Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

UESPI tem pesquisas científicas sendo realizadas em parceria com a Fiocruz

Colaboração: Yasmim Cunha / Orientação: Profa  Sammara Jericó

O reitor da UESPI, professor Evandro Alberto, visitou, nesta terça-feira (06) ,a estrutura da unidade do antigo Colégio Amazonas, onde hoje funciona o Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) da UESPI em que há laboratórios de vários cursos: educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia e fisioterapia. Os cursos mantêm as suas unidades laboratoriais de pesquisa no colégio porque a estrutura do local conta com diversos espaços específicos para a realização de pesquisas científicas, algumas dessas pesquisas têm parceria com a Fiocruz e outras instituições e são reconhecidas nacionalmente.

O reitor e integrantes da Adm. Superior estiveram Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) da UESPI

‘’Nós fomos conhecer de perto o funcionamento do núcleo e como eles atuam. Ficamos bastante satisfeitos com o que vimos, o núcleo está muito bem preparado e tem nos dado bons resultados para sobretudo na questão das pesquisas, além de fazer uma boa interpelação com outras instituições de forma que as pesquisas têm avançado muito e merece uma atenção e destaque especial, já que abrange tantas áreas do conhecimento e, principalmente, por realizar ali belíssimos trabalhos, que resultam em artigos científicos, dissertações e teses. Isso contribui muito para ampliar o papel da ciência na nossa universidade’’, contou o reitor e sua equipe da Administração Superior.

A visita foi importante para o NPBio, pois os professores e alunos puderam expressar suas experiências relacionadas aos projetos que desenvolvem, bem como aproximar a Administração Superior com o que é desenvolvido no núcleo de pesquisa.

O reitor parabenizou os docentes e todos que fazem parte das atividades no Núcleo e reafirmou seu compromisso com a pesquisa na UESPI

O Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia (NPBio) tem pesquisas sendo desenvolvidas em parceria com a Fiocruz. A professora Simone Mousinho Freire que é doutora em Ciência Animal e egressa da Universidade Estadual do Piauí explica como funciona essa parceria e reforça a importância de linhas de pesquisa com a de medicina tropical: “Alguns trabalhos nós fizemos anteriormente enquanto eu era coorientadora dos alunos de mestrado em medicina tropical da Fiocruz. Como esses alunos já concluíram o mestrado, hoje em dia a parceria com a Fiocruz no meu laboratório ocorre de forma colaborativa.  Como não posso ser mais orientadora, os pesquisadores utilizam o meu material e o espaço do meu laboratório para fazer as coletas para o desenvolvimento das pesquisas dos doutorados deles”.

A professora hoje colabora com quatro doutorandos que estão com trabalhos sendo desenvolvidos com foco na doença de Chagas e leishmaniose. Um grupo de alunos trabalha com triatomíneos, outro com flebotomíneos. Ambos utilizam o laboratório de forma geral, os equipamentos, os reagentes e assim desenvolvem a parte prática da pesquisa deles. “Sempre que precisamos de material, como os reagentes, a Fiocruz fornece, uma forma de simplificar a vida dos alunos, já que em outro viés, eles teriam de ir para o Rio de Janeiro fazer o trabalho deles, as coletas e tudo mais. Com essa parceira, nós tornamos a pesquisa possível, já que para alguns desses alunos a viagem era inviável, principalmente por questões financeiras. Os projetos deles foram desenvolvidos para serem feitos aqui no Piauí ou no Maranhão tomando como base o meu laboratório, sendo ele o polo de desenvolvimento da parte prática dos experimentos dos alunos”, disse a docente.

Atualmente a professora colabora com quatro anos alunos da Fiocruz, nas linhas de pesquisa já citadas, como medicina tropical. Além disso, ela afirmou estar colaborando também com um aluno da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG que trabalha com esquistossomose.  O aluno fará as coletas em Picos, além das análises, também será fornecido a mão de obra que será feita através de alunos do PIBIC, que ainda estão na graduação e irão colaborar com o projeto para auxiliar nesse processo do doutorado.

O núcelo tem laboratórios dos cursos de educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia, fisioterapia.

O núcleo tem laboratórios dos cursos de educação física, ciências biológicas, agronomia, zootecnia, fisioterapia

A estrutura dos laboratórios 

O Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia e Biodiversidade (NPBio) tem uma ampla estrutura de laboratórios de pesquisa e atende alunos de graduação da UESPI, bem como os de pós-graduação desta IES e de outras parceiras. Há também uma sala para a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) e para atender às pesquisas o núcleo conta com o Biotério, uma estrutura que abriga os animais usados nos projetos de pesquisa.

Diversos professores e pesquisadores utilizam a estrutura do NPBio para a orientação e a realização dos projetos de pesquisa científica, principalmente os da graduação que estão realizando a iniciação científica, o PIBIC. Dentre os professores participantes estão: Fabrício Pires de Moura do Amaral, Samylla Miranda Monte Muniz e Pedro Marcos de Almeida, ambos da área de ciências da saúde, a professora Simone Mousinho Freire da área de ciências biológicas e o professor Cícero Nicoline da área de ciências agrárias e muitos outros de diversas áreas.

O Núcleo conta atualmente com os seguintes laboratórios: Laboratório de Cirurgia Experimental, Dor e Inflamação, Motricidade, Parasitologia e Zoologia, Microbiologia de Solos e Plantas, Laboratório de Biologia, e o Laboratório de Biologia molecular e de Estudo de Injúrias Biológicas (LABMINBIO) que realizou o estudo genético do Cajueiro, que foi considerado ser o maior Cajueiro do mundo, ele fica localizado no município de Cajueiro da praia, no litoral do Piauí.

O NPBio dispõe de diversas parcerias, dentre elas estão: FIOCRUZ, IFPI, UFPI, Universidade Brasil, UNIVAP, UFMG e muitas outras. Atualmente o Núcleo realiza pesquisas como: Desenvolvimento de produtos fitoterápicos com extratos vegetais que têm atuação sobre dor, depressão, inflamação, cicatrização de feridas e diabetes; Desenvolvimento de bioprodutos como membranas biológicas e biopolímeros para serem utilizados como enxertos nos processos de cicatrização e reparação óssea.

Pesquisas com Doença de Chagas e Esquistossomose; Pesquisas com ênfase em Fitopatologia, resistência de fungos a fungicidas e virologia vegetal; Pesquisas em genética e genética toxicológica; Desenvolvimento de fármaco a base do flavonoide crisina.