Uespi

Brasão_da_UESPI.512x512-SEMFUNDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Brasao_Pi_h

Especialização em Estomaterapia da UESPI promove “Roda de Conversa: Incontinência Urinária”

Por Anny Santos

Nesta terça-feira (09), a Coordenação da Especialização em Estomaterapia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS), realizou a “Roda de Conversa: Incontinência Urinária” na Unidade Básica de Saúde (UBS) localizada na Vila Bandeirantes, em Teresina.

De acordo com a Coordenadora da Especialização em Estomaterapia e professora da UESPI, Sandra Marina, 30 pessoas estiveram presentes no encontro. Com contribuição da palestrante Doutoranda Elaine Carininy, egressa da UESPI e Coordenadora DO Laboratório de Incontinência (LABINC) do IFPI, a ação tinha por objetivo promover visibilidade ao tema, compartilhando experiências e cuidados para mulheres de diferentes idades.

“A importância da ação é a mulher saber que perder xixi nunca é normal. A maioria que perde fica envergonhada, com baixa autoestima e isso também atrapalha a atividade sexual. A gente não pode achar que é normal, pois não é. É importante conscientizar as mulheres sobre esse tema e tornar o diálogo sobre ele mais frequente. Estamos dispostos a contribuir com o tratamento da incontinência urinária, já agendamos algumas mulheres para darmos continuidade”, pontua a Coordenadora.

A enfermeira da UBS, Tamires Lima, destaca que a ideia da ação surgiu após algumas consultas para realização do exame citopatologico, que foi percebido a queixa recorrente da incontinência urinaria em mulheres de todas as faixas etárias. “O relato da maioria era que muitas vezes deixavam de fazer atividades comuns do seu dia a dia, por conta da perda involuntária de urina, além do uso do absorvente por todo o período que estavam fora de casa. Com isto, juntamente com a estudante que estava me acompanhando, resolvemos levar esta roda de conversa para a UBS”.

Edimária Carvalho, aluna do 10° período do curso de Enfermagem da UESPI foi monitora da disciplina de Estomaterapia, área da enfermagem com que mais se identifica, e destaca que a ação também possibilita dar seguimento no tratamento das pacientes que participaram.

“Agora estou no estágio na atenção básica e lá percebi a importância do conhecimento sobre feridas, estomias e incontinência. Durante o estágio, o que mais chamou a atenção foi a queixa de muitas pacientes sobre a perda de urina, seja ao fazer esforço ou de forma espontânea. Tivemos a ideia de realizar uma roda de conversa e convidamos duas enfermeiras especialista na área para falar mais sobre o assunto e deixar claro que perder xixi não é normal”, finaliza a aluna.