Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

II Roda de discussão sobre teoria e ensino de história não-eurocêntrica

Por João Fernandes

O curso de História da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus de Parnaíba, realiza  o evento de extensão “Roda de discussão sobre teoria e ensino de história não-eurocêntrica”, a partir desta quinta-feira (10/11). O evento busca novas formas de pensar o ensino de história a partir do conhecimento e contribuições de povos indígenas.

Os encontros são quinzenais, em salas virtuais e ocorrem nas quintas a partir de 19h. O intuito é realizar leituras e discussões voltados para o diálogo interdisciplinar entre antropologia e história no sentido de refletir uma Teoria de História a partir de contribuições de pensamentos de indígenas americanos. 

Para Fernando Botton, professor e coordenador do curso de História, a ideia é que os participantes leiam os textos previamente definidos e que haja diálogos sobre eles, de igual para igual, buscando encontrar novas perspectivas de maneira coletiva. 

“A partir das rodas de discussão, a proposta é refletir sobre teorias da história baseadas nos conhecimentos dos povos ameríndios e, assim, privilegiar o conhecimento dos povos originários do Brasil e criar uma nova concepção de história sem interferências de pressupostos europeus”, contou o professor.

Confira a lista de leituras:

Tim Ingold – Sobre levar os outros a sério; Similaridade e Diferença In. Antropologia: Pra que serve?

Philippe Descola – Outras naturezas, outras culturas. 

Linda Tuhiwai Smith – Imperialismo, história, escrita e teoria. In: Descolonizando Metodologias

Kaka Werá Jecupé – Ayvu Rapita – Os fundamentos do Ser. In: Tupã Tenodé

Eduardo Viveiros de Castro – Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In. A Inconstância da Alma Selvagem.  

Daniel Munduruku – Contos indígenas brasileiros

Davi Kopenawa e Bruce Albert – Desenhos de Escrita; O primeiro xamã. In. A queda do céu. 

Patrícia Perez Morales. Espaço-tempo e ancestralidade na educação ameríndia

As inscrições estão abertas e disponíveis através de uma página do Google formulários.