Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h-1

Curso de História: alunos realizam “Feira do Patrimônio Cultural”

Por Anny Santos

Alunos do curso de Licenciatura Plena em História da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Poeta Torquato Neto, realizaram na última terça-feira (21) a “Feira do Patrimônio Cultural” na Escola Municipal Dep. Antônio Gayoso, localizada na zona norte de Teresina.

A ação é fruto de um projeto idealizado pela professora Viviane Pedrazani, por meio da disciplina de Prática Pedagógica 8, com o intuito de difundir a educação patrimonial e vislumbrar uma valorização do patrimônio cultural de Teresina. Os discentes organizaram salas com encenação das lendas do Cabeça de Cuia e da Num se Pode. Além de salas sobre o patrimônio arquitetônico, alimentação e costumes.

De acordo com a professora Viviane Pedrazani, todos os alunos da disciplina participaram ativamente, sendo divididos em dois grupos, onde cada grupo possuía sob supervisão na escola três turmas do Ensino Fundamental. No total foram trabalhadas seis turmas para a Feira. “Os beneficiados são nossos alunos da universidade, alunos e funcionários da Escola e a comunidade pelo desdobramento da ação que realizamos. O Patrimônio Cultural de Teresina fica melhor conhecido. Assim, ampliamos as possibilidades de preservação”, destaca a docente.

Nádia Aguiar, discente e uma das organizadoras, afirma que foram apresentadas duas lendas teresinenses, Num Se Pode e a lenda do Cabeça de Cuia, encenadas e narradas por alunos do 6° ano. Os alunos do 7° ano ficaram a cargo de apresentar a arquitetura patrimonial de Teresina, como as igrejas e praças que narram a história da nossa cidade, além disso expuseram um varal de fotos antigas mostrando o antes e o depois das nossas praças, palácios, teatro, museus e afins.

Já os alunos do 9° ano apresentaram a culinária da nossa cidade como Patrimônio material/imaterial, nossa Cajuína e todo o seu processo de feitura até a comercialização, assim como o prato típico da região a Maria Isabel.

“A minha experiência enquanto acadêmica foi primorosa e de muito conhecimento agregado, pois acredito que a Educação Patrimonial seja uma temática de suma relevância para a educação básica das nossas crianças. Acredito que nossos alunos precisam partilhar dessa experiência unindo a academia e a escola, a Universidade precisa chegar nesses espaços e levar essas informações até as crianças, fiquei extremamente feliz porque o conhecimento que estamos produzindo na UESPI está atravessando os muros da universidade e atingindo quem realmente nos interessa, os alunos da rede pública de ensino. Eles amaram a Feira, fizeram com muito amor e dedicação e nos discentes também, foi uma experiência única e incrível, estamos felizes com a culminância do projeto”, finaliza Nádia.

Para Pablo Passos, também um dos discentes organizadores, a experiência o fez perceber de perto a interação que os alunos da escola tiveram com o projeto e a dedicação para realizá-lo. Ele afirma acreditar fortemente que os alunos se tornarão bons cidadãos que cuidarão do patrimônio cultural. “Como professor deles eu estou orgulhoso. Como aluno da UESPI me preparei para entrar em sala de aula e quando isso aconteceu utilizei os conhecimentos que aprendi na Universidade e apliquei. Conseguindo assim realizar um ótimo trabalho. Com esse projeto pude adquirir mais experiência e me tornar mais apto a assumir a profissão que eu amo e respeito”.