UESPI

Brasao_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Governo-do-Piauí-2023_300X129

Curso de Enfermagem lança cartilhas informativas para os profissionais da área

Por João Fernandes

Já está disponível no site da Editora da Universidade Estadual do Piauí – UESPI duas cartilhas informativas produzidas pela comunidade acadêmica do Curso de Enfermagem, do Campus de Floriano.  A primeira aborda Ética para Profissionais de Enfermagem”; já a segunda é focada em aspectos relacionados à prática com instrumentos cirúrgicos.

As publicações fazem parte das ações desenvolvidas pelos estudantes e professores como uma forma de orientar as equipes de enfermagem para a execução de um serviço de qualidade e que respeite os direitos e a dignidade de cada cidadão, além de seguir os princípios do Sistema Único de Saúde – SUS e o Código de Ética de Enfermagem.

Segundo a Coordenadora do projeto, Professora Maria Luzinete Rodrigues da Silva, as cartilhas têm como principal objetivo informar tanto os usuários quanto os profissionais sobre seus direitos e deveres na área da saúde.Na disciplina de enfermagem perioperatória, os acadêmicos terão acesso a esse material, que irá nortear o estágio da disciplina, bem como também o estágio de centro cirúrgico e centro de material esterilizado, assim, eles já saem da academia com conhecimentos sobre suas responsabilidades como enfermeiros”, destaca.

As cartilhas apresentam informações distintas. Em “Ética para Profissionais de Enfermagem: cartilha orientativa, são informações sobre a ética profissional nas relações profissionais, pessoa, família e coletividade, além de abordar responsabilidades relacionadas ao sigilo profissional, proibições referentes à publicidade e sobre o direito do enfermeiro de exercer sua profissão em liberdade e autonomia. 

A egressa do Curso, Vitória Karoline da Silva Moura, contribuiu na elaboração da Cartilha. Durante esse processo, ela enfatizou a importância de reunir informações cruciais para as equipes de enfermagem do Hospital Tibério Nunes, principal centro de saúde da região. Para isso, os profissionais do hospital foram consultados a fim de identificar os temas mais relevantes e pertinentes às necessidades dessas equipes.

“A partir da consulta com os profissionais,  a gente começou a buscar informações materiais confiáveis sobre o tema. As cartilhas foram elaboradas seguindo essas necessidades dos profissionais e com materiais atualizados e organizados para que a gente entregasse um trabalho da melhor maneira possível”, comenta.

Já em “Instrumentais Cirúrgicos: Enfermagem perioperatória”, contém informações sobre aspectos relacionados à prática com instrumentos em centros hospitalares. Desde de instrumentos como bisturis, tesouras e lâminas de bisturi, especialmente projetadas para diérese.

A egressa Danielly Cunha Rocha explica que o material foi elaborado por conta da dificuldade dos alunos em conhecerem alguns instrumentos e terem dificuldades em diferenciá-los. “Na cartilha de instrumentais cirúrgicos, todas essas informações estão incluídas relacionadas aos instrumentais cirúrgicos, todas as fases do tempo cirúrgico foram divididas e foram selecionadas por imagem para que pudesse mostrar de uma forma mais detalhada o que diferencia uma pinça da outra, uma tesoura da outra”, pontua.

As cartilhas estão no Site da Editora, de forma gratuita e disponível para download. Acesse:

Cartilha instrumentos cirúrgicos

Cartilha Ética Profissional

XI Semana de Enfermagem: Reflexões sobre os Desafios e Conquistas da Profissão

Por: Cássio Sousa e Giovana Andrade

O Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí promoveu, nesta terça-feira (14), o primeiro dia da XI Semana de Enfermagem sob o tema “Desafios, conquistas e diversidades do ser enfermeiro no mundo atual”. As atividades estão sendo realizadas em homenagem ao Dia Internacional do Enfermeiro e da Enfermagem.

A organização do evento está sob a coordenação das professoras Dra. Aline Amaral e Dra. Eliane Martins, contando com a colaboração tanto de docentes quanto de alunos do curso de Enfermagem. O auditório do Centro de Ciências da Saúde na FACIME está sendo o palco das atividades, que ocorrem nos turnos da manhã e tarde.

O cronograma da Semana inclui uma variedade de atividades visando enriquecer o conhecimento dos participantes e promover reflexões sobre a prática da enfermagem. Entre as principais atividades programadas estão palestras, mesa redonda, talk show, sessões de cine pipoca e apresentação de trabalhos científicos.

“Nós buscamos trabalhar conforme o tema da semana sugere, os desafios, conquistas e diversidades do ser enfermeiro no mundo atual, os quais são muitos. Então, o tema central foi o nosso guia para que construíssemos todas as nossas palestras”, relatou a Profª.Dra. Eliane Martins.

II Exposição de História da Enfermagem

O evento ainda contou com a II Exposição de História da Enfermagem: Da Prática às Teorias de Enfermagem e o Cuidado Científico, a qual apresenta banners que aprofundam sobre a história da enfermagem e do campus da FACIME. “É um objetivo também estimular o conhecimento sobre os aspectos da história da enfermagem e também oferecer palestras, minicursos, e talk shows para que enriqueçam o seu aprendizado”, afirmou a Professora  Eliane Martins.

A exposição é um projeto de extensão que envolve dois períodos do curso de Enfermagem: o primeiro e o quarto. O primeiro período, juntamente com a disciplina de História da Enfermagem, está apresentando banners que narram a trajetória desde Florence Nightingale, patrona da enfermagem moderna, até Anna Nery, pioneira da enfermagem brasileira. Além disso, os alunos do primeiro período destacam a história da Irmã Abrahíde Alvarenga, que atuou como enfermeira no HGV, hospital-escola da UESPI, e sua contribuição para a enfermagem da UESPI e para a FACIME. Já a exposição do quarto período está associada à disciplina de Metodologia da Assistência de Enfermagem.

Victor Augusto, discente de enfermagem do terceiro período e monitor da exposição, explica que conhecer a história da enfermagem é mais do que simplesmente olhar para o passado, mas é compreender as raízes profundas que sustentam a prática contemporânea. “A II Exposição de História da Enfermagem é uma oportunidade para mergulhar nesse rico legado, relembrando as pioneiras, as mudanças significativas e os desafios superados ao longo do tempo. Ao entender de onde viemos, ganhamos uma perspectiva mais clara sobre para onde estamos indo. Valorizar o nosso trabalho não é apenas reconhecer o presente, mas também honrar aqueles que vieram antes de nós, moldando e inspirando a os acadêmicos e futuros enfermeiros da UESPI. E essa exposição se articula com o tema da nossa XI Semana de enfermagem do CCS/FACIME: desafios, conquistas e diversidades do ser enfermeiro no mundo atual”.

Abaixo o FOLDER oficial do evento contendo a programação da XI Semana de Enfermagem:
PROGRAMAÇÃO DA XI SEMANA DE ENFERMAGEM

Comunidade acadêmica realiza a I Semana de Enfermagem em Floriano

Por João Fernandes

O curso de Enfermagem do Campus Dra. Josefina Demes está organizando a I Semana de Enfermagem Unificada de Floriano com o tema “O Impacto das Tecnologias para o Futuro da Enfermagem, formação, ética e cuidado”. O evento será realizado entre os dias 20 a 23 de Maio, em homenagem ao Dia Internacional do Enfermeiro e da Enfermagem.

A Semana de Enfermagem é uma iniciativa do Conselho Regional de Enfermagem (COREN – PI) e pretende reunir todas as instituições de ensino da região para juntos debaterem as atualizações e os principais temas relacionados à enfermagem na atualidade. O evento contará com palestras, mesas redondas, atividades presenciais e minicursos

A organização do evento está sendo coordenada pela profa. Me Maria Madalena Gomes Pereira Maximo, com colaboração com outros professores e discentes do curso. Ela explica que o evento objetiva expor tecnologias que o mercado oferece para melhorar a qualidade da assistência de enfermagem em diferentes áreas de atuação. 

“Esperamos proporcionar com a realização do evento debates que estimulem o pensamento crítico-reflexivo, bem como a compreensão de conceitos essenciais para a assistência, o ensino e a produção científica, sobretudo através do compartilhamento de experiências de forma efetiva  e  colaborativa”, destaca.
Ainda de acordo com a organizadora, a Semana congrega tanto acadêmicos quanto profissionais de todas as instituições que oferecem o curso de Enfermagem em Floriano. A participação nos minicursos oferece aos indivíduos a oportunidade de adquirir habilidades relacionadas às práticas avançadas de enfermagem. Até agora o evento recebeu mais de 500 inscrições.

Confira a Programação

 Palestras: O impacto das tecnologias para o futuro da enfermagem, formação, ética e cuidado; – Perfusão e ECMO

Mesa redonda: – Sindicato dos enfermeiros/ Aben e Coren

Mini cursos: Atuação da Enfermagem na linha de cuidado do AVC e IAM e Suporte Avançado de Vida. – Feridas, Curativos e Ostomias: a importância do cuidado de enfermagem, Anatomia Forense-investigação de traumas e identificação de vitimas. -Atualização sobre Imunização; – Primeiros Socorros.

Comunidade de enfermagem de Parnaíba promove a Semana de Enfermagem 2024: Minicursos Chave Mestra

Por Clara Monte 

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), por meio da comunidade do curso de Enfermagem, campus de Parnaíba, promove a Semana de Enfermagem da UESPI 2024: Minicursos Chave Mestra. O projeto acontece nos dias 13, 14, 16 e 17 de maio.

A ação visa promover a valorização da profissão e cultivar um senso de pertencimento e apreço tanto entre os acadêmicos quanto nos profissionais. Nágila Ribeiro, vice-presidente da comissão organizadora, destaca que os minicursos selecionados este ano foram cuidadosamente escolhidos para proporcionar uma maior qualificação aos estudantes em áreas menos abordadas durante sua formação.

“Apesar da extensão do curso, totalizando mais de 5 mil horas, sempre surgem dúvidas em certos temas que merecem ser reforçados. Levando isso em consideração e atendendo a pedidos sobre os temas mais demandados, optamos por nos aprofundar em áreas como Gasometria Arterial: Coleta e Interpretação, Desvendando o Eletrocardiograma: Fundamentos e Aplicações na Prática de Enfermagem, Práticas Avançadas em Cuidados de Traqueostomia em Diferentes Contextos (Ambulatorial, Hospitalar e Domiciliar), Abordagem Avançada em Feridas: Avaliação, Cuidados Específicos e Intervenções de Enfermagem, e Dominando a Técnica de Punção Venosa: Abordagem Teórica e Prática”.

Para Aline Miranda de Abreu, presidente da organização, a Semana de Enfermagem da UESPI desempenha um papel fundamental no desenvolvimento tanto profissional quanto acadêmico dos participantes. “Isso se dá não apenas pela oportunidade de compartilhamento de conhecimento entre profissionais e participantes, como também pela chance de expandir a rede de contatos na área. A semana congrega tanto acadêmicos quanto profissionais de todas as instituições que oferecem o curso de Enfermagem em Parnaíba. Além disso, a participação nos minicursos oferece aos indivíduos a oportunidade de adquirir habilidades relacionadas às práticas avançadas de enfermagem, o que pode significativamente enriquecer seus currículos profissionais”.

Os estudantes e profissionais de enfermagem podem se inscrever por meio do link, de forma individual ou em grupos.

INSCRIÇÃO INDIVIDUAL 

INSCRIÇÕES EM GRUPO

 

Enfermagem da UESPI Realiza Projeto de Extensão Focado em Medicamentos Seguros no Parque da Cidadania

Por: Danilo kelvin

A XXV turma de Enfermagem da UESPI promove, no dia 27 de Abril, no Parque da Cidadania em Teresina, às 17h, a primeira ação do projeto de extensão “Medicamentos Seguros“, em parceria com a Professora Doutora Rosemarie Brandim. Os docentes realizarão atividades como educação em saúde, aferição de pressão arterial e distribuição de brindes para a comunidade presente no parque.

A ideia do projeto surgiu durante o terceiro período da turma de enfermagem, na disciplina de Farmacologia com a Profª. Dra° Rosemarie Brandim. A graduanda Maria Eduarda, do quinto período, explica que a atenção foi voltada para a interação dos medicamentos no dia a dia da população. Segundo ela, muitas pessoas se automedicam, o que pode ser prejudicial. Além disso, destaca a importância de conscientizar sobre a interação medicamentosa, como o consumo de chá seguido do uso de medicamentos.

Para alcançar um público mais amplo, o Parque da Cidadania foi escolhido como local para a ação. Os acadêmicos esperam atingir diversas faixas etárias da população em geral, além de abordar a aplicabilidade de medicamentos comuns. A intenção é estimular a prática de atividades físicas e educar sobre a automedicação, especialmente em relação aos medicamentos durante surtos de dengue.

“Tanto crianças, adultos, jovens, idosos principalmente, queremos atingir todos os públicos sobre o tema, além de estimular eles a realizarem atividades físicas e educá-los em saúde na questão da automedicação e, principalmente, a gente vai frisar quanto a medicação que não pode tomar agora nesse aumento de casos de dengue que estamos passando. Precisamos ter cuidado com porque nem todo medicamento pode se tomado quando tem essa suspeita de dengue”, comenta.

Picos: Inscrições para o Curso de Extensão “Estomaterapia em Ação”

Por: Danilo Kelvin

Estão abertas as inscrições para o “Curso de Extensão Estomaterapia em Ação”, promovido pelo Grupo de Pesquisa Qualidade de Vida em Saúde (GPEQ), sob a coordenação das professoras Doutoras Gedane Celene e Mariluska de Deus, da Uespi, no Campus Professor Barros Araújo, em Picos. O evento, marcado para os dias 17 a 19 de abril, incluirá a transmissão da abertura da programação no canal do YouTube do GPEQ, com a palestra magna da Prof. Dra. Raquel Rodrigues, que irá abordar o papel da enfermagem na estomaterapia e a promoção da integralidade no cuidado. Além disso, serão oferecidas rodas de conversa, oficinas e uma carga horária de 40 horas. O objetivo é aproximar os acadêmicos do curso de enfermagem dessa especialização, que tem ganhado destaque no mercado de trabalho.

“A proposta do curso de extensão surgiu da demanda tanto dos alunos quanto dos profissionais de Enfermagem. Essa especialidade, a Estomaterapia, vem crescendo no mercado de trabalho e é reconhecida mundialmente desde 1980, devido à sua atuação na assistência a pacientes com feridas, estomias e incontinência”, comenta a coordenadora do projeto GPEQ, Profa. Dra. Gerdane Celene.

O curso de extensão não ficará restrita apenas às atividades dentro do Campus Prof. Barros Araújo. Também será promovido um momento fora da Uespi, conforme informa a coordenadora do GPEQ, Profa. Dra. Mariluska de Deus.

“Este curso incluirá atividades na comunidade, na Praça Félix Pacheco, onde serão oferecidas orientações sobre cuidados com os pés e prevenção de lesões crônicas para o público em geral.”

 

Confira a Programação e Link para inscrição:

 

 

Para participar, é necessário acessar o link de inscrição do evento e efetuar o pagamento da taxa de inscrição, tanto para estudantes quanto para profissionais.

UESPI Parnaíba: Inscrições abertas para o I Congresso do Parto e Nascimento do Delta do Parnaíba

Por Giovana Andrade

Entre os dias 4 e 7 de abril acontecerá o I Congresso do Parto e Nascimento do Delta do Parnaíba (ICOPN) promovido pela 25ª turma de Enfermagem da UESPI, Campus Prof. Alexandre Alves de Oliveira, em Parnaíba, sob orientação das professoras Dra. Thatiana Maranhão e Me. Gisele Bezerra.

Nágila Ribeiro, estudante de enfermagem e uma das organizadora do evento, explica que o congresso foi idealizado na disciplina de Saúde da Mulher II, em conjunto com uma das orientadoras do evento, a Profa. Me. Gisele Bezerra. “A ação tem como objetivo colaborar para o enriquecimento da carreira acadêmica e profissional dos participantes por meio da disseminação de conhecimentos sobre parto humanizado, os quais são pouco explorados na grade curricular tradicional dos cursos da área da saúde”

O evento, que será realizado presencialmente, abordará temas relacionados à assistência à saúde da mulher e do neonato, através de palestras, mesas redondas, minicursos, submissão de trabalhos, publicação em anais e reconhecimento dos melhores avaliados com menção honrosa. A submissão de trabalhos está aberta até o dia 28 de março.

O I COPN possui caráter multiprofissional e contará com a presença de palestrantes de renome. Por ser um congresso multiprofissional, acadêmicos, técnicos e profissionais de saúde podem se inscrever pelo link até o dia 03 de abril.

Pode conferir toda a programação e novidades do evento pelo instagram: @copn2024

 

Alunos de enfermagem visitam Parque da Serra da Capivara

Por Giovana Andrade

Os alunos do 2º período do curso de Enfermagem pertencentes ao Centro de Ciências da Saúde (CCS), no campus de Teresina, realizaram uma viagem a São Raimundo Nonato entre os dias 17 a 19 deste mês. O propósito dessa viagem foi a visita ao Parque da Serra da Capivara, sendo esta atividade uma extensão da disciplina de “Antropologia do corpo e da saúde”, ministrada pela Prof.ª Suelma Regina Cardoso.

O objetivo dessa ação foi explorar um dos mais importantes patrimônios culturais pré-históricos da humanidade com o intuito de estudar a herança cultural desse povo. A execução da viagem contou com o suporte  da coordenação do curso de enfermagem, bem como do setor de transportes da UESPI, que disponibilizou o ônibus para o transporte dos alunos e da professora. Além disso, houve a colaboração da Direção do campus da UESPI, em São Raimundo Nonato.

A profª Suelma Cardoso pontua que o propósito foi  conhecer um dos mais antigos parques pré-históricos da humanidade em locus para introjetar em seu conhecimento a história do homem americano, conhecendo a teoria de Niéde Guidon sobre o povoamento das Américas. “Fomos observar como viviam, se alimentavam, como residiam , como conviviam com a fauna e a flora do período em que viviam. Buscamos entender os legados culturais deixados por esses povos ao povo do Piauí e conhecer as pinturas rupestres que são uma forma de comunicação desses povos”.

Matheus Lira, estudante do curso, ressalta que participar do passeio foi de extrema significância e importância para o enriquecimento e aprendizagem cultural sobre o Piauí e a história da evolução do homem na América. “Eu sou de Bacabal do Maranhão, então, ir visitar a Serra da Capivara no sul do Piauí, o berço do homem americano através da Universidade Estadual do Piauí, para mim foi surreal! Ver de perto a história contada de milhares de anos nas paredes da Serra da Capivara e todo o apanhado histórico nos museus do Homem Americano e da Natureza foi mais algo magnífico! Através de nossa visita, iremos produzir também um documentário visto que toda nossa experiência foi em torno e por conta de nossa disciplina Antropologia”.

Rafaela Moura, outra estudante do curso, explicou que, de acordo com ela, a experiência da viagem foi renovadora e enriquecedora. Ela destacou, inicialmente, que o curso possui uma dinâmica muito intensa e que a aula em campo de Antropologia da Saúde proporcionou uma maneira de quebrar essa dinâmica, garantindo ainda mais sabedoria e gerando um sentimento de equidade. A compreensão da origem da humanidade, segundo Rafaela, levou-os a perceber que os seres humanos são frágeis e necessitam viver com base no coletivo. Essa percepção foi metaforizada como uma preparação para a futura experiência como profissionais da enfermagem, enfatizando a importância do cuidado e da valorização da vida de todos como um bem coletivo.

“Ademais, a visitas aos museus nos trouxe uma maior experiência tanto educativa, com base no impacto do homem dentro da natureza, quanto cultural, que permitiu de termos o contato com fósseis que carregam valor histórico na nossa sociedade. Fazendo com que valorizássemos cada vez mais o nosso Estado, o Piauí, que é rico na sua diversidade cultural e biológicas, sendo um destaque na história da humanidade. Consequentemente, essa viagem foi uma vivência calorosa de descobrir e desbravar o nosso Estado, dando uma grande importância e orgulho do mesmo. Além, de voltamos restaurados e termos a perspectiva que, talvez, em um futuro, não tão distante, seremos também objetos de estudo para o desenvolvimento da ciência e de uma história posterior a nossa. E gerando uma perspectiva de uma inevitável igualdade final, a qual todos estão propícios”.

Ana Clara, uma discente do curso, comenta que o aspecto mais fascinante da experiência é que, durante seus estudos sobre pré-história no ensino fundamental, os professores já forneciam uma base e explicavam sobre a Serra da Capivara, apresentando-a como o berço da humanidade. Para ela, é uma riqueza da qual têm o privilégio de fazer parte. Agora, a professora Suelma proporcionou a oportunidade valiosa de adquirir conhecimento de perto, algo inestimável. Ana Clara expressa sua felicidade e emoção ao presenciar cada detalhe dos museus, tanto do homem americano quanto do museu da Natureza, que mostra a evolução de forma tecnológica e extremamente rica em informações. Além disso, ela destaca o sítio arqueológico mencionando que mesmo conhecendo bem a parte da pedra furada, que é o que inicialmente instiga a conhecer o lugar, ficou maravilhada quando os guias turísticos apresentaram os demais locais que compõem o sítio, descrevendo a experiência como algo extraordinariamente lindo e muito especial.

“Cada detalhe, cada lugar com sua beleza única é de se apaixonar e se emocionar com tamanha beleza da qual a natureza se dispôs a compor ao longo do tempo e que o homem não conseguiria projetar tal raridade, como as pedras moldadas pelo tempeirismo, os poços de água, os locais dos quais encontramos as figuras rupestres mais famosas que realmente serve de abrigo tanto para chuva quanto para o sol. Eu realmente me senti muito emocionada com tamanha beleza e cada detalhe singelo é principalmente pelo privilégio de conhecer. Quero voltar mais vezes pois existem outros locais no sítio para conhecer”.

Confira mais fotos do passeio:

 

Comunidade acadêmica de enfermagem conquista 1° lugar em Congresso Internacional

Por Clara Monte 

Comunidade acadêmica de enfermagem da Universidade Estadual do Piauí conquistou o 1° lugar no Terceiro Congresso Internacional Latino-americano de Ferida, Estomias e Incontinência, realizado na Costa Rica. A vitória resultou de uma colaboração efetiva com a coloproctologia e o apoio da Fundação Municipal de Saúde – Centro Integrado Lineu Araújo e HGV. O 2° e 3° lugar também foram destinados ao Brasil.

Projeto da UESPI conquista 1° lugar

A professora responsável pelo trabalho premiado, Sandra Marina, relata que ela, juntamente com o Prof. Dr. Miguel Arcoverde, estudantes, egressos da graduação, especialização em estomaterapia e enfermeiros do Lineu Araújo participaram e contribuíram para o projeto. De acordo com Sandra Marina esse estudo mostrou o impacto da universidade na promoção de políticas públicas, pois envolveu a avaliação e mapeamento de todas as pessoas com estomia do Piauí, durando cerca de dois anos de pesquisa.

“A pesquisa revelou que o custo de manutenção de pacientes com estomia temporária é substancialmente superior ao investimento na reconstrução do trânsito intestinal. Como desdobramento positivo desse projeto conjunto, houve a transferência responsável para convênios do estado do Maranhão das pessoas avaliadas. Além disso, observamos a reativação e fortalecimento da Associação de Ostomizados do Piauí (AOSEPI). O projeto também contribuiu para a orientação e melhoria da qualidade de vida das pessoas com estomia, incluindo a indicação adequada do equipamento (bolsa coletora) e orientação sobre o corte correto para redução de vazamentos, que é o maior problema enfrentado por essas pessoas. Adicionalmente, foi possível encaminhar para o Coloproctologista as pessoas avaliadas e com necessidade de avaliação pré-operatória ou outras intervenções, contando com a valiosa parceria com a coloproctologia, que agilizou a cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal”.

Professora de enfermagem da UESPI, Sandra Marina.

Iaggo Henrique de Sousa, estudante do 9° período de enfermagem da UESPI, foi um dos colaboradores  na organização dos dados coletados. Para ele, participar desse projeto possibilitou ricos conhecimentos na área da Estomaterapia e na assistência às pessoas com estomias de eliminação. Além disso, o estudante afirma considerar um tema que precisa de sensibilização e uma assistência adequada por parte dos profissionais.

“O projeto teve impacto significativo em todo o Estado, especialmente no centro de saúde onde o estudo foi conduzido – uma referência fundamental para o Piauí e cidades vizinhas de outros Estados, atendendo pacientes de diversas localidades. É uma honra para mim ver o trabalho sendo premiado e sinto-me orgulhoso por ter contribuído para essa pesquisa. Testemunhar o Piauí ocupando um lugar de destaque nos motiva a aprimorar continuamente nosso trabalho. Como estudante no final da graduação, percebo que essas experiências podem impulsionar minha capacidade de contribuir ainda mais para transformar diversas realidades no futuro. Além disso, a proximidade que desenvolvi com essa pesquisa abriu portas para realizar outras pesquisas dentro dessa área”.

Terceiro Congresso Internacional Latino-americano de Ferida, Estomias e Incontinência, na Costa Rica.

Discentes da UESPI participam do 25º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem

Por Vitor Gaspar

O curso de Bacharelado em Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), esteve representado por discentes do curso durante o 25º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem (CBCENF), realizado em João Pessoa (PB).

Na ocasião, 18 projetos de pesquisas da UESPI foram apresentados em pôsteres de forma presencial no Centro de Eventos da Paraíba. As pesquisas abrangem uma ampla variedade de temas, se concentrando no cuidado, na promoção da saúde e na melhoria da qualidade de vida dos pacientes.

Para o estudante Ícaro Carvalho, Diretor do Centro Acadêmico do curso, essa foi uma experiência única, pois articular a participação de mais alunos da instituição, através do centro Acadêmico, mobilizando os alunos, passando de sala em sala e apresentando o congresso. “É uma oportunidade única, tendo em vista que o evento é gratuito e é o maior da América Latina, viabilizando a participação de mais estudantes”.

A aluna Lívia Carvalho comenta que o congresso foi uma grande oportunidade de adquirir novos conhecimentos e colocá-los em prática. “Me sinto muito honrada de poder contribuir para a melhora dos pacientes e por poder compartilhar minhas experiências através de trabalhos e relatos durante congressos e outros eventos. Acredito que a participação de acadêmicos nesses eventos são de extrema importância pois além de ser uma experiência enriquecedora, contribui também para o amadurecimento profissional”.

O CBCENF contou com uma programação que envolveu mesas redondas, palestras, lançamentos de livros, apresentação de trabalhos e experiências exitosas. O Congresso recebeu, ainda, encontros de gestão dos Conselhos de Enfermagem e eventos simultâneos, além de premiar trabalhos em três eixos temáticos: Tecnologia, empreendedorismo e inovação no cuidado em Enfermagem; Dimensão ético política nas práticas profissionais e Formação, Educação e Gestão em Enfermagem.

Lista dos projetos apresentados:

Ícaro Carvalho foi autor do projeto: “Segurança do paciente na urgência e emergência: relato de experiência”, tendo como coautores: Vyrna Rebeca, Lísia Probo, Lívia Maria, Wendel Marcos, Luciano Veloso.

 

Ícaro também foi autor do projeto: “Trabalhando: A atuação da equipe de enfermagem no diagnóstico precoce da hanseníase”, tendo como coautores: Antônio Neto, Kéllya Luz, Aline Amaral e Sara Moura.

 

“Gestão em saúde frente aos desafios da COVID-19” foi o trabalho de Lísia andrade Probo, tendo como coautores: Ícaro Soares, Vyrna Rebeca, Amado Bento, Samuel Freitas e  Antônio Luz Neto.

 

Lísia também pesquisou “O empreendedorismo na enfermagem hodierna: uma revisão integrativa”, tendo como coautores Ícaro Soares, Lívia Maria, Samuel Freitas, Wendel Marcos e Antônio Luz Neto.

 

Andressa Fernandes estudou o “Perfil de crianças e adolescentes vítimas de violência autoprovocada no Estado do Piauí”. Coautores: Jefferson Alves, Káthlen Lima, Héryka Laura Calú.

 

Ruth Gorete dos Santos Carvalho apresentou o trabalho “Assistência ao paciente vítima de queimadura: principais diagnósticos e intervenções de enfermagem”, com os coautores Adriana Sousa Carvalho de Aguiar, Danielly Xavier Rios, Brena Letícia da Silva Bacelar, Nathalie Carvalho dos Santos e Yvida Grazielle Marques Alves dos Santos.

 

Assistência ao paciente em pós operatório de amputação de pé diabetico em hospital de urgência, foi o projeto de Yvida Grazielle com os coautores Marques Alves dos Santos, Cliciane Furtado Rodrigues, Evellyn Rodrigues, Caroline Fernandes,Taynara Leticia Braga e Yuri de Oliveira Nascimento. Ruth Gorete dos Santos Carvalho.

 

Ruth Gorete dos Santos estudou a “Extensão Universitária em um Núcleo de Segurança do Paciente: Relato de Experiência”, com os coautores Luciano Luz Ribeiro, Taynara Letícia Braga Silva, Yuri de Oliveira Nascimento e Evellyn Caroline Rodrigues Fernandes.

 

“Extensão universitária em segurança do paciente e estomaterapia: um relato de experiência”, foi mais uma pesquisa de Yvida Marques, tendo como coautor o estudante Wendel Alves.

 

Evellyn Rodrigues estudou a “Ação Educativa da higiene das mãos: um relato de experiência, junto a Herica Emília, Ruth Gorete, Yvida Grazielle, Danielly Xavier e Ivonizete Pires.

 

Andressa Nunes de Oliveira estudou a “Inserção de Minicursos Emergenciais como prática de empreendedorismo na Enfermagem: um relato de experiência”, com os coautores: Júlio Victor de Sousa Alencar, Neliza de Fátima Ferreira do Nascimento Assunção, Paulo Victor Ibiapino Cavalcante,Yasmim Lorrany Lopes Dias, Isabel Cristina Cavalcante Carvalho Moreira.

 

Danielly Xavier Rios fez duas pesquisas, a primeira: “Protegendo Vidas: Projeto de Extensão para promoção da segurança do paciente”, junto a Sonia Campelo, Evellyn Fernandes, Brena Barcelar e a “Aplicação do Processo de Enfermagem ao recém nascido: um relato de experiência com Maria Eliane Martins, Ruth Carvalho e Yvida Marques.

 

Lívia Maria Ramos de Carvalho pesquisou “A prática da estética do profissional enfermeiro no Brasil” e “Cuidados de enfermagem ao paciente com Mola Hidatiforme: relato de experiência”. O primeiro, produzido junto a caro Soares de Carvalho Pinheiro,Vyrna Rebeca de Carvalho Alves, Lisia Andrade Probo e Samuel Freitas Soares e o segundo junto a Luciano Sousa Veloso, Wendel Marcos Alves e Silvia Alcântara Vasconcelos.

 

Projeto de extensão “INFPAC: Informação para a Ação como estratégia de enfrentamento às doenças e agravos de notificação compulsória no município de Parnaíba-PI” e lançamento do livro intitulado “Investigações Situacionais: Evidências Epidemiológicas no município de Parnaíba-PI no ano de 2022″. Organizadores: Thalis Kennedy Araujo, Vitória Elayne Carneiro, Nágila Ribeiro, Poliana Veras, Aline Miranda, Taynara Silva, Karliane de Araújo e Thatiana Maranhão.

 

Poliana Veras pesquisou o “Perfil Epidemiológico dos óbitos por malformações cardíacas congênitas em crianças e adolescentes no Nordeste”, com Nágila Pinheiro, Aline Miranda, Vitória Carneiro, Taynara Silva e Thatiana Maranhão, além de “Conversa Atípica – Ação extensionista de Enfermagem sobrea a convivência com o transtorno do aspecto autista”, junto a Poliana Veras, Aline Miranda, Nágila Ribeiro, Vitória Carneiro e Rayla Guimarães.

 

A ENFERMAGEM E AS IMPLICAÇÕES ÉTICAS NO CUIDADO DE MULHERES EM SITUAÇÃO DE ABORTAMENTO: REVISÃO INTEGRATIVA, foi o tema das pesquisas dos autores: Aline Miranda, Nágila Ribeiro, Poliana Veras, Cintya Lopes, Vitória Elayne Carneiro, Taynara Silva e Isaac Gonçalves.

Professora e alunos de enfermagem realizam ação alusiva ao dia D de combate a hanseníase

Por Anny Santos

Nesta terça-feira (12), a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), por meio da Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) e do curso de Enfermagem, realiza uma ação alusiva ao dia D de combate a hanseníase, a partir das 12h30, no Hall do Centro de Ciências da Saúde (CCS), com informativos em saúde, jogos interativos e seminário ministrado pela Dr. Olivia Dias Araújo.

A iniciativa é um Projeto de Ensino ligado a disciplina Didática Aplicada a Enfermagem, que parte da professora Dra. Joelma Maria Costa e dos alunos do 4° período do curso, tendo por objetivo colocar em prática os conhecimentos de planejamento e educação em saúde.

Segundo a professora, discentes de todos os cursos da FACIME podem participar, pois a ação proporciona uma ampliação do aprendizado, sendo uma atividade de ensino e também de informação. “Formamos na UESPI profissionais para o SUS, sendo assim o exercício de atividades de promoção de saúde voltados para uma doença negligenciada e endêmica no Piauí é de suma importância”.

A hanseníase é uma doença infecciosa, contagiosa e de evolução crônica, causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que pode afetar qualquer pessoa. Essa doença é caracterizada pela alteração, diminuição ou perda da sensibilidade térmica, dolorosa, tátil e força muscular, principalmente em mãos, braços, pés, pernas e olhos, podendo gerar incapacidades permanentes.

Para Maria Eduarda Gomes, uma das alunas responsáveis pela ação, é primordial a participação dos discentes, tanto na produção quanto no decorrer das atividades, pois assim os aproxima da área profissional na prática, firmando laços com os demais alunos das turmas e de outros cursos, além de promover informações sobre um tema tão importante quanto a Hanseníase.

Alunos produzindo materiais para a ação

“O desenvolvimento dessa ação externa, proporcionada pela disciplina de Didática e a professora Joelma, estimulou o nosso despertar por projetos de extensão além da dedicação com a extensão que a própria Uespi estimula em seus discentes”, finaliza.

Sobre o Setembro Roxo

Esse mês, duas ações ganham destaque no chamado “Setembro Roxo“, que promove a atenção para o combate à hanseníase e a conscientização sobre a fibrose cística.

A campanha “Setembro Roxo” nos lembra da importância de combater a hanseníase, uma doença que, mesmo sendo tratável, ainda afeta muitas pessoas em todo o mundo. A detecção precoce e o tratamento adequado são cruciais para evitar complicações e o estigma associado a essa condição.

Além disso, a conscientização sobre a fibrose cística é fundamental. Essa é uma doença genética rara que afeta principalmente os sistemas respiratório e digestivo. Com informação e apoio adequados, é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas e contribuir para a pesquisa em busca de tratamentos mais eficazes.

Confira mais ações que estão acontecendo

UESPI e UFDPar firmam acordo de cooperação para fortalecer o ensino de Enfermagem em Parnaíba

Por Vitor Gaspar

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e a Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar) anunciaram um acordo de cooperação estratégica com o objetivo impulsionar o ensino e a pesquisa na área de Enfermagem.

Fachada da UESPI no litoral piauiense

Assinado recentemente, o acordo tem como foco a execução de atividades acadêmicas, técnicas e científicas de interesse mútuo. Além disso, é válido de agosto de 2023 até 2028 para promover, neste período de 5 anos, um bom nível de ensino e a prática da Enfermagem.

Algumas das metas principais incluem:

Apoio Técnico para Alunos de Enfermagem da UESPI: A UFDPar se compromete a oferecer suporte técnico aos estudantes do curso de Graduação em Enfermagem da UESPI, localizado no campus Alexandre Alves Oliveira.

Docentes Colaboradores Externos: A colaboração se estenderá à promoção de atividades de ensino ao núcleo profissional de Enfermagem do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/Saúde da Família da UFDPar. Docentes da UESPI atuarão como colaboradores externos, enriquecendo o aprendizado.

Tutoria e Preceptoria Avançadas: A parceria entre as duas universidades também incluirá a tutoria de equipe e/ou preceptoria do núcleo profissional de Enfermagem do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/Saúde da Família. Este é um passo importante para o desenvolvimento de habilidades práticas dos estudantes.

Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar)

As coordenadoras do acordo de cooperação são a Profª Drª Lorena Sousa Soares, do curso de Medicina da UFDPar, e a Profª Drª Thatiana Araújo Maranhão, do curso de Enfermagem da UESPI.

“Os estudantes do curso de enfermagem da UESPI de Parnaíba podem ganhar muito com este acordo ao vivenciarem na prática a Atenção Primária à Saúde com o acompanhamento de um profissional enfermeiro e, ao mesmo tempo, despertar o desejo em fazer residência nesta área após a graduação”, afirmou a professora Thatiana Maranhão.

Este processo promete fortalecer ainda mais a excelência educacional e a qualidade dos serviços de saúde nas regiões atendidas pelas instituições.

Campus Parnaíba: Ligas Acadêmicas de Enfermagem organizam Mesa Redonda em homenagem ao Agosto Dourado

Por Giovana Andrade

Em homenagem ao “Agosto Dourado”, mês que simboliza a luta pelo incentivo ao aleitamento materno, a Liga Acadêmica de Saúde da Criança (LISAC) e a Liga acadêmica de Saúde Integrada à Mulher (LASIM) do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, promove o Mesa Redonda “Desvendando as várias faces do amamentação: Aleitamento materno sob uma perspectiva multiprofissional”, no dia 23 de agosto, às 19h30  no auditório da UESPI.

A mesa redonda será ministrada pela a enfermeira Hellen Brito, pós-graduada em Saúde Pública com ênfase em Estratégia Saúde da Família e possui curso de qualificação em Processamento e Controle de Qualidade de Leite Humano pela Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano da Fundação Oswaldo Cruz; e a psicóloga Juliana Costa, Terapeuta Cognitivo Comportamental, especializada em Saúde Mental e Atenção Psicossocial.

As Presidente da Liga LASIM e LISAC, Letícia Alves e Aline Miranda, ambas alunas do curso de Enfermagem, destacaram que o objetivo é desvendar as várias faces da amamentação a partir do ponto de vista da psicologia, abordando a importância da amamentação na formação do vínculo entre o bebê e a mãe na construção de uma base para a saúde mental da criança. “Sob a perspectiva da enfermagem, a nossa finalidade é analisar o impacto desse tema na prática, os desafios enfrentados no período da amamentação e como, enquanto profissionais, podemos contribuir para o incentivo e apoio a amamentação”.

O evento será presencial e destinado a estudantes e profissionais de saúde residentes em Parnaíba. As inscrições acontecem até o dia 23 deste mês através do preenchimento do formulário online,. No dia do evento o inscrito deverá levar um artigo de higiene para bebê e mães no puerpério, que será doado em ação em Unidade Básica de Saúde.

Sobre as Ligas LISAC E LASIM:

Ambas são ligas de enfermagem, entretanto, a LASIM trás uma proposta voltada à multidisciplinaridade no cuidado à saúde da mulher, com a participação de ligantes dos cursos de psicologia, odontologia, nutrição e fisioterapia. Por outro lado, a LISAC se concentra na abordagem das comunidades acadêmica e geral sob a perspectiva da enfermagem, levando conhecimentos desmistificados à população e propiciando a transgressão dos muros da universidade aos discentes.

Estão aberto as inscrições para participar da Liga Acadêmica de Enfermagem Obstetrícia (LAEO)

Por Giovana Andrade

Se liga nessa oportunidade!

Estão abertas as inscrições para participar da Liga Acadêmica de Enfermagem Obstetrícia (LAEO) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). No total, são 14 vagas  disponibilizadas para alunos do Curso de Enfermagem, sendo 8 vagas para estudantes da UESPI e 6 vagas para estudantes de outras instituições de ensino superior da cidade de Teresina-PI.

A LAEO abordará temas referentes à Enfermagem Obstétrica com o intuito de aprofundar e contribuir com o ensino, pesquisa e extensão, além de incentivar os acadêmicos de enfermagem do estado do Piauí a desenvolverem o cuidado com qualificação, humanização e holismo e complicações relativas à saúde das gestantes, aprimorando os conhecimentos e o envolvimento acadêmico em atividades relacionadas à pesquisa, extensão e possibilitando, a longo prazo, a formação e capacitação de profissionais qualificados.

As atividades serão desenvolvidas de forma on-line, nas terças-feiras, e de forma quinzenal. A cada três aulas virtuais haverá um encontro presencial no CCS/UESPI (FACIME), localizado à rua Olavo Bilac, 2335 – Centro (sul), Teresina – PI às 18:30h. As aulas práticas da liga serão desenvolvidas na Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER) marcadas posteriormente no decorrer das aulas.

Terá certificação de 100 horas para os membros ligantes. Ao final da liga, cada ligante poderá ter até três faltas em suas atividades, que iniciarão após o resultado do processo seletivo e seguirão respeitando o calendário acadêmico da UESPI. O aluno será desligado da liga caso ultrapasse o número de faltas permitidas. No decorrer da LAEO, os ligantes serão divididos em grupos e desenvolverão atividades práticas na Maternidade Dona Evangelina Rosa, com apresentação de trabalho ao final de um ano na LAEO das atividades executadas na maternidade.

Inscrição

Para se inscrever o candidato deverá preencher o formulário online através da plataforma google forms até o dia 26 deste mês.

A divulgação do resultado final acontecerá nas redes sociais da LAEO @laeouespi no dia 01 de julho.

Estudantes de Enfermagem promovem conscientização infantil sobre segurança no trânsito durante o Maio Amarelo

Por Giovana Andrade

Acadêmicos do 8° bloco do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), do Centro de Ciências da Saúde (CCS – FACIME), em parceria com o Strans e o Núcleo de Educação em Urgências (NEU) do SAMU, deram continuidade a ação referente a Maio Amarelo.

Acadêmicos do 8° bloco do curso de Enfermagem dando continuidade a ação do Maio Amarelo.

Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito e visa sensibilizar para a importância da adoção de comportamentos mais seguros no trânsito. Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONVS), o Brasil é o quarto país com maior número de acidentes de trânsito no mundo. A violência nas pistas atinge mais de meio milhão de vítimas, anualmente. A cada minuto, pelo menos uma pessoa fica inválida e a cada 12 minutos uma pessoa morre.

A primeira ação desenvolvida pelos acadêmicos sob supervisão da Profª Dra. Isabel Cavalcante aconteceu no cruzamento da Avenida Miguel Rosa com a Industrial Gil Martins, na esquina do SAMU.

A continuação ocorreu na Escola Municipal Benjamin Soares de Carvalho, no dia 06 deste mês, com crianças na faixa etária de 5 a 8 anos de idade. Durante a ação, as crianças participaram de dinâmicas sobre a importância da faixa de pedestres, dos significados das cores do semáforo de trânsito, placas de trânsito, uso de equipamentos de segurança como cinto e capacete e como atravessar a rua adequadamente.

Explicando para as crianças a importância da segurança no trânsito.

O estudante de Enfermagem, Iaggo Henrique, acredita ter desempenhado um papel fundamental ao plantar uma semente de conscientização na mente das crianças.

“Muitos ali com certeza chegaram em casa contando aos pais que essa ação ocorreu e, com certeza, vão reforçar as medidas básicas de segurança junto aos pais. Além disso, por meio das brincadeiras, que facilitam o aprendizado, as crianças, certamente, vão se lembrar dessas orientações quando forem atravessar ruas, olhar o semáforo e ver uma placa de trânsito”.

Para a estudante de Enfermagem, Ritiele Gomes, trabalhar com o público infantil foi uma experiência diferente, porém, as crianças mostraram-se receptivas e bastante curiosas em relação ao circuito e seu funcionamento. “Durante a ação foram ensinadas diversos cuidados com o trânsito, práticas como  compreender as cores dos sinais de trânsito e a importância de utilizar cinto de segurança e capacete, além de respeitar as placas de trânsito ao percorrer o circuito”.

 

Liga Acadêmica de Enfermagem Obstétrica da UESPI promove minicursos

Por Giovana Andrade

A Liga Acadêmica de Enfermagem Obstétrica (LAEO) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) organizou dois minicursos com as temáticas de :Arte Gestacional” e o Manejo do traje antichoque não pneumático (TAN) na hemorragia pós-parto”.

Da direita para esquerda: Enfª obstétrica Solange Queiroz que ministrou Arte gestacional. Enf. Obstetra Raphael Gomes ministrou TAN . Prof dr José Ribeiro orientador da liga, Brenda Melo vice-presidente. Yara Sousa presidente e Viviany enfermeira obstetra que tbm ministrou arte gestacional.

Segundo a Presidente da Liga Acadêmica e estudante do décimo período de Enfermagem, Yara Oliveira, a arte Gestacional é uma técnica de pintura do ventre materno, que fortalece vínculo e alivia tensões do pré-parto, deixando a mulher mais tranquila e segura para a vivência do processo de trabalho de parto normal, além de aproximar a equipe e a mulher/família.

Arte gestacional feita pelos participantes.

Ainda de acordo com a discente, os participantes também puderam praticar como vestir e tirar o traje antichoque não pneumático nos pacientes. Um importante instrumento no apoio do controle do choque hemorrágico, esse procedimento pode ser realizado por médicas(os), enfermeiras(os) e outros membros da equipe hospitalar, desde que devidamente treinados.

“As temáticas foram escolhidas pela Liga devido à importância do TAN e o seu manejo no serviço de saúde para intervir de forma adequada e a mulher ter um prognóstico positivo. A arte gestacional é um método bastante presente, atualmente, nos chás de bebê durante a gestação e também por sua importância no parto humanizado”.

Prática do manejo do traje antichoque não pneumático.

O evento foi para os ligantes e comunidade externa e aconteceu no dia 25 deste mês, na FACIME, e segundo os ligantes, superou a quantidade de inscritos para as vagas que foram disponibilizadas. Mirna Freitas, do sétimo período, estudante do Centro Universitário Santo Agostinho, participou da ação e destaca o quanto aprendeu com os muitos conhecimentos apresentados no evento e que já está na espera por novos minicursos. “Foi um curso simplesmente incrível, onde aprendi sobre a arte terapia e a importância no final da gestação. Não sabia que era de grande ajuda. Além do uso do traje anti choque do qual eu não tinha conhecimento de que existia,  tive a experiência de poder manusear e saber o uso adequado. Espero poder participar de mais cursos assim”.

 

Confira mais fotos:

 

Curso de Enfermagem realiza ação de sensibilização sobre Maio Amarelo

Por Giovana Andrade

Nesta semana, o Curso de Enfermagem do 8° bloco da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), do Centro de Ciências da Saúde (CCS – FACIME), realizou uma ação no cruzamento da Avenida Miguel Rosa com a Industrial Gil Martins, na esquina do SAMU. O objetivo foi sensibilizar sobre a importância da segurança no trânsito, tendo em vista a ocorrência do Maio Amarelo.

Turma do 8º bloco de enfermagem.

O Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito, que visa sensibilizar à sociedade para a importância da adoção de comportamentos mais seguros no trânsito. Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONVS) o Brasil é o quarto país com maior número de acidentes de trânsito no mundo. A violência nas pistas atinge mais de meio milhão de vítimas, anualmente. A cada minuto, pelo menos uma pessoa fica inválida e a cada 12 minutos uma pessoa morre.

A ação foi pensada durante a disciplina de Enfermagem em Urgência e Emergência sob supervisão da Profª Dra. Isabel Cavalcante. De acordo com Iaggo Henrique, discente de enfermagem, durante o momento foram entregues panfletos referente à relevância da segurança no trânsito. “A atividade ocorreu, pela manhã, no semáforo do cruzamento da Avenida Miguel Rosa com a Avenida Industrial Gil Martins, um cruzamento bem movimentado e, segundo o Samu, acontecem colisões e acidentes com certa frequência”.

Entrega de panfletos referente à relevância da segurança no trânsito.

A Profª Dra. Isabel Cavalcante explica que em nossa cidade o pico de acidentes ocorrem no final de semana em decorrência do uso de bebidas alcoólicas, distração no trânsito e por falta de uso de equipamento de proteção. De acordo com ela o número de incidências aumenta a partir de quinta a domingo, no período da noite. ” No Brasil, a média dos envolvidos é de 5 a 37 anos, em Teresina de 18 a 38 anos. Em relação ao tipo de veículo envolvendo acidentes, geralmente, nós temos automóvel colidindo com motocicleta, por isso, acidentes envolvendo automóvel temos 42.62% e motocicleta 40%. Dessa forma, buscamos sensibilizar os condutores e famílias para não andarem com crianças soltas dentro do carro. Além desta ação, também iremos realizar uma atividade na Escola Municipal Prof Benjamin Soares de Carvalho, próximo ao SAMU, mostrando e ensinado sobre a escolinha de trânsito”.

UESPI promove II Semana de Enfermagem Unificada

Por Vitor Gaspar

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI) está realizando a II Semana de Enfermagem Unificada em alusão ao Dia Internacional da Enfermagem e ao Dia do Enfermeiro, que é comemorado nesta sexta-feira, 12 de maio.

Este evento é a segunda semana unificada da UESPI, que envolve os quatro campi: Floriano, Parnaíba, Picos e Teresina, e tem como objetivo aumentar a visibilidade dos cursos e promover maior integração entre eles.

A ação está acontecendo de híbrida, com palestras remotas e minicursos presenciais destinado aos acadêmicos e profissionais de Enfermagem da UESPI e a comunidade científica em geral.

Evento que reúne estudantes, profissionais e pesquisadores da área

 

Este ano, o tema central  é a enfermagem como uma força brasileira, que tem como objetivo motivar a luta pelas conquistas e pelo reconhecimento profissional. Segundo a coordenadora do curso, em Teresina, Arethuza de Melo, estão sendo trabalhadas atividades que envolvam a força da profissão no serviço de saúde.

“Também estamos abordando a atuação da enfermagem dentro do desenvolvimento sustentável. Teremos uma palestra sobre marketing social para que as ações de saúde pública possam ter maior visibilidade e alcance na sociedade, visando bons resultados na prevenção em saúde”, afirma.

A segunda edição da conta com palestras, mesas redondas e minicursos sobre o papel da profissão na saúde brasileira, a valorização do trabalho da enfermagem, entre outros temas relevantes para a área. As atividades serão gratuitas e incluirão transmissão remota de palestras e mesas redondas, além de minicursos presenciais com carga horária de até 80 horas.

Confira a programação completa:

 

12 de maio – Dia Internacional da Enfermagem e do Enfermeiro

Nesta sexta-feira, 12 de maio, é comemorado o Dia Internacional da Enfermagem e o Dia do Enfermeiro, data em que se celebra e homenageia os profissionais que dedicam suas vidas para cuidar do próximo. A UESPI, comprometida com a formação de profissionais da área de saúde, valoriza e destaca a importância do enfermeiro para a sociedade.

Com cursos oferecidos nos campi de Floriano, Parnaíba, Picos e Teresina, a instituição forma anualmente profissionais capacitados e preparados para atuar em diversas áreas da saúde. Essa é uma das profissões mais importantes do setor, pois envolve cuidados diretos e contínuos aos pacientes em diversos níveis, desde a prevenção até o tratamento de doenças.

Além disso, o enfermeiro é um profissional essencial na promoção da saúde e bem-estar da população, com um papel importante na gestão de serviços de saúde, na pesquisa e no desenvolvimento de políticas públicas para a área. A UESPI reconhece a relevância do trabalho desses profissionais e busca constantemente aprimorar a formação de seus alunos, oferecendo uma sólida base teórica e prática para que possam atuar de forma efetiva e humanizada.

Uespi sedia Congresso Multiprofissional de Cuidados Paliativos

Por Anny Santos

Alunos e professores do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), juntamente com instituições parceiras, realizam a segunda edição do Congresso Multiprofissional de Cuidados Paliativos do Piauí. O evento ocorre de 05 a 07 de maio no auditório da Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da UESPI, localizada no centro de Teresina.

O evento contará com palestras, sendo ministradas por pesquisadores que são referências em Cuidados Paliativos, minicursos, vivências, mesa redonda, apresentação de trabalhos científicos, apresentações culturais, stands, premiações e sorteios. As atividades são direcionadas a estudantes e profissionais da área da saúde.

Os profissionais que possuem foco e atuação em cuidados paliativos oferecem assistência para os pacientes que se encontram nas últimas fases de uma doença, que não pode mais ser curada. Essa área se centra na qualidade e não na duração da vida para que os pacientes possam viver o mais confortavelmente possível e com a máxima qualidade.

Rafael Coimbra, aluno do 10º período do curso de enfermagem e um dos idealizadores e organizadores do evento, destaca que o Congresso surgiu em 2019 como “Simpósio Multiprofissional em Cuidados Paliativos” e, desde então, tem como um dos principais objetivos discutir a temática, que ainda é pouco debatida durante a graduação e/ou em eventos científicos.

“Precisamos discutir mais sobre a disseminação dos cuidados paliativos, que são cuidados centrados na pessoa e objetivando a melhora da qualidade de vida e alívio do sofrimento dos pacientes com doenças graves que ameacem a continuidade da vida e seus familiares”, finaliza.

Confira a programação

Projeto de Extensão da UESPI visa aprimorar os conhecimentos em Neurociências entre os alunos

Por João Fernandes

Professora e alunos do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), do Centro de Ciências da Saúde (CCS – FACIME), desenvolvem o projeto intitulado “Projeto de Extensão em Neurociências – PROENE”. A iniciativa surgiu em 2017 e, desde então, os trabalhos são voltados em aprimorar os conhecimentos em neurociências, o que é fundamental para atuação segura e qualificada na prática profissional.

De acordo com a professora de Enfermagem e coordenadora do Projeto, Profa. Dr. Anneth Basílio, o Projeto, inicialmente, visa contemplar assuntos teóricos e assim buscar o aprimoramento do conhecimento técnico científico dos discentes na área neuropsicológica, desta forma, o projeto oferece amplos benefícios e possibilidades não somente para a comunidade acadêmica, como também para a comunidade externa. 

“As atividades do projeto são essenciais no sentido de fazer uma imersão nas neurociências, já que estas pesquisas dialoga com áreas interdisciplinares como, por exemplo, com a neuropsicológica, neuroeconomia e neurogenética com conteúdos indissociáveis com comunidade acadêmica”, destaca a professora.

A coordenadora do Projeto explica ainda que os estudos das neurociências são de suma importância, pois esta é a área que se ocupa em estudar o sistema nervoso, visando desvendar seu funcionamento, estrutura, desenvolvimento e possíveis alterações que sofra. 

Alunos que integram o PROENE

A discente Victoria Vasconcelos, aluna do 5º período, destaca que área de atuação do projeto busca aprimorar o conhecimento teórico multidisciplinar e transdisciplinar dos conteúdos de anatomia, farmacologia no âmbito neurológico, distúrbios do sistema nervoso, exames neurodiagnósticos, bem como as ramificações desses conteúdos e suas atualizações. Para ela, estes são assuntos de extrema importância especialmente para alunos dos cursos de saúde.

“Posso afirmar que a realização do projeto abre diversas oportunidades aos alunos, não só discentes da UESPI, como de outras IES, que buscam aprimorar esse conhecimento das neurociências. Nossas atividades representam um passo importante para que a prática da equipe de Enfermagem e Psicologia possa ter mais segurança e qualidade, e com isso, a capacidade de disseminar esse conhecimento para que possam ser compreendido diversos aspectos funcionais”, comenta a aluna.

Enfermagem Parnaíba: LISAC promove minicurso “A Enfermagem na Prevenção e Promoção de Saúde da Criança”

Por Anny Santos

A Liga Acadêmica de Saúde da Criança (LISAC) do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, promove o minicurso “A Enfermagem na Prevenção e Promoção de Saúde da Criança”, no dia 06 de maio.

O período de inscrição se estende até o dia 5 de maio, de forma online. Com certificado de 10 horas, o minicurso será dividido em duas partes e nos turnos manhã e tarde. A primeira será ministrada pela Me. Gisele Bezerra com o tema “Identificação de Riscos e Prevenção de Acidentes na Infância”. Já a segunda parte será ministrada pela Pediatra Melícia Spindola, com o tema “Triagem neonatal”.

Sendo totalmente presencial, no próprio campus, o evento é aberto aos discentes e profissionais da saúde. O minicurso tem como objetivo ampliar o conhecimento dos graduandos e profissionais sobre a prevenção e promoção de saúde da criança, conforme afirmou o Vice-presidente da LISAC, aluno do 8° período, Samir Torres. “Convidamos todos os interessados nessa área a fazer parte desse momentos de compartilhamento de conhecimento”.

Dentre os inúmeros benefícios, o evento ressaltará a importância da criança ter suas necessidades atendidas. Toda a rede, que envolve desde a família aos profissionais de saúde que a acompanhará,  deve compreender essa responsabilidade e desenvolver práticas promotoras do desenvolvimento integral.

Confira o Instagram @lisac_uespi

II Semana de Enfermagem Unificada

Por Giovana Andrade

Os cursos de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), dos Campi de Floriano, Parnaíba, Picos e Teresina, apresentam a II Semana de Enfermagem Unificada em alusão ao mês que é celebrado o Dia Internacional da Enfermagem.

O evento acontecerá nos dias 12 a 19 de maio de forma hibrida e é voltado para os acadêmicos de enfermagem da UESPI, mas incluirá também os profissionais de enfermagem e a comunidade científica.

A segunda edição da Semana de Enfermagem Unificada contará com palestras, mesas redondas e minicursos trazendo discussão para os acadêmicos e profissionais de áreas afins sobre o força da enfermagem para a saúde brasileira, destacando as condições de trabalho nos diversos cenários de atuação, a valorização do trabalho da enfermagem, o marketing social e suas aplicações na promoção da saúde, os caminhos e percursos da Enfermagem do Piauí e atividades teórico-práticas, que abordará temas como neonatologia, primeiros socorros, cardiologia, estomaterapia, dentre outros.

As atividades gratuitas do evento, as palestras e as mesas redondas por transmissão remota, tudo terá a carga horária de 30h. Os participantes do evento remoto poderão, ainda, realizar até cinco minicursos presenciais, com carga horária de 10h cada, o que totalizará uma carga horária máxima de 80h.

INSCRIÇÕES:

As inscrições para os participantes serão gratuitas e acontecem através do site do evento até o dia 12 de maio. E para os minicursos só serão realizadas em contato com os monitores (Para verificar disponibilidade de vagas e realizar as inscrições, consulte a organização do evento por meio das redes sociais, contatos disponibilizados logo abaixo ou na sede dos campi.)

CONTATOS DE MONITORES DOS MINICURSOS:

PICOS – PI

Larissa Alencar: (89) 9 9436-9399

Marcela Leal: (89) 9 9925-7447

FLORIANO – PI

Cintia Silva: (89) 9 9427-0332

Maísa Almeida: (89) 9 99416-9815

PARNAIBA – PI

Natacha Gomes: (98) 9 8582-4915

Ana Paula: (86) 9 9815-6499

MINICURSOS

Campus Professor Barros Araújo – Picos

  • Reanimação do recém-nascido 34 semanas em sala de parto
  • Monitorização residencial da pressão arterial: Indicação de protocolo
  • Noções básicas de primeiros socorros
  • Teoria e prática da coleta e interpretação da gasometria arterial
  • Enfermagem em estomaterapia: Avaliação e tratamento de feridas

Campus Josefina Demes – Floriano

  • Prevenção e manejo não farmacológico de dor em recém-nascido
  • Atualizações e diretrizes em Ressuscitação Cardiopulmonar
  • Linhas de cuidado do AVC e infarto
  • Sistemas de Informações na Atenção Básica
  • Enfermagem em Estomaterapia: Avaliação e Tratamento de feridas.
  • Dilemas éticos e bioéticos na Enfermagem

Campus Alexandre Alves Oliveira – Parnaíba

  • Minicursos anunciados em breve

Campus Torquato Neto – Teresina

  • Minicursos anunciados em breve

Centro Acadêmico de Enfermagem da UESPI em Parnaíba promove minicurso sobre boas práticas em imunizações

Por Vitor Gaspar

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), no campus Prof. Alexandre Alves de Oliveira em Parnaíba, recebe o minicurso “Atualização e Boas Práticas em Imunizações”, entre os dias 29 e 30 de abril, de forma presencial destinado aos acadêmicos e profissionais de Enfermagem, como também para o público em geral.

FAÇA A SUA INSCRIÇÃO AQUI

O prazo para a inscrição já está aberto e segue até 28 de abril. O minicurso está sendo ofertado pelo Centro Acadêmico de Enfermagem Solange Feitosa (CAENSF) e será ministrado pela Profa. Vanessa Poleana com o objetivo de proporcionar capacitação aos acadêmicos e profissionais da enfermagem para que eles mantenham-se atualizados e adotem boas práticas em imunizações.

Segundo o Presidente do Centro Acadêmico e estudante do 8° bloco, Samir Fernandes,  o curso pode contribuir de diversas formas para a comunidade acadêmica e para a comunidade externa da UESPI. “A imunização é uma das principais frentes de atuação da enfermagem e por estar em constante atualização é preciso que os profissionais e acadêmicos também estejam em conformidade com essas mudanças. Nesse sentido, o curso proporcionado por nós contribuiu para garantir um atendimento mais eficaz na imunização”, finaliza.

Algumas das principais razões pelas quais é importante que os profissionais de enfermagem mantenham-se atualizados e adotem boas práticas em imunizações incluem a segurança do paciente, a efetividade da vacina, a prevenção de doenças e da responsabilidade legal dos profissionais. Para falar sobre isso, a Profa. Vanessa Poleana, que irá ministrar as aulas, destaca que o assunto “imunizações e sala de vacinas” é um tema que se movimenta constantemente devido as modificações de esquemas, inovações técnicas que costumam ocorrer no mínimo uma vez ao ano, o que demonstra a importância da capacitação contínua de todos os profissionais envolvidos nas diferentes etapas dos processos implicados nas imunizações, sendo fundamental para o sucesso das estratégias de vacinação.

“A Uespi é uma instituição que tenho muito apreço e foi berço para mim nesses 10 anos de experiência em salas de vacinas e segue sendo para tantos outros profissionais, então, é com imensa satisfação que venho mais uma vez ministrar o curso de atualização de sala de vacinas com base em minhas vivências e participações nas jornadas nacionais de imunizações anteriores que, via de regra, participo. Um curso de abordagem teórico prática que traz como proposta unir informações do Programa Nacional de Imunizações e Setor Privado para melhor qualificar o participante do curso”, finaliza.

O curso vai dar certificado de 20h para os participantes e acontece no sábado pela manhã, (29/04) de 8h ás 12h, e pela tarde, de 14h às 18h. No domingo (30/04), o evento acontece somente pela manhã no mini auditório do campus e terá como bônus uma visita técnica à Clínica Santa Teresinha no município de Parnaíba.

O processo de inscrição é feito via preenchimento do FORMULÁRIO, no valor de R$ 18,00 para estudantes da UESPI, R$ 20,00 para estudantes de outras instituições e R$ 25,00 para profissionais.

Enfermagem Parnaíba: Projeto de Extensão visa promoção da saúde de cuidadoras informais de pessoas idosas

Por Anny Santos

Professora e aluna do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, desenvolvem o Projeto de Extensão “Promoção da saúde de cuidadoras informais de pessoas idosas dependentes: uma necessidade urgente”.

A iniciativa nasceu a partir da tese de doutorado da Coordenadora do projeto, Profa. Dra. Cleidiane Brito, que visa promover adoção de comportamentos promotores de saúde de cuidadoras informais de idosos dependentes, através da aplicação de um plano de ação embasado no Modelo de Promoção da Saúde (MPS) de Nola Pender, em que será aplicado nas Estratégias de Saúde da Família do município de Parnaíba.

Segundo a Coordenadora, trata-se de uma capacitação dos acadêmicos de enfermagem para aplicarem na prática o MPS de Nola Pender, enfermeira norte americana que criou a teoria da qual origina o modelo que permite traçar um plano de ação de promoção da saúde de forma compartilhada, onde ciência e saber popular se unem na busca de um bem comum, qual seja a promoção de um estilo de vida mais saudável e um melhor estado de saúde para as cuidadoras informais.

“Enquanto enfermeira e pesquisadora, vivenciei que as teorias, geralmente, não são aplicadas na prática e me inquietou o fato de termos estudos científicos já comprovados que não são utilizados pelos profissionais devido à inexperiência. Assim, quis trazer essa minha vivência exitosa para os acadêmicos de Enfermagem”, ressalta.

De acordo com Marília Martins, aluna do 5° período e bolsista do projeto, os discentes que participam são estimulados a produzirem estudos para agregar à comunidade acadêmica. Além disso, as ações visam contribuir para a melhoria de saúde de cuidadoras informais de idosos, que por vezes são negligenciadas dentro do cuidado. Dessa forma, as ações tratam desde hábitos de vida, como alimentação saudável e atividade física, a espiritualidade e a interação social.

“Este é o primeiro projeto de extensão que participo e está sendo uma experiência única. Creio que agregará nos meus conhecimentos e em minha percepção sobre o cuidado e a promoção da saúde, tendo impacto direto na minha formação acadêmica e profissional”, destaca a aluna.

O projeto é composto pela professora coordenadora, a discente bolsista e colaboradores que formam uma equipe multidisciplinar em saúde (enfermeiros, dentista, nutricionista e médico), além de contar com outros 20 alunos.

Abertas as inscrições para participar da Liga Acadêmica de Saúde Integrada à Mulher da Uespi

Por Giovana Andrade

A Liga Acadêmica de Saúde Integrada à Mulher (LASIM) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, comunica que no período de 16 a 20 de fevereiro acontecerá as inscrições para o processo seletivo  de acadêmicos de Enfermagem, Fisioterapia, Serviço Social, Psicologia, Nutrição e Odontologia.

A Liga atua no ensino, pesquisa e extensão e tem como finalidade o desenvolvimento, a promoção e a difusão de conhecimentos acerca da área de Enfermagem em Saúde da Mulher, contribuindo, assim, para a formação acadêmica e profissional dos discentes a ela vinculados. A Liga funcionará em horário extracurricular, com reuniões mensais, em dias pré-determinados. Além disso, serão desenvolvidas atividades práticas.

No total, 15 vagas serão oferecidas para membros efetivos, sendo elas preenchidas pelos estudantes selecionados na primeira e segunda etapa. Sendo 1 vaga destinada para cada curso, Fisioterapia, Serviço Social, Psicologia, Nutrição e Odontologia. As demais vagas serão para o curso de Enfermagem. Os novos membros participarão da LASIM durante um ano, a partir do dia da homologação do resultado final. Os participantes que apresentarem frequência e participação adequadas, segundo o estatuto da LASIM, receberão certificado ao fim deste período.

A discente Letícia Alves, Presidente da Liga e discente do 8° bloco de Enfermagem, destaca que LASIM é um projeto de extensão universitário, que agrega muito no conhecimento teórico-prático dos participantes, pois proporciona aos ligantes práticas em diversos campos de atuação no município de Parnaíba, desde a rede municipal à estadual, nos setores escolares, da atenção básica e hospitalar. “Além disso, iremos promover ensino de pesquisa, que irá auxiliar os discentes na produção e publicaçõão de artigos em simpósios, congressos e revistas, além de outras atividades em sala de aula, com professores convidados e palestrantes, agregando ainda mais para os currículos dos discentes”.

O processo seletivo se dará pelo envio da carta de intenção de acordo com as recomendações presentes no edital. A Carta de Intenção consiste em uma redação livre que deve contemplar aspectos como habilidades, qualidades, experiências, interesse na área, expectativas enquanto membro da LASIM e quaisquer informações que os candiadatos achem pertinente, além do currículo lattes atualizado. A carta de intenção deve ter, no máximo, duas páginas, texto com fonte Times New Roman, tamanho 12 e espaço 1,5 entre linhas. Esta deverá ser enviada em PDF.

Inscrição:

Poderão se inscrever para membros efetivos, acadêmicos do curso de Enfermagem, Fisioterapia, Serviço Social, Psicologia, Nutrição e Odontologia de qualquer Instituição de Ensino Superior de Parnaíba e que estejam cursando regularmente suas atividades acadêmicas.
-Requisitos mínimos para o curso de enfermagem: ter cursado a disciplina: Saúde da mulher I e está cursando a partir do 5° período.
– Requisitos mínimos para o curso de fisioterapia: está cursando a partir do 7° período.
– Requisitos mínimos para o curso de Serviço Social, Psicologia, Nutrição e Odontologia: está cursando a partir do 5° período.

As inscrições serão feitas do dia 16 até dia 20 deste mês através do preenchimento do formulário Google Forms.

O resultado final será divulgado nas redes sociais da LASIM no dia 22 deste mês.

EDITAL COMPLETO

 

Pós-Graduação em Estomaterapia oferece atendimento gratuito a pacientes com estomia

Por Vitor Gaspar

O curso de Pós-Graduação em Estomaterapia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS) e a Residência em Coloproctologia desenvolvem um mapeamento para atendimento de pessoas com estomia no Piauí.

A equipe de voluntários responsável pelos atendimentos

 A estomia consiste em uma cirurgia realizada com objetivo de construir um caminho alternativo de comunicação com o meio exterior para eliminar a urina ou as fezes, assim como auxiliar na respiração ou na alimentação. O procedimento cria o estoma, um orifício, na parede abdominal ou na traqueia de maneira definitiva ou provisória. A cirurgia é feita para auxiliar a pessoa que tem câncer, sofreu acidente, nasceu com problema ou tem alguma doença  inflamatória intestinal e doença de Chagas, segundo a Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo

As pesquisas detectaram que existem pacientes com estomia em todo o Estado e que ao mesmo tempo, a maior parte dessas pessoas não se deslocavam até o Hospital Lineu Araújo localizado no centro de Teresina, que é o polo de atendimento especializado para esse tratamento. Nesse sentido, os pesquisadores descobriram que esses pacientes, em sua maioria, possuem câncer de colo retal, muitos são idosos e residentes de municípios mais distantes.

A partir disso, foi solicitada uma parceria juntamente com a Fundação Municipal de Saúde (FMS) para que esses atendimentos fossem realizados no Hospital Lineu Araújo com as avaliações de todos os pacientes, sendo realizadas pelos estudantes da Pós e também da graduação. Inicialmente, esse processo juntou cerca de 1.700 pacientes e atualmente, segue com aproximadamente 1.200 pessoas sendo tratadas, segundo a coordenação da Pós-Graduação em Estomaterapia.

Equipe e paciente durante atendimento

A Profa. Dra. Sandra Marina, Coordenadora do curso, conta que saiu uma portaria municipal no qual informava que a coordenação faria esse recadastramento e, a partir disso, foram recrutados alguns alunos que, voluntariamente, se mostraram dispostos a fazer esse processo. Um time com cinco alunas foi criado para fazer a avaliação inicial.

“Essa avaliação foi feita com procedimentos de remoção da bolsa de estomia, orientando o corte adequado, passando algumas informações importantes e nisso alguns pacientes foram selecionados para retornarem em outras consultas. O diferencial desse projeto é que ele é único que tenho conhecimento onde existe uma parceria com outra instituição e com o programa de Residência, que se propõe a fazer um recadastramento e uma avaliação de todos os pacientes”, afirma a docente.

Durante o processo outro fator importante foi a realização do mapeamento, onde foram identificadas que uma grande parcela dessas pessoas são de cidades do interior e até mesmo de outros Estados que recebem bolsa no Lineu. Foram identificados muitos pacientes com corte inadequado, hastes que já poderiam ter sido retiradas há muito tempo e essas questões confirmam a  importância dessa avaliação e da necessidade de capacitação, principalmente da atenção básica e dos enfermeiros que atuam nos hospitais públicos.

Mais um registro da equipe

Entre os estudantes que contribuíram nesse projeto estão os da graduação. Um deles foi Iaggo Figueiredo, do 8º Bloco, que contribuiu, principalmente, na alimentação dos dados coletados. Segundo ele, o paciente chegava para a consulta com as enfermeiras pós graduandas em estomaterapia e, a partir do instrumento de avaliação (que envolvia aspectos sociodemográficos e relacionados ao estoma – tipo de estoma, características, efluente etc), a ficha era preenchida. Essa ficha era digitalizada em uma planilha que constava o mapeamento de todos os pacientes que passavam por essa avaliação.

“A partir do mapeamento desses estomizados atendidos nesse período é possível termos uma base não só das principais causas que levam as pessoas a adquirirem uma estomia. Além disso, é possível perceber quais as complicações mais comuns, as condutas mais adequadas em relação às bolsas coletoras e materiais adjuvantes. E um aspecto que pudemos destacar foi a quantidade de pacientes que vêm de outras cidades até a capital para serem atendidos. Com isso evidenciado, nosso trabalho pode servir de base para políticas públicas com objetivo de descentralizar o atendimento ao paciente estomizado e criar centros por todo o Estado”.

Estudante da pós, Isabel Rocha, participou do projeto e conta que sua contribuição se deu na coleta de dados nos prontuários, avaliação e orientação aos pacientes. Além da melhora do atendimento, o acolhimento foi fundamental. “Poder ver imediatamente que o atendimento mudou e melhorou aquela vida não tem preço. Foi uma experiência rica, cresci muito como profissional e como ser humano, tanto que continuamos ainda como voluntárias. E nosso objetivo é também de descentralização para que os pacientes possam usufruir de seus direitos em seus próprios municípios, pois muitas vezes, a maioria, não tem condições para deslocamento até Teresina e ficam sem o material”, finaliza.

CONFIRA MAIS REGISTROS:

 

Projeto de extensão da UESPI promove educação sexual na terceira idade

Por Giovana Andrade

Docentes, discentes e egressos do curso de Bacharelado em Enfermagem, campus de Parnaíba, desenvolvem projeto de extensão “Ações Educativas sobre sexualidade e infecções sexualmente transmissíveis para idosos no município de Parnaíba“.

De acordo com Aline Miranda, bolsista do projeto e aluna do quinto bloco de enfermagem, a ação foi pensada a partir de experiências das discentes durante os estágios curriculares na Atenção Básica, onde observou-se nas idosas um desconhecimento de como o climatério afeta o corpo delas, atingindo não somente o ciclo menstrual, mas aspectos psicológicos e a saúde sexual como um todo.

“Esse quadro foi evidenciado por relatos de conflito nos relacionamentos amorosos devido a diminuição drástica da libido. Já os idosos expressaram hábitos errôneos no tratamento da hipertensão por efeitos colaterais da medicação anti-hipertensiva, preferindo evitar o remédio por receio de que interferisse na potência da ereção em seus encontros sexuais, colocando-os assim em risco de complicações”.

A aluna ainda destaca a criação de um Instagram do projeto (@proj.edsidosos) que tem a finalidade de agir como um disseminador das informações, assim como um meio para acabar com o tabu em torno da temática. “A plataforma também funciona como um portfólio das ações permitindo o armazenamento dos registros das reuniões de estudo, elaboração dos materiais e encontros que ocorrerão no decorrer do projeto”.

Segundo o Prof. Dr. Gustavo Mello, orientador da atividade, o objetivo do projeto é realizar educação em saúde voltada para o tema da sexualidade e das infecções sexualmente transmissíveis na terceira idade, por meio de palestras educativas, rodas de conversa e metodologias ativas. “A ideia é fortalecer o vínculo com os participante do projeto, o que permitirá identificar e esclarecer as principais dúvidas, além de fornecer, de forma compreensiva, informações importantes acerca do tema”.

A ação será realizado no SESC – Beira Rio e será  ministrada pelos discentes que participam do projeto, com a colaboração de egressos do curso de enfermagem da UESPI, Campus de Parnaíba, com a supervisão do Prof. Dr. Gustavo Mello e dos professores Maria Solange Leopoldo Feitosa e Joelson dos Santos Almeida.

Confira a equipe do projeto:

 

Projeto de Extensão da UESPI incentiva a promoção da saúde mental nos ambientes de formação escolar

 

Por Anny Santos

Professores e alunos do curso de Bacharelado em Enfermagem da UESPI, campus Prof Alexandre Alves Oliveira, em Parnaíba, desenvolvem o projeto de extensão “Toda Vida Importa: Estratégias de Intervenção Para Prevenção do Suicídio na Infância e Adolescência em Escolas de Parnaíba-Pi”.

Segundo o Prof. Joelson Santos, Coordenador do projeto, trata-se de ações estratégicas de prevenção ao suicídio na infância e adolescência em escolas do município de Parnaíba, Piauí. O projeto visa promover, por meio de metodologias ativas com intervenções sobre a saúde mental do público alvo, um diálogo aberto com os gestores, professores e pais dos alunos.

De acordo com o docente, essa iniciativa nasceu em meio a pandemia da Covid-19, onde os alunos perceberam, nos relatos de amigos, conhecidos e familiares, a necessidade de um projeto que tivesse por premissa a promoção da saúde mental nos ambientes de formação escolar. O projeto conta com mais 20 discentes de diferentes áreas, como Enfermagem, Odontologia, Filosofia, Ciências Sociais e outros.

Nesse sentido, a missão do projeto é, de fato, identificar junto à escola possíveis casos para orientar quanto a busca da assistência psicológica em dispositivos de atenção básica e saúde mental em nosso município, afim de promover o acesso aos serviços de saúde pela comunidade parnaibana. Contamos com a colaboração de psicólogos, cirurgião-dentista, enfermeiros e outros profissionais”, ressalta.

Para Samir Torres, bolsista do projeto, Presidente do Centro Acadêmico de Enfermagem (CAEnf) e aluno do 8° período do curso de Enfermagem, o projeto possui uma abordagem multidisciplinar e não foca somente na temática do suicídio, como também diálogos sobre depressão, ansiedade, problemas familiares, acadêmicos, técnicas de relaxamento e muito mais. “Nosso foco é de fato a valorização da vida”.

Samir da Rocha Fernandes Torres, aluno bolsista do projeto

Samir da Rocha Fernandes Torres, aluno bolsista do projeto

O projeto teve como idealizadora a Dra. Thatiana Araújo Maranhão, professora do curso de Enfermagem do campus. Para aqueles que participam como membros do projeto, a experiência possibilita desenvolver habilidades didáticas e de comunicação muito relevantes para o crescimento profissional. Além disso, poder levar informação qualificada é uma maneira de devolver à sociedade o que é produzido, em termos de conhecimento, dentro da universidade.

“Este será meu segundo ano no projeto. Em 2022, fui voluntário, porém, em 2023, serei o bolsista. Me lembro bem a gratidão dos alunos ao fim do projeto no ano que findou, ensinei e aprendi. Em período pós-pandêmico, a saúde mental passou a ser ainda mais importante, precisamos abordar o tema”, finaliza o aluno.

Aluna de enfermagem da UESPI desenvolve projeto de pesquisa para descoberta de novos medicamentos

Por Clara Monte

A discente Lais Alves de Sousa do décimo período do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Dra. Josefina Demes, desenvolveu um projeto de pesquisa pela Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) focado em peptídeos de plantas medicinais.

O projeto se trata da busca de futuras medicações por meio da análise e estudo de peptídeos de plantas medicinais através da quebra de sequências peptídicas e, caso necessário, mutações, podendo criar uma vasta diversidade de substâncias com possível potencial terapêutico.

Discente Lais Alves de Sousa na apresentação do projeto de pesquisa

A aluna conta que foram usadas como fonte de estudo 22 plantas medicinais (a maioria nordestinas) e destas, duas plantas forneceram potencial para uma fórmula antibiótica e antifúngica; e a outra fórmula quimioterápica e antibiótica.

“Essa pesquisa tem como objetivo contribuir para a busca de novas tecnologias de produção e descoberta de medicamentos, devido ao atual problema de resistência antimicrobiana, na qual muitos medicamentos não têm mais efeito para várias doenças infecciosas. Isso resulta em custos altos para o sistema de saúde, internações prolongadas, extrema pobreza e muitas mortes de pacientes. No projeto, buscamos por novos medicamentos com baixo potencial para a resistência. Estamos falando de uma nova esperança para o combate a resistência microbiana e seus agravos à saúde pública mundial”, diz a pesquisadora.

Peptideos com potencial antimicrobiano encontrados na pesquisa
Fonte: PEPFold

O estudo foi desenvolvido sob orientação do docente Dr. Rodolpho Glauber Guedes Silva, graduado em Ciências Biológicas. Ele fala que foi sua escolha o tema estudado e destaca a importância de uma pesquisa na área de bioinformática.

“Escolhi esse tema, pois acho muito interessante o estudo em uma área que pouco se é aprofundada, resultando em uma projeto de interdisciplinaridade. Tive sorte de ter uma aluna dedicada e muito curiosa que aceitou embarcar nessa. Além disso, o que antes precisaria de toda uma infraestrutura laboratorial para a testagem de proteínas, fungos e bactérias, na pesquisa nós usamos um baixo custo de estudo, pois é usado computadores para testes virtuais, ou seja, nós utilizamos a tecnologia atual para dar um guia na nossa análise, o que é muito estimulante e inteligente para chegarmos a resposta se uma molécula tem ou não potencial”, conclui o professor.

Discente Lais Alves de Sousa e seu orientador Dr. Rodolpho Glauber Gudes Silva

O projeto começou a ser desenvolvido quando a aluna estava no oitavo período e, agora, a discente afirma o desejo de continuar pesquisando na área e o interesse em novas parcerias. “Queria parceiros para estender, principalmente, para testagens in vitro. Além disso, quero tentar o mestrado de biotecnologia pela Uespi também”, finaliza a aluna.

Campus de Picos: curso de Enfermagem tem avaliação positiva

Por Géssica Feitosa

O curso de bacharelado em Enfermagem, Campus Professor Barros Araújo, Picos, foi avaliado nos dias 11 e 12 de janeiro, pelo Conselho Estadual de Educação. os principais pontos abordados pela Comissão foram os aspectos didático-pedagógicos, que estão de acordo com as diretrizes curriculares nacionais; a infraestrutura que, apesar de precisar de adequações, contempla o processo de ensino-aprendizagem. 

Avaliação do curso de enfermagem, no campus de Picos

Para a Professora e Coordenadora do curso de enfermagem, Gerdane Celene, a avaliação foi positiva e mesmo com algumas ressalvas quanto a estrutura, nada impede a troca de ideias e conhecimentos entre o corpo docente e discentes. Para a professora isso foi o ponto de destaque que chamou a atenção da equipe avaliadora. “O curso foi bem avaliado e é reflexo do trabalho e empenho dos professores e discentes. Os avaliadores ainda destacaram o corpo docente como ponto forte do curso, pois se mostraram coesos e empenhados para melhorar a qualidade do curso”, afirmou.

A avaliação de um curso superior trata-se de um ato administrativo para a revalidação do curso, o que significa conceder a permissão para continuar a oferta de vagas pela Instituição de Ensino Superior. Essa avaliação acontece a cada 5 anos e tem como objetivo fiscalizar a qualidade dos cursos universitários.

A preparação de todos que fazem parte do curso (administrativo, docentes, técnicos e discentes) para receber essa a Comissão Avaliadora é contínua, pois inclui todo um processo de trabalho inerente à dimensão didático-pedagógica, ao corpo docente e à infraestrutura. São disponibilizados dados do curso ao longo dos últimos anos, como informações dos alunos matriculados e daqueles que já concluíram, as produções científicas, número de projetos de pesquisas e extensão cadastrados, além do número de bolsistas, monitores e outras informações.

Além da Coordenadora do curso, Professora Doutora Gerdane Celene, participaram das reuniões a Diretora do Campus, Professora Doutora Mariluska Macêdo, o núcleo docente estruturante, os docentes e discentes do curso de enfermagem.

A aluna Gabriela Ferreira está no 2° período de enfermagem e participou de toda a avaliação do curso. Ela diz que é importante, mesmo ainda no início do curso, participar de eventos que podem ajudar no desenvolvimento do curso, além de saber um pouco da história, daquilo que já foi produzido antes dela chegar. “A avaliação foi positiva e a gente vê o empenho da instituição em buscar melhorias. A avaliação vai auxiliar todos que fazem parte do curso a buscar um caminhos de melhorias  e isso é importante para nós que estamos chegando. diz Gabriela.

Já Rayla Sousa já está do 7° período e mais próximo de finalizar o curso. Para ela foi muito relevante o curso receber uma avaliação positiva, porque isso vai repercutir no seu currículo e na boa imagem do curso para a sociedade.

“Na verdade, eu achei a avaliação muito boa. Fizeram muitas perguntas sobre o curso e eu senti que a Comissão estava muito dispostas a ouvir os discentes. Perguntaram muito sobre as nossas próprias demandas, como a necessidade de um laboratório para um casamento perfeito entre teoria e prática. Na minha percepção, nós conseguimos preencher muito dos requisitos que elas tinham comentado da gente com relação a iniciativa de projetos de extensão, de escrita científica, e do interesse mesmo dos próprios alunos, e dos professores. Foi importante essa questão do reconhecimento do curso, porque é um critério muito importante para nós em processos de seleção de mestrados e doutorado”, finalizou Rayla Sousa.