Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h-1

Curso de Engenharia Civil realiza Concurso de Projeto e Construção de Ponte de Espaguete

Por Anny Santos

O curso de Bacharelado em Engenharia Civil da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), por meio do Departamento de Engenharia Civil do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU), realizou o “Concurso de Projeto e Construção de Ponte de Espaguete”, implementando a ação em forma de um jogo didático com competições acadêmicas referentes as disciplinas iniciais de estruturas.

O projeto de extensão é coordenado pelos professores Wallison Angelim Medeiros, Artemária Coelho de Andrade e Fernando Jufat Cavalcanti da Fonseca, sendo realizado pelos alunos das disciplinas de Mecânica Geral (Projeto de um móbile), Mecânica dos Sólidos I (Projeto e Construção de Ponte Treliçada com Palitos de Picolé) e Mecânica dos Sólidos II (Projeto e Construção de Ponte de Espaguete).

A iniciativa já havia sido desenvolvida pelo Prof. Fernando Jufat Cavalcanti da Fonseca e foi reativado e ampliado ano passado, em 2022, quando o Prof. Wallison Angelim Medeiros assumiu as disciplinas iniciais da área de estruturas (Mecânica Geral e Mecânica dos Sólidos I e II).

Segundo o Prof. Wallison Angelim, motivar estudantes de engenharia nas fases iniciais de seus cursos é um desafio para os professores de engenharia. Críticas à falta de aplicação prática das primeiras disciplinas são comuns. Os alunos têm dificuldades para estabelecer relações entre as disciplinas de Matemática e Física, e a aplicação dos conceitos de engenharia.

“Mesmo nas disciplinas de Mecânica Geral e Resistência dos Materiais, primeiras disciplinas da área das estruturas dos cursos de engenharia, é comum observar alunos desmotivados devido às dificuldades em traduzir conceitos físicos e matemáticos em conhecimento aplicado, levando a altos índices de reprovação. Dessa forma, é fundamental propor atividades alternativas para motivar os alunos”, destaca.

 

No concurso os alunos são estimulados a projetar e construir um modelo de ponte treliçada de 1m de vão e 1000g de massa usando apenas macarrão do tipo espaguete e cola. Os alunos têm que desenvolver todas as etapas de um verdadeiro projeto estrutural. A partir dos conhecimentos básicos de Mecânica e Resistência dos Materiais aprendidos em sala de aula, em conjunto com a criatividade e o trabalho em equipe, os discentes projetaram um sistema estrutural simples de uma ponte.

Observa-se que os estudantes são capazes de elucidar todas as fazer de um projeto, identificando os principais componentes e tipos de pontes, observando com competência os conceitos fundamentais de engenharia estrutural: força, carga, reação, equilíbrio, tração, compressão e torção, verificando ainda como a qualidade de construção afeta o desempenho da estrutura”, finaliza o professor.

O teste de carga ocorreu no pátio do CTU na última terça-feira (10) com a participação ativa dos integrantes da ação, além disso todos os alunos do curso foram convidados a assistir o evento, proporcionando um ambiente de descontração e aprendizado. A competição consegue envolver a comunidade acadêmica nesse momento de descontração e aprendizado, trazendo motivação para todos os alunos. Pode-se dizer que a sociedade em geral também é beneficiada com profissionais cada vez mais preparados e motivados na execução de seus trabalhos.

Para Maria Nair de Sousa Silva, aluna do 5° bloco de Engenharia Civil, o desafio de projetar e planejar a Ponte de Macarrão, a princípio, lhe permitiu tomar decisões fundamentadas em conhecimentos já estudados em sala de aula, uma vez que conseguiram assimilar, em situação prática, os conteúdos ministrados nas disciplinas iniciais de estruturas.

“Posteriormente, na execução, conseguimos fazer análises estruturais de como a estrutura se comportaria quando submetida à carga prevista caso houvesse falha executiva. Assim, entendemos que para que haja o perfeito desempenho da estrutura, o projeto deve ser aliado a uma boa execução. No mais, o Concurso de Projeto e Construção de Ponte de Espaguete foi imprescindível para consolidar todo aprendizado já adquirido até aqui”, ressalta a aluna.