Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

Egressas do curso de História publicam artigo em revista internacional

Por Anny Santos

Maria Clara Lima e Letícia Vasconcelos, egressas do curso de Licenciatura Plena em História da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Poeta Torquato Neto, em Teresina, publicam artigo “El origen de la extrema derecha y sus consecuencias en el contexto brasileño actual” em revista  internacional, no México, chamada Horizonte Histórico.

Maria Clara e Letícia Vasconcelos destacam o trabalho como resultado de um ensaio iniciado na disciplina de História Contemporânea II e, ao obterem nota máxima, decidiram transforma-lo em um artigo com o intuito de publicarem em revistas ou congressos.

 Letícia Vasconcelos e Maria Clara Lima

Letícia Vasconcelos e Maria Clara Lima

O artigoEl origen de la extrema derecha y sus consecuencias en el contexto brasileño actual” aborda a origem da extrema direita e suas consequências no contexto atual do Brasil, tendo em vista o momento político.

Letícia Vasconcelos relembra que ingressou na UESPI em 2017, juntamente com sua colega de pesquisa, e que tiveram professores que sempre as estimulavam para a pesquisa acadêmica. “A pesquisa científica é de extrema importância para todos os alunos da graduação, principalmente para quem almeja uma pós-graduação e quer crescer na academia. A área da História é bastante ampla e interdisciplinar, o que faz ser bem mais prazeroso, além de ser possível abordar diversos assuntos do passado e do mundo contemporâneo”, pontua Letícia.

Para Maria Clara Lima a pesquisa é importante por abordar aspectos que ligam o passado ao presente nesse cenário político. Segundo ela, o tema clareia características e particularidades da sociedade em que vivemos.

“A pesquisa, para mim, além de significar o exercício da minha profissão, também me traz o sentimento de compreensão sobre o meu país, meu Estado e cidade. Entender como éramos, porque somos e como estamos. Apesar de exaustiva, a pesquisa nos ensina a desvendar, investigar e descobrir informações, fatos ou até instigar mais perguntas e problemas. A UESPI abriu portas para a realização de pesquisas científicas através dos professores e seus incentivos, eventos e simpósios também realizados por eles”, finaliza.

Horizonte Histórico é uma revista semestral que é publicada duas vezes por ano, com início no ano de 2009, sendo um espaço no qual estudantes de diversas instituições de ensino superior podem publicar seus trabalhos acadêmicos, relacionados à história.

Confira o artigo

UESPI Parnaíba: curso de Agronomia desenvolve pesquisas relacionadas as culturas aceroleira e arrozeira

Por Anny Santos

Alunos do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Prof. Alexandre Alves de Oliveira em Parnaíba, desenvolvem pesquisas relacionadas as culturas aceroleira (Malphiguia emarginata DC.)  e arrozeira (Oriza sativa L.).

Os estudos se iniciaram como parte da disciplina de Grandes Culturas, ministrada pela professora Dra. Aurinete Daienn Borges do Val, e por meio de pesquisas dos demais professores do curso de Agronomia, também relacionadas as temáticas. Atualmente, estão sendo apresentadas em trabalhos de conclusão de curso (TCC) dos discentes envolvidos.

Ana Carolina Nascimento Teixeira, aluna do 10° período, destaca que a pesquisa, relacionada ao estudo da cultura do arroz, utilizou uma variedade tradicional, cultivado por pequenos agricultores, sendo esse arroz denominado (por esses produtores) como arroz “Cana Roxa”, que é cultivado em ecossistema de terras altas, conhecido também como cultivo em sequeiro.

Arrozeira (Oriza sativa L.)

Arrozeira (Oriza sativa L.)

“O estudo teve como objetivo avaliar as fenofases das plantas, ou seja, o seu ciclo, em função das condições ambientais do município de Parnaíba-PI. Acompanhamos todo o desenvolvimento das plantas, que iniciou com o plantio dessas sementes e encerrou com a colheita. A variedade apresentou uma boa adaptação ao ambiente de cultivo, e ao manejo adotado no experimento. O ciclo total foi de 114 dias, caracterizando então a variedade como de ciclo médio”, pontua a formanda.

Para Ivan Ribeiro, também aluno do 10° período, a pesquisa relacionada a cultura do arroz foi muito promissora, no sentido de permitir conhecer melhor sobre esse cereal que tem grande importância mundial. “Para mim esse estudo contribuiu muito enquanto acadêmica, por todo o conhecimento obtido ao longo do experimento. E para a comunidade externa, esse estudo irá contribuir para que os pequenos agricultores tenham conhecimento do potencial que essa variedade possui quando ao seu desempenho no campo, e a intenção é divulgar os resultados da pesquisa através de artigos em revistas nacionais”.

As avaliações com a cultura arrozeira contemplam a caracterização de variedades tradicionais utilizadas por pequenos produtores rurais da região do baixo Parnaíba. Já os estudos com a frutífera (acerolira) fornecem dados nas áreas de fitossanidade, fenologia e caracterização de plantas e pós-colheita dos frutos. Os ensaios foram conduzidos na Faculdade de Ciências Agrárias ou em pomares comerciais pertencentes a produtores colaboradores instalados no DITALPI.

Aceroleira (Malphiguia emarginata DC.)

Aceroleira (Malphiguia emarginata DC.)

Em relação a avaliação de genótipos de aceroleiras, o aluno Lucas dos Santos Oliveira do 8° período e bolsista PIBIC, avalia a adaptação das plantas, as condições (clima, temperatura, etc) de Parnaíba e caracteriza cada um desses genótipos (ao todo 11). Para ele, o projeto de pesquisa é essencial para qualquer estudante, seja ele de graduação ou não, pois através da pesquisa o individuo pode ter uma experiência real de como funciona a vida profissional, com todas as suas dificuldades e seus benefícios.

“O trabalho tem sido muito satisfatório, pois tenho aprendido bastante na prática, o que também pode ser considerado um incentivo para os discentes, já que aprender somente a teoria, as vezes, pode se tornar cansativo. Sem dúvidas, o que mais motiva é saber que todo o trabalho envolvido de certa forma terá retorno para a comunidade externa, já que o objetivo da pesquisa é encontrar formas de melhorar a produção, aumentando a mesma, e eliminar problemas como doenças, patógenos, etc. O incentivo a pesquisa deve ser cada vez maior, já que a educação é uma porta que pode sanar muitos problemas sociais presente na vida dos brasileiros”, finaliza Lucas Oliveira.

As atividades de pesquisa com a aceroleira executadas pela UESPI contam com a importante parceria de pesquisadores da Embrapa das unidades de Parnaíba, Teresina, Fortaleza e Petrolina que também executam atividades com a cultura no município parnaibano. Parte dos dados obtidos com acerolas foram divulgados pelos estudantes no último Simpósio de Fruticultura da Região Sul, que aconteceu no último mês de junho.

UESPI36ANOS: pesquisadores uespianos falam sobre o impacto social de seus estudos

Por Vitor Manoel

Em homenagem aos 36 anos da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), comemorado no dia 28 de julho, a Assessoria de Comunicação organizou uma série de reportagens especiais para celebrar a data, contando a história da universidade e dos personagens que a compõe. Nesta, destacaremos os projetos de pesquisas desenvolvidos através do PIBIC e PIBIT.

A UESPI compreende que o desenvolvimento da pesquisa, do ensino e da extensão deva se realizar de forma articulada, com a finalidade de produzir e divulgar o conhecimento através da produção científico-acadêmica nos campos técnico, científico e artístico-cultural, posicionando-se também como orientação e suporte às atividades de ensino e de extensão.

O Programa Institucional de Bolsas Científica (PIBIC) é um programa da UESPI, financiado em parte pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento (CNPq), que tem como principal objetivo fomentar a prática da Iniciação Científica nas Instituições de Ensino Superior. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico (PIBIT) estimula jovens do ensino superior nas atividades, conhecimentos e práticas que levem ao caminho do desenvolvimento tecnológico e da inovação.

Na UESPI, a abertura do edital para o envio de propostas de projetos pelos docentes acontece no início do ano, permitindo a submissão de até quatro projetos de pesquisa, sendo que cada um deles contempla um aluno. O discente que esteja interessado a concorrer ao programa deve se juntar a um professor, no qual já saiba com que tipo de pesquisa ele costuma trabalhar e que se identifique, formando, desse modo, uma parceria na construção da pesquisa.

 O processo segue com a avaliação classificatória do projeto que aplica 30% do peso a proposta, 60% a produção acadêmica do professor e 10% ao Coeficiente de Rendimento Acadêmico (CRA) do aluno. Os melhores classificados aparecem nas primeiras posições no ranking e tem a oportunidade de ganharem uma bolsa de 400 reais. Atualmente 79 bolsas são disponibilizadas via CNPq, 130 bolsas da UESPI e a novidade para 2022 é a participação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (FAPEPI), ofertando 25 bolsas, totalizando 234 projetos com bolsas para o aluno.

Para o Diretor do Departamento de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Gustavo Gusmão, e professor de Física, a produção de projetos de pesquisa é muito importante, pois permite a introdução dos discentes de graduação no caminho da pesquisa científica. “Para a UESPI e para outras universidades que ofertam esse programa, é primordial, pois faz parte do tripé desta Instituição fazer com que o aluno tenha uma formação de Ensino, Pesquisa e Extensão. Mesmo que ele não siga o caminho da pesquisa, todo o conhecimento adquirido durante esse processo o ajuda a criar uma bagagem que pode ser aproveitada independente do caminho em que ele seguir”, afirma.

Diretor do Departamento de Pesquisa da PROP, Gustavo Gusmão

Professores pesquisadores

Segundo o Professor Dr. Laécio Santos, pesquisador da área de Química, os alunos de iniciação científica conseguem adquirir todo o suporte necessário durante a construção do processo, adquirindo um grande aprendizado para projetos futuros. “A gente procura falar com os alunos, perguntar de que período eles são, eu prefiro trabalhar com os de quarto e quinto período que estão mais desenvolvidos em termos de conhecimento e que possam trabalhar com as complexidades da pesquisa. Especialmente na minha área onde você trabalha em laboratório requer muita dedicação, mas que é algo que vale muito a pena, porque a Iniciação Científica é a base fundamental para o avanço na carreira acadêmica e com outros professores”, explica.

Prof. Dr. Laécio Santos do curso de Química

O Prof. Dr. Cícero Niconili, do curso de Ciências Agronômicas, destaca que costuma estimular os alunos nos primeiros períodos sobre sua linha de pesquisa para que eles já possam se interessar em participar do projeto. “Tudo parte da iniciação científica, o senso de pesquisa, ele ver logo na graduação e até procura a sua área de interesse. Isso ajuda muito os alunos em projetos futuros de mestrado e doutorado que eles buscam”, relata.

Prof. Dr. Cícero Nicollini, do curso de Engenharia Agronômica

Alunos pesquisadores

O discente Joel Rodrigues, do curso de Bacharelado em Jornalismo está atualmente realizando uma pesquisa com a professora Sônia Carvalho, ele está em sua segunda participação no PIBIC e comenta que o aluno precisa tomar a iniciativa de buscar o professor para encontrar um projeto que goste e se identifique. Depois, o orientador passa todo o direcionamento da pesquisa, cronograma geral de entrega de relatório parcial e do relatório final, análise do material, coleta do material, dentre outros.

“Para mim, significa muito participar de um projeto de pesquisa, eu nunca entrei na Universidade, especialmente fazendo jornalismo sem ter um objetivo final, eu já queria de algum modo, me desenvolver dentro da academia e a pesquisa foi uma forma que encontrei de contribuir com temas que possam vir a serem discutidos pela sociedade, por isso minhas duas pesquisas feitas até agora envolvem temas sociais que é área de pesquisa que mais me identifico”, comenta o aluno.

Joel Rodrigues, aluno do 6º Bloco do curso de Bacharelado em Jornalismo

O estudante Vinicius Ribeiro do 8º Bloco do curso de Licenciatura Plena em Geografia, relata que está em sua segunda participação no programa, e que isso o ajudou a desenvolver de forma acadêmica. “O PIBIC me ajudou a desenvolver o sendo crítico, a desenvolver de forma técnica e científica determinados temas. O programa serve como auxiliador para o desenvolvimento de uma base sólida de capacitação na área científica”, finaliza o discente.

Vinicius Ribeiro, aluno do 8° Bloco do curso de Licenciatura em Geografia

O aluno Leandro Pessoa, do curso de Engenharia Agronômica do 7º período, destaca que no PIBIC existe a possibilidade da participação no evento anual (SPC/SIC – Simpósio de Produção Científica/Seminário de Iniciação Científica) para publicação dos resultados obtidos com a pesquisa em forma de resumo. “Eu gosto muito porque contribui para um conhecimento mais específico sobre o tema estudado, além de ampliar nossa rede de contatos profissionais. Temos uma familiaridade com o universo das publicações Científicas. É muito bom participar desse tipo de evento”, encerra o estudante.

Francinaldo Nunes, do curso de Engenharia Agronômica do 7º bloco, comenta que o PIBIC além de ser um complemento para o currículo acadêmico, é mais um grande aprendizado e uma experiência a mais. “Vem me ajudando na construção do meu TCC, pois o caminho é parecido especialmente na forma de escrever e isso nos dá conhecimento na hora de executar”, analisa o discente.

Projeto sobre educação inclusiva

A UESPI promove pesquisas voltadas ao âmbito da educação, entre elas está uma desenvolvidas pela professora Maria de Jesus do curso de Pedagogia na Universidade Estadual do Piauí que está com um projeto de pesquisa intitulado de “Políticas, formação de professores e os desafios das práticas da educação inclusiva: relatos de experiências e impasses da atuação profissional de egressos de pedagogia das universidades públicas de Teresina-PI” com a participação de cinco pesquisadores.

 A pesquisa está sendo organizada em três etapas, a primeira, consiste no levantamento teórico, bibliográfico e análise de dispositivos legais nacionais e locais sobre as políticas de inclusão educacional das pessoas público-alvo da educação especial, em conjunto com uma análise em comparação com as leis nacionais os Projetos Políticos Curriculares das instituições de ensino superior de Teresina-PI, os dois Campi da UESPI e o da UFPI, bem como os Planos das Secretárias Municipais e Estaduais.

Paralelamente, a pesquisa busca informações sobre os egressos dessas instituições do período de 2016 a 2019, para uma aplicação no questionário. A amostra da pesquisa de campo será feita a partir da definição de 10% da quantidade de alunos formados no período de 2016 a 2019, o que dará base ao conhecimento de quais desses egressos estão atuando com crianças público-alvo da educação especial no ensino regular em escolas públicas do Piauí. Na segunda etapa será realizado um levantamento e análise bibliográfica sobre a formação continuada em educação inclusiva de professores e na terceira será feito um levantamento acerca das práticas inclusivas com êxitos em escolas públicas experienciadas pelos sujeitos participantes da pesquisa.

“Pretende-se com o desenvolvimento dessa pesquisa a produção de artigos e livros, o desenvolvimento de atividades de extensão, tais como: palestras e cursos, divulgações em eventos científicos dos resultados, com o intuito de contribuir com a formação e informação de professores, profissionais de áreas afins e comunidade em geral. Com este estudo espera-se conhecer pontos necessários para intervenção na formação inicial e continuada de professores, dessa forma, buscar subsídios de complementação de um ensino de qualidade que contemple posteriores mudanças nas práticas pedagógicas nos espaços escolares de modo que as pessoas com deficiências possam ter um ensino mais inclusivo”, destaca a professora Maria de Jesus.

Este projeto se justifica pela necessidade de conhecer como os Cursos de Superiores de Pedagogia tem se organizado e contribuído para o processo do ensino inclusivo. Outro aspecto importante se refere a realização de outras pesquisas nesta área que possibilitarão o surgimento de estratégias didáticas e reflexões teóricas e práticas, importante a uma melhor condução do ensino inclusivo e um outro ponto que o projeto se propõe é contribuir na ampliação de produções bibliográficas na área da educação inclusiva em nosso Estado.

Para a professora Jesus, o objetivo geral é analisar a legislação e sua aplicabilidade na inclusão da pessoa público-alvo da educação especial, destacando a formação de professores e o desenvolvimento de práticas inclusivas em instituições educacionais públicas no Estado do Piauí.

 “Os objetivos específicos são: fazer o levantamento e análise dos dispositivos legais nacionais e no estado do Piauí referente a inclusão da pessoa público alvo da educação especial, conhecer e listar as boas práticas desenvolvidas acerca da educação inclusiva em escolas regulares, identificar os fatores que influenciam, positivamente e/ou negativamente, no desenvolvimento do ensino inclusivo em escolas regulares no Estado do Piauí, correlacionar os conhecimentos teóricos e práticos adquiridos nas academias com as práticas docentes versus os desafios da rotina da educação inclusiva de pessoas público-alvo da educação especial nas instituições de ensino piauienses”, encerra.

A Equipe de Pesquisa está constituída por membros do Grupo de Estudo em Educação Inclusiva e dos Processos de Desenvolvimento e Aprendizagem (GEEIDA), certificado pela UESPI. Para a discente Marcela Oliveira, formada em Pedagogia na Universidade Estadual do Piauí e estudante de pós graduação em Neuropsicopedagogia pela faculdade Malta e pesquisadora nesse projeto, participar de propostas vinculadas ao grupo de estudos GEEIDA, tem sido muito gratificante. Ela observa que cada vez mais vem percebendo como debater sobre as práticas pedagógicas são emergentes e ao mesmo tempo pouco dialogada.

“Muitos profissionais acabam enrijecendo sua prática por falta de continuação de estudos, pesquisas e debates. Ao dialogar sobre as ações que norteiam a vivência em sala de aula oportunizamos os profissionais a olharem para sua própria prática e refletir sobre ela. Minha relação com a professora Jesus não é só acadêmica, foi minha professora e orientadora de TCC. Hoje a considero como parte da minha família, seus conselhos, sua ajuda, sua parceira foram e são essenciais para a pessoa que tenho me tornado e estou me tornando”, finaliza.

Marcela Oliveira, pesquisadora no projeto

Amanda Letícia, pós-graduada em docência do Ensino Superior, destaca que a pesquisa apresenta vários pontos importantes a serem ressaltados para os estudantes, professores e pesquisadores. Pois, destacam desde a história da inclusão de forma geral, a educação, lutas e conquistas, na qual, constam documentos presentes na Constituição, a LDB e o PNE que ajudaram a consolidar a inclusão nas escolas até os dias atuais.

Segundo ela, como o pensamento tradicional foi se desconstruindo aos poucos, mas também, como as práticas educacionais tornaram-se mais dinâmicas, adaptáveis e eficientes com o passar dos anos. Nesta pesquisa buscou-se compreender o papel do docente em suas ações e aprofundamentos diante da sua formação e na continuação dos estudos e saberes voltados para esse público alvo, juntamente, com as diretrizes curriculares da formação docente nas Universidades públicas de Teresina – UFPI e UESPI -.

“Fazer parte dessa pesquisa é de grande enriquecimento pessoal e profissional como professora e pesquisadora. Aborda uma temática muito gratificante de ser estudada, porque é um trabalho que está sendo feito/pensado minuciosamente com todo cuidado e atenção para os futuros leitores. A cada escrita e reunião é um novo aprendizado, ainda mais, com o auxílio da professora, Maria de Jesus, que nos dar todo o suporte, apoio e material necessário para o andamento da pesquisa. Além disso, é uma grande inspiração para mim como pedagoga e escritora”, encerra.

Amanda Letícia, pesquisadora no projeto

Para o pesquisador Francisco Fernando essa pauta é muito importante, pois trata de uma realidade do Estado que nem todos conhecem. “Esse tema me chamou, pois se trata de como a educação especial é vista e tratada no nosso Estado, em como muitas dessas escolas não tem uma estrutura completa para poder contemplá-las esses estudantes”.

Durante os seus 36 anos, a UESPI formou e fomentou pesquisas. Atualmente, contamos com 234 bolsas de incentivo à pesquisa transformando a educação e inovação no Piaui.

NUFPERPI desenvolve Sistema de Controle e Monitoramento de Bombeamento Solar

Por Anny Santos

Com o intuito de levar água de nascentes ou poços para reservatórios das localidades interioranas, onde existe o déficit desse recurso, o Núcleo de Formação e Pesquisa em Energias Renováveis e Telecomunicações do Piauí (NUFPERPI) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), realiza pesquisa “Desenvolvimento de Sistema de Controle e Monitoramento de Bombeamento Solar”.

Central de monitoramento e acionamento da bomba, considerado o cérebro do sistema.

Central de monitoramento e acionamento da bomba, considerado o cérebro do sistema.

O sistema em desenvolvimento opera por meio da tecnologia SMS (telefonia móvel) para promover a comunicação entre o equipamento de bombeamento de água e usuário através do celular. Por meio dos sistemas de sensores de monitoramento integrados ao projeto desenvolvido é possível realizar o controle do equipamento.

Segundo o Prof. Juan de Aguiar, Orientador da pesquisa e Coordenador do Núcleo, o sistema de telesupervisão e telecomando de bombeamento solar, utilizando rede móvel, é oriundo da iniciativa de suprir a necessidade das comunidades em monitorar o sistema de bombeamento. “Uma das grandes vantagens desse sistema é a capacidade de fazer o monitoramento sem estar presente no local onde o bombeamento será implementado. Com o sistema você poder ter o sinal, o comando e as informações sem precisar realizar esse deslocamento”.

Simulação de como seria o funcionamento do projeto, sendo um recipiente simulador de um reservatório de água.

Simulação de como seria o funcionamento do projeto, sendo um recipiente simulador de um reservatório de água.

Por intermédio de um sistema de geração energético solar é possível realizar a captação de água poupando gastos com energia e o deslocamento dos moradores até as regiões de captação que, muitas vezes, é distante e desgastante, assim é realizado o monitoramento dos reservatórios locais mensurando o nível de água com base nessas informações.

Glenerson Vieira, pesquisador e aluno do 7° bloco de Engenharia Elétrica, bolsista PIBIC-UESPI 2022-2023, destaca que o desenvolvimento de um projeto é um processo árduo e exige muita dedicação, principalmente quando se pretende inovar trazendo algum tipo de melhoria ou solucionando problemas da proposta envolvida no projeto.

“A minha experiência com esse projeto tem se resumido em um desafio onde é necessário solucionar uma problemática social e tornar o mais acessível possível e para alcançar esses objetivos é necessário muito empenho e, fundamentalmente, pesquisas nas diversas áreas onde esse projeto engloba seja no sistema de bombeamento, telecomunicações até mesmo a comunidade que irá se beneficiar. Dessa forma, é que se evidencia a importância de um projeto de pesquisa pois é pensado de que forma eu posso solucionar algum tipo de problemática e os meios necessários para resolução disso”, ressalta o discente.

Através do sistema é possível realizar o acionamento ou desacionamento da bomba de agua, além disso o usuário pode realizar o comando para o equipamento por meio de um simples SMS. Outra vantagem do projeto é promover a produção de culturas nessas localidades interioranas, uma vez que é suprido a necessidade de água e também pode ser realizado a automação de irrigação.

Discente de mestrado desenvolve pesquisa com alunos da UNATI

Por Mateus Rufino

Conceição Magalhães é graduada em letras português pela Universidade Federal do Piauí, e atualmente, está desenvolvendo uma pesquisa de mestrado na área de linguística com os alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI), na Universidade Estadual do Piauí.
O objetivo geral é investigar as práticas sociais de leitura e escrita de idosos, evidenciadas em suas narrativas autobiográficas.

Conceição Magalhães, mestranda em linguística

O projeto tem como título “Práticas sociais e letramento: leitura e escrita em narrativas autobiográficas de idosos” e será realizado em duas etapas. A primeira será feita um roteiro semiestruturado, junto com a assinatura do termo de consentimento e entrevistas com os idosos, a fim de que saibam como e de que forma funcionará a pesquisa.
Por conseguinte, a segunda e última etapa ocorrerá a produção de um caderno com as narrativas sobre leitura e escrita de cada um. A pesquisa ocorrerá em dias e horários das aulas da UNATI conforme orientação da coordenação. A discente fará o estudo com uma amostragem de 10 idosos, aplicando um questionário sobre a história de vida deles.

Banner do projeto

Dulcileide Santos, aluna que participará do projeto, se mostra interessada e relata o quão enriquecedor será a pesquisa para si mesma. “Eu sei ler e escrever, fiz até o quinto ano do ensino fundamental, e esse estudo é importante para trazer de volta esse conhecimento que há muito tempo foi adquirido” conta ela.
Começou Magalhães diz que os idosos estão muito empenhados. “Eles têm interesse em participar, se mostram muito entusiasmados e se dispõem de participar de tudo que o projeto proporcionar. Estou esperando bons resultados”, finaliza ela.

#ContaPraGente: aluno explica como é possível simular anomalias sanguíneas através de cálculos matemáticos

Por Liane Cardoso

Na próxima quarta-feira (11) acontece mais uma live do quadro #ContaPraGente. O aluno Vinicius Marques, estudante do 8º período do curso de Ciências da Computação, da Universidade Estadual do Piauí, contará sua experiência com o trabalho que desenvolve: identificação de anomalias sanguíneas através de cálculos matemáticos.

O projeto começou a ser desenvolvido nesse ano e conta com a orientação do professor Pitágoras Pinheiro e com a colaboração do acadêmico Marcos Vinicius de Oliveira. O trabalho do grupo consiste em simular fenômenos sanguíneos do ponto de vista matemático, médico e computacional, sem a necessidade de intervir diretamente nos pacientes.

A partir de imagens médicas obtidas por meio de softwares, são construídas malhas matemáticas que permitem visualizar a simulação de fluidos. “Com isso também conseguimos simular diversas situações presentes no meio médico, além de possibilitar diversos cálculos para prever, por meio da malha gerada, alguns tipos de problemas de saúde”, relatou Vinicius.

Na live, o estudante detalhará como o projeto é desenvolvido, quais são os recursos utilizados e em que se baseiam seus estudos. A transmissão acontecerá no canal do Youtube da UESPI Oficial a partir das 13h.

Pesquisa: saiba quais são os hábitos que podem afetar qualidade do sono dos estudantes

Por Liane Cardoso

Aumentar o ritmo de estudos e intensificar a rotina de leituras faz parte da vida acadêmica durante o andamento do período letivo. Contudo, esse esforço, quando mal administrado pode afetar a qualidade de vida dos discentes. Para analisar questões como essa, o acadêmico de Fisioterapia da Universidade Estadual do Piauí, Wesley Macedo, desenvolveu um estudo sobre a qualidade do sono dos universitários da UESPI.

O trabalho foi realizado através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC 2020-2021) e contou com orientação da professora Daisy Satomi, docente do curso de Fisioterapia e presidente da Liga do Sono da UESPI. Os dados da pesquisa foram coletados durante o recesso acadêmico – pausa das atividades da UESPI em virtude da Pandemia da COVID-19 – e o período 2020.1, que iniciou em janeiro deste ano.

De acordo com Wesley Macedo, na comparação do recesso acadêmico com o quinto período (2020.1) de estudantes da área de humanas, exatas e natureza da UESPI, o quesito qualidade de vida obteve um score razoável – 61 no recesso e 56 no período 2020.1.

Os pesquisadores também conseguiram identificar facetas positivas e negativas que influenciaram na qualidade do sono durante os dois períodos analisados. Mobilidade, autoestima, novas informações e habilidades foram características positivas destacada pelos alunos. Fatores como desconforto, dor e dependência de medicação também foram constatados no estudo.

O acadêmico de fisioterapia destaca ainda que a qualidade do sono está diretamente associada a fatores como: alimentos e bebidas ingeridas antes do período de repouso, uso de equipamentos eletrônicos (tablets, notebooks e celulares) antes de dormir e a perda de sono por atividades acadêmicas, sejam atividades obrigatórias ou extracurriculares.

“A carga horária do período letivo não influenciou diretamente na qualidade do sono, pois os níveis de sonolência foram semelhantes em ambos os períodos”, pontuou o aluno. Nesse ponto, ele enfatiza que a organização pessoal é fundamental para um repouso adequado.

A orientadora da proposta esclarece que para uma boa noite de sono, é necessário ter bons hábitos noturnos e diurnos, pois cada ação se complementa e têm repercussões no corpo e na mente. Confira a seguir alguns hábitos que a Prof.ª Daisy Satomi destacou e que podem contribuir para a melhoria do sono.

À noite: é bom evitar qualquer ação que seja estimulante, exemplos:

1. Luzes (celular, computador, televisão), pois a luz estimula o núcleo supraquiasmático e suprime a produção da melatonina, o hormônio do sono;

2. Cafeína (café, energéticos, refrigerantes escuros).

Durante o dia: é bom ter hábitos saudáveis, pois isso ajuda a qualidade do sono, exemplos:

1. Atividade física pela manhã ou início da tarde, evitar o período noturno, pois a adrenalina é estimulante e prejudica o sono;
2. Expor-se à luz do sol, principalmente pela manhã, isso regula o nosso relógio biológico;
3. Adotar rotinas, o nosso organismo trabalha muito melhor com rotinas, ter horário para levantar, dormir e para alimentar-se.

Conheça também a cartilha do sono elaborada pelos pesquisadores durante a produção do projeto.

 

 

#ContaPraGente: aluno explica como é possível simular estruturas vasculares através de cálculos matemáticos

Por Liane Cardoso

Na próxima quarta-feira (11) acontece mais uma live do quadro #ContaPraGente. O aluno Vinicius Marques, estudante do 8º período do curso de Ciências da Computação, da Universidade Estadual do Piauí, contará sua experiência com o trabalho que desenvolve: identificação de anomalias sanguíneas através de cálculos matemáticos.

O projeto começou a ser desenvolvido nesse ano e conta com a orientação do professor Pitágoras Pinheiro e com a colaboração do acadêmico Marcos Vinicius de Oliveira. O trabalho do grupo consiste em simular fenômenos sanguíneos do ponto de vista matemático, médico e computacional, sem a necessidade de intervir diretamente nos pacientes.

A partir de imagens médicas obtidas por meio de softwares, são construídas malhas matemáticas que permitem visualizar a simulação de fluidos. “Com isso também conseguimos simular diversas situações presentes no meio médico, além de possibilitar diversos cálculos para prever, por meio da malha gerada, alguns tipos de problemas de saúde”, relatou Vinicius.

Na live, o estudante detalhará como o projeto é desenvolvido, quais são os recursos utilizados e em que se baseiam seus estudos. A transmissão acontecerá no canal do Youtube da UESPI Oficial a partir das 13h.

UniverCiência: Pesquisas sobre moléculas do Jaborandi e Buriti com capacidade de inibir a Covid-19 são destaques no programa

Por Arnaldo Alves

O programa Univerciência exibe neste sábado às 14h30, na TV Antares, e na segunda-feira, às 10h, no canal da Uespioficial, as pesquisas da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) sobre as moléculas do Jaborandi e do Buriti com capacidades de inibição da Covid-19.

Responsável por identificar as moléculas presentes no Jaborandi e Buriti, o coordenador do Grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos da UESPI, Dr. Francisco das Chagas Alves Lima, destaca que o Univerciência surge para valorizar e divulgar o trabalho desenvolvido nas universidades públicas do Nordeste, além de aproximar a população com a sociedade científica e acadêmica. “É importantíssimo mostrar para o povo o trabalho que dia após dias é desenvolvido por grandes pesquisadores do Nordeste. Ter dois trabalhos da minha equipe valorizados é motivo de muita honra”, agradece.

Ele conta que neste momento as moléculas do Jaborandi estão na linha de testes in vitro no Instituto Butantan. “Nós também estamos aguardando as moléculas do Buriti chegarem dos Estados Unidos para que seja iniciado os testes in vitro”, disse.

Na matéria do 12ª episódio do Univerciência participam o professores e seus orientandos: Allan Costa, Ézio Sá, Janilzon Souza.

O programa

O Univerciência é um programa brasileiro de TV aberta e internet, produzido em parceria com universidades públicas e TVs públicas nordestinas, com foco em ampliar a divulgação de descobertos científicas.

Nessa primeira temporada estão sendo exibidos 15 programas de 26 minutos, que trazem resultados do conhecimento e saberes nas universidades na relação com o cotidiano da população nordestina.

Os programas podem ser assistidos em diferentes dias e horários nas diversas emissoras, que juntas alcançam cerca de 40 milhões de pessoas em 10 estados brasileiros, sendo o conteúdo disponibilizado semanalmente nos canais na internet por cada TV e universidades participantes.

#ContaPraGente: estudantes analisam séries da Netflix a partir da crítica literária

Nesta quarta-feira (04), aconteceu mais uma live do quadro #ContaPraGente no canal do Youtube UESPI Oficial.

Estudantes do curso de Inglês da Universidade Estadual do Piauí, campus Parnaíba, participaram da transmissão e explicaram sobre as pesquisas científicas que desenvolveram a partir de séries da Netflix.

Vitor Hugo Sousa Oliveira, Hellen Pereira Silva e Lays Christine Santos, são os três discentes que estiveram na Live. No início, os acadêmicos apresentaram seus trabalhos e mostraram imagens das séries analisadas, destacando também as principais teorias que nortearam seus estudos.

A transmissão teve início às 13h no Youtube

Os alunos também incentivaram o desenvolvimento de pesquisas nessa área, pois é um campo vasto para a crítica literária. “Quando assistirem a uma série ou filme, olhem para além das cenas e dos textos, e vejam a problemática que existe ali”, pontuou Vitor Hugo no final da Live.

Assista a Live completa no canal do Youtube da UESPI Oficial.

Inscrições prorrogadas: Núcleo da UESPI realiza evento sobre produção científica nesta sexta-feira (30)

Por Arnaldo Alves

O Núcleo de Estudos Constitucionais da Universidade Estadual do Piauí (NEC/UESPI), campus de Picos, realiza o evento “Evolução Acadêmica Através da Produção Científica”, nesta sexta-feira (30), às 19h, via YouTube.

De acordo com um dos coordenadores do NEC e professor do curso de Direito da Uespi, Hamurabi Siqueira Gomes, o encontro tem como objetivo oferecer aos discentes e comunidade em geral um momento para debater e elucidar os pontos importantes na produção de trabalhos acadêmicos, demonstrando a importância e as possibilidades de evolução acadêmica através da produção científica.

“Um dos objetivos do NEC é estimular os nossos alunos do curso de Direito a produzirem cientificamente. Então, o compartilhamento da experiência e do conhecimento de uma pessoa como a professora Suzana Russo é de grande valia para alcance desse objetivo. A professora Suzana tem grande respaldo na comunidade científica. É doutora, possui pós-doutorado nos EUA, é professora aposentada pela Universidade Federal de Sergipe, é professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação (mestrado e doutorado) em Propriedade Intelectual da UFS e ministra diversos cursos na área da produção científica. Então, com certeza, será uma ótima oportunidade para os nossos alunos e comunidade em geral”, explica.

Inscrições

As inscrições encerram hoje (29), às 17h. Os interessados devem preencher o formulário de inscrição do evento.

#UESPI35ANOS: Professores e alunos da UESPI se destacam no desenvolvimento de pesquisas

Por Liane Cardoso

A pesquisa científica é um dos três principais pilares da Universidade Estadual do Piauí. Desde 2020, alunos e professores da UESPI realizam suas pesquisas enfrentando as restrições impostas pela pandemia da COVID-19. Nesse cenário, a produção acadêmica faz-se mais necessária ainda, pois visa atender as demandas da sociedade.

“A pesquisa tem um papel muito importante para o estado e para a sociedade em geral, pois devolve, através dos resultados das pesquisas, novas tecnologias e serviços aperfeiçoados”, comentou o Professor Franklin Oliveira, diretor do departamento de Pesquisa PROP/UESPI.

O empenho dos pesquisadores pode ser comprovado através do número de pesquisas em desenvolvimento: 442 pesquisas através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC – 2020/2021) e 14 produções por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI – 2020/2021). Além desses programas, a UESPI também conta com 309 grupos de pesquisas coordenados pelos docentes da instituição.

Pesquisas

O estudante Wanderson Carvalho, discente do curso de Odontologia no campus de Parnaíba, teve seu trabalho aceito pela Revista da Associação Brasileira de Ensino Odontológico – Rev ABENO -, considerada um periódico de grande prestígio nacional. Seu artigo, intitulado “Adaptação e Produção Acadêmica em tempos de Distanciamento Social: Relato de Experiência“, é uma descrição sobre as experiências que obteve nas atividades curriculares e produções acadêmicas durante o ano de 2020. “Descrevi neste artigo sobre os eventos científicos que participei, as apresentações de trabalhos, os Webinários nacionais e internacionais, cursos EaD, submissão e publicação de artigos dentro de meu âmbito de estudo, a Odontologia”, detalhou o aluno sobre o trabalho.

Wanderson durante a apresentação de um trabalho acadêmico

Outra pesquisa de destaque é a do grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos, coordenado pelo professor Francisco das Chagas, que identificou substancias no Buriti e no Jaborandi com capacidade de inibir a Covid-19. O estudo teve destaque até mesmo no Japão e na Ucrânia, onde inclusive, no mês de agosto irá apresentar sua proposta.

Em Junho deste ano, docentes e discentes do curso de Agronomia, campus Uruçuí, lançaram um compilado de suas pesquisas e estudos apresentados no I EXPOJUR – Extensão e Pesquisa Junto ao Produtor: Semeando o conhecimento em campo. O conhecimento científico dos pesquisadores foi transformado em instruções práticas para orientar produtores e agrônomos em diversos segmentos da agricultura.

“O livro apresenta os resultados de nossas pesquisas e também as experiências dos nossos alunos”, destacou a professora Marlei Rosa dos Santos. O ebook está disponível para download no site da editora da UESPI.

EdUESPI

Assim como o Livro de Anais publicado pelos pesquisadores de Agronomia, desde que foi inaugurada a Editora da UESPI já lançou diversas obras. Por isso é importante destacarmos a contribuição da EdUESPI nas produções científicas, visto que muitos trabalhos acadêmicos ganham visibilidade através dela.

Confira as publicações no site da Editora

Lives e Podcast

A Assessoria de Comunicação da UESPI realiza um quadro de Lives, intitulado de #ContaPraGente, semanalmente no canal do Youtube UESPI Oficial. A proposta visa apresentar os diversos projetos dos alunos para a comunidade acadêmica e também para o público externo. Desde fevereiro, vários uespianos já contaram sobre suas produções e, através disso, ganharam mais visibilidade na sociedade.

Letícia Braz participou de uma edição do #ContaPraGente e apresentou seu Trabalho de Conclusão de Curso sobre o Mapeamento de Homicídios em Teresina. “Depois da Live, várias emissoras de TV entraram em contato, dizendo que assistiram a transmissão e pediram para realizar entrevistas comigo sobre o assunto”, relatou a aluna entusiasmada com a repercussão do seu projeto.

A live aconteceu no mês de maio

A Ascom também produz o Uespi Podcast e em seu episódio #42 destacou a Produção de pesquisas em tempos de Pandemia. O entrevistado foi o Professor Franklin Oliveira, diretor do departamento de Pesquisa PROP/UESPI.

 

Pesquisadores da UESPI, UFPI e IFPI desenvolvem software sobre transplante de órgãos e são indicados para receber premiação internacional

Por Arnaldo Alves

Pesquisadores da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Instituto Federal do Piauí (IFPI) foram indicados pelo Comitê Editorial do periódico científico Human Imunology, a sessão de prêmios do Congresso Anual Americano de Histocompatibilidade (ASHI) de 2021 em Orlando – Estados Unidos.

A indicação foi feita graças a importância e ao grande número de visualizações e citações de uma pesquisa sobre transplante de órgãos, publicada na revista científica Human Imunolog.

Entenda do que se trata a pesquisa:

Para que seja possível realizar um transplante de órgãos é necessário que antes seja feito uma série de exames, que demostram se determinado órgão será rejeitado ou não pela pessoa na fila de espera. O software criado por pesquisadores das três maiores instituições de Ensino Superior público do Piauí demonstra com mais precisão a compatibilidade entre doador e receptor.

O estudo consiste em um banco de dados gratuito de estruturas 3D de moléculas HLA classe I e classe II, que servem de auxílio para que a comunidade de imunologistas e imunogeneticistas tomem decisões com o intuito de diminuir o risco de rejeição no processo de transplante de órgãos.

A equipe de profissionais

A indicação é fruto da pesquisa desenvolvida por Deylane Menezes Teles, sob orientação dos professores Adalberto Socorro da Silva e Semiramis Jamil Hadad do Monte, do doutorado em Biotecnologia – RENORBIO da UFPI.

O coordenador do Grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos da UESPI, Francisco das Chagas Alves Lima, é o representante da UESPI na pesquisa. Segundo ele, a equipe envolvida no trabalho conta com médicos, químicos, biólogos e cientistas da computação.

“Esse projeto é uma grande contribuição científica das três maiores instituições de Ensino Superior do Piauí. A equipe foi liderada pelo professor Adalberto e pela professora Serimaris, que nos convidaram para unir esforços e desenvolver esse importante trabalho para área de doação de órgãos, podendo dessa forma salvar várias vidas a espera de um transplante”, destacou o docente.

Professor do curso de Química da UESPI, Francisco das Chagas Alves Lima

Além do do Grupo de Química Quântica Computacional e Planejamento de Fármacos, participam da ação integrantes do Laboratório de Imunogenética e Biologia Molecular (LIB-UFPI) e do Laboratório de Pesquisa em Sistemas de Informação (LaPeSI-IFPI).

Comunicado do Comitê de Ética em Pesquisa da UESPI

O Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) informa que devido à instabilidade na Plataforma Brasil não está realizando as reuniões semanais de relatórios.
O CONEP – Conselho Nacional de Ética em Pesquisa já se posicionou sobre o problema, que começou ainda no dia 03 de julho quando tentaram fazer uma atualização na Plataforma. A entidade está trabalhando para normalizar as ações online para o cadastramento de protocolo de pesquisa que envolvem seres humanos.

UESPI tem pesquisas científicas sendo realizadas em parceria com a Fiocruz

Colaboração: Yasmim Cunha / Orientação: Profa  Sammara Jericó

O reitor da UESPI, professor Evandro Alberto, visitou, nesta terça-feira (06) ,a estrutura da unidade do antigo Colégio Amazonas, onde hoje funciona o Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) da UESPI em que há laboratórios de vários cursos: educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia e fisioterapia. Os cursos mantêm as suas unidades laboratoriais de pesquisa no colégio porque a estrutura do local conta com diversos espaços específicos para a realização de pesquisas científicas, algumas dessas pesquisas têm parceria com a Fiocruz e outras instituições e são reconhecidas nacionalmente.

O reitor e integrantes da Adm. Superior estiveram Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) da UESPI

‘’Nós fomos conhecer de perto o funcionamento do núcleo e como eles atuam. Ficamos bastante satisfeitos com o que vimos, o núcleo está muito bem preparado e tem nos dado bons resultados para sobretudo na questão das pesquisas, além de fazer uma boa interpelação com outras instituições de forma que as pesquisas têm avançado muito e merece uma atenção e destaque especial, já que abrange tantas áreas do conhecimento e, principalmente, por realizar ali belíssimos trabalhos, que resultam em artigos científicos, dissertações e teses. Isso contribui muito para ampliar o papel da ciência na nossa universidade’’, contou o reitor e sua equipe da Administração Superior.

A visita foi importante para o NPBio, pois os professores e alunos puderam expressar suas experiências relacionadas aos projetos que desenvolvem, bem como aproximar a Administração Superior com o que é desenvolvido no núcleo de pesquisa.

O reitor parabenizou os docentes e todos que fazem parte das atividades no Núcleo e reafirmou seu compromisso com a pesquisa na UESPI

O Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) tem pesquisas sendo desenvolvidas em parceria com a Fiocruz. A professora Simone Mousinho Freire que é doutora em Ciência Animal e egressa da Universidade Estadual do Piauí explica como funciona essa parceria e reforça a importância de linhas de pesquisa com a de medicina tropical: “Alguns trabalhos nós fizemos anteriormente enquanto eu era coorientadora dos alunos de mestrado em medicina tropical da Fiocruz. Como esses alunos já concluíram o mestrado, hoje em dia a parceria com a Fiocruz no meu laboratório ocorre de forma colaborativa.  Como não posso ser mais orientadora, os pesquisadores utilizam o meu material e o espaço do meu laboratório para fazer as coletas para o desenvolvimento das pesquisas dos doutorados deles”.

A professora hoje colabora com quatro doutorandos que estão com trabalhos sendo desenvolvidos com foco na doença de Chagas e leishmaniose. Um grupo de alunos trabalha com triatomíneos, outro com flebotomíneos. Ambos utilizam o laboratório de forma geral, os equipamentos, os reagentes e assim desenvolvem a parte prática da pesquisa deles. “Sempre que precisamos de material, como os reagentes, a Fiocruz fornece, uma forma de simplificar a vida dos alunos, já que em outro viés, eles teriam de ir para o Rio de Janeiro fazer o trabalho deles, as coletas e tudo mais. Com essa parceira, nós tornamos a pesquisa possível, já que para alguns desses alunos a viagem era inviável, principalmente por questões financeiras. Os projetos deles foram desenvolvidos para serem feitos aqui no Piauí ou no Maranhão tomando como base o meu laboratório, sendo ele o polo de desenvolvimento da parte prática dos experimentos dos alunos”, disse a docente.

Atualmente a professora colabora com quatro anos alunos da Fiocruz, nas linhas de pesquisa já citadas, como medicina tropical. Além disso, ela afirmou estar colaborando também com um aluno da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG que trabalha com esquistossomose.  O aluno fará as coletas em Picos, além das análises, também será fornecido a mão de obra que será feita através de alunos do PIBIC, que ainda estão na graduação e irão colaborar com o projeto para auxiliar nesse processo do doutorado.

O núcelo tem laboratórios dos cursos de educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia, fisioterapia.

O núcleo tem laboratórios dos cursos de educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia, fisioterapia

A estrutura dos laboratórios 

O Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia e Biodiversidade (NPBio) tem uma ampla estrutura de laboratórios de pesquisa e atende alunos de graduação da UESPI, bem como os de pós-graduação desta IES e de outras parceiras. Há também uma sala para a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) e para atender às pesquisas o núcleo conta com o Biotério, uma estrutura que abriga os animais usados nos projetos de pesquisa.

Diversos professores e pesquisadores utilizam a estrutura do NPBio para a orientação e a realização dos projetos de pesquisa científica, principalmente os da graduação que estão realizando a iniciação científica, o PIBIC. Dentre os professores participantes estão: Fabrício Pires de Moura do Amaral, Samylla Miranda Monte Muniz e Pedro Marcos de Almeida, ambos da área de ciências da saúde, a professora Simone Mousinho Freire da área de ciências biológicas e o professor Cícero Nicoline da área de ciências agrárias e muitos outros de diversas áreas.

O Núcleo conta atualmente com os seguintes laboratórios: Laboratório de Cirurgia Experimental, Dor e Inflamação, Motricidade, Parasitologia e Zoologia, Microbiologia de Solos e Plantas, Laboratório de Biologia, e o Laboratório de Biologia molecular e de Estudo de Injúrias Biológicas (LABMINBIO) que realizou o estudo genético do Cajueiro, que foi considerado ser o maior Cajueiro do mundo, ele fica localizado no município de Cajueiro da praia, no litoral do Piauí.

O NPBio dispõe de diversas parcerias, dentre elas estão: FIOCRUZ, IFPI, UFPI, Universidade Brasil, UNIVAP, UFMG e muitas outras. Atualmente o Núcleo realiza pesquisas como: Desenvolvimento de produtos fitoterápicos com extratos vegetais que têm atuação sobre dor, depressão, inflamação, cicatrização de feridas e diabetes; Desenvolvimento de bioprodutos como membranas biológicas e biopolímeros para serem utilizados como enxertos nos processos de cicatrização e reparação óssea.

Pesquisas com Doença de Chagas e Esquistossomose; Pesquisas com ênfase em Fitopatologia, resistência de fungos a fungicidas e virologia vegetal; Pesquisas em genética e genética toxicológica; Desenvolvimento de fármaco a base do flavonoide crisina.

 

Grupo de Estudos em Energias Renováveis e Tecnologias em Catálise realiza pesquisas, minicursos e podcast nas redes sociais

Por Arnaldo Alves

O Grupo de Estudos em Energias Renováveis e Tecnologias em Catálise (GrEEnTeC), da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Poeta Torquato Neto – Teresina, realiza uma série de atividades sob coordenação dos professores doutores Geraldo Luz, Laécio Cavalcante e Reginaldo Santos.

As atividades envolvem elaboração de pesquisas, minicursos e podcast, produzidos por alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado.

De acordo com um dos coordenadores da ação, professor Geraldo Luz, o objetivo do podcast – divulgado no YouTube e Instagram do GrEEnTeC – é potencializar a divulgação das pesquisas realizadas pelo Grupo.

“O GrEEnTeC da Uespi desenvolve pesquisas com óxidos semicondutores voltadas à degradação de macromoléculas poluentes (corantes, herbicidas, antibióticos, hormônios) por processos foto e fotoeletrocatalíticos, bem como para conversão de energia solar. Além das pesquisas e do podcast, o GrEEnTeC vem realizando uma série de minicursos sobre técnicas de análise e caracterização de óxidos semicondutores, que são abertos ao público e disponibilizados no canal do YouTube do Grupo“, explica o docente.

Confira o podcast feito em parceira com o Pet Química:

Aline Brandão, egressa do curso de Química da UESPI, é uma das participantes do GrEEnTeC. A doutoranda foi a responsável por ministrar o minicurso de caracterização fotoeletroquímica de óxidos semicondutores. Segundo ela, trata-se do estudo de óxidos semicondutores suportados na forma de filme para aplicações em conversão de energia solar.

“Foi discutido um pouco das possíveis aplicações e as caracterizações fotoeletroquímicas realizadas no desenvolvimento desses dispositivos. O GrEEnTeC faz parte do meu crescimento profissional como pesquisadora. Nesse grupo de pesquisa desenvolvi minha iniciação científica, mestrado e atualmente desenvolvo o doutorado. Fico muito feliz em ver o crescimento do grupo ao longo desses anos. Além disso, essa prática de atividades abre possibilidades de fazer parcerias com outros grupos que trabalhem na mesma linha de pesquisa”, ressalta Aline.

Aline Brandão é formada no curso de Química da UESPI desde 2014

Aline Brandão é formada no curso de Química da UESPI desde 2014

Os próximos episódios de podcast serão sobre as pesquisas específicas dos discentes.

Para mais informações veja o Instagram do GrEEnTeC.

Workshop sobre bolsa de produtividade em pesquisa foi destaque hoje na UESPI

Colaboração: Yasmim Cunha / Orientação: Profa  Sammara Jericó

A PROP – Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Piauí realizou, na manhã desta terça-feira , o Workshop das Chamadas do CNPq de Bolsa de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora – DT (Nº003/2021) e da Bolsa de Produtividade em Pesquisa – PQ (Nº 004/2021) pelo canal do YouTube da UESPI. 

O reitor destacou a importância da pesquisa para a UESPI e para a sociedade

No evento foram abordados os seguintes temas:  os critérios de elegibilidade e execução dos projetos das bolsas de produtividade (PQ/DT), os relatos de execução de pesquisas financiadas com os fomentos CNPq, como funcionam as submissões das propostas integradas na plataforma Carlos Chagas – PQ/DT, o potencial do projeto para a produção tecnológica e a inovação – DT todos com objetivo de estimular a produção do conhecimento científico.

Além da Pró-Reitora da PROP, Professores Dra. Ailma do Nascimento, e do Reitor, Prof. Doutor Evandro Alberto,   os professores  Doutores Geraldo Eduardo, Pró-reitor Adjunto da Prad – Pró-reitoria de Administração,  Laécio Santos Cavalcante,Vanessa Nunes, que é Diretora do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) e a Profa. Bárbara Olímpia.  Todos relataram suas experiências enquanto pesquisadores e reforçaram a importância da ciência, da divulgação científica e do conhecimento para a sociedade. 

‘’Esse evento vai de encontro das políticas de incentivo a pesquisa na nossa UESPI, que tem como papel estimular a produção do conhecimento científico a cultura e a inovação tecnológica’’, afirmou a Profa. Ailma.

Na última edição de chamadas do CNPq para bolsistas de produtividade a UESPI teve doze professores com o mérito científico reconhecido, apesar dos cortes nos gastos de fomento e incentivo a pesquisa ficaram de fora na concessão das bolsas, porém os números já falam por si, o número de professores já é representativo, endossa e fortalece o avanço da pesquisa dentro da instituição, complementou a Pró-reitora.

O Workshop foi um espaço de discussão, esclarecimento e explicação e, principalmente, incentivar os docentes da UESPI de todas as áreas a submeterem projetos de pesquisa aos editais que estão aberto. A professora Vanessa Nunes, que é diretora do Núcleo de Inovação da UESPI, reforçou que promover o empreendedorismo científico é uma das missões das universidades e é a partir da divulgação desses editais que têm com foco o desenvolvimento tecnológico e a extensão inovadora que essa cultura é fomentada.

A Coordenadora do NIT destacou o empreendedorismo na universidade

‘’Essa é uma oportunidade NIT e PROP atuarem em conjunto, serem parceiros no sentido de fomentar a cultura do empreendedorismo científico e da inovação, bem como a questão da gestão da propriedade intelectual que serão objetos e produtos dos professores, pesquisadores e extensionistas da universidade, nós nos colocamos a disposição para fazer esse elo entre a instituição e o mercado, no sentido de transferir essa tecnologia que será criada dentro da universidade para o mercado. Um meet entre o setor produtivo e a UESPI, uma relação que todos sairão ganhando’’ explicou a diretora.

Essa parceria é importante para o desenvolvimento da universidade bem como para realizar a missão de entregar para a sociedade respostas que resultem no avanço social e econômico do estado. O reitor da UESPI reforçou a importância da pesquisa e produção científica para a instituição como para as relações pessoais dentro da universidade. “A UESPI apoia e acredita na ciência e na pesquisa científica, nós temos a honra de poder realizar constantemente eventos com temáticas tão importantes como o de hoje, a pesquisa científica, que é tão relevante e necessária para todos nós. A investigação acadêmica contribui para o aperfeiçoamento dos professores, permite a inclusão de novos conhecimentos para a atuação na prática. Através de novas pesquisas podem ser formulados novos métodos de ensino e aprendizagem e melhorar a relação entre docentes e discentes. Nós temos acompanhado de perto e vibrado por todos aqueles que estão se destacando através da nossa instituição. Fico realizado em ver o compromisso e dedicação da nossa comunidade acadêmica. Este evento dialoga com os critérios de observação, criação, execução e retorno social que a universidade deve ter. a PROP está de parabéns’’, explicou Evandro Alberto.

A professora Bárbara Melo, Coordenadora do Programa de Pós – Graduação em Letras da UESPI, participou do evento e representou os colegas docentes da instituição.Para a Professora, o apoio da Gestão é fundamental para que as pesquisas aconteçam de forma satisfatória e isso acontece na UESPI. ‘’Sou grata a administração superior da UESPI e principalmente ao nosso reitor, que não mede esforços para apoiar nosso desenvolvimento e a nossas pesquisas. O CNPq é muito importante, ele fortalece as pesquisas, e valoriza a ciência, apesar de todos os prós envolvidos quando se trata de ciência, eu creio que tudo passará, e o que ficará serão as pesquisas, o conhecimento que adquirimos, o conhecimento que repassamos, e assim com o órgão, nós ficaremos ainda mais fortalecidos. Minha história com o CNPq é longa, comecei com a iniciação científica, essa é importante em vários vieses, mas principalmente pela da fixação em ver a universidade cumprindo seu propósito e fortalecendo seu papel em relação à pesquisa e a extensão. Já são três anos seguidos com o apoio e financiamento do CNPq”, explicou a professora.

O professor Antonio Macedo relembrou o seu passado como estudante e como foi importante e continua sendo as bolsas científicas para o incentivo e crescimento das pesquisas na universidade.  ‘”Quando cheguei na UESPI em 2012, eu lembro que fui um dos primeiros a ser comtemplado com as bolsas de iniciação científica, desde então nunca paramos. É gratificante ver o quanto a instituição evoluiu e continua evoluindo no âmbito da pesquisa científica. Nós precisamos de recursos e mais que isso, precisamos correr através deles, eventos assim são de extrema relevância e importância’’.

Prof. Laécio Cavalcante, que também é professor da instituição, reforçou a chamada para as bolsas de produtividade e destacou que essas chamadas são importantes tanto para a realização pessoal e profissional dos professores quanto para expansão da universidade através dos recursos advindos das bolsas a expansão das pesquisas científicas se torna uma realidade e assim ocorre o avanço da ciência, da tecnologia e da inovação.

A Importância da pesquisa científica
A ciência é o meio de desenvolvimento das pessoas, de emancipação delas, e uma forma de desenvolvimento sustentável do país e da população. É de extrema importância e relevância que as pesquisas científicas sejam transformadas em inovação e tecnologia para atuarem no mercado, é necessário que os resultados dessas pesquisas se expandam para além dos muros da universidade, realizando assim a sua missão e agregando o seu valor para todos. A produção intelectual beneficia a todos, é uma via de mão dupla. Somente com a produção, desenvolvimento e compartilhamento do conhecimento que poderemos avançar para o futuro, avançar na ciência, no ensino e na educação. Dar respostas a sociedade é um dos papéis mais importantes das universidades e é preciso colocar isso em prática em todas as áreas do conhecimento. É necessário cooperação e ações de apoio e incentivo as pesquisas científicas, esses editais representam isso.

 

PROP realiza Workshop sobre as chamadas do CNPq nesta terça-feira (06)

Por Arnaldo Alves

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), através da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PROP), realiza na próxima terça-feira (06), o Workshop das Chamadas do CNPq de Bolsa de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora – DT (N°003/2021) e da Bolsa de Produtividade em Pesquisa – PQ (N°004/2021), no canal do YouTube da Uespioficial.

O objetivo do evento é estimular a produção do conhecimento científico, cultural e a inovação tecnológica, assim como fortalecer a formação de parcerias público-privadas com vistas ao desenvolvimento da pesquisa.

A programação do Workshop começa às 8h30 com a presença do reitor da UESPI, professor Evandro Alberto; da pró-reitora da PROP, Ailma do Nascimento, além de representantes do Núcleo de Inovação Tecnológica. Em seguida, acontecem relatos de execuções de pesquisas financiadas com incentivo do CNPq.

A partir das 9h30 começam as palestras sobre Critérios de Elegibilidade e Execução do Projeto – Bolsa de Produtividade (PQ /DT), Submissão da Proposta na Plataforma Integrada Carlos Chagas – PQ/DT e Potencial do Projeto para a Produção Tecnológica e a Inovação – DT.

Confira a programação completa do Workshop.

Para não perder nenhum detalhe inscreva-se no canal do YouTube da Uespioficial.