UESPI

Brasao_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Governo-do-Piauí-2023_300X129

Comunidade acadêmica de Floriano apresenta projeto de lei que inclui a Capoeira como disciplina

Por Clara Monte

O professor Robison Pereira, sociólogo, e alunas do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, apresentaram, na última segunda-feira (04), um novo Projeto de Lei à Câmara Municipal: a inclusão da Capoeira como disciplina no currículo escolar.

O professor idealizador do projeto, Robison Pereira, acredita que a inclusão da Capoeira no currículo escolar é uma ideia importante. Ele parte do princípio de que, ao analisar a cultura afro-brasileira, a Capoeira se destaca como uma expressão cultural e esportiva afro-brasileira única, que combina elementos de arte marcial, dança e música. Ele explica que a Capoeira é vista como um símbolo de combate e resistência, desempenhando um papel significativo na identidade cultural brasileira. Além disso, é reconhecida mundialmente como uma prática que une esporte e arte, incorporando elementos das diversas etnias africanas e originais do continente africano.

Para ele a inclusão da capoeira no currículo escolar traz muito ensino e aprendizagem tanto para os estudantes, quantos aos professores, porque pode contribuir para a saúde, transmite uma nova cultura, observa-se o desenvolvimento de companheirismo e o respeito entre os participantes, além de ser um esporte que envolve luta e musicalidade. Além disso, o idealizador destaca que desenvolvimento cognitivo das crianças é um dos grandes benefícios da capoeira.

“A experiência do grupo ABADÁ Capoeira reflete que o desenvolvimento cognitivo das crianças é um dos grandes benefícios da capoeira. Por exigir atenção, disciplina e ritmo, a prática tem o potencial de melhorar o desempenho na vida escolar, já que as crianças ficam mais focadas em suas atividades. As nossas pesquisas nos levam a compreender que a capoeira pode ser uma ferramenta de inclusão, significativamente possível de ser trabalhada na escola e nas aulas de educação física, pois nela se abrange além da cultura corporal outros aspectos artísticos, culturais e esportivos que contribuem para esse fim”.

A iniciativa seguirá o protocolo interno da Câmara passando por todos os Vereadores no plenário, onde os projetos são aprovados. Após a aprovação, o projeto seguirá para o prefeito, que terá a responsabilidade de sancioná-lo e colocá-lo em prática.

 

O encontro pedagógico “Subprojetos em evidência” do PRP visitou os campi de Oeiras, Picos e Floriano

Por Giovana Andrade

O evento pedagógico denominado “Subprojetos em evidência” foi uma iniciativa que reuniu as diversas licenciaturas do Programa Residência Pedagógica (PRP) da UESPI, visando compartilhar os projetos desenvolvidos em cada campus. As visitas técnicas tiveram início no Campus Profa. Dra. Josefina Demes – Floriano com o Subprojeto de Letras Português, depois passaram pelo Campus Prof. Possidônio Queiroz – Oeiras com o Subprojeto de Pedagogia e encerraram no Campus Prof. Barros Araújo – Picos com o Subprojetos de Letras Português e História. Esses encontros ocorreram nos dias 24 e 25 de agosto e contaram com a presença da Coordenadora Institucional, Profa. Dra. Kátia Magaly Pires Ricarte, docentes orientadores, preceptores e residentes de cada Subprojeto.

Imagem do evento em Picos.

Imagem do evento em Picos.

Imagem do evento em Picos.

Durante as visitas foram compartilhadas as experiências adquiridas ao longo do programa, sendo essas experiências refletidas à luz dos conceitos metodológicos e didáticos propostos pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2018). A importância da postura profissional e do alinhamento com os objetivos e princípios do PRP foram ressaltados, além da promoção da formação técnica e da conexão com a realidade de cada região.

Esses encontros presenciais ofereceram ao público a oportunidade de compreender a história e os objetivos da residência pedagógica, culminando na apresentação das atividades e projetos desenvolvidos pelos diferentes cursos. A integração de conhecimentos e práticas educacionais nas escolas de campo, bem como por meio dos relatos de experiências, evidenciou o progresso e a contribuição do programa na formação inicial dos professores.

Também foram discutidos conceitos voltados para o desenvolvimento de uma educação crítica emancipatória, visando envolver os docentes em formação, preceptores e alunos da educação básica. A proximidade entre os Subprojetos dentro do mesmo campus promoveu maior corresponsabilidade, estimulou abordagens multidisciplinares e interdisciplinares, além de criar espaços específicos para discussões e a exploração de diversas metodologias.

Imagens do evento em Oeiras.

Imagens do evento em Oeiras.

Segundo coordenadora Institucional, Profa. Dra. Kátia Magaly Pires Ricarte, através desses encontros presenciais, a teoria e a prática, fundamentadas na proposta do programa Residência Pedagógica, foram integradas ao avaliar as contribuições diretas e indiretas provenientes das atividades desenvolvidas até o momento. A oportunidade foi aproveitada para reforçar a importância da imersão docente e da relevância das vivências nos três pilares da educação: ensino, extensão baseada em projetos e pesquisa.

“As percepções docentes “novas” dentro da sala de aula e em relação à comunidade, a interação e inovação metodológica, a incorporação de aspectos de formação psicossocial e científica nos conteúdos de cada Subprojeto, o respeito pelas diferenças e a partilha de experiências do primeiro módulo até o presente momento, continuaram sendo pontos fortes das discussões”.

A análise das atividades realizadas até o momento do evento reafirmou a importância significativa desse programa para o processo de formação inicial docente, para a qualidade dos profissionais formados, para as metodologias aplicadas e para o currículo construído pelos futuros educadores desta instituição de ensino superior.

Imagens do evento em Floriano.

Imagens do evento em Floriano.

 

Floriano UESPI: Coordenação do curso de Letras Português organiza Semana Nacional de Letras entre os dias 22 e 25 de agosto

Por Giovana Andrade

A Coordenação do curso de Letras Português do campus Josefina Demes da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em Floriano, está organizando a Semana Nacional de Letras, que acontecerá no auditório do próprio campus, entre os dias 22 e 25 de agosto.

O evento será híbrido, pela manhã, com palestras online e, tarde e noite, com a programação presencial. As inscrições para os ouvintes devem ser feitas até o dia 15 de agosto e para os participantes quem irão submeter trabalho até o dia 10 de agosto, ambos, via formulário online. O evento contará com palestras, mesas redondas, minicursos, apresentações de comunicações e apresentações artístico-culturais.

A Coordenadora do curso e organizadora, Tarcilane Fernandes,  explica que a ideia partiu de um desejo como coordenadora do curso de oferecer no campus um evento acadêmico grandioso, que oportunizasse aos discentes participarem diretamente de todo o processo de articulação e organização. “Junto comigo, tem mais três estudantes participando da organização, o Tharlisson Costa Sousa, a Michele Barros e Maria das Dores Ozório. E tem os demais discentes ajudando na logística do evento. Nosso evento, híbrido, permitirá a participação de pessoas de outros lugares e possibilitará também uma diversificação maior de palestras e conferências. A prova disso é que nossa Semana contará com pesquisadores do Piauí, dos campi da UESPI e da UFPI, de outros estados (São Paulo, Rio de Janeiro) e de outro país, como a palestra que teremos da Dra. Helena Topa Valentim, da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)”.

Ainda de acordo com a Coordenadora, os discentes terão protagonismo no evento, além de estarem envolvidos em todo o processo organizacional, com a criação de páginas nas redes sociais e sites, eles também estarão à frente de muitas atividades artístico-culturais que terá na Semana, como a apresentação de músicas, recitação de poesias e a dramatização da peça teatral piauiense “Raimunda Pinto, sim, Senhor”. “Fizemos parcerias com hotéis da cidade, que oferecerão hospedagem a preços acessíveis e a Universidade disponibilizará um ônibus para conduzir os estudantes que virão de fora até o local do evento”.

Sobre a Inscrição

O evento é voltado para discentes e professores, sobretudo da área de Letras (linguística, literatura) e pedagogia, porém, qualquer pessoa que se interessar pode participar.

Valor da inscrição: $ 30,00 com direito à participação no evento e a um minicurso. Ao concluir sua inscrição e efetuar seu pagamento, você deve enviar o comprovante de pagamento para o e-mail: semananacionaldeletras@gmail.com e aguardar a confirmação da sua participação.

Todos os pagamentos devem ser feitos para a seguinte conta bancária: Agência 3178-x / C. Corrente 212336-3, via transferência bancária, ou via pix com a chave e-mail tarcilanefernandes@frn.uespi.br

Para quem for participar apenas da parte online receberá certificado de 16h mais o certificado de apresentação de comunicação pra quem for apresentar trabalho, para quem participar da forma online e presencial, receberá certificado de 56h mais o certificado de apresentação de comunicação pra quem for apresentar trabalho.

Confira as Diretrizes para escrita e envio do resumo

Após a apresentação dos resumos os organizadores do evento entrarão em contato com os participantes para a publicação dos mesmo pela a editora da instituição com o ISBN.

Neste link você confere a programação do evento ou através do Instagram @semanadeletras.uespi.

 

 

Feliz aniversário para a cidade de Floriano

A Princesinha do Sul, nossa querida Floriano, está de aniversário.
São 126 anos de história, de conquistas, de progresso e nós da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) somos gratos à cidade e aos florianenses pelo carinho e pela parceria visando sempre a formação de qualidade e desenvolvimento do município, da região e do Estado.

Parabéns, Floriano!

Comunidade acadêmica de Floriano promove o 4° Torneio de Vôlei para alunos e comunidade externa

Por Clara Monte

A Comunidade acadêmica do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, promoveu o 4° Torneio de Vôlei para alunos e comunidade de cidades vizinhas, no último sábado (01) e domingo (02), na quadra de esportes da instituição. A organização do torneio ficou por conta dos professores, coordenadores e discentes do curso de Educação Física.

Coordenadores do Evento

 

4° Torneio de Vôlei

O Professor organizador, José Carlos de Sousa, explicou que o Torneio é uma atividade de extensão ofertada pela disciplina de Metodologia do Ensino de Voleibol, que ele ministra. Para o docente, o intuito do projeto é promover o exercício entre a teoria e a prática da disciplina, além de possibilitar a vivência do voleibol por parte da comunidade acadêmica  e da sociedade em geral adepto do esporte.”O desejo é estimular nossos alunos a se tornarem profissionais qualificados para que, no futuro, eles promovam eventos como este em instituições públicas e privadas do ensino básico ou treinamento do voleibol. E sendo mais específico, ainda possibilita observar e refletir sobre as práticas pedagógicas no ensino desse esporte (Práticas Pedagógicas como Componentes Curriculares), através dessa oportunidade de campeonato”.

4° Torneio de Vôlei

 

4° Torneio de Vôlei

Um aluno organizador e participante do torneiro, Lucas Christian Oliveira dos Santos , conta que para convidar times de fora da universidade foi criado o  Instagram do projeto, onde divulgaram as inscrições para o torneio. Ele explica que cada competidor escrito teve como valor de participação 1kg de alimento, com o intuído de ajudar famílias carentes do lixão da cidade de Floriano.

Entrega dos alimentos

“O evento contou com uma série de contribuições para minha vida. Desde da minha formação acadêmica, que me proporcionou colocar em prática todos os ensinamentos aprendidos em sala de aula sobre o vôlei, como para a socialização entre os discentes com comunidades e times de cidades vizinhas. Além disso, nosso projeto também pensou em colaborar com a sociedade, pois com os alimentos arrecadados, ajudamos as pessoas que mais precisam dentro da nossa cidade. Para finalizar, colaboramos com a inclusão dentro do esporte, pois tivemos um competidor autista. Tudo isso serve de aprendizado e lição para todos nós”, finalizou o aluno.

Confira mais fotos do campeonato:

 

 

 

 

Comunidade acadêmica de Floriano promove III Seminário de Treinamento Desportivo: Não precisa ser Einstein

Por Clara Monte

Comunidade acadêmica do Curso de Educação Física da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, realizam o III Seminário de Treinamento Desportivo : Não precisa ser Einstein.

Professores palestrantes do III Seminário de Treinamento Desportivo : Não precisa ser Einstein

O evento aconteceu na última sexta-feira (30), sobre a Coordenação dos professores Aureliano Machado de Oliveira e José Carlos de Sousa, juntamente com os  alunos do bloco IX do curso de Educação Física.

Alunos do curso de Educação Física organizadores do evento

A oportunidade contou com uma série de palestras, mesa redonda, atividades educativas e serviços como: IMC, aferição da pressão arterial, relação cintura-quadril, bioimpedância, teste de força, teste de flexibilidade e informativo nutricional.

Serviços oferecidos após as palestras

O professor organizador, Aureliano Machado de Oliveira, contou que o evento foi ofertado à comunidade acadêmica como um todo, aos funcionários da instituição, assim como para as pessoas de fora da UESPI. O docente explica que o principal intuito foi promover a pesquisa científica no âmbito do exercício físico.

“Nós tivemos várias palestras com temas importantes para nosso alunado, como iniciação científica ao mestrado, iniciação científica e formação continuada, possibilidades de atuação do pesquisador e da pesquisa do âmbito da instituição de Ensino Superior e Iniciação Científica durante a formação acadêmica. Todas essas foram palestradas dos professores que incentivam a pesquisa na área da educação física”.

Comunidade acadêmica presente no evento

Um dos palestrantes, professor Dr. Francisco Leonardo Torres Leal, abordou diversos ensinamentos relevantes sobre a importância da Pós-graduação na área da Educação Física.

“Em minha contribuição, destaquei como a obtenção de um título de pós-graduação, como mestrado e doutorado, pode trazer benefícios significativos para a carreira profissional na área da Educação Física. Comentei sobre a presença de diferentes grupos na Pós-graduação brasileira, como mulheres, negros e a implementação do sistema de cotas. Também pude falar sobre a importância da diversidade e inclusão na academia, na qual abordei a distribuição de profissionais com doutorado tanto em centros urbanos, quanto em regiões do interior e expliquei como a obtenção de um título de pós-graduação pode impactar positivamente na renda das pessoas”.

Comunidade acadêmica do Curso de Educação Física participantes do seminário

Para uma das alunas representantes do evento, Joseane Sousa, foi um prazer participar do seminário enquanto uma das organizadoras. A discente explica que, juntamente com sua equipe de colegas de turma, teve como função fazer o gerenciamento do seminário, como: patrocínio, palestrantes, recursos e outros.

“Esse evento foi muito importante enquanto acadêmica, pois nos deu oportunidade de atuar enquanto organizadores de um evento. Aprendi, acima de tudo, a gerenciar uma equipe grande, com características diferentes; a gerenciar problema e sempre procurar uma solução. Além disso, aprendi também a confiar mais nos outros e a distribuir responsabilidades. Tenho certeza que todo esses aprendizados me acompanharão ao longo da minha vida acadêmica e profissional”.

Para mais informações acesse o Instagram do projeto.

Confira mais fotos:

 

 

 

 

 

 

 

Campus de Floriano promove palestra sobre formação de professores e de intérpretes de libras

Por Clara Monte

Nesta sexta-feira (26), a comunidade acadêmica de pedagogia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, promovem a palestra: Formação de Professores e de Intérpretes de libras. 

A ação está ligada ao projeto Curso de Extensão: Saberes pedagógicos, que tem como objetivo fornecer conhecimentos práticos e relevantes na área da Pedagogia, tendo como convidados  docentes especialistas preparados para apresentações dos conceitos mais atualizados. A ação permite aos discentes a oportunidade de conhecimentos remodelados sobre as tendências de ensino.

Os docentes, Wallace Filemon e Lucelia Mateus Lima, são os convidados para a mesa redonda. A oportunidade acontece no Auditório do campus Dra. Josefina Demes e conta com uma série de palestras interativas, estudos de casos práticos e projetos orientados, objetivando a ampliação de saberes para a aplicação na vida fora da academia.

O professor, Wallace Filemon, destaca seu contentamento em participar de um projeto que visa a ampliação de saberes aos alunos, e explica quais temas serão abordados em sua palestra.

“Basicamente hoje nós vamos falar sobre a libra de sinais, que é a minha profissão. Como desde cedo essa carreira desperta em mim, vou poder contar um pouco da minha trajetória nesse ramo, explicando o que passei para poder trabalhar nisso. Acho muito importante esse tipo de ação, pois na palestra vou falar sobre os desafios e aprendizados que enfrentei e adquiri, desse modo, posso interagir com os alunos, dando sugestões e dicas de como atuar na área”, finaliza o docente.

Para mais informações sobre o projeto acesse: @uespicapedfloriano

 

 

Campus de Floriano: Curso de Extensão “Saberes pedagógicos”

Por Clara Monte 

Comunidade acadêmica de pedagogia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Dra. Josefina Demes, em Floriano, promovem Curso de Extensão: Saberes pedagógicos.

Professora Sheila Borges, e os alunos organizadores das palestras.

O programa de extensão foi projetado para fornecer conhecimentos práticos e relevantes na área da Pedagogia. Com participação de especialistas preparados para apresentações dos conceitos mais atualizados, o evento permitiu os discentes terem ciência de conhecimentos remodelados sobre as tendências de ensino. A ação teve início no dia 03 de maio, com a organização dos próprios alunos do curso de pedagogia, e conta com uma carga horária de 40h.

Docentes palestrantes

A docente idealizadora do projeto, Sheila Borges, explica que os eventos acontecem apenas no horário da noite para garantir mais acesso as Atividades Curriculares Complementares (ACCs) dos discentes desse turno. “A maioria dos eventos acontecem durante o dia, mas nossos alunos dos últimos horários acabam não tendo a oportunidade de participar, assim, pensei nesse curso de extensão que atendesse a demanda desses discentes. Já tivemos muitas palestras interessantes e vamos promover mais novidades nos próximos períodos”.

Comunidade participativa do evento

Durante o curso, os alunos aprimoram seus conhecimentos com uma série de palestras interativas, estudos de casos práticos e projetos orientados, objetivando a ampliação de saberes para a aplicação na vida fora da academia.

Comunidade participativa do evento

Os organizadores do curso criaram um Instagram para mais informações, acesse: @uespicapedfloriano

Dia do pedagogo

Dia 18 de maio, foi comemorado o dia do Pedagogo. No auditório da universidade em Floriano, aconteceu palestras com vários convidados sobre a temática:  Pedagogia nos diversos campos de atuação. O evento foi mais uma ação ofertada pela organizadores do Curso de Extensão: Saberes pedagógicos.

 

Palestras que já aconteceram: 

 

 

 

 

Campus de Floriano recebe equipamentos tecnológicos para a promoção do ensino

Por Clara Monte

Nesta quarta-feira (03), a Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, recebeu a entrega de equipamentos para aperfeiçoamento tecnológico do ensino.

De acordo com o Reitor da UESPI, Evandro Alberto, foram entregues notebooks, computadores, impressora, monitores e nobreaks, com o intuito de modernizar tecnologicamente o campus.

Entrega dos equipamentos tecnológicos

“Já aviamos inaugurado o novo laboratório de informática no campus de Floriano e, agora nós estamos trazendo mais equipamentos para modernizar a forma de ensino para os alunos. A missão é continuar firme nessa linha, reafirmando a responsabilidade com a educação da universidade, indo de acordo com o foco em tecnologia do Governo do Estado”.

O investimento dos novos equipamentos partiu de uma emenda parlamentar do Deputado estadual do Piauí, Marden Menezes, que já vinha afirmando seu compromisso com a instituição colaborando em outros campi.

Deputado Estadual, Marden Menezes e o Reitor da UESPI, Evandro Alberto

“Investir na UESPI é investir nas cabeças pensantes que vão construir um Piauí melhor. Nós já ajudamos outros campi da universidade, como o de Piripiri e de Teresina e, agora, trazendo esses equipamentos para o de Floriano. Além disso, também já anunciamos que será construída a praça com uma academia em frente a esse campus, com uma parceria com a prefeitura da cidade, com nossos recursos de ementas parlamentares e o município de Floriano”. Além da praça e da academia,  o Deputado Marden Menezes também se comprometeu em destinar recursos para a aquisição de dez datashow para a instituição.

A Diretora do campus, Profa. Ariete Ferreira, agradeceu os novos investimentos que seu campus está recebendo e se mostrou feliz pelos avanços conquistados. “A nossa comunidade de Floriano se encontra muito alegre e extasiado de felicidade, essa entrega só vem agregar ao nosso trabalho, melhorando a qualidade de ensino”.

Equipamentos entregues

 

Nossas mulheres, nossa UESPI: “As mulheres precisam de outras mulheres na condição de gestoras, que conduzam as decisões entendendo o universo próprio de ser mulher”

Por Anny Santos e Géssica Feitosa

Em Março comemora-se o Dia Internacional da Mulher, data símbolo das conquistas femininas do passado mais também representa a luta diária por justiça, igualdade e valorização. Em alusão a temática, a Ascom, durante toda a semana, fez matérias especiais sobre o protagonismo feminino na nossa UESPI e com repercussão na sociedade.

Nessa última matéria da campanha “Nossas Mulheres, nossa Uespi”, particularmente, você conhecerá um pouco mais sobre a história das personagens entrevistadas e os desafios de se estar em cargos de gestão na universidade, fazendo a diferença e contribuindo para a oferta de um ensino público qualificado para a população piauiense.

A UESPI possui 64 coordenadoras, 22 diretoras, 3 pró-reitoras e 3 pró-reitoras adjuntas. Isso confirma o crescimento da presença feminina atuando em cargos de gestão e liderança, um movimento diverso daquele tradicionalmente verificado na sociedade até agora. Ainda é perceptível a formação histórica voltada para um ambiente originário masculino, contudo, as mulheres conquistam cada vez mais espaço e protagonismo, como explica a Profa. Ester Castelo Branco, Coordenadora do Núcleo Permanente Interdisciplinar em Direitos Humanos (NUPIDH).

“Historicamente falando, o início da modernidade traça o perfil de uma mulher ainda muito envolvida no círculo familiar. Nesse período a eficiência e a autonomia ainda eram atribuídas ao homem, contudo o trabalho feminino passa a se ampliar, propiciando uma dupla jornada feminina. A inteligência e a sensibilidade da mulher proporcionam uma condição de melhor resposta social as pressões recebidas, como podemos perceber, há um aumento no surgimento e formação de boas gestoras, empresárias e até políticas”, destaca.

Os desafios da dupla jornada feminina

Adriana Ferro, Coordenadora do Curso de Pedagogia da UESPI, de Piripiri, iniciou na Docência Superior em 1996 como Professora substituta na UESPI. Já em 1998, passou a atuar em cargos de gestão na instituição. Ao longo de quase 27 anos como Docente (no ensino público e privado), 25 anos deles esteve também na gestão acadêmica.

Adriana Ferro, Coordenadora do Curso de Pedagogia da UESPI de Piripiri

Adriana Ferro, Coordenadora do Curso de Pedagogia da UESPI de Piripiri

Para ela é muito importante que mulheres ocupem os espaços de decisão, podendo ter suas vozes refletidas por outras mulheres, que entendem os desafios enfrentados pela luta feminina. A docente conta, ainda, que a jornada dobrada, em razão da maternidade e das obrigações domésticas, é uma realidade melhor compreendida por quem também vivencia essas demandas e precisa equilibrar, com sabedoria, os afazeres do trabalho sem descuidar de outras obrigações igualmente ou mais relevantes em suas vidas.

“Ser mulher no mundo do trabalho ainda é um desafio. As mulheres ainda precisam, muitas vezes, trabalharem mais para obter o mesmo reconhecimento de seus pares masculinos nas mesmas funções, mas, entendo que muito já foi desbravado, apesar de longo ainda ser o caminho a ser percorrido para que o espaço feminino seja mais leve”, pontua.

A professora destaca dois desafios enfrentados no início de sua trajetória, como o fato de, por ter pouca idade, sua competência era colocada em dúvida; e no início da maternidade, sendo mãe de gêmeos, na primeira gestação, e trabalhando até o dia em que foi internada na maternidade. Ela conta que retornou assim que findou a licença.

“Foi um desafio ser mãe de dois bebês, ser professora, ser gestora e ser dona de casa. Diante de tudo que mencionei, sobre os desafios do equilíbrio de gênero no mundo do trabalho, as demandas plurais da maternidade e da própria feminilidade, as mulheres precisam de outras mulheres na condição de gestoras, de mulheres acolhedoras, compreensivas, que conduzam as decisões entendendo o universo próprio de ser mulher”, finaliza.

Gestão feminina e potencialidades

Esses espaços ocupados por mulheres são apenas um reflexo de uma mudança que pode estar ocorrendo a passos pequenos, mas que marca um avanço no mundo do trabalho, principalmente na contribuição para a educação piauiense, no que se refere a gestão feminina.

A Pró-Reitora Adjunta da Pró-Reitoria de Administração e Recursos Humanos (PRAD), Rosineide Candeia de Araújo, aborda sua trajetória ao iniciar uma caminhada repleta de desafios, que foram enfrentados com determinação, coragem e confiança, acreditando sempre em si mesma e em seu potencial.

“Quando me formei em Agronomia formavam-se mais homens do que mulheres nessa área e esse foi meu primeiro desafio, pois nunca desisti de realizar meus objetivos. O sentir empoderada como mulher e como profissional é estar incluída na tendência global de fortalecimento, alcançando espaços cada vez mais amplos que na maior parte eram destinadas aos homens”.

Hoje, ocupando um cargo de gestora na universidade, a docente pontua que se depara com desafios e dificuldades que são vencidos pelas relações bem definidas, sem levar em conta a questão de gênero. “Vejo que em nossa instituição, a UESPI, não há diferenciação de gênero, tanto no relacionamento como em questões salariais. Somos todas e todos valorizados e por isso nossas relações pessoais e profissionais são tão prazeirosas”, finaliza.

Anarlete Ursulino, Diretora do campus de Uruçuí, acredita que a gestão feminina é essencial para estabelecer a igualdade de gênero dentro de uma universidade e, assim, contribuir para a igualdade na sociedade. Segundo ela, ainda que mulheres enfrentem muitos obstáculos, todas possuem total capacidade técnica e comportamental para lidar bem com as demandas de um cargo de gestão.

“As mulheres estão condicionadas a lidar com as adversidades que podem surgir desde cedo em suas rotinas. As gestoras femininas tendem a ser mais empáticas, pois o ato de se colocar no lugar do outro e atentar mais ao lado humano são aspectos que fazem parte da realidade feminina. É importante destacar que a educação transformou a minha vida, pois através dela pude ser inserida no mercado de trabalho e tive a oportunidade de estar contribuindo para a melhoria da sociedade, formando profissionais capacitados e qualificados”.

A mulher como gestora: desempenho e leveza

“A mulher como gestora merece ter os seus direitos, pois esse papel de gestor não é só do homem. A mulher está valorizando esse lugar quando ela atinge esse espaço e eu penso que o seu desempenho é com mais leveza”, destaca a professora e Pró-reitora da PREG, Mônica Gentil.

Atualmente é Pró-reitora de Graduação e professora do curso de Letras da UESPI, no Campus Professor Barros Araújo, em Picos. Mônica Gentil está no magistério desde 1988, tendo ingressado quando ainda fazia Faculdade de Letras Português e Francês na Universidade Federal do Ceará (UFC).

Profa. Mônica Gentil

Profa. Mônica Gentil

A Pró-reitora Mônica relata que alfabetizou do ensino médio ao superior vem educando desde então. A professora conta que em 1997 prestou o concurso para o Estado do Ceará e ingressou como servidora e trabalhou até 2006, com suas duas experiências em escolas particulares e públicas. Depois desse período, ela ficou ensinando apenas na escola pública onde exerceu também a função de Coordenação Pedagógica e de Direção de Escolar, prestando concurso para a UESPI somente em 2012, sendo lotada no ano de 2014.

Enquanto professora desde a faculdade, educadora e também gestora em diferentes momentos de sua vida profissional, a Professora Mônica Gentil fala da realidade da mulher num cargo mais elevado na sociedade e enfatiza que esse espaço não é somente para homens. 

“Quando a mulher exerce um papel de gestão, ela está se comprometendo com a sociedade. No caso da UESPI, com todo corpo docente, discente e técnicas, eu penso que é uma forma da mulher ser valorizada pela sociedade a exercer um papel que por muito tempo estava dispensado apenas para os homens”, finaliza a Pró-reitora.

Mulheres, conquistas e soluções de problemas sociais

“A educação sempre foi a base propulsora da minha vida. Com ela, pude galgar caminhos de vitória! Estar desempenhando um cargo na gestão superior me engrandece como profissional e como ser humano. Entendo que, enquanto mulher, a conquista desse espaço profissional nos fortalece diante das convivências e das soluções dos problemas sociais”, expressa Maria Pessoa.

Profa. Dra. Maria Pessoa da Silva

Profa. Dra. Maria Pessoa da Silva

A professora e doutora Maria Pessoa da Silva é, atualmente, Diretora de Campo Maior. Ela conta que sua trajetória profissional começou bem cedo, dando aulas para o ensino básico e só então é que ingressou na Universidade Estadual do Piauí.

“A minha trajetória profissional iniciou-se em 1988, quando ministrei aula durante 10 anos para o ensino básico, anos após ingressei na UESPI, em 1997, para cursar biologia no Campus Heróis do Jenipapo, em Campo Maior. Em 2003, já egressa e com duas especializações concluídas no Campus Torquato Neto, paralelamente ministrei aula na UESPI e coordenei o curso de Ciências Biológicas no então Campus de origem. Em 2018, obtive resultado positivo no concurso para professora Adjunta na UESPI”, ressalta.

Profa. Dra. Maria Pessoa da Silva

Profa. Dra. Maria Pessoa da Silva

Mulher, educação e futuro

“A educação é a nossa maior garantia para um futuro promissor. Hoje, com o mundo tão competitivo, temos que nos empenhar para fazer o nosso diferencial e para ter nosso reconhecimento. Sem dúvida, se não fosse a educação e o empenho pelos estudos, eu não estaria onde estou hoje”.

Professora Daniela de Queiroz Ramos Feitosa

Professora Daniela de Queiroz Ramos Feitosa

Daniela de Queiroz Ramos Feitosa, ex-aluna da UESPI, é hoje Coordenadora do curso de Engenharia Elétrica do campus Torquato Neto.

A coordenadora expressa sua felicidade pela confiança e reconhecimento dos colegas de trabalho, principalmente homens, pois exerce hoje um papel importante como o de coordenadora, em um curso como o de Engenharia Elétrica, que, predominantemente, sempre foi coordenado por profissionais do sexo masculino. “Fico feliz pela confiança e reconhecimento, dos colegas de curso (todos homens) em estar desempenhando esta função”.

Mulher, gestão e empoderamento

“Sinceramente, atuar como gestora, empodera homens e mulheres, empodera quem se compromete a realizar um bom trabalho; e ao comprometer-se a visibilidade da ação resulta em conquistas profissionais e conhecimento da pessoal, enquanto gestor e enquanto profissional”.

Artemária Coelho

Artemária Coelho

Artemária Coelho é Diretora do Centro de Tecnologia e Urbanismo, do campus Torquato Neto. A Diretora conta que a educação foi a maior riqueza que seus pais ensinaram, e reforça que esse é de fato o bem mais valioso que os pais podem proporcionar aos filhos.

“A educação é a maior riqueza que um pai pode proporcionar a um filho, foi isso que meus pais me ensinaram e é nisso que acredito. Por quê? Porque a Educação proporciona conhecimento e conhecimento rompe fronteira, quebra preconceitos e paradigmas, o conhecimento te permite chegar a lugares nunca antes imaginados, te permite discordar de forma embasada, te permite opinar, defender. E, por isso, acredito que a educação seja a única forma de um povo evoluir”, destaca.

Artemária Andrade fala sobre a desafiadora tarefa que é gerenciar, mas também cita algumas das inúmeras possibilidades que tem como gestora e de como é possível crescer nessa área. “Gerenciar é uma tarefa desafiadora, ela permite a convivência com pessoas de diversas áreas e diversas necessidades. Gerenciar uma unidade acadêmica possibilita contato com os anseios de docentes e discentes e com a limitação de recursos e a necessidade de desenvolver atividades e buscar melhorias sempre. Quando há dedicação, há alegrias e frustrações, mas é o que nos faz crescer como pessoas e profissionais”.

Combate, equidade e superação

“O empoderamento feminino é uma prática essencial  para apoiar a luta das mulheres no mercado de trabalho, combatendo preconceitos e promovendo a equidade de gênero”, afirma Ariete Benro, Diretora do campus de Floriano.

Ariete Benro

Ariete Benro

Para ela, o empoderamento é essencial para a luta das mulheres no mercado de trabalho. Ela reforça que a educação é o principio de mais importante para qualquer pessoa, sendo o que capacita o ser humano para alcançar seus objetivos de vida.

“A educação é um princípio de suma importância na minha vida, como na de qualquer  cidadão. Representa um valor fundamental transmitido pela família e pela formação escolar e  que também leva em consideração a índole de cada ser. É a educação que me move na  sociedade, através dela pude/posso alcançar todos os meus objetivos pessoais e profissionais,  desde os mais simples aos mais complexos. É a porta de entrada e saída para qualquer situação,  a educação capacita e é o que nos torna mais polido. Por meio dela conseguimos nos conduzir pelos  melhores caminhos, nos comunicar/interagir de forma ética e pacífica, tomar decisões com  senso crítico”, destaca.

Como gestora de ensino superior, a professora Ariete carrrega consigo muitas responsabilidades e também incontáveis experiências, o que a torna uma mulher  empoderada é uma também inspiração. Ela está em sua terceira gestão a frente do Campus de Floriano e conta que essa realidade a proporciona significativo crescimento pessoal e sobretudo profissional.

Ariete Benro

Ariete Benro

“Participar da gestão superior da UESPI na condição de diretora do Campus Dr.ª Josefina  Demes é algo que me concede aprendizados diários em vários segmentos. Estou na minha  terceira gestão à frente da direção da UESPI/Campus Floriano, pelo qual tenho notável apreço!  Administrar tem muito a ver comigo, uma vez que minha formação superior é Bacharelado em  Administração. A oportunidade de assumir a direção deste Campus (por três gestões) me  proporcionou/proporciona significativo crescimento pessoal e sobretudo profissional. Sinto-me  feliz em poder contribuir com a educação do nosso Estado, imprimindo de forma positiva na  sociedade o nome da nossa Instituição e, simultaneamente, ajudando a fortalecer a imagem/o  papel da mulher na Administração”.

Superação é o que as mulheres tem alcançado nos últimos séculos, com todas as lutas e bravezas das quais vivenciam todos os dias em diferentes meios de vida, tanto pessoais quanto profissionais. Apesar de todos os desafios, somos mais do que capazes.

“A presença das mulheres no mercado de trabalho e nos negócios denota a superação,  pois para isso temos vencido uma série de desafios neste meio, como preconceito e as duplas  (ou até triplas) jornadas. A força do trabalho feminino nas grandes empresas, contribui  gradativamente para conscientizar a sociedade como um todo de que somos capazes de  alcançar com competência qualquer posto”, finaliza a Diretora.

Conecta ENADE: Floriano e Parnaíba recebem visitas da equipe técnica

Membros da equipe do Programa Conecta ENADE, da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), estiveram nos campi de Floriano e Parnaíba apresentando o Programa aos Coordenadores, Docentes e discentes dos cursos selecionados a realizarem o Exame, em novembro.

Visitas realizadas em Floriano (imagem de cima), e em Parnaíba (imagem de baixo)

O Conecta ENADE é um projeto permanente proposto pela Administração Superior com o objetivo de preparar a comunidade uespiana para o Enade e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). O programa foi lançado no último dia 29 de setembro para que toda a comunidade, em especial, os discentes possam estar informados sobre as provas do Enade, que irão ser realizadas no dia 27 de novembro para os estudantes dos cursos de bacharelado de Direito, Administração, Ciências Contábeis, Jornalismo, Turismo e Psicologia.

O cronograma de visitas presenciais nos campi que ofertam os curso que farão o Enade começou no dia 04 e seguem até o dia 15 de outubro.

CONHEÇA A EQUIPE DO PROGRAMA

Campus Floriano:

No Campus Dra. Josefina Demes em Floriano, as atividades foram realizadas nos turnos da tarde e da noite, com direito a reunião com Professores e Coordenadores dos cursos do ciclo e oficinas com professores e alunos dos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Direito.

As visitas foram lideradas pelo Prof. Tales Antão, membro da Comissão Técnica do ENADE e diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), além da Prof. Lília Brito da Silva, membro da equipe de Língua Portuguesa, e professora de Letras/Português do campus de Picos.

Com camisas brancas personalizadas do Programa o Prof. Tales Antão e a Prof. Lília Brito

Além disso, o Programa também promoveu duas oficinas interligadas direcionadas aos professores e alunos, sendo uma delas uma oficina sobre o Sistema Nacional de Avaliação de Educação Superior (SINAES), no qual o ENADE está inserido e a Oficina de Língua Portuguesa e Formação Geral e Estrutuação da prova, com os tipos de questões e os distratores para os alunos.

Durante o encontro, o Prof. Joaes Mota, do curso de Ciências Contábeis fez uma avalição sobre a iniciativa promovida pela UESPI. “Acho que é de grande valia essa iniciativa, justamente por estar preparando os alunos que estarão prestando o Enade que é de fundamental importância tanto para o curso, como para a instituição no contexto geral”.

Prof. Lídia Brito durante palestra em sala de aula

Leia Assunção, aluna concluinte do curso de Ciências Contábeis que vai realizar o Exame no ano de 2022 comenta sobre a importância do ENADE para os alunos. “É de grande importância para de certa forma avaliar o curso, apesar de tudo o que passamos durante esse processo de pandemia, mas para provar mais uma vez que a educação e o curso de Contábeis na UESPI é muito bem colocado, passado e muito bem aproveitado para os alunos”, finaliza a discente.

Campus Parnaíba

No Campus Prof. Alexandre Alves de Oliveira em Parnaíba, as atividades foram realizadas no turno da noite, com direito a reunião com a direção, coordenadores e professores do curso de Direito, além de oficinas realizadas junto ao corpo docente e discente.

Prof. Márcia Edilene palestrando para os alunos

Segundo a Prof. Dra. Mônica Gentil, Pró-Reitora Adjunta de Ensino e Graduação (PREG) e membro da equipe técnica do Programa o encontro foi um espetáculo e destacou a participação do Prof. Eyder, Diretor do Campus e da Profa. Maria da Graça, coordenadora do Curso de Direito.

“Após a conversa com os professores de Direito, nos reunimos com os alunos para apresentarmos o Programa e discutirmos a estrutura da prova e as estratégias de leitura e escrita”.

Prof. Mônica Gentil reunida com professores

 

“O Programa Conecta Enade foi recebido, pelo curso de Direito de Parnaíba, como uma proposta essencial ao Enade -UESPI, principalmente porque objetiva ser contínuo e institucional.
Outro valor atribuído ao Programa foi a inclusão de professores-colaboradores dos Campis da UESPI.

Enfermagem UESPI: Egresso desenvolve Boletim Informativo em Parceria com o Hospital Tibério Nunes

Por Vitor Gaspar

Juan Victor, egresso do curso de Enfermagem e Maria Luzinete Rodrigues da Silva, Coordenadora do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Josefina Demes em Floriano, participaram da construção do Primeiro Boletim Informativo do Núcleo de Segurança do Paciente do Hospital Regional Tibério Nunes.

Durante o estágio supervisionado no 9º bloco, a Coordenação iniciou o projeto sugerido pelas coordenações da qualidade e núcleo de segurança, junto a criação do QR Code em virtude do hospital ter dificuldades de registrar fisicamente os indicadores da qualidade e segurança do paciente. Dessa modo, o aluno se propôs em criar uma nova estratégia para monitorar as notificações importantes, como pré-teste e avaliação dessa nova ferramenta estando supervisionados pela coordenação.

O Boletim Informativo apresenta o perfil das notificações dos eventos adversos recebidos pelo Núcleo do Hospital, neste ano de 2022 e tem como objetivo divulgar os indicadores e identificar possibilidades de melhorias para agregar maior qualidade e segurança na assistência ao paciente.

Segundo, Adriana Barros, Coordenadora do Núcleo de Qualidade do Hospital, no início deste ano foi realizado a implantação do novo formato de notificação de eventos, incidentes e queixas técnicas. O novo formulário deixou de ser via manuscrita e passou a contar com uma versão eletrônica de acesso via QR Code disponibilizado nos murais de cada setor, resultado que segundo ela, foi possível graças a parceria o com Curso de enfermagem da UESPI em Floriano.

“Parabenizamos o idealizador do QR Code, o nosso egresso do Curso de Enfermagem Juan Victor, a coordenadora do Curso de Enfermagem Maria Luzinete pela receptividade, a coordenadora do NSP Mohema Duarte e a equipe por todo esforço e dedicação. Estamos muito felizes com essa parceria”.

A criação do QR Code possibilitou a adesão dos profissionais a notificarem eventos que acontecem dentro do hospital e interferem na qualidade e segurança do paciente.

Para a coordenadora do curso de Enfermagem da UESPI, em Floriano, Maria Luzinete da Silva, o uso do QRCODE é anônimo e prático, gerando maior confiabilidade ao profissional, por não criar estigmas relacionados a notificação, além de aproximar os setores assistência do núcleo de segurança.

“O boletim informativo visou a ampla divulgação do que é notificado e os profissionais terem a noção de quais eventos mais acontecem e quais medidas são implementadas para a sua extinção ou diminuição. Aproxima a atual gestão no sentido de melhorar a comunicação e divulgação de ações e projetos”.

No começo de 2022 o NSP (Núcleo de Segurança do Paciente) do Hospital Regional Tibério Nunes realizou a implantação do novo formato de notificação de eventos, incidentes e queixas técnicas. O novo formulário deixou de ser via manuscrita e passou a contar com uma versão eletrônica de acesso via QR Code, que foi disponibilizado nos murais de cada setor.

Segundo Juan Victor, esse resultado foi fruto da parceria do Hospital com o Curso de Enfermagem da UESPI-Floriano. Ele destaca que organizou um e-formulário, conforme orientações das profissionais do hospital, que pode ser acessado por meio de um Código QR, fator facilitador para a notificação por parte dos profissionais.

“A própria plataforma do formulário eletrônico já exportava os dados estatísticos em planilhas e gráficos, que serviram para construção do boletim informativo do Núcleo, contribuindo, assim, para a melhoria da assistência aos pacientes. O Boletim Informativo apresenta o perfil das notificações dos eventos adversos recebidos pelo NSP/HRTN neste ano de 2022”.

Juan Victor, idealizador do QR Code

Bacharelado em Enfermagem

O Enfermeiro atua na rede básica de serviços de saúde; em escolas e creches; em empresas; em hospitais gerais e especializados; em clínicas e ambulatórios; em órgãos de gestão, financiamento e 39 supervisão de saúde; poderá, ainda, atuar no atendimento em domicílio; em casas de parto; em consultórios de enfermagem. Também pode atuar, de forma autônoma, em empresa própria ou prestando consultoria, conforme os Referenciais Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação/Secretaria de Educação Superior.

Alunos de Educação Física estreiam produção artística dentro do II Congresso: FORMA

Por Vitor Manoel

A turma de Metodologia do Ensino da Dança do curso de Licenciatura em Educação Física da UESPI, campus Josefina Demes em Floriano estreia com a produção artística em dança “Caretas Brincantes”, com apresentação marcada para hoje(22) a partir de 12h, dentro do II Congresso Forma com transmissão no canal UespiOficial no Youtube. 

Caracterização artística dos reisados piauienses

O objetivo da realização do Congresso FORMA, projeto de extensão coordenado pelos professores Kácio Santos e Ireno Júnior é celebrar a dança no Estado do Piauí e refletir sobre sua reverberação com outros locais e em diferentes contextos. A intenção da proposta é afirmar a produção formativa, performativa e ativista da dança no Piauí.

Pensando nisso, a apresentação do grupo Caretas Brincantes, segundo o professor da disciplina consiste em uma vídeo-dança marcada pelas múltiplas possibilidades coreográficas que podem ser trabalhadas no âmbito escolar. Deste modo, Caretas Brincantes se propõe a ser um vídeo de dança com elementos cênicos do corpo com seus entrelaçamentos regionais.

Grupo reunido ensaiando para a apresentação

“Este trabalho enuncia experiências vivenciadas pelos intérpretes criadores discentes no componente curricular, Metodologia do Ensino da Dança, do curso, enfatizando, no corpo, as manifestações de uma cultura regional e popular, bem como pela produção de máscaras que simbolizam os caretas do Reisado piauiense como potência criativa e educativa para a escola”, encerra.

Para a aluna Maria Laiele Nunes, aluna do 5° Bloco do curso e participante do evento, participar da construção dessa produção artística “Caretas Brincantes”, foi como descobrir um novo conceito de dança da nossa cultura popular regional. Segundo ela, vivenciar uma cultura que não tinha conhecimento e também outros movimentos que expressavam essa cultura foi bem marcante durante todo o processo.

“Desde o início, na produção das máscaras, no aprender de cada passo da coreografia, que em alguns momentos foram espontâneos e ao mesmo tempo a gente buscava não fugir do objetivo que era retratar o que queríamos abordar, até o fim. Quando vimos o resultado de todo esforço em grupo e do professor Ireno Junior, que nos deu todo o suporte necessário pra ter sucesso na nossa apresentação”.

A discente Priscyla Rodrigues, do 5º Bloco, destaca que o uso da máscara, serve justamente para destacar cultura regional e popular do Reisado. “Tivemos a ideia, justamente porque muitos dos alunos não tiveram essa vivência e o contato com essas características, por isso queremos dar ênfase na nossa cultura popular”, finaliza.

Exposição Internacional “Aprendendo com Anne Frank” entre os dias 20 e 24 de junho

Por Vitor Manoel

O curso de Licenciatura em História da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Dra. Josefina Demes em Floriano, promove a Exposição Internacional: “aprendendo com Anne Frank – Histórias que ensinam valores” entre os dias 20 e 24 de junho.

A exposição é uma iniciativa da Casa Anne Frank de Amsterdam, do Instituto Plataforma Brasil de São Paulo e do Projeto Anne Frank Presente de Teresina-PI e será composta de 03 (três) painéis que apresentam fatos importantes da vida de Anne Frank. O acervo também é composto por réplicas do diário e do anexo secreto, onde ela viveu durante dois anos, 01 (um) óculos de realidade virtual para visualizar os compartimentos da casa, cartelas de racionamento de alimentos originais do período da Segunda Guerra Mundial, fardamento do exército holandês, uma estrela judaica holandesa autêntica, livros e catálogos que contam a  história de Anne Frank e de sua família.

Será organizada para os alunos do curso de Licenciatura em História da UESPI, uma formação como monitores da exposição com direito a certificação no final, com atuação na exposição durante todo o evento. A monitoria é parte de uma série de atividades educativas relacionadas ao tema proposto pelo Projeto Anne Frank Presente, de acordo com a demanda de cada instituição visitada com a exposição. O professor proponente da ação Gisvaldo Oliveira, do curso de história da UESPI de Floriano comenta que a exposição vai destacar a trajetória e a perseguição nazista feita na segunda guerra mundial relatada pela judia Anne Frank.

Programação:

Dia 20 de junho

7h30 – saída para a cidade de Floriano

13h – Montagem da exposição

17h – Formação dos monitores

 

Dia 21 de junho

8h – Palestra de abertura da exposição com o professor Randal Vieira

Temática: Anne Frank: uma vida perseguida ontem, uma história para hoje.

9h – Abertura da exposição

 

Dias 22, 23 e 24 – Visitação

Obs: no correspondente dia 24 (sexta-feira), último dia da exposição na cidade de Floriano, a mesma vai encerrar ao meio-dia.

 

 

 

Turmas do curso de Letras, campus de Floriano, foram recepcionados com sorteio de livros em sala de aula

18 de abril de 2022. Essa data foi comemorada, porque significa o retorno 100% presencial das atividades de ensino na Universidade Estadual do Piauí (UESPI). No campus de Floriano, Josefina Demes, a comemoração em sala de aula do curso de letras foi realizado com o sorteio de 10 livros entre os alunos.

Coordenador Rubens acredita que o retorno presencial precisa ser incentivado para que as atividades de ensino voltem ao seu ritmo dentro da UESPI

Os livros foram levados pelo Coordenador do curso, Professor Rubens Lacerda, e pelo Professor Daniel Ciarlini, e foram sorteados nas turmas de Leitura: teorias e práticas e Literatura afro-brasileira e indígena; Teoria Literária II, Literatura portuguesa II e Literatura Piauiense.
“Considero importante essa forma de recepção aos nossos alunos. Acredito que incentivamos um pouco mais a vinda dos alunos à Universidade, visto que as atividades de ensino ficaram por mais de um ano ocorrendo de forma remota”, destacou o Coordenador.
Para o Coordenador, é relevante que cada docente, cada coordenador, cada membro da UESPI incentive o retorno presencial de forma tranquila, “pois é através dessa modalidade de ensino que conseguiremos um melhor aproveitamento das nossas atividades, proporcionando um ensino-aprendizagem de melhor qualidade”, finalizou.

Campus de Floriano: Professor da Uespi oferta 2° edição de curso básico de programação gratuito

Por Arnaldo Alves

Atenção, comunidade acadêmica. O professor Danilo Borges, do curso Ciências da Computação da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Floriano, realiza a 2° edição do curso “Programação para Todos: do zero ao básico”, de forma online, a partir da próxima segunda-feira (14).

Ao todo estão sendo disponibilizadas 65 vagas. Os selecionados vão aprender a elaborar soluções utilizando lógica de programação, transformar problemas reais em programas de computador, além de desenvolver programas usando o navegador web.

O objetivo do curso é aprender a programar utilizando linguagem de programação javascript do ZERO ao básico que todo programador deve saber. As aulas vão até o dia 25 de fevereiro, de segunda a sexta (18h42 às 19h42), com um total de 10 encontros.

 

De acordo com o docente responsável pela ação, Danilo Borges, o projeto é direcionado a pessoas leigas em programação. Pessoas maiores de 18 anos, que tenham no mínimo o ensino médio incompleto, e o principal: queiram aprender a programar.

“Entender de programação nos dias de hoje está se tornando cada vez mais uma necessidade. Atualmente, programação já está sendo apresentada nas escolas como uma matéria onde o aluno poderá desenvolver melhor a lógica matemática – uma forma de desenvolver soluções para problemas do dia a dia e problemas mais complexos. Este curso vem a possibilitar que toda a comunidade entenda de lógica computacional aplicada na programação para solução de problemas básicos utilizando ferramentas online”, explica.

Inscrições

As inscrições começam nesta quarta-feira (09) e seguem até o dia 11 de fevereiro, através de preenchimento de formulário no site do evento.

O Programação para Todos do ZERO ao Básico é gratuito e oferece certificado de 40h.

#UESPI35ANOS: “Somos mais que uma universidade, somos uma família”, diz aluno sobre estudar na UESPI

Por Arnaldo Alves

Com mais de 18 mil alunos, a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) completa 35 anos nesta quarta-feira (28). Através do Ensino, da Pesquisa e da Extensão, esses discentes estão transformando suas vidas e de muitas pessoas por meio de 29 cursos ofertados em 12 campi.

Qualidade no ensino

Natural de Tocantins, a estudante Daniela Andrisia, atualmente no 10° período, conta que um dos fatores que o levaram a escolher a instituição, foi sempre ter ouvido falar muito bem do curso de Odontologia da UESPI em Parnaíba.

Evento Sorriso vai à Praça |foto tirada antes da pandemia

Evento Sorriso vai à Praça |foto tirada antes da pandemia

“Além de uma universidade, encontrei uma segunda casa e família. Na UESPI temos excelentes professores. Sem dúvidas foi a melhor escolha que fiz. Sou extremamente grata a UESPI por minha trajetória na Faculdade de Odontologia no Piauí (FACOE/UESPI). Aqui temos a oportunidade de participar de vários projetos de extensão como o UESPI ODONTO, Prevenção de Câncer de Boca e Prevenção de Candidíase, participar dessas ações ressignificou muitas áreas da minha vida e aumentou meu amor pelo curso”, aponta.

Proximidade e afeto

Vinícius Coutinho, estudante do curso de Jornalismo do campus de Picos, escolheu a UESPI por ser a mais próxima de sua cidade natal (Patos do Piauí) e por ter laços de afeto com a instituição – sua mãe é formada na UESPI.

Apresentação de um dos artigos publicados

Apresentação de um dos artigos publicados

Atualmente no 6° período, o discente possui 12 artigos publicados, diversas participações em eventos nacionais e projetos da UESPI, além de passagens como estagiário em rádio, Ongs e agência de marketing.

“Inicialmente eu não teria condições de ingressar no ensino privado e também seria complicado ir para um lugar muito distante. A UESPI me trouxe a possibilidade de estudar mais perto de casa o curso que queria e também abriu as portas para várias oportunidades. Hoje trabalho no setor público e continuo realizando minhas atividades acadêmicas de ensino e pesquisa, defendendo que a UESPI esteja cada vez presente no Estado”, relata.

Vinícius no campus Prof. Barros Araújo | foto tirada antes da pandemia

Vinícius no campus Prof. Barros Araújo 

Humanização

A humanização dos egressos da UESPI foi um ponto observado por Juan Victor da Silva antes de ingressar no curso de Enfermagem do campus de Floriano. Segundo ele, essa característica foi fundamental para sua escolha.

“Estou no bloco IX do bacharelado em Enfermagem da UESPI. Tenho muita segurança em dizer que a graduação em Enfermagem mudou a minha vida para melhor. Ensinou-me a olhar o mundo de uma forma mais humana, educou-me para encarar um mundo de incertezas, mas sempre com empoderamento. A graduação de Enfermagem me proporciona momentos incríveis, de muitos aprendizados, de muitas causas e conquistas. De fato, hoje posso dizer que o impacto da graduação em Enfermagem, por meio da UESPI, foi positivo e que minha devoção como profissional honrará essa profissão e a instituição que proporcionou essa conquista”, agradece.

Juan (de óculos) e colegas de estágio | foto tirada antes da pandemia

Juan (de óculos sem a pasta) e colegas de estágio | foto tirada antes da pandemia

Realização profissional

Com premiações e dois livros produzidos, Felipe Oliveira, acadêmico de Administração do campus Poeta Torquato Neto (Teresina), faz parte de um seleto grupo de pesquisadores da área de gamificação no Piauí.

“Estudar na UESPI para mim é mais que um sonho, é a possibilidade de realizar o que eu almejo profissionalmente. Ingressei na universidade em 2018.1, fiquei muito animado com tudo que eu estava conhecendo, eu me sinto muito acolhido por todos os professores, técnicos, profissionais e colegas da UESPI. Somos mais que uma universidade, somos uma família. Gostaria de parabenizar a UESPI por mais um aniversário, que ela possa impactar ainda mais pessoas”, salienta.

Felipe com a camisa do curso de Administração da UESPI

Felipe é pesquisador de Gamificação e representa a UESPI em diversos eventos

Experiências pessoais

A estudante Valtécia Marques, do campus de Corrente, caminha para finalização do seu segundo curso na UESPI, tendo produzido atividades, ações e pesquisas nos programas do PIBEU, PIBID e Residência Pedagógica.

“A UESPI faz parte da minha vida não apenas no sentindo de formação profissional, mas no meu crescimento como pessoa, e na minha evolução como ser humano. Lugar onde tenho adquirido grandes experiências, de aprendizado, formação, e onde tenho conhecido pessoas magníficas, colegas, professores e amigos. Sou formada em Engenharia Agronômica e me encontrei como profissional na Pedagogia. Dentro do curso ampliei meus horizontes e toda a minha visão a respeito do mundo que me rodeia”, disse.

Ação realizada em uma escola de Corrente

Ação realizada em uma escola de Corrente |foto tirada antes da pandemia

Logísticas e qualidade do curso

No último período do licenciatura, o discente Igo dos Santos Reis, atua no Laboratório de História do campus Ariston Dias Lima, de São Raimundo Nonato. Para ele, logística e qualidade do curso foram determinantes para o seu desenvolvimento na licenciatura.

“A minha trajetória na UESPI foi riquíssima, o conhecimento construído ao longo desses anos é para toda uma vida. Os diálogos com professores, colegas, as produções acadêmicas, tudo isso gera um impacto extremamente positivo para mim enquanto futuro mediador do conhecimento no ambiente escolar”, acrescenta.

Igor (camisa polo) com colegas de curso durante o evento UESPI Negra

Igor (camisa polo) com colegas de curso durante o evento UESPI Negra|foto tirada antes da pandemia

Com 35 anos de existência, esse são exemplos de estudantes que escolheram a UESPI para fazer parte da sua trajetória acadêmica e de vida. Eles fazem parte de uma instituição com maior capilaridade do Piauí e que acredita o capital humano como maior transformador da educação pública no Brasil.