Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

Intérpretes de libras garantem inclusão nas colações de grau da UESPI

Por João Fernandes

Agora as solenidades de colação de grau da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) podem contar com intérprete de libras. O objetivo é trazer mais inclusão para alunos e convidados que acompanham as solenidades da instituição, a fim de assegurar o direito linguístico e a acessibilidade das pessoas surdas.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) divulgados em 2020 apontam que mais de 10 milhões de pessoas têm algum problema relacionado à surdez, ou seja, 5% da população brasileira é surda ou precisam de medidas para viabilizar e melhorar a comunicação. Com isso, a UESPI traz mais uma forma de inclusão. 

Maria dos Reis da Silva, egressa do curso de letras inglês, vê com empolgação a inclusão de intérpretes de libras nas cerimônias da Universidade e ressalta a importância do atendimento e tratamento adequado aos portadores de deficiência auditiva. “É importante a presença dos intérpretes. A iniciativa deve facilitar a comunicação, gerando total autonomia para os surdos”, destaca a aluna.

Os intérpretes estarão presentes em colações de grau em separado da Universidade. Segundo Lívia Costa, chefe de cerimonial da UESPI,  a presença dos intérpretes é mais uma forma para trazer acessibilidade e eficiência na comunicação nas cerimônias. “O cerimonial agora chega aos alunos e seus familiares que tenham alguma limitação auditiva. Os intérpretes farão parte das colações de grau que acontecem em separado, quinzenalmente, em Teresina”, enfatiza.

A coordenadora do departamento de línguas, Profa. Sheila Borges, explica que a idealização da inclusão de intérpretes surgiu a partir da necessidade de prestar assistência para a comunidade interna e externa da UESPI com necessidades especiais.

“Estamos realizando grandes ações com o Departamento de línguas, mas precisamos mostrar, na prática, o quanto ainda podemos evoluir, promovendo mais inclusão, respeito e cidadania”, finalizou a coordenadora. 

Sisu 2022.2: Uespi oferta 997 vagas para Ações Afirmativas

Por Anny Santos

Na manhã desta terça-feira (21), a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) tornou público o Processo de Seleção de candidatos para preenchimento de 100% (cem por cento) das vagas ofertadas nos Cursos de Graduação e Licenciatura da instituição, na modalidade presencial, para ingresso no semestre letivo 2022.2, sendo 997 vagas, de um total de 1.965, para ações afirmativas, disponíveis a 56 cursos nos 12 campi da universidade.

Segundo o Prof. Dr. Georges Thales Santana, Coordenador do curso de Direito, campus Clóvis Moura, a Constituição, de 1988, entende que a Educação é um direito de todos e que deve ser promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, então, a Universidade como braço do Estado tem o dever de realizar a inclusão social das categorias de pessoas historicamente excluídas do processo de socialização. “Assim por determinação Constitucional, a UESPI tem se pautado para garantir a inclusão social daqueles que no momento se encontram em desvantagem e carregam maiores dificuldades por conta destas desigualdades sociais”, pontua o Coordenador.

As ações afirmativas objetivam acelerar o processo de igualdade, com o alcance da igualdade substantiva por parte de grupos socialmente vulneráveis. Entre as ações afirmativas presentes no Edital, pode-se dividir em três grupos, sendo AF1, AF2 e AF3, destacando o conjunto de políticas públicas para proteger minorias e grupos que, em determinado momento, tenham sido discriminados.

A AF1 é composta por pessoas negras, quilombolas e indígenas que tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas da rede pública de ensino, com renda per capita (mensal) de até um salário-mínimo e meio. A AF2 trata de pessoas com deficiências (física, auditiva, visual, intelectual, mental – psicossocial, transtorno do espectro autista – TEA – e múltipla), que tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas da rede pública de ensino, com renda per capita (mensal) de até um salário-mínimo e meio e a AF3 é para pessoas que tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas da rede pública de ensino, com renda per capita (mensal) de até um salário-mínimo e meio.

Izabel Cristina de Oliveira Neves, aluna do 4° período de Licenciatura em Biologia, contemplada pela AF3, destaca a importância da ação afirmativa em seu processo de ingresso no Ensino Superior. “Visto que, estudei toda a minha vida em escola pública, não tive as mesmas oportunidades educacionais específicas em certas matérias, que geralmente no ensino particular é mais amplo, mesmo com todos os meus esforços e dedicação, seria contraditório competir de igual para igual por uma vaga no ensino superior com pessoas que tiveram todo o auxílio educacional ao longo da vida. Então, o sistema de cotas rompe essas barreiras estruturais socioeconômicas para promover de igual para igual, a oportunidade de estar inserida em uma universidade pública”.

Confira o edital:

FUESPI_PI___RESOLUCAO_4615845

termo_adesao_756_UESPI (1)

Professoras da UESPI lançam livro sobre Educação Especial Inclusiva nesta terça-feira (10)

Por Arnaldo Alves

As professoras Fabrícia Gomes e Cristina Menezes, ambas do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Picos, lançam o livro Educação Especial Inclusiva: práticas e subjetividade na formação docente, nesta terça-feira (10), às 20h, na plataforma Google Meet. A obra conta com alunos, egressos e docentes do curso de Pedagogia.

A proposta da obra é debater a formação docente a partir de experiências investigativas na formação inicial do pedagogo. O livro aborda a Educação Especial em uma perspectiva inclusiva, com o intuito de fomentar discussões que perpassam desde concepções a praticas vivenciadas em sala de aula de escolas comuns e de centros de atendimento educacional especializado. Também são destacados temas voltados à subjetividade e praticas na formação docente, com ressalve para experiências pedagógicas institucionais e a construção do ser professor a partir do estágio supervisionado.

De acordo com a escritora do livro, Fabrícia Gomes, o lançamento também ocorrerá no dia 13 de agosto, às 17h, no I Seminário Pibid e PRP da Região Nordeste. “A obra tem a proposta de colaborar com a formação e práticas de profissionais da educação. Seja daqueles que ainda estão conosco, academicamente no curso, seja com egressos e demais autores profissionais da educação básica e superior”, ressalta.

Professora Fabrícia com o livro Educação Especial Inclusiva

Professora Fabrícia com o livro Educação Especial Inclusiva

Veja mais detalhes sobre a obra no vídeo da docente e autora do livro, Cristina Menezes:

Professora Cristina Menezes é uma das escritoras da obra

Professora Cristina Menezes é uma das escritoras da obra

Com desconto através do código (EDUCC20), você pode comprar a versão impressa da obra no site da Editora Appris. O link de acesso ao lançamento será divulgado nas redes sociais das professoras (fabricia_gomees) e (crisprofpsi).