapia na UESPI: Celebrando novos profissionais na enfermagem

Por Roger Cunha

Na última sexta-feira, dia 14 de junho, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) celebrou a formação de duas turmas de pós-graduação em Estomaterapia. Um evento marcante para a enfermagem local. Com 46 novos especialistas prontos para ingressar no mercado de trabalho, a entrega dos certificados foi um momento de consagração e compromisso para os formandos e para a instituição.

Turmas de pós-graduação em Estomaterapia

Conversamos com a Professora e Coordenadora do curso, Sandra Marina, que destacou a importância da entrega dos certificados no Conselho de Enfermagem. “Existe uma resolução do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) que exige o registro das especialidades, garantindo assim a legalidade e o reconhecimento profissional dos novos estomaterapeutas”, explicou Sandra Marina.

O curso de pós-graduação em Estomaterapia na UESPI é reconhecido pela sua base científica robusta e pela acreditação pelo Conselho Mundial de Estomaterapia (WCET), sendo o único curso acreditado no Piauí. A coordenadora explicou que “a formação é intensiva, abrangendo áreas fundamentais como feridas, estomias e incontinência, com uma forte componente prática em ambulatórios e hospitais especializados. Recebemos professores especialistas de diversos estados brasileiros, com forte formação na especialidade, o que enriquece muito o aprendizado dos nossos alunos”.

Formandos em Estomaterapia

Sandra Marina também destacou o impacto direto do curso na prática profissional dos alunos, ressaltando que a formação em Estomaterapia oferecida pela UESPI já resultou na criação de vários ambulatórios e serviços especializados em hospitais, o que demonstra um impacto positivo e concreto na saúde da população. A estomaterapia, além de ser uma especialização, representa uma mudança significativa na forma como os profissionais de saúde cuidam de pacientes com feridas, estomias e incontinência, melhorando a qualidade do atendimento e os resultados para os pacientes.

A relevância do curso também foi destaque na fala do Reitor da UESPI, Professor Evandro Alberto, “Momento feliz aqui no auditório do COREN, apresentando à sociedade os novos estomaterapeutas, formados aqui no curso de especialização da Universidade do Piauí, um dos melhores do Brasil, e que tanto tem impactado positivamente para a saúde do cidadão que precisa desse tratamento especializado”.

Solenidade de entrega dos certificados.

O presidente do COREN, Samuel Freitas, também comentou sobre a parceria inédita com a UESPI. “A estomaterapia é a área de especialidade da enfermagem que mais vem crescendo nos últimos anos, e o Conselho tem todo o interesse de fazer com que cada vez mais as especialidades sejam fortes dentro da sua área. Nada mais interessante do que fazer com que esses enfermeiros que estão recebendo o título de especialistas já saiam daqui com essa especialidade registrada no Conselho”.

Além da visão da coordenadora e dos representantes institucionais, ouvimos Priscila de Oliveira, uma das formandas, que compartilhou sua experiência enriquecedora na pós-graduação, ressaltando que a especialização expandiu significativamente seus conhecimentos e habilidades na enfermagem. Segundo Priscila, “A estomaterapia ampliou meus conhecimentos e práticas na enfermagem, proporcionando novas oportunidades tanto no setor público quanto no privado. Aprofundei meu entendimento sobre as áreas de estomias, feridas e incontinências, com aulas teóricas ministradas por professores reconhecidos nacional e internacionalmente“.

Pós-graduação em Estomaterapia

Lívia Ulisses, outra formanda, também compartilhou sua jornada na estomaterapia, destacando que a escolha pela pós foi uma decisão que teve um impacto profundo em sua vida. Depois de passar alguns anos afastada da enfermagem para cuidar da família, ela encontrou na estomaterapia não apenas uma nova carreira, mas também uma oportunidade de empreendedorismo. “Para mim foi uma escolha que mudou minha vida. Após alguns anos afastada da enfermagem para cuidar da família, encontrei na estomaterapia não apenas uma carreira, mas uma forma de empreender e impactar positivamente a comunidade. Trabalhar como voluntária em ambulatórios de estomaterapia foi uma experiência transformadora, onde pude aplicar na prática tudo o que aprendi”.

Este evento representou não apenas um marco na formação profissional dos novos especialistas, mas também um passo significativo no fortalecimento da saúde pública no Piauí.

Editora UESPI lança livros inovadores em jornalismo, saúde materna e comunicação

Por Roger Cunha

A Editora da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) continua a expandir seu catálogo com lançamentos que refletem o compromisso da instituição com a disseminação do conhecimento e o incentivo ao debate acadêmico e social. Entre as mais recentes publicações, destacam-se obras que abordam temas contemporâneos e relevantes”e que são oferta dos ao público em geral de forma gratuíta.

Os novos títulos lançados incluem “Jornalismo e Inteligência Artificial”, que explora a intersecção entre tecnologia e comunicação; os “Anais do I Congresso do Parto e Nascimento do Delta do Parnaíba – I COPN”, uma compilação de estudos e discussões sobre práticas e políticas de saúde relacionadas ao parto e nascimento; e os “Anais da 6ª Semana de Comunicação da UESPI de Picos”, que trazem debates aprofundados sobre a democracia e a desordem informacional, especialmente no contexto da regulamentação dos meios de comunicação.

Livro: Jornalismo e Inteligência Artificial

O Prof. Orlando Berti, autor de “Jornalismo e Inteligência Artificial”, destaca que este é o primeiro livro no Brasil a abordar a prática da inteligência artificial no jornalismo. Ele explica que embora a inteligência artificial não seja um tema novo, ela é  generativa, que aprende com as interações e é uma novidade que está revolucionando o campo. Como professor e diretor do Laboratório de Inteligência Artificial e Jornalismo da UESPI, o autor sublinha a importância da universidade em oferecer respostas às questões contemporâneas. “O livro trata sobre o que é o jornalismo hoje, em 2024, e como a inteligência artificial, especialmente a generativa, está impactando o campo. Apresentamos exemplos práticos, discutimos as ferramentas disponíveis e debatemos as perspectivas positivas e os desafios desse processo”, explica Orlando Berti. Ele enfatiza que o livro é acessível não só para profissionais de jornalismo e comunicação, mas para a sociedade em geral, convidando todos a participar deste debate essencial.

Livro: Anais do I Congresso do Parto e Nascimento do Delta do Parnaíba – I COPN

Aline Miranda, uma das organizadoras e autora dos “Anais do I Congresso do Parto e Nascimento do Delta do Parnaíba – I COPN”, compartilha que a ideia de criar o livro surgiu durante o planejamento do evento, visando consolidar os conhecimentos e investigações dos acadêmicos e profissionais sobre parto e nascimento. A discente explica que compilar e editar os trabalhos apresentados foi um processo desafiador, mas gratificante, por reconhecer o potencial e os talentos da região. “Os anais do evento foram a forma encontrada para tornar palpável as iniciativas regionais na pesquisa em saúde materno-infantil. Todos os trabalhos apresentados foram incluídos nos anais, desde que fossem relevantes, bem escritos e com metodologia adequada aos objetivos propostos”, afirma Aline Miranda.

Livro: Anais da 6ª Semana de Comunicação da UESPI de Picos

Ruthy Costa, uma das autoras pelos “Anais da 6ª Semana de Comunicação da UESPI de Picos: Democracia e Desordem Informacional”, explica que a principal motivação para criar este livro foi documentar e compartilhar os debates enriquecedores do evento. A escolha do tema “Democracia e Desordem Informacional” foi influenciada pelos desafios contemporâneos enfrentados na comunicação, especialmente com a pandemia de Covid-19 e as eleições de 2022 no Brasil. “A desinformação massiva expôs a fragilidade da democracia. Debater a regulação dos meios de comunicação tornou-se essencial para proteger a democracia e garantir informação ética e precisa. Os critérios para seleção dos trabalhos incluíram relevância, originalidade, qualidade das pesquisas e capacidade de fomentar reflexões críticas e propostas inovadoras”, explica Ruthy Costa.

Os novos lançamentos da Editora UESPI  ampliam o alcance acadêmico da universidade e também contribuem significativamente para as discussões em áreas cruciais para a sociedade contemporânea. Estas publicações são um recurso valioso para pesquisadores, profissionais e o público em geral, promovendo uma compreensão mais profunda e informada dos temas abordados.

Para você ter acesso aos lançamentos da Editora da UESPI  basta acessar: https://editora.uespi.br/index.php/editora/catalog

Integração da teoria com a prática através das atividades realizadas no Curso de Educação Física

Por Roger Cunha

As atividades do curso de Educação Física da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Torquato Neto, são conhecidas pela integração harmoniosa entre teoria e prática. Com a chegada do final do semestre, uma série de eventos proporciona aos estudantes vivências práticas das teorias aprendidas em sala de aula, consolidando, assim, o conhecimento adquirido e preparando-os para os desafios reais da profissão.

Alunos do 2° bloco de educação física

No dia 11 de junho, o campo de atletismo da universidade foi palco de uma prática especial envolvendo os alunos do 2° período, sob a orientação do professor Galba Coelho, na disciplina Fundamentos do Atletismo. O professor destacou a importância dessa atividade como preparação essencial para o mundo além dos muros da universidade. “Estamos preparando os alunos para vivenciar situações reais, especialmente nas escolas. Organizei uma gincana com etapas de atletismo, como 100 metros rasos, 400 metros, revezamento, salto em distância e salto triplo. Essa competição visa motivá-los e também desenvolver as habilidades de organização, que são essenciais para o futuro profissional”, explicou o docente.

Prática do atletismo no campus Torquato Neto

Essas práticas moldam os alunos para o mercado de trabalho e proporciona situações reais que eles encontrarão em suas carreiras. “Quando os alunos se formarem e forem trabalhar, por exemplo, em Simplício Mendes, terão oportunidades para ensinar atletismo. Estamos incentivando-os a elaborar gincanas e competições para motivar os alunos, preparando-os para o ambiente escolar”, afirmou o professor.

Alunos do curso de Educação Física

Além do preparo técnico, o professor Galba Coelho destacou o impacto das atividades na formação dos alunos: “Estamos oferecendo a oportunidade para desenvolverem as habilidades naturais de correr, saltar e arremessar, ajustando aspectos técnicos para que se tornem profissionais qualificados.” O professor também compartilhou exemplos do potencial dos alguns alunos. “Algumas meninas correram com uma diferença mínima de segundos de um recorde nordestino. Isso demonstra como a técnica pode fazer diferença e como essas práticas os preparam para a profissionalização.”

Campo de atletismo da UESPI, Campus Torquato Neto

George Aguiar, aluno do segundo período, reconhece a importância dessas práticas para o futuro profissional. “Na maioria das vezes, na escola, nos deparamos apenas com esportes populares, mas, aqui, estamos aprendendo diversos esportes olímpicos e suas técnicas.”

Maria Vitória, também do segundo período, destacou a influência dessas práticas na vida acadêmica e pessoal: “Essas atividades físicas ajudam também na nossa saúde e nos preparam para enfrentar desafios fora da universidade. Pretendo me especializar em várias modalidades, aproveitando minha experiência prévia no atletismo e no voleibol.”

Mostra de trabalhos e atividades curriculares do curso de Educação Física.

Já no dia 12 de junho, foi realizada a Mostra de Trabalhos e Atividades Curriculares do curso de Educação Física, uma atividade do projeto “Conectando Movimento e Tecnologia: Explorando os Horizontes da Educação Física”, coordenado pelas professoras Patrícia Uchoa, Yula Menezes e Francilene Batista. A programação incluiu relatos de experiência, palestras, uma mostra de ginástica geral e apresentações de banners desenvolvidos pelos alunos.       

Palestra com a Prof. Me. Thanandra Priscila.

“A mostra nasceu da necessidade de socializar os saberes, os conhecimentos, as aprendizagens que acontecem durante o semestre. Dessa forma, os alunos têm a oportunidade de revisar tudo o que viram e socializar com alunos de outros períodos. Por ser um projeto de extensão, eles têm atividades acadêmicas que complementam a carga horária, incluindo algo que extrapole as disciplinas. Os alunos recebem certificação, tanto os que apresentam como os que participam, o que é valioso para seu desenvolvimento acadêmico”, explicou a coordenadora do evento, professora Yula Menezes.

Alunos do curso de educação física durante apresentação dos banners

Alunos de Educação Física apresentando seus trabalhos

A aluna Andressa Mineu, do 4° período, enfatizou a importância das atividades para o curso de Educação Física, porque permitem aos discentes visualizarem e revisarem tudo que foi aprendido ao longo do semestre. “É muito importante porque conseguimos ver tudo que foi feito e trabalhado. Isso mostra que realmente fizemos algo significativo.”

Apresentação dos trabalhos na mostra de Educação Física

O aluno José Murilo, do 5° período, avaliou positivamente a apresentação dos trabalhos do curso de Educação Física e afirmou que essas atividades proporcionam um enriquecimento científico também no curso. “Esses trabalhos são extremamente importantes para o curso. É interessante conhecer as diferentes modalidades e novos conhecimentos.” Já para os alunos Daniel Moreira Laécio Freitas, todos do 5° período do curso de Educação Física, a presença de profissionais convidados para explicar temas relacionados ao curso e a integração entre estudantes, professores e convidados acaba por promover uma troca bem atual de conhecimento. 

Mostra de trabalhos e atividades curriculares do curso de Educação Física

Apresentação dos trabalhos realizados pelos os alunos de Educação Física

Modernização: Reforma da quadra poliesportiva e da biblioteca central seguem em andamento no Campus Torquato Neto

Por Roger Cunha 

A Universidade Estadual do Piauí, Campus Torquato Neto, em Teresina, está passando por um período de significativas melhorias em sua infraestrutura. Entre as obras em andamento estão a reforma da cobertura da quadra poliesportiva e a construção da  sede da Biblioteca Central. Ambas as iniciativas estão sendo coordenadas pelo Departamento de Engenharia e Arquitetura (DENG), sob a liderança de Thallyta Lopes. Essas melhorias proporcionarão mais conforto e modernização para os acadêmicos e para a comunidade em geral.

DENG vistoria obra da quadra poliesportiva

A reforma da cobertura da quadra poliesportiva está em pleno andamento, com um investimento de R$ 85.981,78 e progresso de 20,60%. Thallyta Lopes detalha os trabalhos em execução: “Estamos removendo a parte danificada e substituindo a telha e a estrutura metálica.”

Canteiro de obra a todo vapor

Ela explica que a obra foi dividida em processos separados, o que trará grandes benefícios para quem utiliza esses espaços tão importantes dentro da universidade. “A administração pediu, primeiramente, a cobertura. Com esse novo processo agora, vamos contemplar tudo”, diz Thallyta Lopes.

Thallyta Lopes, diretora do DENG, e Eldevan Ribeiro, engenheiro civil do DENG, estão vistoriando a obra da quadra poliesportiva no campus Torquato Neto.

Além disso, Thallyta Lopes enfatiza as medidas de sustentabilidade adotadas na obra: “A reforma possui licença ambiental e um plano de gerenciamento de resíduos sólidos, seguindo as legislações da Secretaria de Meio Ambiente.”

Biblioteca Central

Paralelamente, a construção da sede da Biblioteca Central no Campus Torquato Neto também avança, com um investimento de R$ 1.502.100,00 e progresso de 31,57%. A nova biblioteca está sendo projetada para oferecer acessibilidade aprimorada, como explica Thallyta Lopes. “A nova biblioteca contará com uma plataforma elevatória, proporcionando mais acessibilidade para os alunos e a comunidade. Terá também salas administrativas, laboratório e cabines de leitura.”

(DENG) vistoriando obra da Biblioteca Central

Ela também destaca a escolha da plataforma elevatória em vez de um elevador tradicional: “Optamos pela plataforma elevatória por ser mais econômica e prática, atingindo uma altura menor e garantindo a segurança do usuário.”

Obra da sede da biblioteca central

Essas melhorias não apenas modernizarão a infraestrutura do campus, mas também trarão benefícios significativos para os acadêmicos, proporcionando ambientes mais confortáveis e acessíveis para estudo e prática esportiva. A acessibilidade aprimorada e as novas instalações garantirão que todos, incluindo pessoas com mobilidade reduzida, possam usufruir plenamente das novas instalações, promovendo um ambiente inclusivo e acolhedor para toda a comunidade universitária.

UESPI moderniza acesso à Biblioteca Central com integração ao SIGAA

Por Roger Cunha

À frente da inovação acadêmica, a Biblioteca Central da Universidade Estadual do Piauí, no Campus Torquato Neto, está integrada ao Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGAA). Com essa integração, todo o vasto acervo catalogado foi migrado para uma plataforma acessível, promovendo um acesso mais eficiente e abrangente ao conhecimento.

Conceição Bezerra, diretora da Biblioteca Central, e Edmar Lopes, bibliotecário

O novo formato oferece uma gama abrangente de serviços, desde a consulta de livros, folhetos, enciclopédias, artigos de periódicos e monografias impressas até a possibilidade de renovação de empréstimos e reservas online. Além disso, os usuários podem cadastrar perfis de interesse, permitindo uma notificação personalizada sobre novos materiais relevantes.

A Profª. Conceição Bezerra, Diretora da Biblioteca Central do Campus Torquato Neto, destaca a importância dessa divulgação, combatendo a noção equivocada de que a biblioteca é um espaço subutilizado. “Na biblioteca, existem várias coisas que não são utilizadas e nós temos a necessidade de que a comunidade possa utilizar nosso espaço”, afirma.

Edmar Lopes, bibliotecário

Edmar Lopes, bibliotecário, enfatiza o impacto dessa migração, revelando que foram migrados impressionantes 13.828 títulos catalogados e 26.408 materiais. Ele ressalta o benefício de aproximar a biblioteca do aluno, consolidando os serviços dispersos da UESPI. “A UESPI produz muito, tem muitos serviços, mas eles estão meio que dissipados”, observa.

Essa migração não apenas preservou o trabalho anterior, como também proporcionou uma maior autonomia aos usuários, permitindo um acesso mais direto aos serviços da biblioteca. A implementação do SIGA foi destacada por sua compatibilidade com padrões internacionais, facilitando futuras migrações e a integração de dados acadêmicos.

Tutorial para acesso

Para garantir uma experiência intuitiva e eficiente, a biblioteca disponibilizou uma série de tutoriais abrangentes, cobrindo desde a navegação no acervo até o uso dos serviços de renovação e reservas. O objetivo é tornar o acesso ao conhecimento tão simples quanto possível para todos os usuários.

Em vista do sucesso inicial, há planos ambiciosos para o futuro. Pretende-se criar uma rede de pesquisa para centralizar e publicizar dados, garantindo acessibilidade e conformidade global. Essa iniciativa reforça o compromisso da UESPI em promover o acesso democrático ao conhecimento e incentivar a excelência acadêmica.

Tutorial: Como Cadastrar para Utilizar os Serviços da Biblioteca

Quinto torneio de voleibol da UESPI Floriano promoveu integração e profissionalismo

Por Roger Cunha

No último final de semana, o campus da UESPI,  em Floriano, foi palco do quinto torneio de voleibol, evento organizado pelos alunos do quarto bloco do curso de Educação Física. Durante dois dias, a iniciativa reuniu não apenas estudantes como também membros da comunidade local e de outras cidades, proporcionando um momento de integração e aprendizado.

Quinto torneio de voleibol da UESPI Floriano

A professora Maria da Conceição, responsável pela disciplina “Metodologia do Ensino do Voleibol” e organizadora do evento, destacou a importância da participação ativa dos alunos na organização. “Os alunos se dividiram por seções, seção de marketing, de logística, seção que irá ficar nas súmulas, nas mesas. Então, dentro do evento teve categorias e os alunos dividiram os grupos para poder cada um fazer sua parte e contribuir”, explicou.

O torneio contou com a presença do Reitor Prof. Dr. Evandro Alberto

Além de promover o voleibol, o torneio teve um impacto significativo na comunidade. “Abrange a comunidade externa também. Temos times de Picos, São João dos Patos e um grupo de alunos de geografia”, acrescentou Maria da Conceição. Ela ainda ressaltou que a experiência adquirida pelos estudantes será valiosa em suas futuras carreiras. “Durante a vida profissional, eles irão ser solicitados que façam campeonatos e outras atividades. Com essa experiência prévia aqui na graduação, isso já vai facilitar para eles.”

O coordenador do curso de Educação Física de Floriano, professor Aureliano Machado, elogiou o profissionalismo dos alunos na organização do evento. “Quando se tem a realização de um evento esportivo é necessário que se leve em consideração todos os pré-requisitos para sediar um evento dessa grandeza. E esse torneio não poderia ser diferente”, afirmou. Ele destacou o sucesso de público e a importância do evento para a comunidade. “A comunidade se engajou, a gente está vendo aqui as arquibancadas lotadas. O impacto é muito positivo na sociedade, trazendo um convívio social harmônico.”

Equipe de voleibol participante

A diretora do campus, Profa. Ariete Bento, ressaltou a alegria de ver a UESPI de Floriano envolvida em eventos que promovem a interação com a comunidade. “É sempre muita alegria para nós fazermos a UESPI Floriano e receber alunos, a comunidade geral aqui no campus, proporcionando um momento de grande interação, de muita alegria”, disse. A diretora também destacou a relevância do evento no cronograma anual da instituição. “Já é um evento que se tornou parte do nosso cronograma. É o quinto evento que acontece proporcionado pelo curso de Educação Física como uma extensão.”

O Reitor Professor Doutor Evandro Alberto esteve presente no evento

O Reitor, Professor Doutor Evandro Alberto, esteve presente no evento e  expressou sua satisfação em participar do evento, destacando a importância que a universidade dá a atividades como essa. “Nós vamos pensar outros sistemas como, por exemplo, um society ou campo de areias para a gente fazer para promover ainda mais o curso e essa integração com a comunidade”. 

O Reitor enfatizou a importância de proporcionar momentos de alegria e integração dentro da universidade. “Nós sabemos quanto a universidade procura proporcionar momentos como esse, estreitando os bons relacionamentos através dessas práticas. Eventos assim são fundamentais para a formação completa dos nossos alunos e para a interação positiva com a comunidade.”

Equipe participante do torneio

Para Larissa Santos, estudante de Educação Física do campus, participar do torneio é uma experiência gratificante. “Eu faço parte da família da UESPI, já participei da organização também e é sempre bom estar participando aqui”, compartilhou. Larissa, que já ganhou o torneio no primeiro ano e expressou seu desejo de vencer novamente este ano.

Alunos do curso de Educação Física da UESPI de Floriano.

O quinto torneio de educação física da UESPI Floriano enfatizou a relevância da prática esportiva e do engajamento comunitário. Além disso, ofereceu uma experiência prática valiosa aos estudantes, aprimorando suas habilidades e fortalecendo seu preparo para a vida profissional.

Alunos de Zootecnia da UESPI visitam fábrica Fribarreiras, na Bahia

Por Roger Cunha

No dia 6 de junho, os alunos do 7º bloco do curso de Zootecnia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Campus Corrente,  tiveram uma oportunidade única: uma visita técnica ao Fribarreiras, localizado em Barreiras, Bahia. Sob a supervisão da Prof. Dra. Juliana da Silva Barros, a atividade fez parte da disciplina de Inspeção de Produtos Cárneos e Tipificação de Carcaça, visando aprofundar o conhecimento teórico dos estudantes com uma experiência prática.

Visita técnica dos alunos do 7° Período de Zootecnia da Uespi- Corrente ao Fribarreiras

A professora Juliana da Silva Barros enfatiza a importância da conexão entre teoria e prática, bem como o entendimento dos processos, normas de segurança, higiene e regulamentos relacionados à inspeção de produtos cárneos e tipificação de carcaça. “Esta experiência é crucial para nossos alunos. Nosso objetivo é consolidar a teoria com a prática, permitindo que eles compreendam de maneira mais profunda os processos e normas envolvidos na inspeção de produtos cárneos e tipificação de carcaça.”

Ao ser questionada sobre como a visita ao Fribarreiras complementa o conteúdo teórico ensinado na disciplina, Juliana enfatizou que a observação direta, o entendimento de processos complexos e a interação com profissionais foram aspectos fundamentais. Ela explicou que os alunos tiveram acesso a uma visão prática e realista dos procedimentos discutidos em sala de aula, permitindo-lhes entender os detalhes e a complexidade dos processos envolvidos no abate de animais de produção. Além disso, a interação com os profissionais do setor proporcionou esclarecimento de dúvidas e insights valiosos sobre a prática da profissão.

Quanto ao impacto dessas visitas técnicas na formação prática dos alunos no curso de Zootecnia, Juliana ressaltou que elas ajudam os alunos a desenvolverem competências essenciais para a carreira, compreender padrões de qualidade e se familiarizarem com ambientes reais de trabalho e práticas da indústria. Além disso, incentivam a aplicação do conhecimento teórico em situações práticas, promovendo uma melhor retenção e entendimento dos conteúdos ensinados.

Mairyne S. Pinhão, uma das alunas participantes, compartilhou sua experiência. “Foi uma experiência única, pois, sendo os profissionais responsáveis pela alimentação do mundo, é muito importante aprendermos sobre as etapas desenvolvidas em um dos processos que viabiliza tal acontecimento. O que mais me chamou a atenção foi a incrível organização e sincronia entre os profissionais envolvidos em cada etapa, o que permitiu observar as diferentes áreas de atuação do Zootecnista.”

Visita técnica ao Fribarreiras, localizada em Barreiras-BA.

A aluna Mairyne S. Pinhão enfatizou que a visita técnica proporcionou uma oportunidade única de reforçar e esclarecer o conteúdo teórico aprendido em sala de aula. Ela destacou que a experiência prática permitiu que o que é visto em sala de aula fosse aplicado na prática, possibilitando uma compreensão mais profunda e concreta dos conceitos teóricos. Além disso, ressaltou a importância de desenvolver o conteúdo didático na prática, evidenciando a relevância de integrar a teoria com a prática para uma formação mais completa e eficaz.

Na opinião da aluna, a importância das visitas técnicas como essa é crucial para o desenvolvimento profissional dos estudantes de Zootecnia. Ela ressaltou que tais visitas proporcionam oportunidades essenciais, como estágios e networking, que são fundamentais para a preparação dos alunos para o mercado de trabalho. Além disso, enfatizou que essas experiências permitem aos alunos visualizarem de forma mais clara a área de atuação profissional que escolheram seguir, contribuindo assim para uma formação mais completa e direcionada.

Escola Popular de Formação Política Retoma Atividades na UESPI no Campus Clóvis Moura

Por Roger Cunha

Após uma pausa forçada pela pandemia de Covid-19, a Escola Popular de Formação Política, projeto de extensão coordenado pelas professoras Rosângela Assunção e Márcia Castelo Branco Santana, retoma as atividades. A terceira edição do projeto, que visa construir conceitos-chave para a interpretação da história sócio-política do Brasil, tem início marcado para este sábado, 8 de junho, no campus Clóvis Moura.

Escola Popular de Formação Política

O curso de extensão se dedica a preparar lideranças para atuarem em diversas áreas sociais, como centros acadêmicos, diretórios estudantis, sindicatos, associações, grupos esportivos, coletivos de juventude, salas de aula e pastorais em igrejas cristãs. A metodologia do curso baseia-se na compreensão de oito conceitos essenciais: Estado capitalista; acumulação capitalista, crise e fundo público; ideologia; revolução passiva; hegemonia; intelectuais; escola unitária e movimentos sociais. Cada conceito será trabalhado em um sábado de cada mês de forma presencial.

A coordenadora Rosângela Assunção expressou sua satisfação com o retorno do projeto. “A Escola de Política é um projeto de extensão aqui da coordenação de história e cadastrado na Prex. É um projeto que trabalha com conceitos sobre a história do Brasil e prepara lideranças para atuarem nos seus movimentos a partir de conceitos e chaves de interpretação da história do Brasil”, explicou.

O curso de extensão se dedica a preparar lideranças para atuarem em diversas áreas sociais

O primeiro encontro será conduzido pelo professor Antônio Francisco López Dias, filósofo do Campus Clóvis Moura, que abordará o conceito de Estado Capitalista.
“É com muita alegria que a gente reativa esse projeto, que já está na sua terceira edição. Tivemos inscrições de mais de 100 pessoas para 80 vagas. Então é uma alegria muito grande reativar o nosso projeto, porque ele tem uma atuação muito boa aqui na comunidade do Grande Dirceu e também toda a comunidade interna da UESPI”, destacou a professora Rosângela.

Organizadores da Escola Popular de Formação Política

O curso acontecerá no auditório do campus, das 8h às 12h e das 14h às 18h. “Aguardamos todos vocês aqui, sábado, dia 8 de junho, para darmos início aos trabalhos da nossa escola”, finalizou a coordenadora, reafirmando o compromisso do projeto com a formação política e social das lideranças do futuro.

Professores discutem Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica na UESPI

Por Roger Cunha

Nesta quarta-feira (05/06), o auditório do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) foi palco de um importante encontro para debater o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR). Criado como uma medida emergencial, o PARFOR visa oferecer formação superior gratuita e de qualidade aos professores da rede pública de educação básica, em colaboração com a Capes, estados, municípios, Distrito Federal e Instituições de Educação Superior (IES).
Implementado conforme o Decreto nº 6.755 de 2009, o programa oferece cursos de licenciatura para docentes sem formação superior ou que desejam se qualificar na área em que atuam, segunda licenciatura para professores que trabalham em áreas distintas de sua formação inicial, e formação pedagógica para graduados não licenciados. Desde 2010, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) implementou o PARFOR, beneficiando inúmeros professores da rede pública do estado.

Encontro de professores para discutir sobre o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – PARFOR.

A Coordenadora Adjunta do PARFOR Equidade, Profª Dra. Nadja Carolina de Sousa Pinheiro, explicou o objetivo do encontro. “A reunião objetivava um encontro pedagógico com os professores formadores que foram selecionados para editar o PARFOR, tanto o PARFOR Regulado quanto o PARFOR Equidade para que a gente alinhe a atuação desses professores formadores das disciplinas que começam agora na semana que vem”. Ela destacou a participação dos coordenadores de curso, professores formadores e coordenadores locais, que são responsáveis por organizar e operacionalizar as turmas dos cursos nos municípios contemplados pelo PARFOR.

Encontro pedagógico com os professores formadores

Durante a reunião, foram discutidas as principais orientações da Capes sobre o funcionamento das turmas e como lidar com alunos que já possuem grande experiência, mas estão em processo de formação. “As principais orientações da Capes dizem respeito à parte didática da disciplina, documentação, material, registro, frequência e conteúdo, entre outros aspectos operacionais”, detalhou a professora Nadja Carolina.

A UESPI, que aderiu ao programa em 2009 e iniciou suas primeiras turmas em 2010, é reconhecida por sua cuidadosa implementação do PARFOR. “A UESPI é sempre muito cuidadosa. A Administração Superior tem uma preocupação muito grande com esse programa porque representa o investimento na qualidade da formação dos nossos professores, o que reflete diretamente na educação de nossas crianças e jovens”, afirmou a professora. Ela também mencionou a nova iniciativa de fornecer um curso de graduação em educação especial inclusiva, destacando a UESPI como uma instituição de vanguarda na formação de educadores especializados.

Professores Formadores do PARFOR

Sobre o PARFOR Equidade, a professora Nadja Carolina explicou que o programa faz parte das políticas de ações afirmativas do governo federal, com o princípio de tratar de forma diferente os desiguais, fornecendo estratégias para populações historicamente vulnerabilizadas alcançarem bens e serviços de forma equitativa.

Reunião realizada no auditório do NEAD

Os próximos passos após a reunião pedagógica envolvem a implementação das orientações discutidas, com foco em garantir que as políticas de ação afirmativa alcancem o público-alvo da equidade, incluindo pessoas em situação de vulnerabilidade, em um esforço contínuo de reparação histórica

Minicurso explora noções básicas de Eletroquímica

Por Roger Cunha

No próximo dia 25 de junho, às 19h30, acontecerá o minicurso “Noções Básicas de Eletroquímica e Suas Aplicações”, promovido pelo Programa de Educação Tutorial (PET) de Química da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). O evento será realizado via Google Meet e ministrado pela Professora Doutora Rejane Silva.

Segundo Isabel Thalita, discente e organizadora do evento, o principal objetivo do minicurso é proporcionar aos discentes uma identificação com as diversas subáreas que a Química oferece. “Vamos ter  Mestres, doutorandos e Doutores para mostrar um pouquinho do trabalho deles e como foi o caminho até chegar no título desejado. Queremos que esses relatos sirvam de incentivo e motivação para os demais discentes”, explica. Os minicursos são planejados com temas específicos e com profissionais convidados para abordar tópicos relevantes e acessíveis, particularmente úteis para alunos de química e física, disciplinas essenciais ao longo do curso e fundamentais para escolhas futuras em Iniciação Científica e teses de pós-graduação.

Minicurso: Noções básicas de eletroquímica e suas aplicações.

O minicurso é voltado para químicos, físicos, graduandos, mestrandos e doutorandos. Para participar é necessário ser aluno de Química ou áreas afins, inclusive aqueles em pós-graduação. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através de um formulário disponível no link da bio do Instagram do PET: @petquimicauespi

A Professora e organizadora, Valdiléia Teixeira Uchôa, explicou a escolha pela modalidade online. “Optamos pelo formato online para alcançar o maior público possível, especialmente os alunos do interior”. Essa abordagem permite que mais estudantes tenham acesso ao conhecimento e aos recursos oferecidos pelo minicurso.

A Profª. Valdiléia Teixeira Uchôa destacou as expectativas em relação ao evento, enfatizando que a organização espera ajudar os alunos quanto ao aprendizado sobre eletroquímica e suas aplicações práticas no cotidiano. “O minicurso promete contribuir significativamente para a formação dos acadêmicos, proporcionando um conhecimento mais profundo na área de eletroquímica e uma melhor compreensão das pesquisas desenvolvidas na UESPI”.

INOBAR: Degustando Inovações e Saboreando o Futuro em Picos

Por Roger Cunha

No próximo dia 06 de junho de 2024, o Campus Professor Barros Araújo da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em Picos, sediará o evento “INOBAR: Degustando Inovações e Saboreando o Futuro”. Este evento inovador promete promover a troca de experiências e conhecimentos sobre inovação, oferecendo uma plataforma única para reflexão e aprendizado entre os participantes.

INOBAR: Degustando Inovações e Saboreando o futuro.

Organizado pela professora Neilany Araújo de Sousa e seus alunos, o INOBAR tem objetivos claros e ambiciosos. Em termos gerais, o evento visa promover a troca de experiências e conhecimentos sobre inovação. Especificamente, busca conscientizar sobre a importância da inovação para o desenvolvimento econômico, social e intelectual; incentivar a participação de diversas áreas na promoção da inovação; estreitar laços entre organizações, instituições de ensino superior e instituições de ciência e tecnologia; e fomentar a inovação em pequenas e médias empresas.

“A ideia de realizar este evento surgiu das discussões na disciplina de Gestão de Tecnologia da Inovação”, explica a professora Neilany Araújo de Sousa. “Propus que os alunos fizessem um evento no Dia da Inovação. Uma aluna, Fanciele, levou a ideia ao Ecossistema de Inovação Vale do Mel, que se propôs a colaborar. Transformei a ideia em um projeto de extensão e mudamos a data para este período.”

Confira os Palestrantes do INOBAR 2024

A justificativa para a realização do INOBAR é a integração dos atores propulsores de inovação e o compartilhamento de experiências, promovendo a aplicação prática da teoria. Para os participantes, o evento promete ampliar seus conhecimentos sobre inovação dentro de uma perspectiva prática. Para os alunos envolvidos na organização, será uma oportunidade valiosa de aprendizado na área de gestão e organização de eventos.

“A realização do INOBAR é fundamental para mostrar na prática como a inovação pode ser um motor de desenvolvimento econômico e social”, destaca a professora Neilany. “Queremos que os participantes saiam daqui não só com novas ideias, mas também com um entendimento claro de como implementá-las em suas respectivas áreas.”

O INOBAR é destinado a toda a comunidade acadêmica da macrorregião de Picos, incluindo estudantes, professores e pesquisadores. O evento conta com a parceria de várias instituições e organizações, como NIT-UESPI, ESCADA Empresa Júnior (ADM UESPI), SEBRAE, Virtex Telecom, FAPEPI, Ecossistema de Inovação Vale do Mel, IFPI e UFPI.

Confira os Palestrantes do INOBAR 2024

“Essas parcerias são essenciais para o sucesso do evento”, comenta a docente. “Elas não apenas fornecem suporte logístico e financeiro, mas também enriquecem o conteúdo e as perspectivas discutidas durante o evento.”

Com a participação de diversas instituições e a promessa de debates enriquecedores, o INOBAR se apresenta como um evento de suma importância para a comunidade acadêmica e empresarial de Picos. Ao promover a integração entre teoria e prática, espera-se que o evento amplie o conhecimento sobre Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, explorando a importância da proteção das criações e seu devido processo legal na comunidade acadêmica e no mercado local.

“Esperamos criar conexões e parcerias entre universidades e empresas, gerando oportunidades de pesquisa aplicada, estágios, empregos e outras formas de cooperação mútua”, afirma a professora Neilany. “O INOBAR desempenha um papel importante na divulgação e popularização da ciência, tecnologia e inovação, aliando a teoria acadêmica às práticas comerciais e sensibilizando para a importância da inovação em termos de desenvolvimento regional.”

“O INOBAR não só promete enriquecer o conhecimento dos participantes, mas também destacar a importância vital do investimento em tecnologia e inovação para o desenvolvimento sustentável e competitivo da região”, conclui Professora Neilany. “Estamos confiantes de que este evento será um marco na promoção da inovação em Picos e nas regiões circunvizinhas.”

O evento é gratuito e as inscrições podem ser realizadas através do link disponibilizado: Inscrição INOBAR.

Confira a Programação do Evento:

Programação do Evento.

Primeiro Simpósio de Jornalismo e Alternativas de Comunicação Fortaleceu Vozes Contra-Hegemônicas

Por Roger Cunha

A primeira edição do Simpósio de Jornalismo e Alternativas de Comunicação, realizada nos dias 22 e 23 deste mês no auditório do Palácio Pirajá, na UESPI, marcou um ponto de encontro crucial para profissionais e estudantes interessados no jornalismo além dos formatos tradicionais. Sob a organização do Grupo de Pesquisa em Jornalismo Trabalho e Mídia: Teoria e Práxis Noticiosa (TRAMPO), em conjunto com alunos do curso de jornalismo, o evento emergiu como um espaço enriquecedor de debates, reflexões e aprendizados.

1° Simpósio em jornalismo e alternativas em comunicação.

A cerimônia inaugural apresentou a pesquisa “Experiências alternativas nas margens: iniciativas comunicativas contra-hegemônicas em Teresina-PI”, conduzida pelo grupo TRAMPO de Pesquisa, representado pela professora Samária Andrade e pela jornalista Vitória Pilar. Em uma mesa-redonda inicial, representantes de mídias contra-hegemônicas, como Acrobata, Coar, Fala Dirceu, Geleia Total, Malamanhadas, O Estado do Piauí, Ocorre Diário e Revista Revestrés, compartilharam suas experiências, discutindo os impactos e desafios enfrentados no jornalismo alternativo.

Luan Matheus Santana, coordenador geral do “Ocorre Diário”, iniciou sua intervenção declamando um poema de sua autoria, ressaltando a visão ampla da plataforma como mais do que um mero portal de informações. Segundo ele, o “Ocorre Diário” busca expandir sua atuação na comunicação, ultrapassando os limites do jornalismo tradicional para abraçar uma perspectiva mais abrangente.

Luana Sena, jornalista da revista “Revéstres”, compartilhou a origem da publicação, que há 12 anos cobre o jornalismo cultural em Teresina. Ela explicou como a revista surgiu da necessidade de preencher uma lacuna na cobertura cultural do estado do Piauí, reunindo uma equipe com forte afinidade e entusiasmo pelo tema.

As representantes do Podcast Malamanhadas, Aldenora Cavalcante e Jhoária Carneiro, enfatizaram que o surgimento do podcast foi motivado pela ausência de debates sobre contextos e temas locais. Elas destacaram o compromisso do Malamanhadas em abordar questões de gênero e direitos das mulheres a partir de uma perspectiva regional.

Representantes das mídias alternativas

Demétrios Galvão, co-editor da revista “Acrobata”, ressaltou a importância do simpósio como uma oportunidade para apresentar pesquisas à comunidade, rompendo com a tradição acadêmica de produzir conteúdos que frequentemente são relegados ao esquecimento.

Luan Rodrigues, redator do coletivo cultural Geleia Total, enfatizou a relevância das alternativas em comunicação, destacando a importância de pertencer a um coletivo e lutar contra a hegemonia da mídia tradicional.

Werlley Barbosa, aluno de jornalismo vindo da cidade de Floriano, no interior do estado, expressou suas expectativas positivas em relação ao evento, destacando a importância do debate sobre mídias alternativas, especialmente no contexto das eleições e da crescente influência das redes sociais.

2° dia do evento com os profissionais da Panda Comunicação.

No segundo dia do evento, os participantes tiveram acesso à oficina “O mercado das agências”: Desafios e oportunidades, redes sociais, serviços e tecnologias, ministrada por Vitória Vivian e Alexandre Diógenes, fundadores da Panda Comunicação. Eles compartilharam insights valiosos para aqueles que almejam iniciar uma empresa no mercado da comunicação. Além disso, uma Oficina de Fotografia básica, ministrada pelo fotógrafo Lucas Almeida, também da Panda Comunicação, ofereceu dicas práticas sobre fotografias, lentes, ângulos e outros aspectos.

Os coordenadores do evento, os professores Samária Andrade e Daniel Solon, avaliaram positivamente o simpósio, destacando sua importância para a universidade e para o cenário da comunicação em transformação. A presença das mídias alternativas, com suas histórias e experiências, enriqueceu os debates e reflexões. Os coordenadores expressaram satisfação com o sucesso do evento e já vislumbram uma segunda edição no futuro próximo.

Evento Internacional: Conference Day Vistos USA Será Realizado na UESPI

Por Roger Cunha

No dia 5 de junho de 2024, às 9:30, no Auditório Pirajá da UESPI, será realizado o evento internacional “Conference Day Vistos USA”. Este evento contará com a presença do Vice-Cônsul Liam Tumas do Consulado dos Estados Unidos, em Recife-PE, além da assistente de assuntos consulares Ingrid Menezes e da professora adjunta da UESPI e Adviser EducationUSA, Vanessa Nunes de Sousa Alencar Vasconcelos.

Vanessa Alencar compartilhou detalhes sobre os objetivos do “Conference Day Vistos USA”.  “Os participantes vão entender sobre vistos e o processo de candidatura para cursos nos Estados Unidos”. O evento busca esclarecer as etapas necessárias para obtenção de vistos e apresentar as diversas oportunidades disponíveis para quem deseja estudar nos EUA.

O evento é direcionado a todos que têm interesse em vistos e estudos nos Estados Unidos. Vanessa destacou que “o público-alvo inclui alunos, professores e a comunidade em geral”. A intenção é alcançar um amplo espectro de interessados, fornecendo informações valiosas tanto para estudantes quanto para profissionais da educação e membros da comunidade.

Durante o evento, o escritório do EducationUSA apresentará as diversas formas de suporte disponíveis para quem deseja estudar nos Estados Unidos.  “Vamos dar informações para ajudar quem quer estudar nos Estados Unidos”. O EducationUSA é uma rede global de Centros de Orientação do Departamento de Estado Americano, com mais de 40 centros no Brasil. Eles têm a missão de facilitar o acesso a informações precisas, abrangentes e atualizadas sobre oportunidades de estudo no ensino superior nos EUA.

O escritório do EducationUSA, localizado no Centro de Ciências da Saúde (CCS), proporciona assistência a todas as instituições de ensino do Piauí, sejam elas públicas ou privadas. Este suporte é crucial para orientar os candidatos sobre os procedimentos necessários para estudar nos Estados Unidos e maximizar suas chances de sucesso.

O “Conference Day Vistos USA” promete ser uma oportunidade imperdível para todos que buscam expandir seus horizontes acadêmicos e profissionais nos Estados Unidos. Não perca esta chance de obter informações valiosas e esclarecer todas as suas dúvidas sobre vistos e estudos nos EUA.

Os interessados em participar podem se inscrever através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeySvoJNI-0Kh8tbMDC3BPVFe5arIRAD5ADfLgnxOQnxK75KQ/viewform

 

UESPI Promove Debate sobre Vivências LGBTQIAP+ na Universidade

Por Roger Cunha

Nesta quarta-feira (29/05), às 16h30, o coletivo Coraje e os coordenadores do Programa de Extensão Universitária “Educação Popular e Direitos Humanos”, realizam o”Roda de Conversa: Ser LGBTQIAP+ na Universidade do acesso à permanência”, que  visa discutir os desafios enfrentados por estudantes LGBTQIAP+ na universidade. O evento é aberto ao público e será em frente ao setor 12 do Campus Poeta Torquato Neto. 

O coletivo Coraje, vinculado ao Programa de Extensão Universitária “Educação Popular e Direitos Humanos” do Centro de Ciência da Educação, Comunicação e Artes (CCECA/Uespi), procura atuar na promoção dos direitos humanos e no enfrentamento das discriminações de gênero na UESPI.

“Roda de Conversa: Ser LGBTQIAP+ na Universidade do acesso à permanência”

Lucineide Barros, professora de Pedagogia na UESPI e coordenadora do programa de extensão, destaca a importância do evento. “Queremos motivar a continuidade desse debate na universidade. Preconceitos causam sofrimentos e exclusões e afetam tanto estudantes quanto docentes. Buscamos superar essa problemática construindo novas relações”, afirma.

O projeto “Vivências Universitárias” que faz parte do “Programa Educação Popular e Direito Humanos” e desenvolve a atividade rodas de conversa pretende sistematizar questões para a elaboração de políticas de acesso e permanência para estudantes LGBTQIAP+. 

Convidados: Sara Francine e Lucas Martins.

Lucas Martins, um dos palestrante e ativista  LGBTQIAP+, destaca a importância de discutir as vivências LGBTQIAP+ na universidade. “A minha experiência de vida como uma pessoa bissexual me faz ver a necessidade de debater esse tema com responsabilidade”, afirma. Ele ressalta os desafios enfrentados por pessoas trans, travestis e transvestigêneros na universidade e a importância de políticas inclusivas como cotas e respeito ao nome social. “Discutir as vivências LGBTQIAP+ na universidade é fundamental para a permanência desses sujeitos nos espaços acadêmicos. É essencial para enfrentar as desigualdades”, completa Lucas.

Sara, estudante de Biologia, que também participará desse momento de conversas e debates, relata os desafios enfrentados por pessoas  LGBTQIAP+ na universidade, desde o desrespeito ao nome social até a violência no transporte público. “O desrespeito ao nome social e ao gênero dentro da sala de aula é extremamente doloroso e violento”, diz Sara. Ela também menciona as dificuldades de locomoção, enfrentando violência verbal e física ao utilizar transporte público. “Chegar na universidade já é um desafio enorme. A violência que enfrentamos no percurso torna-se uma responsabilidade do estado e das instituições garantir nossa segurança”, enfatiza.

Sara acredita que o impacto dessas discussões na comunidade acadêmica pode ser significativo, promovendo inclusão e equidade através de políticas como cotas e auxílios específicos para estudantes  LGBTQIAP+. “Projetos voltados para auxiliar essas pessoas que muitas vezes foram expulsas de casa são essenciais. Precisamos de oportunidades para estudar e construir nossos sonhos”, declara Sara. Ela deixa uma mensagem de resistência e esperança para toda a comunidade universitária. “Não desistam de ser quem vocês são. Não abaixem a cabeça para a violência, mas tomem cuidado e busquem apoio. Nossa luta é por representatividade e resistência. Quando uma travesti vence, todas nós vencemos junto. Nossa luta é para a vida toda”, conclui.

Este evento busca promover inclusão e equidade na UESPI, com relatos que inspiram e valorizam as experiências únicas dos estudantes. As informações sobre o evento estão disponíveis nas redes sociais do Coraje e do Programa Educação Popular e Direitos Humanos.

https://www.instagram.com/corajeuespi/?img_index=1

Inaugurado Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal no Campus Clóvis Moura da UESPI

Por Roger Cunha

Na última segunda-feira, dia 27 de maio, o Campus Clóvis Moura da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), localizado em Teresina, foi palco de um evento marcante: a inauguração do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal (NAF).

Em parceria com a Receita Federal, a Secretaria Estadual da Fazenda e a Prefeitura Municipal de Teresina, essa iniciativa representa um importante passo na promoção do desenvolvimento local e no fortalecimento dos laços entre a universidade e a comunidade.