Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

UESPI participa de encontro realizado pela Representação Regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)

Por Anny Santos

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) esteve presente, por meio do Reitor da instituição, Prof. Dr. Evandro Alberto, em um encontro realizado pela Representação Regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na manhã desta terça-feira (08) no Auditório do Centro de Tecnologia (CT) da UFPI.

Encontro no Auditório do Centro de Tecnologia (CT) da UFPI

Encontro no Auditório do Centro de Tecnologia (CT) da UFPI

O Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, esteve presente representando a instituição e reafirmando o interesse e o compromisso com o desenvolvimento da ciência em nosso estado. “Nosso estado é um rico celeiro onde podem ser encontrados e ser explorados verdadeiros talentos da ciência. Temos muito potencial, então é importante que a SBPC mantenha esse olhar atento para nossa região. Gostaria de agradecer a todos presentes e a SBPC por entender e apoiar o desenvolvimento científico no Piauí. Precisamos de uma representação fortalecida, através de assistência e manutenção para que seja possível haver cada vez mais desenvolvimento, fortalecendo a ciência por meio de links entre universidades e órgãos como a SBPC”, pontua.

Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, em abertura do evento

Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, em abertura do evento

Com tema “A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Ciência no Piauí”, o evento contou com a presença do presidente da SBPC, Renato Janine Ribeiro, e dos reitores da UESPI e da UFPI, dentro outras personalidades e instituições. A SBPC possui representantes oficiais em mais de 20 conselhos e comissões governamentais.

O presidente Renato Janine Ribeiro aponta que a SBPC, ao longo de sua história possui grandes conquistas. “Como principais contribuições podemos citar os diálogos para o desenvolvimento científico e tecnológico do País, a luta pela qualidade e universalidade da educação em todos os níveis, a defesa dos interesses dos cientistas, a promoção a disseminação do conhecimento científico por meio de ações de divulgação da ciência e luta pela remoção dos empecilhos e incompreensão que embaracem o progresso da ciência”, enfatiza.

Presidente da SBPC como conferencista, Renato Janine Ribeiro

Presidente da SBPC como conferencista, Renato Janine Ribeiro

 

Olivia Cristina Perez, Representante Regional SBPC no Piauí

Olivia Cristina Perez, Representante Regional SBPC no Piauí

Representando mais de 160 sociedades científicas afiliadas e mais de 5 mil sócios ativos, entre pesquisadores, docentes, estudantes e cidadãos brasileiros interessados em ciência e tecnologia, anualmente, a SBPC realiza diversos eventos, de caráter nacional e regional, com o objetivo de debater políticas públicas e difundir os avanços da ciência.

Segundo a Profa. Hilziane Brito, Diretora do Departamento de Assuntos Estudantis e Comunitários (DAEC), o evento também marca o empenho em criar uma Secretaria Regional para a SBPC no Piauí e pode ser o ponto de partida para que isso aconteça.

“Agradecemos por podermos estar presentes aqui, enquanto instituição, junto com outras universidades e institutos. Todos estamos aqui em prol da popularização e valorização das ciências no estado do Piauí. A Covid-19 nos mostrou claramente o quanto a ciência é importante para a vida humana. E essa é a nossa finalidade aqui, valorizar e ressaltar sua importância”, finaliza.

UESPI participa de solenidade com entrega da Medalha do Mérito Universitário à Fiocruz

Por Anny Santos

“Estamos as vésperas da Cop27, Conferência do Clima da ONU, onde participarei, virtualmente, de uma sessão dedicada ao papel das tecnologias frente aos desafios climáticos contemporâneos. Isso me levou a pensar em como as relações entre saúde e meio ambiente constituem-se em elemento central da histórica relação da Fiocruz e o Estado do Piaui”, afirmou a Dra. Nísia Trindade Lima.

A Homenagem contou com a participação de membros da comunidade acadêmica da Ufpi

O Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, representou o Governo do Estado na solenidade com entrega da Medalha do Mérito Universitário à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que ocorreu no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí (UFPI) na manhã desta segunda-feira (07).

O reitor da Uespi participou da mesa honra em homenagem a Dra. Nísia Trindade

O Reitor da Uespi destacou a importância da Fiocruz para o Brasil

Para o Reitor, Prof. Evandro Alberto, a homenagem a Dra. Nísia e a própria Fiocruz é merecida e oportuna neste momento. “Estamos vivendo um período  de mais controle da pandemia COVID 19 em função da Ciência e, em particular, do trabalho realizado por nossos pesquisadores e instituições, como a Fiocruz. A grandeza de nossos institutos voltadas para pesquisa e ciência e a dedicação de nossos pesquisadores são destaques aqui no País e no mundo. Parabéns, Dra. Nísia Trindade e a Fiocruz”, finalizou o Reitor.

Ouvidoria da UESPI participa de treinamento sobre o sistema Fala.Br

Por Anny Santos

A Ouvidoria da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), representada pelo Ouvidor da nossa instituição, o professor Dr. José Luiz Silva Sá, esteve presente na última quinta-feira (22) no treinamento da CGE/OGE sobre o novo Sistema de gerenciamento das demandas da ouvidoria, o Fala.br, que substituirá os atuais sistemas e-ouv e e-sic.

Juntamente com os demais ouvidores setoriais do Estado, o treinamento abrangeu o registro e tratamento de demandas no novo sistema, questões envolvendo sigilo de informações, transparência passiva e ativa, e outros destaques da Lei de Acesso à Informação.

De acordo com o professor Dr. José Luiz Silva Sá, houve orientação quanto ao registro e tratamento de manifestações mais específicas e que demandam mais atenção, como as denúncias, por exemplo. Além disso, sobre a importância que as novas ferramentas do Sistema fala.br terão na melhoria do serviço.

“Um dos principais pontos em destaque foram os prazos de resposta, da importância que o órgão responsável tem em cumprir os prazos de Lei. Ficou bem claro que a Corregedoria e Ouvidoria Geral do Estado estão atentas aos prazos, buscando melhorar o serviço para o cidadão”, pontua o Ouvidor.

Enquanto o fala.br não for devidamente implantado, as manifestações acontecerão sem nenhuma modificação. Basta acessar o site da UESPI na página da Ouvidoria estão todas as instruções. Quando o novo sistema for implantado, acontecerá uma fase de transição, sem prejuízo algum ao usuário.

“Para mim, os principais enfoques do treinamento foram a importância de propiciar rápido e seguro acesso à informação, de forma transparente. Nós da ouvidoria da UESPI planejamos intervenções educativas quanto ao direito que a comunidade tem de acesso aos serviços de ouvidoria, de como realizar uma manifestação e acompanhar a mesma. Já estamos trabalhando em parceria com a ASCOM e DTIC para aprimorar o portal de Acesso à Informação do site da UESPI, proporcionando a transparência ativa necessária em qualquer instituição”, finaliza.

Ouvidoria da UESPI

A sede da ouvidoria da UESPI fica localizada no Centro de Ciências da Natureza (CCN), campus Poeta Torquato Neto, em Teresina. O procedimento pode ser realizado pelo e-mail ouvidoria@uespi.br.

Medicina UESPI: alunos são premiados no IV Congresso Brasileiro Médico Acadêmico

Por Anny Santos

No último Domingo (18), alunos do curso de Medicina da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) participaram do IV Congresso Brasileiro Médico Acadêmico. O evento, que teve início na quinta-feira (15), premiou alunos da nossa instituição em diversas categorias por trabalhos de pesquisas apresentados e bem avaliados. Na mesma ocasião, foram realizados o XII Congresso Nordestino Médico Acadêmico (COMANE) e o XXVIII Congresso Médico Acadêmico do Piauí (COMAPI).

Foram apresentados em torno de 150 trabalhos acadêmicos no evento com premiação de certificados e troféus. O IV Congresso Brasileiro Médico acadêmico é um evento destinado a acadêmicos e profissionais da área da saúde com intuito de explanar temas de relevância com enriquecimento cultural e científico que também permite compartilhar experiências e conhecimentos.

Dentre os premiados, o trabalho “Ação Protetora Gástrica do Óleo Essencial das Folhas de Croton Heliotropiilolius Kunth”, orientado pela professora Dra. Rosemarie Brandim Marques, que desenvolve pesquisas com plantas medicinais no Núcleo de Pesquisas em Biotecnologia e Biodiversidade da UESPI, conquistou o 1° Lugar na categoria Apresentação Oral Livre.

De acordo com a pesquisadora e professora, os trabalhos apresentados no COMAPI são produtos de PIBIC e PIBITI, com bolsas CNPq e desenvolvidos por alunos do curso de Medicina. A equipe do trabalho é composta pelos alunos Angélica Lima soares, Esdras Morais, Heloisa Cronemberger, Luanna Carvalho, Luiz Fernando Reis, Nailton Passos e o professor colaborador Dr. Antônio Luiz Martins Maia Filho.

Luanna Carvalho, uma das alunas pesquisadoras, destaca que a importância maior da pesquisa, em termos acadêmicos, não se trata somente de currículo ou de benefícios na graduação, mas sobre o papel desse trabalho na sociedade, que busca validar e introduzir os primeiros passos em busca da medicina natural/alternativa.

“A minha experiência foi excelente. De início, fiquei um pouco receosa nas pesquisas com testes em animais, por ser algo muito delicado e estranho de primeira impressão, mas logo me acostumei e fiquei muito feliz em fazer parte. Só tenho a agradecer o aprendizado e o conhecimento que ganhei sobre a iniciação cientifica e algumas coisas técnicas que me ajudarão na graduação e sobre dedicação e comprometimento, que pude observar tanto na professora Rosemarie quanto nos meus colegas que também participavam. A premiação foi uma grande surpresa e me deu grande emoção. Claro, que o prêmio é de toda a equipe, mas ter apresentado um trabalho relevante a ponto de ser premiado, foi motivo de muita satisfação e gratidão para mim”, ressalta a aluna.

Mais premiações de Uespianos

Outro trabalho premiado foi o “Análise epidemiológica das internações por transtornos mentais e comportamentais no Estado do Piauí entre os anos de 2012 e 2021”, orientado pelo professor Dr. Felippe Fenelon, conquistando o 2° lugar na categoria E-pôsteres.

De acordo com o orientador trata-se de uma análise epidemiológica das internações por transtornos mentais e comportamentais no Piauí de 2012 a 2021. Na análise, foi verificado as variáveis sexo, idade, raça/cor, número de internações e de óbitos e tipo de transtorno. O aluno orientando, João Victor Coimbra, afirma que foi possível verificar que as internações e óbitos nessa época envolvem principalmente homens pardos entre 30 e 39 anos, geralmente por esquizofrenia e transtornos delirantes.

“Para a comunidade acadêmica esse trabalho é importante, pois teve um achado peculiar: enquanto no resto do Brasil houve uma tendência na redução das internações psiquiátricas no período de 2010 a 2020, no Piauí, principalmente de 2015 a 2019, por motivos que precisamos de mais estudos para esclarecer, houve um aumento nas internações. Ao realizar o trabalho, o primeiro que fiz neste modelo, eu não estava esperando uma premiação. Fiquei muito feliz quando soube que fiquei em 2° lugar, afinal não só há centenas de trabalhos concorrendo pela premiação, mas todos no meio sabem como é muito difícil conseguir ser premiado em congressos, seu trabalho e sua apresentação precisam ser extremamente consistentes e bem feitos. Esse trabalho também é importante pois servirá de alicerce para outros artigos que necessitem dos dados que coletamos. Para a comunidade externa, esse trabalho é essencial pois traz atenção a um tema muito negligenciado, as doenças psiquiátricas, que, em pleno 2022, ainda possuem um enorme estigma atrelado a elas”, pontua o aluno.

Ocupando o 2° lugar na categoria Relato de caso, o trabalho “Sarcoma Fibroximóide de Baixo Grau Primário de Parede Torácica: relato de um caso raro com diagnóstico desafiador”, orientado pelo Dr. Eduardo Sá, a pesquisa surgiu a partir de uma feliz surpresa durante a condução da coleta de dados do Trabalho de Conclusão de curso (TCC) do aluno Rafael Everton Assunção, um projeto sobre câncer de mama; encontramos dentre os prontuários analisados este caso raro de sarcoma fibromixóide de baixo grau.

De acordo com o aluno este tumor também pode ser chamado de “tumor de Evans”, uma vez que foi descrito pela primeira vez por Evans, em 1987, apesar da nomenclatura oficial, atualmente, ser a referida no caso. Esta situação é bem interessante tanto pela raridade como curiosidade. A localização dele na parede torácica é bastante rara, o que já o torna também uma possibilidade pouco pensada nestes casos. Além disso, a análise anatomopatológica destes tumores é, muitas vezes, pouco específica, dificultando o diagnóstico.

Contudo, o trabalho mostra que é importante realizar o diagnóstico correto nestes casos, uma vez que estes tumores são agressivos e poucos responsivos a estratégias de quimioterapia e radioterapia adjuvantes disponíveis atualmente, sendo preciso um seguimento de longo prazo e atento nestes casos.

“Todos os envolvidos no trabalho se sentem bastante honrados com a premiação, uma vez que o COMAPI é reconhecidamente um evento muito importante para a comunidade médica e acadêmica piauiense. Esperamos que o trabalho, de alguma forma, desperte a atenção para esta neoplasia que, além de rara, é pouco conhecida e suspeitada”, finaliza.

Na categorial Tema Oral Livre o trabalho intitulado “Coinfecção Bacteriana e Fúngica em Pacientes com Covid-19 na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público de Teresina- Piauí em 2021” ocupa o 3° lugar. Orientado pela professora Liline Maria Soares Martins, a pesquisa analisou 300 pacientes internados na UTI do Hospital Getúlio Vargas (HGV), com o intuito de entender o que agravava o caso dos indivíduo com Covid-19.

A aluna e pesquisadora, Joana Clara Macedo, pontua a importância do trabalho realizado durante a pesquisa e os dados obtidos através dela. “Minha grande motivação para essa pesquisa foi estudar mais sobre a COVID-19 que foi e ainda é uma doença que afetou populações do mundo inteiro e causou tantas mortes. Pesquisar esses pacientes foi uma forma de entender mais o que acontecia quando a doença se agravava e o porquê havia tantos óbitos”.

UESPI36ANOS: homenagem especial na manhã desta quinta-feira (28)

Por Anny Santos

Em comemoração aos 36 anos da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), a Pró-Reitoria de Extensão Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), juntamente com a Assessoria de Comunicação, realizou na manhã desta quinta-feira (28) no mezanino do Palácio Pirajá, prédio-sede da reitoria da instituição, um evento em homenagem a data.

Pró-Reitores, professores, técnicos e demais colaboradores

Pró-Reitores, professores, técnicos e demais colaboradores

A ação contou com a presença do Reitor da universidade, Prof. Dr. Evandro Alberto, Pró-Reitores, professores, técnicos e demais colaboradores. Na oportunidade, o Coral da Uespi, com a Maestrina Claudia Tenório, apresentou o Hino Oficial da instituição e outras interpretações de clássicos nacionais.

Coral da UESPI com a Maestrina Claudia Tenório

Coral da UESPI com a Maestrina Claudia Tenório

Para o Reitor, Prof. Dr. Evandro Alberto, é importante reconhecer o trabalho de todos os funcionários que passaram pela UESPI. Segundo ele, a evolução da universidade se faz rápida e constante. Além disso, é imprescindível destacar a atuação da instituição em 10 municípios, além de estar presente na capital, em modalidade presencial, e em 183 municípios, através do ensino mediado por tecnologia, graças a UAPI.

Prof. Dr. Evandro Alberto

Prof. Dr. Evandro Alberto

“É preciso reconhecer o empenho da equipe que se encontra presente com a missão de fazer o melhor para o técnico, estudante, professor e colaborador. É um prazer poder estar aqui comemorando os 36 anos dessa instituição que tem transformado a vida dos piauienses. Nossa universidade foi constituída com a missão de formar professores e fazer a educação funcionar em nosso Estado. Através do seu trabalho, equipe que compõe o quadro de funcionários, e da sua gentileza, sempre haverá bons resultados. Lute pela UESPI, porque nossa UESPI se consolida a cada dia. Agradecemos a todos vocês e viva nossa UESPI, parabéns por esses 36 anos”, pontua o Reitor.

A Pró-Reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), Ivoneide Pereira de Alencar, também se fez presente pontuando a história da universidade e reafirmando a importância da instituição em sua vida. “Hoje é aniversário da nossa UESPI e gostaria de reforçar o significado ímpar que a instituição tem em minha vida. O curso de Direito me possibilitou estar aqui. Hoje posso afirmar que tenho orgulho de ser professora de educação exclusiva, essa foi a minha melhor escolha. Sou muito feliz nessa casa e possuo o papel de mediar o conhecimento na condição de educadora e gestora. Tive a oportunidade de chegar aonde nunca imaginei, graças a educação. Obrigada pela oportunidade, UESPI”.

Pró-Reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), Ivoneide Pereira de Alencar.

Pró-Reitora de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários (PREX), Ivoneide Pereira de Alencar.

Ao longo da semana a Assessoria de Comunicação organizou uma série de reportagens especiais para celebrar a data, contando a história da universidade e dos personagens que a compõe. Além disso, preparamos uma série de vídeos comemorativos disponibilizados em nossas redes sociais.

Confira mais

UESPI 36 ANOS: Educação de ensino superior da UESPI alcança o interior do estado através do sistema UAPI

UESPI36ANOS: NUTI e UNATI ofertam saúde e ensino na terceira idade

UESPI36ANOS: pesquisadores uespianos falam sobre o impacto social de seus estudos

 

UESPI36ANOS: pesquisadores uespianos falam sobre o impacto social de seus estudos

Por Vitor Manoel

Em homenagem aos 36 anos da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), comemorado no dia 28 de julho, a Assessoria de Comunicação organizou uma série de reportagens especiais para celebrar a data, contando a história da universidade e dos personagens que a compõe. Nesta, destacaremos os projetos de pesquisas desenvolvidos através do PIBIC e PIBIT.

A UESPI compreende que o desenvolvimento da pesquisa, do ensino e da extensão deva se realizar de forma articulada, com a finalidade de produzir e divulgar o conhecimento através da produção científico-acadêmica nos campos técnico, científico e artístico-cultural, posicionando-se também como orientação e suporte às atividades de ensino e de extensão.

O Programa Institucional de Bolsas Científica (PIBIC) é um programa da UESPI, financiado em parte pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento (CNPq), que tem como principal objetivo fomentar a prática da Iniciação Científica nas Instituições de Ensino Superior. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico (PIBIT) estimula jovens do ensino superior nas atividades, conhecimentos e práticas que levem ao caminho do desenvolvimento tecnológico e da inovação.

Na UESPI, a abertura do edital para o envio de propostas de projetos pelos docentes acontece no início do ano, permitindo a submissão de até quatro projetos de pesquisa, sendo que cada um deles contempla um aluno. O discente que esteja interessado a concorrer ao programa deve se juntar a um professor, no qual já saiba com que tipo de pesquisa ele costuma trabalhar e que se identifique, formando, desse modo, uma parceria na construção da pesquisa.

 O processo segue com a avaliação classificatória do projeto que aplica 30% do peso a proposta, 60% a produção acadêmica do professor e 10% ao Coeficiente de Rendimento Acadêmico (CRA) do aluno. Os melhores classificados aparecem nas primeiras posições no ranking e tem a oportunidade de ganharem uma bolsa de 400 reais. Atualmente 79 bolsas são disponibilizadas via CNPq, 130 bolsas da UESPI e a novidade para 2022 é a participação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (FAPEPI), ofertando 25 bolsas, totalizando 234 projetos com bolsas para o aluno.

Para o Diretor do Departamento de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Gustavo Gusmão, e professor de Física, a produção de projetos de pesquisa é muito importante, pois permite a introdução dos discentes de graduação no caminho da pesquisa científica. “Para a UESPI e para outras universidades que ofertam esse programa, é primordial, pois faz parte do tripé desta Instituição fazer com que o aluno tenha uma formação de Ensino, Pesquisa e Extensão. Mesmo que ele não siga o caminho da pesquisa, todo o conhecimento adquirido durante esse processo o ajuda a criar uma bagagem que pode ser aproveitada independente do caminho em que ele seguir”, afirma.

Diretor do Departamento de Pesquisa da PROP, Gustavo Gusmão

Professores pesquisadores

Segundo o Professor Dr. Laécio Santos, pesquisador da área de Química, os alunos de iniciação científica conseguem adquirir todo o suporte necessário durante a construção do processo, adquirindo um grande aprendizado para projetos futuros. “A gente procura falar com os alunos, perguntar de que período eles são, eu prefiro trabalhar com os de quarto e quinto período que estão mais desenvolvidos em termos de conhecimento e que possam trabalhar com as complexidades da pesquisa. Especialmente na minha área onde você trabalha em laboratório requer muita dedicação, mas que é algo que vale muito a pena, porque a Iniciação Científica é a base fundamental para o avanço na carreira acadêmica e com outros professores”, explica.

Prof. Dr. Laécio Santos do curso de Química

O Prof. Dr. Cícero Niconili, do curso de Ciências Agronômicas, destaca que costuma estimular os alunos nos primeiros períodos sobre sua linha de pesquisa para que eles já possam se interessar em participar do projeto. “Tudo parte da iniciação científica, o senso de pesquisa, ele ver logo na graduação e até procura a sua área de interesse. Isso ajuda muito os alunos em projetos futuros de mestrado e doutorado que eles buscam”, relata.

Prof. Dr. Cícero Nicollini, do curso de Engenharia Agronômica

Alunos pesquisadores

O discente Joel Rodrigues, do curso de Bacharelado em Jornalismo está atualmente realizando uma pesquisa com a professora Sônia Carvalho, ele está em sua segunda participação no PIBIC e comenta que o aluno precisa tomar a iniciativa de buscar o professor para encontrar um projeto que goste e se identifique. Depois, o orientador passa todo o direcionamento da pesquisa, cronograma geral de entrega de relatório parcial e do relatório final, análise do material, coleta do material, dentre outros.

“Para mim, significa muito participar de um projeto de pesquisa, eu nunca entrei na Universidade, especialmente fazendo jornalismo sem ter um objetivo final, eu já queria de algum modo, me desenvolver dentro da academia e a pesquisa foi uma forma que encontrei de contribuir com temas que possam vir a serem discutidos pela sociedade, por isso minhas duas pesquisas feitas até agora envolvem temas sociais que é área de pesquisa que mais me identifico”, comenta o aluno.

Joel Rodrigues, aluno do 6º Bloco do curso de Bacharelado em Jornalismo

O estudante Vinicius Ribeiro do 8º Bloco do curso de Licenciatura Plena em Geografia, relata que está em sua segunda participação no programa, e que isso o ajudou a desenvolver de forma acadêmica. “O PIBIC me ajudou a desenvolver o sendo crítico, a desenvolver de forma técnica e científica determinados temas. O programa serve como auxiliador para o desenvolvimento de uma base sólida de capacitação na área científica”, finaliza o discente.

Vinicius Ribeiro, aluno do 8° Bloco do curso de Licenciatura em Geografia

O aluno Leandro Pessoa, do curso de Engenharia Agronômica do 7º período, destaca que no PIBIC existe a possibilidade da participação no evento anual (SPC/SIC – Simpósio de Produção Científica/Seminário de Iniciação Científica) para publicação dos resultados obtidos com a pesquisa em forma de resumo. “Eu gosto muito porque contribui para um conhecimento mais específico sobre o tema estudado, além de ampliar nossa rede de contatos profissionais. Temos uma familiaridade com o universo das publicações Científicas. É muito bom participar desse tipo de evento”, encerra o estudante.

Francinaldo Nunes, do curso de Engenharia Agronômica do 7º bloco, comenta que o PIBIC além de ser um complemento para o currículo acadêmico, é mais um grande aprendizado e uma experiência a mais. “Vem me ajudando na construção do meu TCC, pois o caminho é parecido especialmente na forma de escrever e isso nos dá conhecimento na hora de executar”, analisa o discente.

Projeto sobre educação inclusiva

A UESPI promove pesquisas voltadas ao âmbito da educação, entre elas está uma desenvolvidas pela professora Maria de Jesus do curso de Pedagogia na Universidade Estadual do Piauí que está com um projeto de pesquisa intitulado de “Políticas, formação de professores e os desafios das práticas da educação inclusiva: relatos de experiências e impasses da atuação profissional de egressos de pedagogia das universidades públicas de Teresina-PI” com a participação de cinco pesquisadores.

 A pesquisa está sendo organizada em três etapas, a primeira, consiste no levantamento teórico, bibliográfico e análise de dispositivos legais nacionais e locais sobre as políticas de inclusão educacional das pessoas público-alvo da educação especial, em conjunto com uma análise em comparação com as leis nacionais os Projetos Políticos Curriculares das instituições de ensino superior de Teresina-PI, os dois Campi da UESPI e o da UFPI, bem como os Planos das Secretárias Municipais e Estaduais.

Paralelamente, a pesquisa busca informações sobre os egressos dessas instituições do período de 2016 a 2019, para uma aplicação no questionário. A amostra da pesquisa de campo será feita a partir da definição de 10% da quantidade de alunos formados no período de 2016 a 2019, o que dará base ao conhecimento de quais desses egressos estão atuando com crianças público-alvo da educação especial no ensino regular em escolas públicas do Piauí. Na segunda etapa será realizado um levantamento e análise bibliográfica sobre a formação continuada em educação inclusiva de professores e na terceira será feito um levantamento acerca das práticas inclusivas com êxitos em escolas públicas experienciadas pelos sujeitos participantes da pesquisa.

“Pretende-se com o desenvolvimento dessa pesquisa a produção de artigos e livros, o desenvolvimento de atividades de extensão, tais como: palestras e cursos, divulgações em eventos científicos dos resultados, com o intuito de contribuir com a formação e informação de professores, profissionais de áreas afins e comunidade em geral. Com este estudo espera-se conhecer pontos necessários para intervenção na formação inicial e continuada de professores, dessa forma, buscar subsídios de complementação de um ensino de qualidade que contemple posteriores mudanças nas práticas pedagógicas nos espaços escolares de modo que as pessoas com deficiências possam ter um ensino mais inclusivo”, destaca a professora Maria de Jesus.

Este projeto se justifica pela necessidade de conhecer como os Cursos de Superiores de Pedagogia tem se organizado e contribuído para o processo do ensino inclusivo. Outro aspecto importante se refere a realização de outras pesquisas nesta área que possibilitarão o surgimento de estratégias didáticas e reflexões teóricas e práticas, importante a uma melhor condução do ensino inclusivo e um outro ponto que o projeto se propõe é contribuir na ampliação de produções bibliográficas na área da educação inclusiva em nosso Estado.

Para a professora Jesus, o objetivo geral é analisar a legislação e sua aplicabilidade na inclusão da pessoa público-alvo da educação especial, destacando a formação de professores e o desenvolvimento de práticas inclusivas em instituições educacionais públicas no Estado do Piauí.

 “Os objetivos específicos são: fazer o levantamento e análise dos dispositivos legais nacionais e no estado do Piauí referente a inclusão da pessoa público alvo da educação especial, conhecer e listar as boas práticas desenvolvidas acerca da educação inclusiva em escolas regulares, identificar os fatores que influenciam, positivamente e/ou negativamente, no desenvolvimento do ensino inclusivo em escolas regulares no Estado do Piauí, correlacionar os conhecimentos teóricos e práticos adquiridos nas academias com as práticas docentes versus os desafios da rotina da educação inclusiva de pessoas público-alvo da educação especial nas instituições de ensino piauienses”, encerra.

A Equipe de Pesquisa está constituída por membros do Grupo de Estudo em Educação Inclusiva e dos Processos de Desenvolvimento e Aprendizagem (GEEIDA), certificado pela UESPI. Para a discente Marcela Oliveira, formada em Pedagogia na Universidade Estadual do Piauí e estudante de pós graduação em Neuropsicopedagogia pela faculdade Malta e pesquisadora nesse projeto, participar de propostas vinculadas ao grupo de estudos GEEIDA, tem sido muito gratificante. Ela observa que cada vez mais vem percebendo como debater sobre as práticas pedagógicas são emergentes e ao mesmo tempo pouco dialogada.

“Muitos profissionais acabam enrijecendo sua prática por falta de continuação de estudos, pesquisas e debates. Ao dialogar sobre as ações que norteiam a vivência em sala de aula oportunizamos os profissionais a olharem para sua própria prática e refletir sobre ela. Minha relação com a professora Jesus não é só acadêmica, foi minha professora e orientadora de TCC. Hoje a considero como parte da minha família, seus conselhos, sua ajuda, sua parceira foram e são essenciais para a pessoa que tenho me tornado e estou me tornando”, finaliza.

Marcela Oliveira, pesquisadora no projeto

Amanda Letícia, pós-graduada em docência do Ensino Superior, destaca que a pesquisa apresenta vários pontos importantes a serem ressaltados para os estudantes, professores e pesquisadores. Pois, destacam desde a história da inclusão de forma geral, a educação, lutas e conquistas, na qual, constam documentos presentes na Constituição, a LDB e o PNE que ajudaram a consolidar a inclusão nas escolas até os dias atuais.

Segundo ela, como o pensamento tradicional foi se desconstruindo aos poucos, mas também, como as práticas educacionais tornaram-se mais dinâmicas, adaptáveis e eficientes com o passar dos anos. Nesta pesquisa buscou-se compreender o papel do docente em suas ações e aprofundamentos diante da sua formação e na continuação dos estudos e saberes voltados para esse público alvo, juntamente, com as diretrizes curriculares da formação docente nas Universidades públicas de Teresina – UFPI e UESPI -.

“Fazer parte dessa pesquisa é de grande enriquecimento pessoal e profissional como professora e pesquisadora. Aborda uma temática muito gratificante de ser estudada, porque é um trabalho que está sendo feito/pensado minuciosamente com todo cuidado e atenção para os futuros leitores. A cada escrita e reunião é um novo aprendizado, ainda mais, com o auxílio da professora, Maria de Jesus, que nos dar todo o suporte, apoio e material necessário para o andamento da pesquisa. Além disso, é uma grande inspiração para mim como pedagoga e escritora”, encerra.

Amanda Letícia, pesquisadora no projeto

Para o pesquisador Francisco Fernando essa pauta é muito importante, pois trata de uma realidade do Estado que nem todos conhecem. “Esse tema me chamou, pois se trata de como a educação especial é vista e tratada no nosso Estado, em como muitas dessas escolas não tem uma estrutura completa para poder contemplá-las esses estudantes”.

Durante os seus 36 anos, a UESPI formou e fomentou pesquisas. Atualmente, contamos com 234 bolsas de incentivo à pesquisa transformando a educação e inovação no Piaui.

Uespi torna público o edital de Transferência Externa 2022.1 em coletiva de imprensa

Por Anny Santos

Na manhã desta quarta-feira (06),  o  Reitor da UESPI, Prof. Dr. Evandro Alberto, o  Prof. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-Reitor de Ensino de Graduação (PREG) e a Profa. Monica Gentil, Pró-Reitoria Adjunta PREG realizaram o lançamento do edital de Transferência Externa.
O evento aconteceu através de uma coletiva de imprensa no auditório do Palácio Pirajá, campus Torquato Neto.
O edital de transferência diz respeito a 75 cursos nos 12 campi da instituição conforme quadro demonstrativo anexado no edital para ingresso no período letivo 2022.1.

Da esquerda para a direita, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação., imprensa e demais convidados

Da esquerda para a direita, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora Adjunta de Ensino e Graduação, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação, imprensa e demais convidados.

Prevista no Artigo 55 do Regimento Geral da UESPI, a Transferência Externa objetiva o preenchimento de vagas remanescentes nos cursos da universidade, na modalidade presencial. O edital contempla 3.940 vagas destinadas a estudantes matriculados em faculdades e universidades que possuam interesse em se transferir para cursos da UESPI, de acordo com o que estabelece a Resolução CONSUN 001/2008, que aprova o Regimento Geral da UESPI, e a Resolução CEPEX 034/2022.

Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e a Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta.

Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e a Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta.

Segundo o professor Dr. Evandro Alberto, devido a pandemia a universidade estava há dois anos sem oportunizar a Transferência Externa. “Esse ato é muito importante, pois abrimos nossas portas para disponibilizar 3.940 vagas, inclusive para piauienses que estão em outro Estado e poderão retornar mantendo seu caminho na educação, ato que se faz tão importante. É interessante ressaltar que onde há vaga na universidade ela deve ser preenchida, pois o intuito é que nenhuma fique ociosa. Esse é o maior edital oportunizado pela UESPI desde a sua fundação. Somando as vagas do Sisu com as vagas do edital de Transferência totalizamos 5.904 vagas”.

Abertura da coletiva com a presença da Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação.

Abertura da coletiva com a presença da Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação.

Para participar os interessados devem efetuar a solicitação de vaga no período de 08 a 20 de julho, mediante preenchimento da Ficha de Inscrição online e efetuar a inserção da documentação em PDF único, com tamanho máximo de arquivo de 3Mb.

Como efetuar a inscrição?

O candidato deverá certificar-se da existência da vaga, conforme quadro demonstrativo. A solicitação de vaga dar-se mediante preenchimento da Ficha de Inscrição online e inserção da documentação. O interessado deverá reunir a documentação solicitada no edital na seguinte ordem:

a) Ficha de Inscrição Online;

b) Histórico Escolar atualizado, a partir da data de lançamento deste Edital, expedido pela Instituição de origem, que conste o Índice de Rendimento Acadêmico (IRA), ou equivalente, no mínimo dois períodos totalmente integralizados (original devidamente assinado e carimbado ou com código de verificação;

c) Comprovante de matrícula ou Declaração que comprove vínculo de matrícula ativa na instituição de origem;

d) Programas das disciplinas cursada, conforme Histórico Escolar, acompanhado do PPC vigente (originais devidamente assinados e carimbados ou com código de verificação);

e) RG (frente x verso);

f) CPF (frente x verso);

g) Certidão de quitação com as obrigações eleitorais expedida pelo Tribunal Regional Eleitoral;

h) Comprovação de quitação com as obrigações militares por meio de documento oficial (para homens)

i) Comprovação de que a Instituição de origem possui Índice Geral de Cursos – IGC/Conceito Institucional – CI igual ou superior a 3 (três);

j) Comprovação de que o curso de origem possui Conceito Preliminar de Curso – CPC/Conceito de Curso – CC igual ou superior a 3 (três).

Da esquerda para a direita, Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação.

Da esquerda para a direita, Profa. Dr. Mônica Gentil, Pró-reitora de Ensino e Graduação Adjunta, Prof. Dr. Evandro Alberto, Reitor da Instituição, e o Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, Pró-reitor de Ensino e Graduação.

De acordo com o Pró-reitor de Ensino e Graduação, Prof. Dr. Paulo Henrique Pinheiro, algumas modificações foram essências para que a universidade disponibilizasse e oportunizasse as vagas do edital. “Em relação aos critérios, é importante dizer que seguimos o regimento da universidade, mas propomos uma alteração. O pleito básico, que antes era ter cursado o quarto semestre na instituição de origem, passou a ser apenas dois. Entendemos que isso também contribui para a ampliação das vagas”, finaliza.

Confira o edital completo:

SEI_GOV-PI – 4767213 – FUESPI-PI – RESOLUÇÃO cepex 034 de 2022

Memorial 24 de Janeiro de Oeiras já está aberto para visitação

Por Valéria Soares e Sammara Jericó

O Memorial 24 de Janeiro, que está sob a administração da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Campus de Oeiras, já está aberto para visitação, de segunda-feira a sexta-feira, das 14h às 18h.

O espaço conta com praça, o obelisco de 22 metros, museu, parte administrativa, lanchonete e uma estátua em homenagem a Manoel de Sousa Martins, o Visconde de Parnaíba, que foi esculpida pelo artista plástico piauiense Braga Tepi. Ele ficou conhecido como Visconde da Parnaíba, pois em 24 de janeiro de 1823 declarou a adesão do Piauí à independência do Brasil e tornou-se Presidente da Junta de Governo do Estado.

Estátua em homenagem ao Visconde da Parnaíba

Estátua em homenagem ao Visconde da Parnaíba | Foto: Harlon Lacerda

Obelisco do memorial 24 de janeiro de Oeiras

Obelisco do Memorial 24 de janeiro de Oeiras| Foto: Harlon Lacerda

O memorial  e monumento foram inaugurados no dia 13 de agosto de 2021, em solenidade com a presença do governador, reitor da UESPI e autoridades do estado.

O local possui documentos sobre a história da independência do Piauí e também sobre a Batalha de Jenipapo, além disso, o monumento representa a data de adesão do estado ao Grito do Ipiranga, no processo de Independência do Brasil.

Autoridades do estado durante a inauguração do Memorial 24 de janeiro

Autoridades do estado durante a inauguração do Memorial 24 de janeiro | Foto: Sammara Jericó

O Memorial fica localizado na entrada da cidade de Oeiras, primeira capital do Piauí.  A obra foi construída pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), e agora, depois de inaugurada, tem a administração do campus de Oeiras da UESPI para o desenvolvimento de atividades de extensão e pesquisa relacionadas à história e memória da cidade e do Estado.

Entrada do Memorial 24 de janeiro na cidade de Oeiras

Entrada do Memorial 24 de janeiro na cidade de Oeiras | Foto: Harlon Lacerda

Primeira exposição

O artista oeirense Olavo Braz está com a sua exposição “OEIRAS: SERTÃO, TRADIÇÃO E FÉ ” no memorial. A primeira exposição do local é inspirada na religiosidade do povo de Oeiras, como nas procissõe da Lamparina e Fogaréu, que retratam a tradição da cidade e dos moradores no período da semana santa.

Confira imagens da exposição:

Fotos: Harlon Lacerda

Pesquisadores da UESPI, UFPI e IFPI desenvolvem software sobre transplante de órgãos e são indicados para receber premiação internacional

Por Arnaldo Alves

Pesquisadores da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Instituto Federal do Piauí (IFPI) foram indicados pelo Comitê Editorial do periódico científico Human Imunology, a sessão de prêmios do Congresso Anual Americano de Histocompatibilidade (ASHI) de 2021 em Orlando – Estados Unidos.

A indicação foi feita graças a importância e ao grande número de visualizações e citações de uma pesquisa sobre transplante de órgãos, publicada na revista científica Human Imunolog.

Entenda do que se trata a pesquisa:

Para que seja possível realizar um transplante de órgãos é necessário que antes seja feito uma série de exames, que demostram se determinado órgão será rejeitado ou não pela pessoa na fila de espera. O software criado por pesquisadores das três maiores instituições de Ensino Superior público do Piauí demonstra com mais precisão a compatibilidade entre doador e receptor.

O estudo consiste em um banco de dados gratuito de estruturas 3D de moléculas HLA classe I e classe II, que servem de auxílio para que a comunidade de imunologistas e imunogeneticistas tomem decisões com o intuito de diminuir o risco de rejeição no processo de transplante de órgãos.

A equipe de profissionais

A indicação é fruto da pesquisa desenvolvida por Deylane Menezes Teles, sob orientação dos professores Adalberto Socorro da Silva e Semiramis Jamil Hadad do Monte, do doutorado em Biotecnologia – RENORBIO da UFPI.

O coordenador do Grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos da UESPI, Francisco das Chagas Alves Lima, é o representante da UESPI na pesquisa. Segundo ele, a equipe envolvida no trabalho conta com médicos, químicos, biólogos e cientistas da computação.

“Esse projeto é uma grande contribuição científica das três maiores instituições de Ensino Superior do Piauí. A equipe foi liderada pelo professor Adalberto e pela professora Serimaris, que nos convidaram para unir esforços e desenvolver esse importante trabalho para área de doação de órgãos, podendo dessa forma salvar várias vidas a espera de um transplante”, destacou o docente.

Professor do curso de Química da UESPI, Francisco das Chagas Alves Lima

Além do do Grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos, participam da ação integrantes do Laboratório de Imunogenética e Biologia Molecular (LIB-UFPI) e do Laboratório de Pesquisa em Sistemas de Informação (LaPeSI-IFPI).

PREX lança edital para estágio não obrigatório do curso de educação física

A Universidade Estadual do Piauí, por meio da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários – PREX e do Departamento de Assuntos Estudantis e Comunitários – DAEC, torna público o cronograma de entrevistas do Processo Seletivo para Estágio Não Obrigatório do Curso de Educação Física, para lotação no Núcleo de Atividade Física para a Terceira Idade – NUTI, Campus Poeta Torquato Neto, Teresina – PI, conforme Edital PREX/DAEC no 19/2021.

cronograma de entrevistas NUTI