Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

Projeto de Extensão da UESPI realiza atividades de acolhimento à crianças indígenas

Por Vitor Gaspar

O Corpo de Assessoria Jurídica Estudantil (CORAJE) está realizando o Projeto de Extensão “Educação Popular e Direitos Humanos”, destinado a crianças indígenas da etnia Warao, que se encontram em abrigos provisórios na cidade de Teresina (PI).

Registros de alguns encontros já realizados

O grupo de extensão da UESPI é formado por 15 estudantes dos cursos de Pedagogia, Direito, Ciências Sociais, História e Biblioteconomia, fazendo parte do Programa Educação Popular e Direitos Humanos, do CORAJE, sob a coordenação da Professora Lucineide Barros (CCECA/UESPI).

A Cáritas Arquidiocesana de Teresina é uma das instituições que está desenvolvendo essas ações e prestando apoio a essas pessoas e, desse modo, convidou o Grupo de Extensão da UESPI à integrar o Projeto denominado “Ciranda Latina”, que vem promovendo diversos diálogos institucionais com a FUNAI, a Defensoria Pública do Piauí, além das Secretarias de Educação de Teresina e do Piauí, que estão buscando ainda neste ano a possibilidade de que seja viabilizada a matrícula escolar dessas crianças e jovens.

Segundo a Profa. Lucineide Barros, coordenadora do Grupo de Extensão, a equipe trabalhou na questão do acolhimento linguístico, com a utilização da metodologia e a perspectiva da educação popular, com o objetivo de contribuir com o aprendizado da língua, dos costumes, dos direitos, dos deveres e para ajudar a aproximar as crianças da etnia Warao da escola oficial. “Nos encontros são acompanhadas as crianças de 4 a 14 anos, devido a cultura indígena é muito difícil separar as crianças de suas famílias, então de algum modo os pais acompanham e participam. Além do mais, temos os educadores da própria etnia que auxiliam no projeto”, encerra.

Mais registros de encontros realizados

Desde o mês de fevereiro e a equipe realiza atividades pedagógicas de acompanhamento e orientação à essas crianças indígenas, oriundas da Venezuela, que desde que chegaram em Teresina, se encontram sem escola e, além disso, têm dificuldade de comunicação e manejo com os costumes e ordenamentos jurídicos locais.

Yasmin Martins, estudante do 6° Bloco de Psicologia, destaca a importância dos estudantes para que realmente tenham acesso ao tripé do ensino, pesquisa e extensão e para que a Universidade possa de alguma forma devolver e estar em contato com a comunidade.

“O projeto de educação popular é um exemplo disso. A nossa luta não é só pra que por meio desse projeto de extensão a gente trabalhe educação popular em conjunto com os indígenas warao que estão aqui em Teresina, mas que eles possam ter acesso a um direito tão básico como a educação regular. Essas crianças e adolescentes precisam ter o direito de frequentar a escola”.

Na dinâmica, são realizados 3 encontros semanais em cada um dos três abrigos, promovendo atividades voltadas à leitura, à escrita e ao compartilhamento de conhecimentos com toda a comunicação envolvendo intérpretes de Espanhol e da Língua Warao, contando com o apoio de educadores sociais da etnia. De 15 em 15 dias acontecem encontros pedagógicos dos educadores para planejamento e discussões sobre as experiências.

Thiago Cruz dos Santos, aluno do 8º bloco de Licenciatura Plena em História, conta que a recepção nos locais acontece sempre de forma amigável e que os abrigados estão em diferentes zonas da cidade. Ele ressalta que todos participam do processo de planejamento e de organização. “Nos abrigos, geralmente a gente realiza as atividades em 3 dias, onde eu trabalho nós fazemos as terças, quartas e quintas. Eles também participam das reuniões de planejamento de 15 em 15 dias também do processo de tomada de decisões”, finaliza o discente.